Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

quarta-feira, abril 29, 2009

Chernobyl: O Legado terrível de 23 anos e o balanço


O fotógrafo Igor Kostin descobriu esta criança com deformidade em uma escola especial para crianças abandonadas na Bielorrússia. A foto, foi publicada na revista alemã "Stern", a fotografia apareceu em todo o mundo e a criança foi adotada por uma família britânica. O garoto sofreu várias operações realizadas por um cirurgião britânico e agora a vive uma vida relativamente normal e indo a escola.

Em 26 de abril de 1986, o reator número 4 da central nuclear de Chernobyl explodiu à 1h e 24 min da madrugada. Toneladas de poeira radioativa foram lançadas no ar e transportadas pelo vento, e contaminou o hemisfério do nosso planeta, precipitando-se onde choveu. As emissões de radioatividade duraram 10 dias.

Caminho da radioatividade
■ Em 29 de Abril, níveis fatais de radioatividade foram registrados na Polônia, Áustria, Romênia, Finlândia e Suécia.
■ No dia seguinte, 30 de Abri, atingiu Suíça e Itália.
■ Em 2 de Maio, chegou na França, Bélgica, Holanda, Grã-Bretanha, e na Grécia.
■ No dia seguinte, Israel, Kuwait e Turquia foram contaminadas.
■ Então, ao longo dos próximos dias, as substâncias radioativas foram registradas no Japão (3 de Maio), China (4 de Maio), Índia (5 de Maio), e nos E.U.A e Canadá (6 de Maio).

A descarga radioativa desta explosão foi 200 vezes maior do que a bomba atômica em Hiroshima. Nenhuma pessoa estava segura a partir desta catastrófica explosão nuclear, e 65 milhões de pessoas foram contaminadas e mais de 400.000 pessoas foram forçadas a evacuar em torno de Chernobyl, perdendo as suas casas, bens e empregos, bem como a sua situação econômica, social e laços familiares.

A longo prazo e os custos ocultos da contaminação radioativa que nunca foram devidamente registrados pela mídia. Segundo os autores (incluindo o Dra. Rosalie Bertell) de um novo livro, "O Legado oculto de Chernobyl: levará milênios para recuperar a área que é tão grande como a Itália, para retornar em nível normal de radiação em cerca de 100.000 anos.

Esta semana, 26 de Abril de 2009, marca o 23º aniversário desde esta catástrofe, por isso temos outros 99.977 anos para ir, até as coisas voltar novamente ao "normal".

Com uma miríade de custos sociais em curso ignorado pela maior parte do mundo da mídia, o escalonamento das conseqüências médicas agora sistêmica do envenenamento da radiação, e da enorme tragédia de malformações genéticas, enquanto a indústria nuclear apregoa como " energia nuclear segura", e é tempo de analisar novamente o custo real na economia mundial, em um efeito dominó criado deliberadamente de destroços de proporções nunca vistas na nossa história. Dada este colapso econômico global atual, não há garantias suficientes financeira ou tecnológica disponíveis atualmente ou a longo prazo para proteger a humanidade a partir do já existente e onipresente toxicidade radioativa a que estamos todos expostos.

Custo social
A área em torno da Bielorrússia foi a mais afetada, cerca de 30 por cento do seu território tornou-se inútil. Apesar de centenas de milhares de pessoas foram evacuadas inicialmente, ao longo destes 23 anos, muitos têm retornado "as suas casas". Hoje em dia, suas vidas e casas permanecer permanentemente devastadas. Envenenadas. No entanto, o governo soviético não informou ao seu próprio povo como foi catastrófica a explosão, ou quais as conseqüências reais da radiação a longo prazo.

Além disso, pessoas que estavam trabalhando para supostamente "conter" a crise morreram pouco depois de radiação maciça por envenenamento. As informações foram controladas por parte do governo para diversos organismos internacionais, do que aconteceu e fez a extensão deste pesadelo inacessível para a população russa afetada, assim como o resto do mundo.

Os reatores de Chernobyl foram construídos no âmbito da era pós-Stalin pelo governo que não tinha nenhuma compreensão dos problemas complexos da construção de quatro reatores: (1) com um prazo irrealista, cinco anos; (2) a perigosa instabilidade de funcionamento de reatores durante longos períodos de tempo com menos da metade de potência, que fez instável; (3) falta de medidas realistas de segurança em caso de uma fusão nuclear.

O diretor da usina foi o engenheiro nuclear chamado Victor Brukhanov. Inconcebivelmente, ele foi colocado no cargo durante a construção do complexo de reatores e bem como na criação de uma nova cidade chamada Pripyat (que teve uma população de 50.000). A corrida para a sua realização, dentro do prazo irrealista, resultou em partes que foram "apressadamente construída sobre o projeto em andamento" e que não foram especificamente aprovadas pelos projetistas originais.

No entanto, foi à missão de Brukhanov de tornar Pripyat mais atraente para os trabalhadores soviéticos tanto quanto possível, independentemente dos reais perigos nucleares, assim a cidade e o reator foram sendo concluídos apressadamente.

Cidadãos foram atraídos para Pripyat com moradia barata, salários normais, e todas as regalias que eram, em geral, não existiam para a maioria dos cidadãos soviéticos.

Pripyat foi logo considerada um dos principais locais para os jovens trabalhadores, cuja média de idade foi de 26 anos, na Ucrânia e da área circundante, que tinha "shopping centers, instalações desportivas, escolas e um parque de diversões. A cidade tinha uma variedade enorme de produtos alimentícios e bens que eram difíceis de obter em outras áreas do país.

Embalado completamente por uma falsa sensação de segurança financeira, poucos perceberam que os reatores em uso em todo o país já tinham problemas de mau funcionamento. Uma liberação acidental de uma nuvem de iodo radioativo em uma usina em Leningrado em 1975 e um "quase colapso" do outro reator tinha acontecido perto Beloyarsk.

Mais uma vez, nenhum desses acidentes foram informados aos cidadãos soviéticos ou para o resto do mundo. Segredo já estava em vigor sobre as centrais nucleares e os perigos da radiação nuclear.

Quando ocorreu o acidente na usina nuclear americana Three Mile Island, em Março de 1979, soviéticos criticaram o capitalismo, observando que o dinheiro e os lucros foram mais importantes do que questões de segurança. Esta crítica dos reatores nucleares do Ocidente foi fugaz. Leste ou Oeste, no entanto, qualquer país com a energia nuclear continua a enganar os seus cidadãos sobre os verdadeiros custos e os perigos da radiação.

Quando Chernobyl explodiu, os dois operadores responsáveis seguiram os procedimentos, para controlar os danos, tanto quanto possível, e conseguiu impedir a propagação da explosão do reator número 3. Estes dois operadores morreram logo após a explosão. No entanto, na corrida para o governo soviético para encobrir o que realmente aconteceu, estes homens foram julgados, como a única causa da explosão.

De fato, depois de anos de mentiras e engano, houve “várias revisões históricas do acidente, durante o qual foi esclarecido, que a causa principal recai sobre as falhas de planejamento do reator, eles foram perdoados do crime, mas não oficialmente”.

Os cidadãos de Pripyat não foram evacuados até dois dias após a explosão. Foram apenas autorizados levar documentos pessoais e algum dinheiro. Eles nunca foram autorizados a regressar. Pripyat é agora uma cidade fantasma.

Uma área de 30 quilômetros ao redor do local da usina nuclear é chamada de "Zona de exclusão". Está isolada e proibida a entrada.

As taxas de radioatividade de césio 137 são surpreendentes. No entanto, cerca de 4.000 pessoas retornaram para zonas evacuadas, embora permaneçam radioativas. As pessoas são forçadas a viver em um ambiente contaminado.

A limpeza continua. O pessoal de limpeza (um verdadeiro paradoxismo) são chamados de "liquidatários". Eles não foram treinados corretamente, não compreendem os enormes riscos de vida sobre o trabalho que fazem. Por exemplo, entre 1986-1987, mais de 800.000 liquidatários trabalharam na zona de exclusão, todos, sem qualquer acompanhamento médico níveis de radioatividade que "atingiu tão elevada como 20.000 Roentgens por hora. O nível normal seria 0,010-0,020 milliRoentgens por hora.
A dose normal de radiação do fundo natural de radiação recebidas ao longo da vida de 70 anos é de 7 REM.

Todos os liquidatários (não usavam qualquer proteção, demoliram casas contaminadas e transportavam escombros) trabalharam em uma nuvem de poeira nuclear que os envolveu.

Um liquidatário, Zalavie Chechersk observou: "Sempre trabalhamos sem proteção, nem sequer notamos mais. Acostumamos com a radioatividade e a radioatividade acostumou com a gente, e mesmo assim, temos de trabalhar para viver, e esta é a forma como você trabalha aqui. Trata-se de uma sentença de morte para um liquidatário.
A longo prazo, todos que ajudaram na limpeza também morreram. Em Alla Yaroshinskaya's "Chernobyl: A Verdade Proibida" o autor relata, que os pedidos de abrir processos judiciais contra as pessoas que obstruíram as aberturas, no que diz respeito às consequências do acidente, e que tinha escondido a informação de moradores das zonas perigosas só recebiam uma" resposta burocrática", sempre a mesma camuflagem, a mesma dissimulação da mentira global a nível estatal.

Nem uma palavra de decretos do governo que cria o regime de segredo, nem da administração no mesmo espírito, nem uma palavra das milhões de pessoas que coloca em perigo pela constante exposição à radiação. Nem uma palavra da incontrolada propagação de radionuclídeos, outro termo para isótopos radioativos que são produzidos artificialmente durante o processo de fissão nuclear em todo o país. Era como se tudo isso não existia.

Caos, caos em curso, é o que estas pessoas (que vivem em um ambiente radioativo), continuam a lidar no dia-a-dia e anualmente. Hoje, mais de 9 milhões de pessoas vivem nesta área (Bielorússia, Ucrânia, e no Oeste da Rússia), com elevados níveis de radioatividade, consumindo alimentos e água contaminadas e 80 por cento da população sofre de diversas patologias.

Até agora, a explosão do reator de Chernobyl causou mais de um milhão de mortes. O verdadeiro número de mortes pode nunca ser conhecido. O núcleo radioativo, enterrado agora em um sarcófago cheio de fissuras(onde gás radioativo e poeira escapam ) ainda contém 180 toneladas de material radioativo.

Houve centenas (ou milhares) de estudos científicos que documentam o pesadelo que continua em Chernobyl. O último relatório, de 7 de Setembro de 2005, é que não importa como duramente eles (governo e outros] tentam esconder a realidade mortal do acidente de Chernobyl, não terá sucesso na sua erradicação por milhares de anos.

Custos médicos / tragédias
De acordo com o Dr. Pierpaolo Mittica, o pesadelo médico em curso da radiação inclui:
1. Um aumento de 100 vezes na incidência de tumores agressivos da tireóide e 50 vezes a incidência de outros tumores relacionados com a radiação (leucemia, tumores cerebrais e de ossos) em áreas contaminadas. Grande parte deste aumento é cancerígeno em crianças.
2. Há um aumento de 30 por cento nas malformações devido a mutações genéticas, das patologias dos sentidos, cardiovasculares, ósseos, e sistemas musculares e os tecidos conjuntivos, assim como as doenças do sistema nervoso e perturbações psíquicas.
3. Existe um aumento de 20 por cento dos nascimentos prematuros.
4. Estes valores não incluem os números desconhecidos de abortos espontâneos, abortos acidentais, e mortes-prematuras (fetos mortos) , devido à radiação.
5. Os médicos e cientistas que se pronunciaram foram desmentidos, demitidos, ou presos.
6. Baixo nível de exposição à radiação continua a ser um perigo.

Câncer existe desde os tempos antigos, mas agora, a diferença é que é epidemia. Grande parte desta epidemia pode estar ligada as causas induzidas humanas; e milhões de casos podem ser ligadas a envenenamento por radiação. Evidentemente, há o fundo natural de radiação. No entanto, durante os últimos 64 anos, continuamos a ter contaminação de radiação: milhares de explosões nucleares (na atmosfera, no subsolo, acima do solo, e nos oceanos); outras armas nucleares, como o urânio empobrecido (utilizado mais recentemente, sobre a inocente Gaza cidadãos), raios-X e outros tipos de medicina nuclear.

Isto não é uma simples causa de uma crise. Pelo contrário, os seres humanos tornaram-se esponjas e desavisados cobaias para uma variedade de substâncias altamente tóxicas, incluindo muita radiação nuclear de longa vida; mais de 100.000 produtos químicos em uso (e de 1000 novos adicionados cada ano) com a maioria nunca foi testado para a segurança humana; dezenas de programas de modificações de tempo clandestinos (que nunca tiveram qualquer discussão ou debate público). Esta lista é apenas para começar.

Desde o início da era nuclear (com o secretíssimo Projeto Manhattan criado para construir a bomba atômica), a grande maioria dos cidadãos do mundo nunca foi alertado sobre os perigos extremos colocados pelas explosões nucleares e da radiação maciça que resultam. Temos também a contaminação global relacionada com os acidentes que continuam a causar devastações a bilhões de cidadãos. Dra Rosalie Bertell estima que pode ter havido "milhares" de acidentes nucleares, já que muitos não têm sido relatados, mas são conhecidos de "provas casuais”. A enorme catástrofe de Chernobyl é uma das muitas em curso de pesadelos radioativos com devastação permanente de destroços. A contaminação radioativa não vai embora.

As mutações genéticas a todos os seres vivos (todos os seres humanos e animais) que estão acontecendo também têm recebido pouca cobertura da mídia. Em 1959, quando a tragédia da talidomida atingiu os recém-nascidos, a mídia mostrou muitas fotos de bebês deformados. Agora a mídia está silenciosa para que o mundo em geral não sabe ou vê a devastação que a radiação nuclear causas. No entanto, a medicina e jornais alternativos cobriram este horror.

Radiação nuclear provém de diversas fontes. Os mais prejudiciais são Estrôncio-90 e césio-137. Os radioisótopos (também chamado de radionuclídeos ou de isótopos radioativos) são os "elementos radioativos” produzidos artificialmente durante o processo de fissão nuclear. Os núcleos destes isótopos artificiais são instáveis devido à um excesso de prótons e / ou nêutrons. Isto provoca instabilidade espontânea e transformações em outros isótopos, e esta transformação é acompanhada pela emissão de radiação ionizada. Esse processo é chamado de desintegração ou decomposição. Este processo de desintegração radioativo varia, dependendo dos isótopos. Isto é conhecido como sua meia-vida radioativa.
■ Césio-137 tem uma meia-vida de valor, de 30 anos, e pela emissão de radioatividade para o seu desaparecimento tem 300 anos. Césio tem uma estrutura química semelhante ao potássio. Devido a isso, ele pode entrar no sistema circulatório do corpo e substituir a sua própria radioatividade para o potássio e causar "mutações genéticas, tumores, e um grande número de patologias em diferentes órgãos.
■ O estrôncio-90 tem 28 anos de meia-vida, e desaparece após 290 anos. O estrôncio compartilha semelhanças químicas com cálcio, e, portanto, é absorvida em nossos ossos, medula óssea, e os dentes. Uma vez que emite radiação constantemente no corpo isto provoca câncer, tais como; osteossarcomas e leucemias.
■ Outras substâncias radioativas incluir Iodo-131, urânio-235 (700 milhões de anos-semi-vida, desaparecendo em 7 milhões de anos), e Plutônio-239 (com uma meia-vida de 24.000 anos, desaparecendo em 240.000 anos).
Assim, qualquer contaminação a partir destas substâncias radioativas é letal para sempre, e isso não significa apenas a morte imediata, mas, na sua maior duração provoca mutações graves e esterilidade em gerações subseqüentes.

A dramática e aterradora fotos dos bebês e crianças que acompanham o livro “Mittica´s book) e os artigos de Leuren Moret necessitam maior circulação. Como é extremamente dolorosa olhar essas fotos, o intenso impacto de ver estes meninos inocentes que sofrem de maneira aguda que causaria indignação universal, quando milhões de pessoas sabiam da extensão dos danos de radiação que estavam fazendo. Este é o verdadeiro e trágico custo da tecnologia nuclear

Não há qualquer "correção" para as conseqüências destas radiações que agora são globais. Eles são relatados em revistas alternativas, ao invés na primeira página de todos os jornais e sites de notícias da Internet.
Como tenho escrito, o invisível não significa seguro.

Fonte: Global Research, April 25, 2009, Dra. Ilya Sandra Perlingieri
Comentário:É só digitar no Google imagens “chernobyl children” veremos fotos aterradoras de crianças inocentes que foram vítimas dessa catástrofe nuclear, que a indústria nuclear vende como uma energia limpa e segura. Chernobyl é o pequeno símbolo do que seria um Holocausto Nuclear.


Marcadores: , , ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@11:16 AM

2 comments

sábado, abril 25, 2009

Trânsito louco no Vietnã

Incrível o cruzamento sem semáforo, todos conseguem atravessar num dado momento, sem provocar acidente. Parece mais um treinamento de coreografia. É um trânsito caótico, mas todos conseguem circular sem congestionamento.

Vídeo


Vídeo(1)


Vídeo(2)


Marcadores:

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@6:24 AM

0 comments

quinta-feira, abril 23, 2009

Dia Mundial em Memória dos Trabalhadores

O dia 28 de abril é a data em memória das vítimas dos acidentes de trabalho, teve origem no Canadá, em 1984, uma homenagem lançada por sindicatos e federações durante o Congresso do Trabalho. Oito anos depois, o Canadá foi o primeiro país a reconhecer e adotá-lo como data nacional, em 1991.

Em 2003, a Organização Internacional do Trabalho conferiu credibilidade à iniciativa canadense ao adotar a data como Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho, organizando eventos para homenagear homens, mulheres e crianças vitimados por acidentes e doenças no trabalho. E também para alertar sobre a necessidade de prevenção dos riscos para a saúde e a integridade dos trabalhadores em todo o mundo.

Desde então, a ONU, a Organização Mundial da Saúde e cerca de 80 países seguem anualmente a orientação da OIT neste sentido, por iniciativa de sindicatos, federações, confederações locais e internacionais.

Em 2006, o governo brasileiro adotou oficialmente a data de 28 de Abril, para homenagear estas vítimas, mas também para alertar e impulsionar a sociedade sobre a necessidade de desenvolver formas de trabalho decente, preservando a vida e promovendo a saúde.

No âmbito mundial
Estima-se que anualmente morrem cerca de dois milhões de homens e mulheres devido a acidentes de trabalho e a doenças profissionais. Em todo o mundo ocorrem 270 milhões de acidentes de trabalho e são registrados mais de 160 milhões de doenças profissionais.

Indicadores
■ Todos os dias morrem em média 6.000 pessoas devido a acidentes ou doenças profissionais, totalizando mais de 2,2 milhões de mortes relacionadas com o trabalho e mais de 1,7 milhões são devidas a doenças profissionais. Para além destes números, há a acrescentar os acidentes de trajeto com mais de 158.000 acidentes mortais.

■ Todos os anos aproximadamente 270 milhões de trabalhadores são vitimas de acidentes de trabalho que levam a ausências de 3 ou mais dias de trabalho, e de 160 milhões de incidentes que originam doenças profissionais.
■ Perde-se aproximadamente 4% do produto interno bruto mundial com os custos relativos a lesões, mortes e doenças em resultado dos dias de trabalho perdidos, dos tratamentos médicos e despesas acidentárias.
■ As substâncias perigosas matam cerca de 438.000 trabalhadores por ano, e 10% dos cancros da pele são atribuídos à exposição a substâncias perigosas no local de trabalho.
■ Apenas o amianto é responsável por cerca de 100.000 mortes/ano e este número não pára de crescer todos os anos. Embora a produção mundial de amianto tenha diminuído desde os anos 70, o número de trabalhadores que morrem nos EUA, Canadá, Reino Unido, Alemanha e outros países industrializados, em resultado da exposição às poeiras de amianto, está aumentando.
■ A silicose - uma doença mortal causada pela exposição às poeiras de sílica - ainda afeta dezenas de trabalhadores no mundo. Na América Latina, 37% dos mineiros estão afetados, de algum modo por esta doença, atingindo-se uma taxa de 50% nos mineiros com mais de 50 anos. Na Índia, mais de 50% dos trabalhadores da ardósia e 36% dos trabalhadores da pedra têm silicose.

Comentário:
A redução de acidentes de trabalho no Brasil tem vários fatores que interagem no sistema de trabalho, tais como;
■ nível de escolaridade do trabalhador muito baixo, dificultando o entendimento ou interpretação de textos mais complexos nas tarefas diárias de trabalho.
■ cultura de trabalho do trabalhador brasileiro é muito baixo, a maioria vem da área rural sem noção de organização, procedimentos de tarefa, trabalho em equipe, etc.
■ as entidades representativas tanto do trabalhador e empresarial estão mais preocupados na arrecadação financeira do que preparar o trabalhador para o mercado de trabalho com noções de segurança
■ o Ministério do Trabalho está simplesmente preocupado na fiscalização e penalização do empregador por violar a legislação. Essa mentalidade de fiscalizar e penalizar não cria condições a longo prazo para construir uma cultura de segurança entre os empregadores e trabalhadores.
Portanto, a redução de acidentes é um processo de aprendizagem que passa por diversas etapas; nível cultural do trabalhador, sindicato do trabalhador que está mais preocupado com salário do que com a qualidade de vida do trabalhador, órgão fiscalizador e justiça de trabalho. No Brasil essas etapas não funcionam direito.

O que a OIT diz sobre trabalho, prevenção e educação
Uma cultura de prevenção da segurança e saúde compreende todos os valores, sistemas e práticas de gestão, princípios de participação e comportamentos laborais que favorecem a criação de um ambiente de trabalho saudável e seguro.
O desenvolvimento de uma cultura de segurança deve iniciar-se logo na educação das crianças desde tenra idade e a prevenção eficaz dos acidentes de trabalho e das doenças profissionais começa na empresa. A prevenção requer a participação dos governos e das organizações de empregadores e de trabalhadores, tais como;
■ adoção de procedimentos na organização do trabalho,
■ a formação e informação aos trabalhadores e
■ as atividades de inspeção são instrumentos importantes para promover uma cultura de segurança e saúde.
As empresas que dispõem de sistemas de gestão da segurança e da saúde obtêm melhores resultados, tanto no que respeita à segurança como à produtividade. Por outro lado, os auditores do trabalho que estão ao serviço das autoridades governamentais cabem um papel fundamental na disseminação da cultura de prevenção.
“Tem havido progresso em muitas frentes no mundo do trabalho. Mas as mortes, os acidentes e as doenças relacionadas com o trabalho continuam a ser causas principais de preocupação. O trabalho digno deve ser também um trabalho seguro”, disse Juan Somavia.

Dados do Brasil
Segundo o Ministério da Previdência Social, desde 1970 até 2006, o Brasil teve;
■ 35.000.000 de acidentes de trabalho e
■ 142.000 mortes
São acidentes registrados, sem a subnotificação que de acordo alguns estudiosos atingem mais de cinqüenta por cento, isto é, de cada 10 acidentes ocorridos apenas 5 são registrados.
O universo de trabalhadores que o Ministério da Previdência analisa e indica tendência de redução de acidentes é de apenas 35% dos trabalhadores que são registrados no mercado de trabalho e o restante no mercado informal de trabalho ou sem registro na carteira em empresas. A porcentagem de trabalhadores registrados em empresas houve uma queda acentuada desde o final da década de 80 e atingindo atualmente 35,3% da população economicamente ativa (população ocupada chegou a 90,8 milhões em 2007).

Finalmente essa data é mais um dia de reflexão do que buscar ações na redução dos acidentes e doenças profissionais no Brasil. Lembra muito desastre em estradas, os motoristas passam devagar, olham o desastre, fazem reflexões por alguns segundos, alguns metros depois pisam no acelerador, continuam a desrespeitar as leis de trânsito.

Vídeo
Homenagem aos trabalhadores que perderam suas vidas nos locais de trabalho. As vítimas não são apenas eles, mas sim as famílias.

Marcadores: , , ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@7:02 AM

0 comments

terça-feira, abril 21, 2009

Karoshi: Engenheiro da Toyota morreu de tanto trabalhar

Autoridades do trabalho japonesas determinaram que um importante engenheiro da Toyota, de 45 anos, morreu devido ao excesso de trabalho, um mal conhecido no país como "karoshi". Ele teve uma isquemia cardíaca em janeiro de 2006, um dia antes de partir para os Estados Unidos e participar do Salão do Automóvel de Detroit.

Desde então, a família do engenheiro vinha brigando na Justiça do Japão para receber os benefícios do seguro. De acordo com o advogado da viúva, a sentença favorável foi pronunciada em 30 de junho de 2008. A identidade da vítima não foi revelada, já que a família segue vivendo na cidade de Toyota, onde fica a sede da companhia. Funcionários do departamento judicial que cuidou do caso confirmaram o resultado.

A empresa soltou uma nota de pêsames e afirmou que vai melhorar o controle sobre a saúde de seus profissionais.

Excesso de trabalho
De acordo com o advogado, a vítima era o engenheiro-chefe do projeto da versão híbrida do sedã Camry. Ele teria trabalhado ao menos 80 horas extras mensais em novembro e dezembro de 2005. Essa carga a mais de trabalho incluía jornadas noturnas e finais de semana, além de freqüentes viagens para o exterior. O engenheiro foi encontrado morto pela filha, em sua própria casa.

Reconhecimento de karoshi
O caso do engenheiro da Toyota não é raro no Japão. O registro de mortes por "karoshi" começou a ser feito oficialmente pelo Ministério da Saúde local em 1987. Num dos casos mais recentes, também envolvendo a Toyota, uma viúva obteve indenização do governo pela morte de seu marido, de 30 anos, num colapso que ela relacionou com o excesso de trabalho. O escritório regional do trabalho rejeitou seu pedido, mas uma corte superior o aceitou.

Fonte: UOL Carro – 09 de julho de 2008

Comentário:
A Revolução Industrial do século 18 foi caracterizada pela substituição do trabalho manual pelo trabalho da máquina e pela substituição da energia humana pela energia a vapor e trabalhava quase 14 horas por dia. Hoje continua quase a mesma coisa com novas técnicas de trabalho, máquina programável, robotização, automatização, múltiplas tarefas para o trabalhador.
Atualmente a tarefa de um trabalhador ou de um processo é dividida entre vários fornecedores a responsabilidade pelas diferentes fases de uma operação. É uma realidade para muitas grandes empresas, que passaram a terceirizar diferentes áreas da empresa e consequentemente gera; maior carga de trabalho, maior competitividade, maior pressão para atender aos pedidos e o trabalhador é um polivalente.
No Japão a sobrecarga de trabalho é levada ao limite extremo após a Segunda Guerra Mundial para reconstrução do país e institucionalizou-se na sociedade japonesa.
Informações oficiais mostram que um em cada três homens com idade entre 30 e 40 anos trabalha mais de 60 horas por semana. Metade desses não recebe nenhuma hora extraordinária.
Pelo menos 147 pessoas faleceram no Japão durante o ano de 2006, devido ao "karoshi" - a morte por excesso de trabalho, informou o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar do Japão.
Além disso, 66 pessoas se suicidaram ou tentaram por questões relacionadas com a pressão do emprego ou por trabalhar além do horário. Os números bateram um número recorde no Japão, segundo a agência de notícias "Kyodo News".
No total, 355 trabalhadores vão receber indenizações do Governo japonês por terem sofrido problemas ou doenças derivadas do excesso de trabalho, principalmente casos de derrames cerebrais e ataques cardíacos. Dos afetados, 25% trabalham nos setores de transporte e telecomunicações, segundo o relatório.
Um porta-voz de Ministério da Saúde criticou o fato de que muitos japoneses "estejam trabalhando sob forte pressão e sejam exigidos deles resultados sem que em troca recebam apoio suficiente por parte da empresa".
Durante o ano de 2006, 819 trabalhadores pediram indenizações devido a problemas mentais derivados do excesso de trabalho. Isto é um aumento de 25% em relação às estatísticas do ano anterior. Destas, 205 reivindicações foram aprovadas, 61% mais que no período de 2005-2006.
Em 1987, o governo japonês reconheceu pela primeira vez que é possível morrer por falta de descanso, dando origem ao termo "karooshi" que virou sinônimo de morte por excesso de trabalho.

Indenização por excesso de trabalho
O Ministério do Trabalho japonês somente concede indenização para a família do trabalhador que morre em razão do “Karoshi” se ficar provado que a vítima estava envolvida no trabalho extremamente oneroso ou ficou ferida num acidente e quando o evento ocorreu se foi ultrapassada em muito a carga normal de trabalho um pouco antes ou, pelo menos, no mesmo dia que o ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral vitimou o trabalhador. O Manual Confidencial do Ministério do Trabalho japonês afirma que a causada morte decorre de “Karoshi” apenas quando o trabalhador está envolvido continuamente pelo menos 16 horas por dia, durante sete dias consecutivos antes da morte e também durante as 24 horas anteriores à morte. Tais condições de trabalho se inserem na rubrica de “acidental” nas sociedades em que ela ocorre. O Manual afirma que o trabalhador deve ter trabalhado mais do que o dobro das horas regulares durante a semana anterior ao colapso, ou três vezes mais que o regular das horas do dia anterior. Fonte: IPC Digital – 17 de maio de 2007

Marcadores: ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@9:23 AM

0 comments

domingo, abril 19, 2009

Trabalhador tenta suicidar-se na General Motors


Um trabalhador da General Motors (GM), escalou por volta das 8h de terça-feira, 14 de abril de 2009, a marquise do portão principal da fábrica de São Caetano do Sul (SP), na Grande São Paulo. Com um objeto pontiagudo em uma das mãos, ele estava transtornado e não permitia a aproximação de bombeiros e policiais, que o acompanhavam na Avenida Goiás.

Há cerca de sete anos, o trabalhador perdeu um dedo da mão direita enquanto operava uma máquina. Depois de passar um tempo afastado, retornou ao emprego e afirmava que, desde então, sofria pressão dentro da montadora.

O trabalhador ficou quase uma hora e meia sobre a cobertura da portaria, cerca de 5 m de altura. Ao se preparar para se jogar, ele quase foi seguro, mas ele esquivou­-se e se jogou da marquise, caindo sobre um cama amortecedora estendida pelos bombeiros, que amorteceu a queda. Segundo a GM, ele está em tratamento psiquiátrico.

Estiveram no local um caminhão do Corpo de Bombeiros e uma ambulância. Dezenas de pessoas acompanharam a movimentação com apreensão. O homem foi atendido inicialmente no ambulatório da General Motors e depois encaminhado ao Hospital de Emergências Albert Sabin.

Às 11h50, a instituição emitiu nota informando que "o paciente encontra-se consciente e em estado estável". Ele chegou à unidade de saúde com fratura na coluna e passa por exames, como tomografia. Uma junta médica, com apoio de um psicólogo, avalia o estado de saúde física e mental do paciente.

No início da tarde, a pedido da família, o paciente foi transferido para o Hospital Brasil, instituição particular de Santo André, onde deverá ser avaliado por neurologistas.

A General Motors emitiu nota sobre o caso às 12h20.
"A General Motors do Brasil informa que na manhã de terça-feira, 14 de abril, foi surpreendida pela ação de um funcionário, do seu quadro efetivo, que subiu ao telhado de sua portaria principal e passou a discursar, para chamar a atenção do público, demonstrando aparente descontrole emocional.
O trabalhador tem 36 anos, foi admitido na GM em abril de 1995 e trabalha no segundo turno da fábrica e em nenhum momento se cogitou de sua demissão.
As equipes de bombeiros da empresa e da Polícia Militar do Estado de São Paulo foram acionadas e tentaram demovê-lo da intenção de se jogar. Com os procedimentos de segurança adotados pelos bombeiros foi possível evitar sua queda ao chão.
O serviço de resgate do corpo de bombeiros da Polícia Militar agiu prontamente e transportou o trabalhador ao Hospital Albert Sabin, de São Caetano do Sul, para os procedimentos médicos necessários.

Fontes: Diário do Grande ABC - terça-feira, 14 de abril de 2009 e Terra Notícias, 14 de abril de 2009

Vídeo

Marcadores:

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@4:36 AM

0 comments

sábado, abril 18, 2009

Acidente em escada rolante

Um acidente na escada rolante do centro de convenção Tokyo Big Sight Exhibition Center feriu 10 pessoas, participantes do festival de garagem-kit (peças para modelismo) do Wonder Summer Festival. De acordo com informações da imprensa japonesa, havia cerca de 120 pessoas na escada rolante, desde o térreo até o quarto andar, local do evento, quando a escada rolante parou sem avisar e mudou de direção (desceu). Nenhum dos feridos era grave e a polícia está investigando se a causa do acidente foi sobrecarga ou uma avaria do motor da escada rolante. O modelo específico de escada rolante recomenda peso máximo de 130 kg por degrau e tem um total de 78 degraus.
Para evitar acidentes semelhantes, durante convenções onde existe concentração elevada de pessoas, os americanos desligam as escadas durante esses eventos.

Fonte: Mainichi Daily News - 2008-08-05

Comentário:
No vídeo observa-se que cada degrau da escada rolante tinha quatro pessoas. Teoricamente mais de 300 kg, que ultrapassava o peso máximo permitido (130 kg). O projeto em geral de escada rolante leva em conta duas pessoas por degrau (75 kg/cada). Houve excesso de pessoas na escada rolante, provocando sobrecarga. Se o motor quebrou por causa da sobrecarga, o motor deixou de tracionar e mudou de direção devido ao excesso de peso.

Vídeo


Como funcionam as escadas rolantes - click

Marcadores: ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@4:15 AM

0 comments

quinta-feira, abril 16, 2009

Proteção para os olhos no local de trabalho

Diariamente, estimam-se 1.000 ferimentos nos olhos que ocorrem nos locais de trabalho nos USA. O custo financeiro destes ferimentos é enorme, mais de US$ 300 milhões por ano em tempo perdido da produção, em despesas médicas e seguro de acidentes de trabalho.
Nenhuma quantia monetária pode adequadamente refletir o os valores pessoais que estes acidentes alcançam nos trabalhadores com ferimentos.
A agencia de administração de segurança e saúde ocupacional (OSHA, Occupational Safety and Health Administration) e os 25 estados e territórios que operam seus próprios programas de segurança e de saúde de trabalho estão decididos ajudar na redução dos acidentes. Preocupado, com esforços pelos grupos voluntários interessados, a OSHA começou uma campanha de informação de âmbito nacional para melhorar a proteção para os olhos no local do trabalho.

Pense um pouco sobre os possíveis perigos para os olhos em seu local de trabalho. Um estudo efetuado em 1980 pelo Departamento de Trabalho, pelo setor de estatística, (BLS , Labor Department's Bureau of Labor Statistics) em aproximadamente 1.000 ferimentos leves nos olhos revela como e porque muitos acidentes ocorrem nos serviço.

O que contribui para causar ferimentos nos olhos nos locais de trabalho?
A falta de proteção para os olhos. O estudo relata que quase três em cinco trabalhadores feridos não estavam usando proteção para os olhos no momento do acidente.Usando o tipo errado de proteção para os olhos no trabalho. Aproximadamente 40% dos trabalhadores com ferimentos estavam usando algum tipo de proteção para os olhos quando ocorreu o acidente.Estes trabalhadores estavam provavelmente usando óculos sem a proteção lateral , embora os ferimentos entre os empregados usando com proteção lateral ou integral (óculos com proteções laterais em corpo único), também ocorreram.

O que causa ferimentos nos olhos?
Partículas em vôo. O estudo constatou que quase 70% dos acidentes pesquisados foram resultados objetos em vôos ou em quedas ou faíscas atingindo os olhos. Os trabalhadores com ferimentos foram provocados por quase 60% de objetos que eram menores do que uma cabeça de alfinete. A maioria das partículas foi lançada com velocidade superior a um objeto lançado a mão, quando o acidente ocorreu.

Contato com produtos químicos
Causou um quinto dos ferimentos.

Outros acidentes
Foram causados pelos objetos que balançam de uma posição fixa ou removível, como; engrenagens, cabos, correntes ou ferramentas que foram puxadas em direção ao olho quando o trabalhador as usava.

Onde os acidentes ocorrem mais freqüentemente?
Trabalho em geral; operação de equipamento industrial. Os perigos potenciais para os olhos podem ser encontrados em quase toda indústria, mas o estudo relatou que mais de 40% dos ferimentos ocorreu entre trabalhadores especializados, tais como; mecânicos, manutenção, carpinteiros, e instaladores. Um terço dos trabalhadores feridos estavam os operários, tais como; montadores, mecânicos (que usam rebolos, lixadeiras, esmeris) e os operadores de máquinas abrasivas. Os trabalhadores não especializados sofreram aproximadamente um quinto dos ferimentos nos olhos. A metade dos trabalhadores feridos foi empregada quase na produção; um pouco mais de 20% estavam na construção.

Como os ferimentos nos olhos podem ser evitados?
Sempre usar proteção adequada para os olhos. As normas da OSHA requerem que os empregadores forneçam aos trabalhadores proteção para os olhos apropriada. Para ser eficaz, a proteção deve ser do tipo apropriada para o perigo encontrado e corretamente enquadrado. Por exemplo, o estudo mostrou que 94% dos ferimentos aos trabalhadores, usando proteção para os olhos resultaram de objetos ou de produtos químicos que estavam em volta ou sob proteção (objeto supostamente protegido).
Os equipamentos de proteção aos olhos devem permitir que o ar circule entre os olhos e as lentes (evitar embaçamento) .
Somente 13 trabalhadores com ferimentos nos olhos , embora usando equipamento de proteção relataram sua quebra. Quase 20% dos trabalhadores feridos com equipamentos de segurança usaram proteções faciais ou máscaras de solda. Entretanto, somente 6% dos trabalhadores com ferimentos, usando equipamento de proteção ocular, utilizavam óculos de segurança de sobrepor (óculos facial, pode ser usado sobre óculos de grau, contra respingos, poeiras e partículas) , que geralmente oferece melhor proteção para os olhos.

Eficiência no treinamento e educação
O estudo relatou que a maioria dos trabalhadores acidentou-se enquanto executava seus trabalhos regulares. Os trabalhadores que se feriram não estavam usando óculos de segurança, pois a maioria acreditava que não era exigido pelo local. Mesmo que a maioria dos empregadores fornecesse o equipamento de proteção sem nenhum custo aos empregados, aproximadamente 40% dos trabalhadores não receberam nenhuma informação sobre onde e que tipo de óculos de segurança deve ser usado.

Manutenção.
Os equipamentos de proteção devem ser corretamente mantidos. Os equipamentos com lentes ou visores riscados e sujos reduzem a visão, causando distorção e podem contribuir para os acidentes.

Vamos trabalhar na proteção dos olhos !
O estudo relatou que mais de 50% dos trabalhadores que se feriram, usando óculos de segurança, declararam que a proteção minimizou os seus ferimentos.

Mas quase a metade dos trabalhadores sentiu também que um outro tipo de proteção mais adequada podia ter impedido ou reduzido os ferimentos que sofreram.

Estima-se que 90% dos ferimentos nos olhos podem ser impedidos com o uso de óculos de segurança apropriado. Este é nosso objetivo e, trabalhando junto, a OSHA, os empregadores, os trabalhadores, e as organizações da saúde podem fazê-lo acontecer.


Fonte: Fact Sheet No. OSHA 93-03 - The Occupational Safety and Health Administration (OSHA)


Vídeo


Marcadores: , ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@6:49 PM

0 comments

quarta-feira, abril 15, 2009

Liverpool lembra tragédia de Hillsborough

Imagens mostram o drama vivido pelos torcedores que estavam junto à grade

Em 15 de abril de 1989, 96 torcedores da equipe morreram pisoteados e esmagados na partida contra o Nottingham Forest, pela semifinal da Copa da Inglaterra, no estádio de Hillsborough, em Sheffield. O triste episódio, que rende homenagens todos os anos na cidade de Liverpool, foi o ponto inicial para uma série de mudanças e uma verdadeira revolução no futebol inglês. As cenas de Hillsborough geraram efeito imediato na Federação Inglesa de Futebol.
Os dirigentes exigiram mudanças;
■ na gestão dos estádios,
■ na segurança do torcedor contra os hooligans e
■ na profissionalização dos clubes e das ligas.
Além do investimento em treinamento para a polícia, uma legislação dura foi criada para evitar atos de vandalismo.

TRAGÉDIA QUE REVOLUCIONOU O FUTEBOL INGLÊS
Duas décadas após a tragédia em Hillsborough, o Campeonato Inglês é um dos torneios mais seguros, atrai os melhores atletas do mundo que desfilam em estádios modernos, até mesmo quando jogam em estádios de clubes pequenos. A Premier League, como a primeira divisão inglesa foi batizada em 1992, possui acordos lucrativos para transmissão televisiva ao redor do planeta.

“O modo que agendamos as partidas, que nos organizamos caso aconteça algo de errado e de distribuir os policiais dentro de campo foi definido de acordo com aquela tragédia", comenta David Triesman, presidente da Federação Inglesa.

INVASÃO DE CAMPO É PUNIDA
Atualmente, não há grades entre os fãs e os jogadores dentro de campo, mas, se alguém tentar invadir o campo, será retirado do estádio e proibido de comprar ingressos para futuros eventos esportivos. A torcida também é vigiada por sofisticadas câmeras, que são capazes de identificar os responsáveis por uma possível confusão. "Fizemos a mais profunda mudança que foi possível", diz o dirigente.

Triesman não acredita em um novo episódio tão grave na Inglaterra, apesar de ressaltar que muitos outros países ainda não aprenderam com o caso de Hillsborough. "É difícil ver uma tragédia desse tipo acontecer novamente, não só por causa da qualidade dos estádios, mas também pelo que a polícia aprendeu sobre mecanismos de segurança", encerra.

Fonte: UOL Notícias – 15 de abril de 2009

Vídeos sobre a tragédia

Vídeo(1)


Vídeo(2)


Comentário:
Esse tipo de tragédia ainda continua em alguns países do mundo.
Tumulto em partida de futebol na Costa do Marfim. Pelo menos 22 pessoas morreram e mais de 132 ficaram feridas em um tumulto durante uma partida de futebol eliminatória para a Copa do Mundo na Costa do Marfim, realizada no domingo, 29 de março de 2009, informou o Ministério dos Esportes do país. O tumulto começou quando milhares de torcedores tentavam entrar no estádio Houphouet-Boigny, em Abidjan, antes do início da partida. Parte de uma parede desabou, provocando pânico entre a multidão.

AS DEZ MAIORES TRAGÉDIAS EM ESTÁDIOS DE FUTEBOL
1. PERU X ARGENTINA
Local - Lima (Peru)
Competição - Torneio Pré-Olímpico
Vítimas - 318 mortos e mais de 500 feridos
Ano - 1964
A Argentina ganhava por 1 a 0 quando o juiz resolveu anular um gol do Peru, o que despertou a ira dos 54 mil torcedores que superlotavam o Estádio Nacional de Lima. Pedras e garrafas voavam no campo enquanto torcedores invadiam o gramado. A polícia interveio e milhares de torcedores correram para as saídas do estádio. Com os portões trancados, centenas de pessoas foram esmagadas.
2. HEARTS OF OAK x KUMASI ASHANTI KOTOKO
Local - Accra (Gana)
Competição - Campeonato Ganês
Vítimas - 126 mortos e 90 feridos
Ano - 2001
Briga entre os torcedores dos times de maior rivalidade no futebol ganês. A polícia tentou conter a briga com bombas de gás lacrimogêneo e os torcedores que tentaram escapar da confusão encontraram todas as saídas de emergência trancadas.
3. NOTTINGHAM FOREST x LIVERPOOL
Local - Sheffield (Inglaterra)
Competição - Copa da Inglaterra
Vítimas - 96 mortos e mais de 200 feridos
Ano - 1989
O jogo valia pela semifinal e o estádio de Hillsborough estava superlotado. Cerca de 5 mil torcedores sem ingresso forçaram a entrada no estádio até que a polícia abriu os portões. Os torcedores avançaram, esmagando quem já ocupava as arquibancadas. A tragédia só não foi maior porque alguns torcedores conseguiram pular para dentro do campo
4. MUKTIJODHA x JANAKPUR
Local - Katmandu (Nepal)
Competição - Amistoso
Vítimas - 93 mortos e mais de 100 feridos
Ano - 1988
Tudo começou com uma chuva de granizo. A multidão correu para se proteger e dezenas de pessoas foram pisoteadas e esmagadas contra os portões
5. GUATEMALA x COSTA RICA
Local - Cidade da Guatemala (Guatemala)
Competição - Eliminatórias da Copa do Mundo
Vítimas - 84 mortos e mais de 150 feridos
Ano - 1996
Cerca de 60 mil ingressos foram vendidos, embora o Estádio Mateo Flores não suporte mais de 45 mil espectadores. Antes da partida iniciar, uma multidão acabou espremida no alambrado.
6. RIVER PLATE x BOCA JUNIORS
Local - Buenos Aires (Argentina)
Competição - Campeonato Argentino
Vítimas - 74 mortos e mais de 150 feridos
Ano - 1968
O acidente começou quando alguns torcedores incendiaram uma pilha de papéis picados. O fogo assustou os torcedores, que correram em direção às saídas do estádio. No corre-corre muita gente caiu, foi pisoteada ou esmagada contra os portões.
7. SPARTAK MOSCOU x HAARLEM
Local - Moscou (Rússia)
Competição - Copa da UEFA
Vítimas - 66 mortos (mas 340 extra-oficialmente) e 100 feridos
Ano - 1982
O Spartak precisava vencer o jogo com diferença de três gols, mas vencia por 1 a 0. A torcida já ia embora quando saiu o segundo gol. Muita gente voltou para ver o fim do jogo, gerando tumulto e dezenas de torcedores espremidos.
8. CELTIC x RANGERS
Local - Glasgow (Escócia)
Competição - Campeonato Escocês
Vítimas - 66 mortos e 100 feridos
Ano - 1971
O Celtic abriu o placar faltando um minuto para o final. Mas, já nos acréscimos, o Rangers surpreendentemente empatou. A festa foi tão intensa que uma parte da arquibancada cedeu.
9. BRADFORD x LINCOLN
Local - Bradford (Inglaterra)
Competição - Campeonato Inglês (3ª divisão)
Vítimas - 56 mortos e 200 feridos
Ano - 1985
A torcida do Bradford festejava o título - conquistado na rodada anterior - quando um incêndio tomou conta das arquibancadas de madeira. Os torcedores tentaram escapar pelos portões do estádio, mas muitos não conseguiram sair.
10. ZAMALEK x DUKLA PRAGA
Local - Cairo (Egito)
Competição - Amistoso
Vítimas - 49 mortos e 50 feridos
Ano - 1974
O jogo era amistoso, mas a torcida compareceu em massa: o estádio, que tinha capacidade para 40 mil pessoas, teve que suportar 80 mil! A estrutura não resistiu e parte das arquibancadas desabou.

Marcadores: ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@7:30 AM

0 comments

sábado, abril 11, 2009

OS 10 Pilares da Segurança Eficaz

ADMINISTRAÇÃO
Algumas das características básicas de áreas bem administradas: regularidade do processo produtivo, boa manutenção, existência de material na hora certa do processo produtivo, existência e cumprimento de regras e procedimentos, treinamento adequado de pessoal, correção de desempenho incorreto, inspeção periódica das condições de trabalho, investigação de acidentes e perdas e tomada de contramedidas para evitar nova ocorrência têm tudo a ver com a prevenção de acidentes.

ANÁLISE DO RISCO
Trata-se de praticar o “parar para pensar”, de não ir fazendo a tarefa intempestivamente. Especialmente importante é a análise do risco em situações não rotineiras.

BARREIRAS
As barreiras transformam situações de potencial de risco de acidentes em improbabilidade de acidentes.
As barreiras são de três tipos:
(a) bloqueios, que são medidas de engenharia impeditivas do risco – exemplo, cadeado de segurança;
(b) mecanismos de inibição do comportamento errado – exemplo, radares e câmeras;
(c) medidas de gerenciamento administrativo – exemplo, os procedimentos operacionais padrão.
Os bloqueios são as barreiras mais eficazes e devem ser buscados, sempre que possível. As medidas de gerenciamento administrativo também são muito eficazes, mas demandam esforço gerencial para que sejam cumpridas.

CULTURA DE COMPORTAMENTO SEGURO
Para se conseguir esse pilar, é necessário todo um esforço de educação das pessoas, desde o alto nível até o trabalhador. Trata-se de, gradativamente, mudar profundamente a cabeça das pessoas, criando no inconsciente coletivo de todos, dentro da empresa, uma espécie de mantra: “comportamento seguro...comportamento seguro...comportamento seguro!”, que se refletirá na ação prática das pessoas e na pressuposição dessa forma de agir como o padrão dentro daquela empresa.

DISCIPLINA
As regras de trabalho, os procedimentos operacionais padrão e outras medidas gerenciais relacionadas ao comportamento humano de nada valerão se não houver disciplina. Dessa forma, as medidas disciplinares são consideradas como normais e devem ser aplicadas quando indicadas. Um dos maiores objetivos em relação a esse item é que os trabalhadores desenvolvam o senso de autodisciplina.

ENGENHARIA
A boa prática da engenharia pressupõe segurança. Medidas adequadas de engenharia, com repercussão em segurança no trabalho, são fundamentais em pelo menos 6 momentos:
(a) em novos projetos e instalações;
(b) na engenharia do processo produtivo em si;
(c) nos sistemas próprios da segurança –exemplo, ventilação;
(d) projetos de engenharia para eliminar ou minimizar os riscos;
(e) na melhoria das condições ergonômicas;
(f) engenharia na prevenção dos deslizes operacionais.

FISCALIZAÇÃO
Aqui destacamos:
(a) as inspeções periódicas;
(b) as auditorias internas, feitas pela própria empresa;
(c) as auditorias externas, do Ministério do Trabalho ou do Ministério Público do Trabalho.
A presença de um “superego” acompanhando as condições de segurança do processo educa as pessoas e funciona como mecanismo de pressão social, importante para se obter, de forma rápida, o comportamento adequado das chefias.

GERENCIAMENTO DO RISCO
Deve haver uma pessoa responsável pelo processo, que irá “puxar” as atividades relacionadas à prevenção de acidentes e perdas. Faz-se uma previsão das ações que deverão ser adotadas no cotidiano da empresa e acompanha-se a execução das mesmas. Para cumprir este pilar, é necessária a atuação de profissionais organizados e de boa entrada nas áreas operacionais, inclusive para originarem resultados e estatísticas confiáveis, sem serem sabotados.

HIERARQUIA
“A base da pirâmide é o seu ápice!”. Essa imagem, um pouco surrealista, ilustra bem o que devemos fazer para conseguir o comportamento seguro. O alto nível da empresa e o nível de gerência operacional têm que querer segurança como prioridade em seus processos produtivos.

INTERDEPENDÊNCIA
Trata-se de criar uma situação em que todos, inclusive os trabalhadores, consideram acidentes como intoleráveis e a prática segura como a norma absoluta. Trabalhadores participam efetivamente de todos os instrumentos administrativos relacionados à prevenção, desde inspeções até a elaboração de normas e procedimentos e esses instrumentos só serão considerados eficazes se tiverem a participação ativa dos trabalhadores. Um bom sinônimo para esse pilar é co-responsabilidade.


Fonte: Hudson de Araújo Couto – Ergo Assessoria e Consultoria em Saúde Ocupacional

Vídeo:
O vídeo mostra uma série de cenas engraçadas e impossíveis porém existem no local de trabalho, no escritório, na rua e leva alguns segundos para transformar em acidentes.

Marcadores: ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@6:48 PM

0 comments

quinta-feira, abril 09, 2009

No trânsito, enviar mensagens é mais perigoso do que dirigir bêbado

Enviar mensagens de texto do celular enquanto se dirige um carro é mais perigoso do que dirigir bêbado ou sob influência de drogas, afirma uma pesquisa do Laboratório Britânico de Pesquisa em Transportes (TRL).

A pesquisa, conduzida por especialistas da RAC Foundation, que trabalha com segurança dos motoristas, em parceria com o Laboratório de Pesquisas do Trânsito (TRL, na sigla em inglês), selecionou 17 pessoas de entre 18 e 24 anos. Os pesquisadores usaram simuladores de direção no trânsito para avaliar o impacto que escrever ou ler torpedos exerce no modo como os motoristas dirigem.

Segundo os resultados;
■ as reações dos motoristas foram 35% mais lentas quando dirigiam enquanto escreviam ou liam mensagens de texto pelo celular.
■ a capacidade de controle no volante foi prejudicada em 91% e
■ a habilidade em manter a distância com relação aos outros carros também caiu.
Segundo os pesquisadores, em situações reais de trânsito, esses efeitos aumentariam de forma significativa o risco de acidentes.

Distração enquanto trocam mensagens
"Quando trocam mensagens, os motoristas distraem-se ao tirar a mão do volante para usar o celular, ao tentar ler textos pequenos no visor do celular e ao pensar em como escreverão suas mensagens", diz Nick Reed, pesquisador do TRL.
Ele explica ainda que "essa combinação de fatores resulta em uma diminuição na capacidade de reação e de controle do veículo que colocam o motorista em um risco maior do que se estivesse consumido álcool no limite legal para direção."

Pior que o álcool
O tempo de reação das pessoas enviando mensagens por celular enquanto dirigem cai 35 por cento. O impacto das mensagens nos motoristas é maior do que o provocado por drogas ou álcool. Resultados de pesquisas anteriores haviam demonstrado que as reações ficavam cerca de 21% mais lentas entre motoristas que dirigiam sob o efeito da maconha e 12% mais lentas entre os motoristas que haviam bebido além do limite considerado legal na Grã-Bretanha.
Os participantes deste estudo foram quase unânimes indicando que a direção alcoolizada seria a ação mais perigosa na estrada, afirmou Stephen Glaister diretor da RAC. Ele afirmou que a pesquisa mostrou claramente que o motorista que está digitando é prejudicado significativamente mais do que aquele dentro do limite legal de álcool.

Digitar texto é perigoso
Uma conclusão a que pesquisadores chegaram sobre por que digitar um texto é tão perigoso é o tempo que demora para digitar uma mensagem dirigindo.
O TRL afirmou que digitar uma mensagem no volante demora 63 segundos;
■ tempo que o carro leva para percorrer 0,8 km na velocidade de 45 km/h, no centro de uma cidade e,
■ acima de 1,6 km nos limites de velocidade de 90 km/h de uma rodovia.

Alerta, quase 50% dos motoristas trocam mensagens
Os pesquisadores da RAC Foundation decidiram avaliar o impacto das mensagens na direção depois que um estudo realizado no início do ano revelou que a prática do envio e leitura de mensagens no volante é comum entre os motoristas britânicos. A pesquisa realizada pela TRL no início do ano com cerca de 3 mil motoristas, revelou que 48% assumiram que enviam e recebem mensagens enquanto dirigem.
Depois de avaliar o impacto das mensagens na direção, os pesquisadores pedem investimento urgente do governo em uma campanha para educação no trânsito direcionada a alertar os motoristas sobre os riscos de enviar ou ler mensagens na direção.
"Nenhum motorista responsável bebe e dirige. Precisamos garantir que os motoristas acostumados em enviar e ler mensagens entende que essa prática é uma das mais perigosas que alguém pode realizar enquanto dirige um automóvel", afirmou Stephen Glaister.

Fonte: UOL – 18 de setembro de 2008 e Yhaoo News - 18 Set 2008

Comentário:
Porque as pessoas precisam de celulares colados em seus rostos a todo momento?
O celular transformou-se na tornozeleira ou pulseira eletrônica em que o preso é monitorado via satélite, para a maioria das pessoas. Em lugares mais incríveis você encontra alguém conversando no celular. Transferindo essa diversão de conversação para locais onde exigem concentração, atenção, processamento de informações pelo cérebro, resulta na distração, falta de concentração, desatenção, análise dispersa de informações, etc. provocando acidentes para quem está dirigindo, ou executando um serviço que requer concentração. O celular transformou-se na epidemia eletrônica atual.

As colisões de automóveis são os principais assassinos dos adolescentes nos Estados Unidos. De acordo com Agência Federal de Segurança de Trafego em Rodovia (NHTSA), os dados mostram que, cada ano, em média:
■ Mais de 300.000 adolescentes são vitimas de colisões de carros
■ Cerca de 8.000 adolescentes estão envolvidos em colisões fatais
■ Mais de 3.500 adolescentes são mortos

Pesquisa da Agência também mostra que motoristas adolescentes estão envolvidos em mais de cinco vezes em colisões fatais do que adultos. Os motoristas jovens estão mais propensos a correr, não respeitar sinais de trânsito, fazer conversões proibidas, e morrer em veículos utilitários esportivos.

Dirigir conversando no celular ou enviando mensagens causam a cada ano nos Estados Unidos;
■ 2.600 mortes e
■ 330.000 ferimentos.

Vídeo
Mostra as distrações que o celular pode causar ao motorista


Vídeo
Distração do pedestre com o celular

Marcadores: ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@1:52 PM

0 comments

terça-feira, abril 07, 2009

Morte de trabalhador na OGMA em Alverca


O sindicato dos Trabalhadores Civis das Forças Armadas (STEFFAS), do qual fazia parte o trabalhador que morreu vítima de acidente de trabalho nas oficinas da OGMA, em Alverca, na segunda-feira, 23 de março de 2009, já pediu explicações à empresa pelo sucedido.

O trabalhador, natural de Alvega, concelho de Abrantes e residente em Alverca do Ribatejo, caiu de uma estrutura metálica, montada junto da asa de um avião C-130 já no final do turno de segunda-feira. Ainda foi transportado para o Hospital de Reynaldo dos Santos em Vila Franca de Xira, mas não resistiu aos ferimentos e acabaria por falecer.

Causa do acidente
A Indústria Aeronáutica de Portugal SA (OGMA) confirma o acidente e afirma que o trabalhador sentiu-se mal e caiu da estrutura metálica. Refere ainda que a vítima já tinha antecedentes de saúde e que sofria de Epilepsia.

Características do avião:
Comprimento - 29,79 m
Envergadura - 40,41 m
Altura - 11,9 m
Área (asas) - 162,12 m²

Fonte: O MIRANTE.- Sociedade 26 Mar 2009

Comentário:
Todo trabalho em altura ou em plano elevado, todo trabalhador deve passar por um exame médico minucioso para verificar se existe alguma doença ou anomalia que possa ser potencializado pelo trabalho em altura (vertigem, convulsão, drogas, etc).

A empresa já sabia que o trabalhador tinha problema, doença neurológica crônica (epilepsia), caracterizada por repetidas crises convulsivas, Como a empresa permite um trabalhador com esse tipo de doença, trabalhar em plano elevado ou diferença de nível, onde a queda é o fator principal? Podemos considerar isso, como erro de omissão ou de negligência.

Todo trabalhador deverá possuir Atestado de Saúde Ocupacional, emitido pelo médico responsável pelo programa de controle médico saúde ocupacional da empresa, indicando que o trabalhador está apto para executar trabalhos em altura.

O médico do trabalho deve realizar anamnese minuciosa contemplando história clínica atual e pregressa, enfatizando a pesquisa de condições que poderão contribuir ou determinar queda da própria altura ou de planos elevados, como antecedentes de desmaios, tonteira, vertigem, arritmias cardíacas, hipertensão arterial, convulsão, uso contínuo ou abusivo de bebida alcoólica e drogas, uso de medicamentos que interferem no sistema nervoso ou ritmo e freqüência cardíaca. Após isso, proceder a meticuloso exame físico, com verificação da existência ou não de restrição aos movimentos, distúrbios do equilíbrio ou coordenação motora, anemia, obesidade, hipertensão arterial, cardiopatias e outras patologias que poderão contribuir para acidentes com queda de altura.

O médico do trabalho deve, também, orientar a equipe de segurança do trabalho e os encarregados pela realização dos serviços em altura sobre a necessidade de se apurar o estado de saúde do trabalhador antes de se iniciar o trabalho. Existem várias situações que poderão provocar acidentes em planos elevados e que vale a pena serem relembradas:
■ alimentação inadequada, consumo de bebida alcoólica e
■ drogas psicoativas, distúrbios do sono.
O encarregado pelo trabalho deve, sempre no início de cada atividade, perguntar ao trabalhador se este se encontra em condições físicas e psíquicas para realizar o trabalho em altura e registrar esse fato no documento de Permissão para o Trabalho em Altura, sendo essa umas das perguntas básicas da Lista de Verificação (check list) para trabalho em altura. Fonte: ANAMT (Associação Nacional de Medicina do Trabalho)

Marcadores: ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@6:59 AM

0 comments

domingo, abril 05, 2009

Acidente com vergalhão

Esta imagem mostra um acidente com vergalhão, que transpassou a região do pescoço da trabalhador, mas não veio a falecer.

Comentário:

Essa foto é interessante para mostrar a importância da prevenção de risco.
A colocação simples de um protetor plástico no vergalhão minimizaria esse acidente do trabalhador.


A extremidade exposta de um vergalhão pode causar, além de pequenas lesões, acidentes mais graves aos trabalhadores que, enroscados na ferragem, podem vir até a sofrer uma queda ou um acidente mais sério.

A solução para evitar esse tipo de ocorrência é simples, barata e confere à obra um aspecto de organização e segurança: um pequeno protetor plástico para cada vergalhão.

Marcadores: ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@2:29 AM

0 comments

sexta-feira, abril 03, 2009

Acidente fatal em fábrica de vidro

Na madrugada do último dia 14 de fevereiro de 2009, quando cumpria uma jornada de trabalho das 22h30 às 6h30 na fábrica LM Vidros Temperados, o assistente de produção Denner Mendes Dias, de 23 anos, se deparou com uma situação para o qual não recebeu treinamento, e, agindo apenas da forma que acreditava ser correta, morreu em decorrência de um acidente de trabalho.

O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) chegou a ir até o local para prestar socorro, mas quando chegou ele já havia morrido. Segundo o serviço, o jovem havia perdido muito sangue.

Na ocasião, conforme o documento, o funcionário foi alertado que deveria colocar um pedaço de papelão entre as peças de vidros, atendendo uma exigência do controle de qualidade. Denner, então, pediu que um colega empurrasse as peças de vidro para que ele amparasse, contudo, não suportou o peso das oito lâminas, equivalente a mais de uma tonelada, caiu sobre ele e sofreu traumatismo craniano.

Procedimentos de segurança
“Não tinha uma norma de segurança de como ele deveria proceder. Como, por exemplo, transpor as peças de um carrinho para outro e corrigir a falha”, enfatiza engenheiro de segurança do trabalho, Erick Capobianco.

Além da falta de normatização dos procedimentos de segurança, o relatório do Cerest (Centro Estadual de Referência em Saúde do Trabalhador) cita uma série de falhas, tais como;
■ Conforme o documento, Denner Dias foi chamado pra cumprir às 8h da jornada de trabalho à noite porque o processo de fabricação ficou interrompido por três dias e a empresa tinha prazos a cumprir. Diante da interrupção do processo de tratamento de têmpera de vidros com a paralisação do forno demandou a produção extraordinária, executada com funcionários em número reduzido.
■ Houve falha de logística, pois as lâminas de vidros tiveram quer ser colocadas em um carrinho menor do que o usualmente utilizado. “Os colegas de trabalho do Denner disseram que ‘caçaram’ um carrinho. O que mostra que no dia não haviam provido o número suficiente de carrinho para transporte interno”.

Programa de prevenção de acidentes
Conforme Erick Capobianco, o programa de prevenção de acidentes da empresa, elaborado em setembro do ano passado pelo Sesi, é falho, com foco apenas no uso de EPI (Equipamento de Proteção Individual) e controle de qualidade do produto.
De acordo com o parecer, a assinatura de Denner consta na lista de presença de apenas um curso oferecido no dia 16 de dezembro, o tema era o uso de EPI.

Vidro, atividade de risco elevado
Se em vez dos 98 funcionários, a empresa tivesse 101 empregados, também seria exigida a contratação de um técnico de segurança de trabalho. A produção de vidros é considerada de grau de risco 3. A classificação do Ministério do Trabalho vai até 4.

Segundo a Cipa
O presidente da Cipa (Comissão Interna de Prevenção a Acidentes) da LM, Robson da Silva Martins, atribuiu toda responsabilidade pelo acidente ao funcionário morto e a um colega que fazia o procedimento em dupla com a vítima. Na avaliação de Robson Martins, Denner negligenciou os passos para o armazenamento do material no carrinho de transporte.

Fonte: Campo Grande News - Quinta-feira, 26 de Março de 2009

Comentário:
A empresa tem a certificação da ISO 9001:2000, reconhecida por uma das maiores certificadoras do mundo.

Um certificado ISO 9001:2000 comprova que o seu Sistema de Gestão de Qualidade foi certificado de acordo com uma norma de melhores práticas e foi aprovado. Emitido por uma organização de certificação após uma auditoria independente por terceiros.

Nota-se pelo vídeo que houve uma falha no processo, que em conseqüência provocou o acidente. O trabalhador estava colocando espaçadores de papelão entre as placas de vidro, que já deveria ter feito durante a colocação de cada placa de vidro.

A ISO 9001 sugere que a aplicação e a gestão de um sistema de processos seja uma forma efetiva de garantir uma boa gestão da qualidade. Para adotar esta “abordagem de processo”, a ISO 9001 inclui uma metodologia PDCA (“Planejar-Fazer-Checar-Agir”) que pode ser aplicada a todos os processos. A essência é fazer de modo seguro, com eficiência e qualidade.
Na linguagem da qualidade, os incidentes são defeitos na saída do processo. A maioria dos de­feitos são gerados pela grande variação nos sistemas em andamento. O acidente de trabalho também seria um defeito do processo.
Existem muitas fontes em potencial de variação em um sistema. Algumas delas são:
■ equipamentos, maquinismo,
■ matérias‑primas, procedimentos,
■ política, métodos,
■ gerenciamento de sistemas e pessoas.

Equipamentos e maquinismo

Foto - Unidade de carregamento por ponte rolante

Existe tecnologia de equipamentos de movimentação, transporte e armazenagem de placas de vidro, em que o trabalhador não fica em exposição de riscos, (quebra de vidro, carga excessiva para movimentação, etc). Na época da certificação já deveria ter feito essa análise de custo e beneficio de movimentação, transporte e armazenagem de vidro.
Como menciona no relatório do Cerest, “Não tinha uma norma de segurança de como ele deveria proceder. Como, por exemplo, transpor as peças de um carrinho para outro e corrigir a falha”.

Foto – Ventosa – Solução prática para a movimentação vertical de vidro. Pode ser usado em ponte rolante

Procedimentos, armazenamento
No transporte e armazenamento de placas de vidro deverão ser observados os seguintes procedimentos:
■ Transportar as placas sempre na posição vertical, com inclinação de aproximadamente de 6º , observando a quantidade máxima para empilhamento.
■ Dispor de mecanismo de segurança contra o tombamento das placas
■ Separar mecanicamente as placas de vidro para evitar abrasão ou quebra. Esta separação pode ser feita com papel jornal, com papelão de espessura final.
.
Gerenciamento de pessoas.
Nesse acidente demonstra-se que houve falha no processo, esquecimento de colocação de espaçadores entre as placas de vidro. O método de transporte por carrinho é potencialmente perigoso devido à quantidade de placas e instabilidade.
Segundo o engenheiro de segurança, Erick Capobianco, o programa de prevenção de acidentes da empresa, elaborado em setembro do ano passado pelo Sesi, é falho, com foco apenas no uso de EPI (Equipamento de Proteção Individual) e controle de qualidade do produto. De acordo com o parecer, a assinatura de Denner (vítima fatal) consta na lista de presença de apenas um curso oferecido no dia 16 de dezembro de 2008, o tema era o uso de EPI. É como um time amador, o técnico entrega o calção, a camisa e antes da partida o time faz uma oração. A empresa entrega o capacete, cinto de segurança, sapato e dá algumas dicas de instruções de segurança. Todos estão aptos para jogar, ou melhor, para trabalhar.

Na gestão da qualidade todos os setores e trabalhadores da empresa devem trabalhar de forma integrada.
Em programa de Prevenção de Acidentes, treinamentos adequados, política da empresa, slogans, normas, são fundamentais, pois nos levam a um menor número de acidentes. As atividades seguras nos levam a um menor número de comportamentos de risco que, por conseguinte nos levam a um número reduzido de acidentes.
Esse acidente mostrou que a empresa teve interesse na certificação de qualidade, muito provável por exigência do mercado, mas total desinteresse na qualidade de segurança do trabalho, quanto ao ambiente favorável à saúde e integridade física do trabalhador.


Vídeo:
As imagens registradas em vídeo por câmeras de segurança do circuito interno da empresa LM Vidros, de Campo Grande, MS, flagraram o momento em que o trabalhador, morre ao tentar segurar as placas de vidro.

Marcadores:

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@11:04 AM

1 comments

quinta-feira, abril 02, 2009

Mergulhador é atingido na cabeça por arpão na Ilha do Governador

Imagens da tomografia computadorizada

Um homem foi atingido na cabeça por um arpão ao mergulhar na Ilha do Governador, Rio de Janeiro. A vítima foi socorrida no Hospital de Saracuruna, na Baixada Fluminense. O acidente ocorreu na manhã de sábado, 28 de março de 2009.
A vítima chegou lúcido ao Hospital de Saracuruna, na Baixada Fluminense, onde foi operado.
A vítima, identificada como Emerson de Oliveira Abreu, passou por uma operação de alto risco, por conta do pedaço do arpão preso na sua cabeça.

Cirurgia
O mergulhador Emerson de Oliveira Abreu foi operado, continua lúcido, tem reflexos normais e passa bem. Seu estado de saúde é estável e não há risco de morte. Contudo, não há previsão de alta e ele deve permanecer na enfermaria do Hospital Saracuruna, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, por alguns dias. Os médicos acreditam que ele não deve ter sequelas graves. Foram cinco horas de cirurgia.
O caso surpreendeu até a equipe médica chefiada pelo neurocirurgião Flávio Falconetti. O diretor do hospital, o neurocirurgião Manoel Moreira, disse que Emerson teve sorte porque o arpão não atingiu partes nobres do cérebro. "Ele chegou aqui lúcido, sem déficit motor nenhum", contou. Transferido para a enfermaria, o mergulhador passou por mais exames e não apresentou sinal de lesão neurológica.
"Ele não perdeu a visão por um fio. A lança passou por trás do globo ocular, perto do nervo ótico. Há muito edema na região orbital, mas ele está enxergando. Vamos esperar que ele melhore para fazer um exame oftalmológico mais apurado. Segundo o médico, o arpão passou perto da artéria que vasculariza o cérebro, a carótida. Se ela fosse atingida, dificilmente Emerson sobreviveria”, disse Moreira. Ele está fazendo uso de antibióticos para evitar infecções e deve receber alta em até dez dias. Segundo o médico, deve levar uma vida normal.

Uma fisgada, uma forte queimação
Uma fisgada, uma forte queimação no rosto e um grande medo de morrer. Foi o que sentiu Emerson. Ele segue internado no Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Saracuruna (Baixada Fluminense).

O acidente
O arpão foi disparado em direção a um peixe, bateu em uma pedra, voltou e atingiu minha cabeça. Meu colega estava bem distante de mim. Eu creio que não tem possibilidade de ter sido o arpão dele. Senti muita dor quando saí da água. Queimava muito a minha face, disse Emerson na entrevista dada pelo mergulhador no hospital.

Emergência e Atendimento
"Foi tudo muito rápido. Disparei o arpão em direção a um peixe. Quando vi, o arpão bateu em uma pedra, voltou e atingiu minha cabeça, recorda Emerson. Na hora um amigo viu que eu tinha me ferido e me ajudou. Daí eu subi numa pedra e fui socorrido por uma embarcação de uns moradores da Ilha do Governador. Na hora, eu pensei até em tirar aquela flecha da cabeça. O pessoal que me deu uma assistência na hora disse 'não, rapaz, não faz isso'. Graças a Deus correu tudo bem” completou Emerson.
“Os moradores o levaram de carro até o Hospital Municipal Paulino Werneck, na Ilha do Governador, onde, no entanto, ele não pôde ser atendido por falta de infraestrutura. Fui encaminhado ao Hospital Estadual Adão Pereira Nunes (Saracuruna), em Duque de Caxias (RJ), por uma viatura do Grupamento de Socorro de Emergência (GSE) do Corpo de Bombeiros. Foi horrível. Eu estava muito nervoso. Tentava não me mexer, mas a viatura trepidava muito", recorda Emerson.

Penetração do arpão no crânio
A parte externa do arpão foi cortada para que ele pudesse entrar na tomografia. Dos 70 cm de haste, 25% estava dentro do crânio. A lança entrou por cima do olho esquerdo e não atingiu nenhuma área crítica do cérebro.

Fonte: G1, 29 de março de 2009 e Estadão - 1 de abril de 2009

Comentário:
O acidente é inusitado, pois o mergulhador fica na posição frontal em relação ao alvo e o peixe fica lateralmente para ter maior área de alvo. O arpão é disparado e erra o alvo, bate numa pedra, ricocheteia e volta quase na posição perpendicular para o novo alvo, rosto do mergulhador.
Existem acidentes de arpão entre mergulhadores, quando nenhum deles, visualiza outro na hora do disparo ou não mantém distância segura.

Vídeo

Marcadores: ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@7:11 AM

0 comments