Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

quinta-feira, abril 28, 2011

Os carros híbridos são perigosos?

A popularidade crescente de veículos híbridos é um passo para o meio ambiente (ar mais limpo) e menos dependência com a gasolina. Mas para as equipes de resgate presentes no acidente, representam um novo perigo em potencial: uma rede de circuito de alta voltagem que exige um corte preciso do circuito para salvar uma vítima presa. “Você não deseja sair cortando qualquer coisa com as ferramentas hidráulicas,” disse Samuel Caroluzzi, chefe assistente do Corpo de Bombeiros de Norristow, região de Filadélfia. “É suficiente para matá-lo, diz no curso de treinamento”.

Os carros híbridos retiram potência de duas fontes, um tipicamente motor a gasolina ou a diesel combinado com um motor elétrico. A tensão que a bateria do motor elétrico transporta mais de 500 volts, mais de 40 vezes a energia de uma bateria padrão. Isso preocupa, com aqueles que devem cortar o carro para salvar uma pessoa do seu interior.“Se você não pode interromper a voltagem, você não sabe onde a voltagem é elevada,” disse David, paramédico em New Brunswick, New Jersey.
Os fabricantes puseram um check list de segurança que o computador do carro deve checar para que possa funcionar o sistema elétrico. Publicaram manuais mostrando onde os componentes elétricos estão em seus modelos; no Toyota Prius e outros híbridos, os cabos de alta voltagem são alaranjados brilhantes para chamar atenção de um socorrista ou mecânico.

Mas há preocupações sobre o que acontece e se algo sai errado e a bateria, a ignição e outros pontos são inacessíveis. “É o “se” que preocupa-me,'' disse David Castiaux, instrutor para o Centro de Tecnologia Mid Del em Oklahoma, que ensina aos socorristas sobre carros híbridos.

Chris Peterson, instrutor do treinamento de serviço da Toyota, disse que o sistema elétrico do carro Prius deve interromper o circuito, se algo sai errado. “Não deve haver alta voltagem nesses cabos, mas é impossível afirmar e dizer “não há”,'' disse. Os socorristas são treinados para desconectar a bateria e desligar a chave imediatamente antes de cortar um carro, mas isso não é sempre possível.

“Anteriormente você poderia apenas cortar com suas ferramentas de corte de uma extremidade a outra, mas agora você tem que olhar antes que você corta,'' disse Ken, chefe do Corpo de Bombeiros do distrito de Iselin em Woodbridge, New Jersey. “É simplesmente outra coisa que você deve preocupar-se.''

Quando o airbag começou tornar-se mais comum na década de 80, os socorristas ficaram cientes do seu potencial de ferir gravemente ou matar quando inflados. Essas preocupações intensificaram agora, pois os dispositivos de segurança estão sendo instalados nos painéis laterais, nos assentos e em outras áreas.

Os interesses sobre carros híbridos estão aumentando em grande parte por causa do aumento de sua popularidade. As vendas aumentaram a uma taxa anual média de 88,6% desde 2000 e cálculos recentes mostram que o número de americanos dirigindo-os saltou mais de 25% de 2002 a 2003.

Os carros Honda Insight e o Toyota Prius são os mais comuns agora e muito estão a caminho: as versões híbridas da Ford Escape, Honda Accord e o Lexus SUV este ano, e Toyota Highlander em 2005. O Corpo de Bombeiros da região de Alachua em Gainesville, agora tem dois carros híbridos. Embora suas equipes não tiveram ainda lidar com colisão com carro híbrido, eles conseguiram familiarizar-se com o problema, o que fazer quando de sua ocorrência , disse o assistente chefe Cliff Chapman.

Eles sabem que não podem cortar as portas de um carro híbrido, isto é, onde muitos dos cabos estão instalados e não retalhar até o teto. Também operam sob a suposição que o carro está energizado, usando botas e luvas de borracha.

Os fabricantes informam que continuarão a manter os socorristas atualizados nas informações sobre os carros híbridos. Mas eles também argumentam que os carros híbridos podem ser vistos como carros mais seguros do que os carros convencionais. “Todo o mundo está preocupado com o problema elétrico, mas você poderia imaginar se tentássemos trazer a gasolina à luz de hoje, como um combustível de motor?” disse Peterson .  Fonte: Fire Engineering - May 5, 2004

Marcadores: , , ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@7:54 AM

0 comments

domingo, abril 24, 2011

Rompedores pneumáticos: ruído e vibração

Foto: Quatro rompedores pneumáticos
Ruído: 105 dB
A foto foi tirada a uma distância de 100 metros. O ruído era ensurdecedor nessa distância, tinha de falar alto, não tinha condições de concentrar-me no trabalho. Imagino entre os trabalhadores. Os trabalhadores estavam usando abafadores de ruído. A soma dos valores, desprezando a distância equivale a 111 dB. O tempo de exposição dos trabalhadores era de 6 horas, com intervalo para o almoço.

O tempo de exposição diária permitido pela NR-15 do MTE é de 15 minutos/dia (para 110 dB). Ainda a não inventaram um protetor auricular capaz de atenuar esses níveis de ruído a patamares seguros, ou seja, abaixo de 85 dB para oito horas/dia.

A redução do tempo de exposição diária, efetivada por meio de rodízios de trabalhadores/atividades seria a melhor forma de proteger os trabalhadores? Acho que não. Talvez um rodízio de 16 trabalhadores para atender uma exposição diária de 2 horas, para um nível de ruído de 95 dB com abafadores?
Melhor solução: Existem empresas especializadas em cortes de concreto armado, seria a opção? A que custo?

Problemas dos abafadores e plugs no campo real
■ Estado de conservação
■ Baixa destreza de colocação
■ Interferências (quatro trabalhadores )
■ Hábitos dos trabalhadores que prejudicam o ajuste do EPI

Além do ruído, temos a exposição à vibração. Qual seria a vida útil para o trabalho de um trabalhador exposto a ruído excessivo e a vibração?

QUAIS SÃO OS EFEITOS SOBRE A SAÚDE DA VIBRAÇÃO MÃO-BRAÇO?
A vibração induzida avança lentamente nas condições de saúde No início ele começa como uma dor. Com a exposição contínua da vibração, a dor pode tornar-se um ferimento ou doença. A dor é o estado de saúde em primeiro lugar que é observado e deve ser abordada de forma a impedir o dano.
A vibração induzida denominada dedo branco (VDB) é a condição mais comum entre os operadores de ferramentas manuais vibratórias. A vibração pode causar alterações nos tendões, músculos, ossos e articulações, podendo afetar o sistema nervoso. Coletivamente, esses efeitos são conhecidos como síndrome de vibração mão-Braço (SVMB). Os sintomas da SVMB são agravados quando as mãos estão expostas ao frio.

Os trabalhadores afetados por SVMB comumente relatam:
■ ataques de brancura (branqueamento), de um ou mais dedos quando expostos ao frio
■ formigamento e perda de sensibilidade nos dedos
■ perda do tato
■ dor e sensação de frio entre os períodos ataques do dedo branco
■ perda da força de agarrar, segurar e apertar.
■ cistos ósseos nos dedos e pulsos
O desenvolvimento de SVMB é gradual e aumenta em gravidade ao longo do tempo. Pode demorar alguns meses até vários anos para que os sintomas de SVMB tornar-se clinicamente perceptível.

QUAIS SÃO OS SINTOMAS DA SÍNDROME DE VIBRAÇÃO MÃO-BRAÇO (SVMB)?
A exposição à vibração da mão-braço afeta o fluxo do sangue (efeito vascular) e provoca a perda da sensação de toque (efeito neurológico) nos dedos.

QUAL É O FENÔMENO DE RAYNAUD DE ORIGEM OCUPACIONAL?
A síndrome de vibração mão-braço também é conhecida como fenômeno de Raynaud de origem ocupacional. Vibração é apenas uma das causas do fenômeno de Raynaud. Outras causas são as doenças do tecido conjuntivo, lesão tecidual, doenças dos vasos sanguíneos nos dedos das mãos, exposição ao cloreto de vinila, e o uso de determinadas drogas. O fluxo sanguíneo reduzido resultante pode produzir dedos brancos em ambientes frios.

QUAIS SÃO OS EFEITOS NA SAÚDE DAS VIBRAÇÕES NO CORPO INTEIRO?
As vibrações no corpo inteiro podem causar fadiga, insônia, problemas de estômago, dor de cabeça e "tremores" logo após ou durante a exposição. Os sintomas são semelhantes aos que muitas pessoas experimentam depois de viagens longas de carro ou uma viagem de barco. Após a exposição diária ao longo de vários anos, a vibração de corpo inteiro pode afetar todo o corpo e resultar em uma série de problemas de saúde.

Veículos aéreos, marítimos ou terrestres podem causar enjôos quando a exposição a vibração ocorre na faixa de freqüência 0,1-0,6 Hz. Estudos de motoristas de ônibus e de tratores descobriram que a exposição ocupacional a vibrações de corpo inteiro poderia ter contribuído para um número de problemas do aparelho circulatório, intestino, aparelho respiratório, dores musculares e das costas. Os efeitos combinados da postura do corpo, fadiga postural, hábitos alimentares e vibração de corpo inteiro são as possíveis causas para esses transtornos.

Estudos mostram que a vibração de corpo inteiro pode aumentar a freqüência cardíaca, consumo de oxigênio e freqüência respiratória, e pode produzir mudanças no sangue e na urina. Pesquisadores do leste da Europa têm observado que a exposição à vibração do corpo inteiro pode produzir uma sensação geral de doente, que eles chamam de "doença de vibração."

Muitos estudos relataram uma diminuição do desempenho em trabalhadores expostos a vibração do corpo inteiro.

QUANTO DE EXPOSIÇÃO DE VIBRAÇÃO TEM SE ACUMULAR ANTES QUE AFETEM AS PESSOAS?
Como em todas as exposições ocupacionais, a sensibilidade individual à vibração varia de pessoa para pessoa.
Três fatores importantes que afetam à saúde podem resultar da exposição a vibrações:
■ o valor do limiar ou a quantidade de exposição à vibração que resulta em efeitos adversos à saúde
■ a relação dose-resposta (como a gravidade dos efeitos adversos à saúde está relacionada à quantidade de exposição)
■ período de latência (tempo da primeira exposição ao aparecimento de sintomas

O valor limite de vibração é o nível abaixo do qual não há risco de síndrome da vibração. Em outras palavras, é a intensidade máxima de vibração a que os trabalhadores mais saudáveis podem ser expostos a cada dia de trabalho para sua atividade em tempo integral, sem desenvolver palidez, dormência ou frio dos dedos. Os trabalhadores não vão desenvolver lesões relacionadas com a vibração ou doença, se a exposição à vibração é mantida em níveis suficientemente baixos.

O que se tem observado é que o número de pessoas afetadas aumenta, como a intensidade e a duração da exposição aumenta a vibração. Esse tipo de relação exposição-resposta indica uma possível relação entre efeitos à saúde e a quantidade total de energia de vibração que entram nas mãos ou corpo. Dependendo da intensidade da exposição, os sintomas podem aparecer em meses ou anos após o início da exposição.

O período latente de SVBM é o tempo desde a primeira exposição ocupacional a vibração mão-braço até o início dos sintomas. O período de latência depende da intensidade da exposição. Quanto maior a intensidade, mais curto o período de latência.
POR QUE NÃO É FÁCIL DE DIAGNOSTICAR AS DOENÇAS RELACIONADAS COM A VIBRAÇÃO?
A aceitação da síndrome da vibração como uma doença industrial é dificultada principalmente:
■ Nem todo médico é treinado para diagnosticar vibração induzida dedo branco (VDB) ou outras doenças relacionadas com a vibração.
■ As causas do VDB nem sempre podem ser identificados.
■ Não há testes objetivos que mensuram o prejuízo.
■ A doença progride durante anos antes de os sintomas se tornarem graves o suficiente para afetar a capacidade de desempenho do trabalhador.

EXISTEM ESTUDOS SOBRE OS EFEITOS COMBINADOS DE RUÍDO E VIBRAÇÃO?
Como a maioria das máquinas vibratórias e ferramentas produz ruído, um trabalhador exposto a vibração, provavelmente deve estar exposto ao ruído, ao mesmo tempo. Estudos da perda auditiva entre os lenhadores (utilizam motoserras) revelaram que, para a exposição a ruídos iguais, aqueles com o dedo vibração induzida branco (VDB) tiveram maior perda de audição do que aqueles sem VDB. A razão para este efeito não está clara.
Estudos sobre o efeito da exposição separada e simultânea ao ruído e vibração de corpo inteiro concluíram que a vibração de corpo inteiro sozinho não causa perda de audição. No entanto, a exposição simultânea a ruído e vibração produz maior perda auditiva temporária que o ruído sozinho.

EXISTEM NORMAS DE EXPOSIÇÃO PARA VIBRAÇÃO?
Os limites de exposição recomendado pela (ACGIH, Conferência Americana de Higienistas Industriais do Governo (USA). .
Existem outras regulamentações e normas. Os locais de trabalho devem tentar manter as exposições muito abaixo dos limites possíveis.
Em alguns países, o limite de exposição também é dado como limite limiar e limite de exposição. O limite limiar é inferior ao limite de exposição e garante o início das medidas de controle.
Fonte: Canadian Centre for Occupational Health and Safety

Marcadores: , ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@12:56 PM

0 comments

quinta-feira, abril 21, 2011

Síndrome do Polegar de BlackBerry

Síndrome do Polegar de BlackBerry atinge viciados em torpedos e pode danificar tendões e articulações da mão

Quem costuma enviar dezenas de torpedos diariamente para amigos, parentes ou chefes deve tomar cuidado. Um novo mal, típico do mundo moderno - está afetando os viciados em SMS ou e-mails pelo celular. Trata-se da chamada "Síndrome do Polegar de BlackBerry" (BlackBerry Thumb Syndrome), em referência ao aparelho telefônico do mesmo nome, um dos primeiros a ter teclados ágeis que facilitam a composição de mensagens.

Segundo especialistas do Hospital Kaplan, na cidade de Rehovot, em Israel, aumenta a cada dia o número de "viciados" em torpedos atendidos com inflamações nos polegares que, se não são tratadas, podem danificar os tendões e as articulações da mão inteira, causando tendinite ou artrite prematura.

A emergência do hospital tem recebido, nos últimos meses, dezenas de jovens com as mesmas reclamações: dor na mão, polegar inchado e sensível ao toque. Depois de examinados, eles têm recebido o mesmo diagnóstico: inflamação nos dedos causada pela ação de teclar repetitivamente nos celulares. Todos os pacientes admitiram que enviam dezenas - ou centenas - de torpedos ou e-mails pelo celular diariamente. O mais jovem deles tinha 12 anos.

Ainda não há estudos definitivos sobre a nova "Síndrome do torpedo", que foi identificada a menos de uma década nos Estados Unidos. Mas, com o aumento meteórico no uso de telefones celulares pelo mundo, os mesmos sintomas começam a afetar pessoas por todo o Planeta.

A inflamação é causada pela pressão excessiva sobre dois tendões, o que flexiona o polegar e o que o endireita. O médico Amir Oren, do Departamento Cirúrgico do Hospital Kaplan, explica que apertar as teclas dos celulares com os polegares muitas vezes acaba inflamando esses tendões, causando dor e inchaço. Segundo ele, caso a condição não seja tratada, a cartilagem da articulação da base do polegar pode ser danificada. Em casos extremos, é necessária até mesmo uma cirurgia de substituição da articulação.

- Vemos cada vez mais pessoas mandando torpedos para se comunicarem umas com as outras. Muitos têm medo da radiação dos telefones celulares e acham que mandar SMS é mais seguro - diz Oren. - Até os meus colegas estão sendo afetados.

Especialistas informam que os polegares não têm a agilidade e a flexibilidade dos outros quatro dedos e, por isso, sofrem mais no caso de atividades repetitivas.

- O teclado dos computadores foi desenhado para que se utilizem os outros dedos, e não o polegar, que não são capazes de teclar rapidamente. Nesses teclados, o polegar só é usado para teclar na barra de espaço - disse Alan Hedge, especialista em ergonometria da Universidade de Cornell, Ithaca, à revista americana Wired.

Na maioria dos casos, os sintomas desaparecem em alguns dias, se o paciente conseguir se abster dos torpedos. Mas, se a obsessão for mais forte do que ele, é melhor se preparar para encarar mais uma doença do século 21.
Fonte: Globo Online - 12/04/2011

Comentário:
Daqui a pouco o grande problema é distinguir a doença ocupacional provocado pela tecnologia industrial da tecnologia de entretenimento.
A crianças, jovens, adolescentes já estarão com problemas de lesões por esforços repetitivos provocados pela tecnologia de entretenimento. E quando esses jovens entrarem no mercado de trabalho já estariam com pré-disposição para adquirir prematuramente doença ocupacional por atividades repetitivas.
As Lesões por Esforços Repetitivos ou Distúrbios Osteomoleculares Relacionados ao Trabalho (LER/DORT), englobam dezenas de doenças, entre elas a tendinite (inflamação de tendão) e a tenossinovite (inflamação da membrana que recobre os tendões). As LER/Dort são responsáveis pela alteração das estruturas osteomusculares, como tendões, articulações, músculos e nervos.

Marcadores: , , ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@12:29 PM

0 comments

terça-feira, abril 19, 2011

ONG denuncia marcas de jeans que usam técnica de jateamento de areia

Silicose, doença que afeta os pulmões, é a principal ameaça apontada pela ONG Declaração de Berna

Várias marcas de confecção de roupas, tanto de luxo como populares, continuam utilizando uma técnica de jateamento de areia para desgastar calças jeans apesar das graves consequências existentes para a saúde dos funcionários responsáveis pela produção.

A denúncia foi feita nesta quinta-feira pela ONG Declaração de Berna, que em ocasião do Dia Mundial da Saúde lançou a campanha Roupa Limpa para exigir que as empresas do setor têxtil parem imediatamente de produzir esses "jeans" desgastados.

Esta ONG suíça - conhecida por entregar todos os anos um prêmio às empresas mais irresponsáveis em questões ambientais - denuncia que a técnica de jateamento de areia é muito perigosa para os operários.

O principal problema causado por esta técnica é a silicose, uma doença sem cura que afeta os pulmões e que avança "a uma velocidade nunca observada em outros setores de produção", assinala a ONG.
Por isso, a campanha Roupa Limpa pressiona desde o ano passado as empresas do setor têxtil para que proíbam esta técnica.

Cerca de 20 marcas já se comprometeram a parar de usar esse método na produção, entre elas algumas famosas como Benetton, C&A, H&M, Levi's e Mango.

No entanto, uma grande parte das marcas de luxo ignora este pedido, com exceção da Gucci, que se comprometeu a proibir essa técnica e a estabelecer um sistema de vigilância em coordenação com os sindicatos locais dos países de origem dos trabalhadores.
No entanto, lamenta a Declaração de Berna, muitas outras marcas ainda não deram resposta, como Armani, Dolce&Gabbana, Roberto Cavalli e Versace.

A marca New Yorker, presente em 31 países com 842 lojas, rejeitou categoricamente eliminar a técnica de jateamento de areia.

"É simplesmente escandaloso que uma empresa como a New Yorker continue conscientemente colocando em perigo a vida de seus operários e que marcas de luxo, como a Armani, sigam ignorando nossas exigências", assinalou Christa Luginbuhl, coordenadora da campanha Roupa Limpa.
"As empresas do setor devem renunciar definitivamente a este tipo de técnica e assumir suas responsabilidades com os vários trabalhadores que já estão doentes", acrescentou.

Os primeiros casos de silicose causados por esta técnica foram reconhecidos na Turquia: dois jovens que morreram com 18 e 19 anos e que tinham começado a trabalhar com a técnica aos 13 e 14 anos.

Na Turquia já foram registradas 46 mortes por silicose e mais de 1,2 mil pessoas estão doentes.

Em Bangladesh, a indústria dos jeans está em plena expansão e a situação é quase comparável a da Turquia, assinala a ONG. Fonte: Estadão - 07 de abril de 2011 | 17h 08

Comentário
A Turquia é a maior produtora de jeans da Europa. Uma das técnica de clareamento do jeans é feito com jato com areia aplicado com revólver especial.
No vídeo mostra que os trabalhadores não tem nenhuma proteção, inalando o pó de sílica. Geralmente as fábricas são pequenas e utilizam mão de obra rural que vem para cidade em busca de trabalho. Na região os médicos confundem a doença de silicose, que é uma doença ocupacional com a tuberculose, que é uma doença infecciosa causada por uma bactéria.

Vídeo:



Vídeo(1)



SILICOSE
A silicose é a formação permanente de tecido cicatricial nos pulmões causada pela inalação de pó de sílica (quartzo).

A silicose é a doença profissional mais antiga que se conhece, desenvolve-se em pessoas que inalaram pó de sílica durante muitos anos. Em trabalhos em que se utilizam jatos de areia, os sintomas podem surgir em menos de 10 anos.

Quando se inala, o pó de sílica entra nos pulmões e as células depuradoras, como os macrófagos, engolem-no. Os enzimas libertados pelas células depuradoras causam a formação de tecido cicatricial nos pulmões. No princípio, as zonas cicatrizadas são pequenas protuberâncias redondas (silicose nodular simples), mas, finalmente, reúnem-se em grandes massas (conglomerados silicóticos). Estas áreas cicatrizadas não permitem a passagem do oxigênio para o sangue de forma normal. Assim os pulmões perdem elasticidade e requer-se mais esforço para respirar.

SINTOMAS E DIAGNÓSTICO
Os indivíduos com silicose nodular simples não têm dificuldade em respirar, mas têm tosse e expectoração devido à irritação das grandes vias aéreas, no processo denominado bronquite. A silicose conglomerada pode causar tosse, produção de expectoração e dispneia. No princípio, a dispneia verifica-se só durante os momentos de atividade, mas por fim manifesta-se também durante o repouso. A respiração pode piorar aos 2 a 5 anos depois de ter deixado de trabalhar com sílica. O pulmão lesado submete o coração a um esforço excessivo e pode causar insuficiência cardíaca, a qual, por sua vez, pode evoluir para a morte. A silicose diagnostica-se com radiografia do tórax que mostra o padrão típico de cicatrizes e nódulos.

PREVENÇÃO

O controle da produção do pó no local de trabalho pode ajudar a prevenir a silicose. Os trabalhadores devem usar máscaras que forneçam ar exterior limpo ou que filtrem completamente as partículas.

TRATAMENTO
A silicose é incurável. No entanto, pode deter-se a evolução da doença, interrompendo a exposição à sílica desde os primeiros sintomas. Fonte: Manual Merck

Marcadores: ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@12:29 PM

0 comments

quinta-feira, abril 14, 2011

Destroços flutuante do tsunami japonês a caminho do Alasca

Uma massa de destroços boiando - os fragmentos quebrados levado para o mar pelo tsunami que varreu 466 quilômetros quadrados de terra no norte do Japão em 11 de março - já começou a movimentar-se em câmera lenta através do Oceano Pacífico para o Alasca.
Foto: Marinha dos EUA

Durante a Conferência Internacional sobre Lixo Marinho, os cientistas havaianos revelaram através da simulação de um modelo computacional que essa massa de destroços atingirá as praias sudeste e outras zonas da costa oeste.

"Essa mancha de destroços atingirá a costa oeste dos EUA, o despejo de detritos atingirá nas praias da Califórnia e as praias de British Columbia, no Alasca, e na Baixa Califórnia", previu o Maximenko Nikolai e Jan Hafner do Pacific International Research Center, da Universidade do Havaí em Manoa, nesse estudo.

Mas isso é só o começo.

Até o final de 2014, o principal avanço será nas águas centro-sul, entregando um lixo de alto mar, que talvez inclua: pneus, utensílios domésticos e pessoais, brinquedos, calçados, fragmentos de construção, fragmentos de plástico vinil, pedaços de madeira, embarcadouros, cordas, bóias e outros destroços do trágico da pior catástrofe do Japão desde a Segunda Guerra Mundial.

Foto: Vista aérea de detritos, Marinha dos EUA
O que não leva a terra mergulha no abismo, ou ser engolido pelo mar que continuará circulando no oceano profundo em giro perpétuo, criado pelo ser humano, conhecido como a Grande Mancha de Lixo do Pacífico.

Embora alguns dos destroços atingirá as terras do Havaí no prazo de 18 meses em sua primeira passagem através do oceano, muito mais encalharão ao longo dos anos como um redemoinho que traz os detritos em círculos vai e volta.

Ele se move para o leste, ao norte do Havaí e se move em direção à mancha de lixo do Pacífico e lá permanece e, eventualmente, parte do lixo atingirá às costas do Havaí.

Dentro de cinco a seis anos, uma enorme massa de destroços que se originou da destruição do tsunami no Japão sujará as praias e recifes da região leste do Pacífico Norte, aumentando o problema do lixo e matando a vida marinha, disse Maximenko e Hafner na Quinta Conferência Internacional de Lixo Marinho.

Foto: A figura mostra o provável caminho  dos destroços que foi levado pelo mar em 11 de março de 2011
Até então, muito do que terá sido reduzida a fragmentos minúsculos, que os cientistas chamam de "micro-plástico," bits inorgânicos que podem ser facilmente ingeridas por vida marinha e pode acabar na cadeia alimentar humana, com conseqüências para a saúde desconhecida. Mas Maimenko avisou que pode haver outras incidências.

"Quem sabe, talvez veremos vômitos radioativos de reatores nucleares", disse Maimenko. "Não é entulho, mas é conduzido pelas correntes do lixo marinho."

Enquanto maioria do lixo marinho foi causada por práticas descuidadas da indústria e derrames de navios, este material foi lançado e gerado pelo quarto maior terremoto da história, com o que poderá em breve tornar-se a tragédia natural mais cara da história.  Fonte: Alaska Dispatch-Apr 10, 2011

Vídeo:

Marcadores: , ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@4:53 PM

0 comments

terça-feira, abril 12, 2011

SmartBird

Projeto aerodinâmico leve

Um dos maiores gênios da História, Leonardo da Vinci concebeu idéias que estavam muito à frente de seu tempo. Em seus cadernos de estudo dos séculos XV e XVI estavam projetos que só viraram realidade centenas de anos depois, como o helicóptero e o pára-quedas. Agora, mais um deles ganha os céus, graças ao trabalho de um grupo de engenheiros da empresa alemã Festo, especializada na automação de fábricas: um robô com o formato de uma gaivota que voa como um pássaro, replicando a mecânica da natureza.

SmartBird é um modelo de vôo ultraleve, mas poderosa, com excelentes qualidades aerodinâmicas e extrema agilidade. Com SmartBird, Festo conseguiu decifrar o vôo dos pássaros - um dos mais antigos sonhos da humanidade.

Esta tecnologia biônica de suporte, que é inspirada pela gaivota de arenques, pode iniciar, voar e pousar de forma autônoma - sem mecanismo de acionamento adicional. Suas asas não apenas bate para e para baixo, mas também gira em ângulos específicos. Isto é possível por uma unidade de propulsão articulada torcional, que em combinação com um complexo sistema de controle atinge um nível sem precedentes de eficiência na operação de vôo. A empresa assim conseguiu pela primeira vez criar uma adaptação técnica energeticamente eficiente deste modelo da natureza.

Novas abordagens em automação
A integração funcional das unidades de propulsão acopladas produz idéias significativas e compreensão que a empresa pode transferir para o desenvolvimento e otimização de tecnologia de propulsão híbrida.

Feita de fibra de carbono e espuma plástica, a máquina pesa pouco menos de meio quilo e tem uma envergadura de cerca de dois metros. O uso mínimo de materiais e construção extremamente leve abre o caminho para a eficiência no consumo de recursos e energia

Fonte: Festo e Globo

Marcadores: ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@12:25 PM

0 comments

sábado, abril 09, 2011

Panorama do terremoto e tsunami no Japão – em 01 de abril

PRIORIDADES
■ Operação militar maciça em conjunto EUA-Japão está em andamento para recuperar os corpos que estão ainda desaparecidos
■ Número de mortos e desaparecidos atinge 28.000
■ ONGs e voluntários começam a concentrar a ajuda às pessoas que vivem fora dos centros de evacuação e fora da rede de distribuição
■ Suporte psicossocial a longo prazo será necessário para os sobreviventes, incluindo os trabalhadores de emergência

PRINCIPAIS FATOS
■ É o quarto terremoto mais forte desde 1900 em todo o mundo
■ Tsunami de até 30 metros de altura inundou 433 mil quilômetros quadrados de terra
■ 492.000 pessoas foram evacuadas
■ 11.600 mortos e 16.450 desaparecidos até o momento
■ 20 equipes de Busca e Resgate Internacional de 15 países responderam ao desastre
■ 17 mil casas e prédios destruídos, 138 mil danificados
■ Mais de 119 mil pessoas de serviço de emergência atenderam durante oito dias
■ Danos estimados em US$ S309 bilhões
■ Mais de 951 milhões dólares foram doados por países

PANORAMA DO DESASTRE

Três semanas após o terremoto e tsunami uma imagem mais clara surgiu da extensão da destruição em todo o litoral nordeste do Japão.

■ Pesquisadores da Universidade Nacional de Yokohama e da Universidade de Tóquio diz que o tsunami atingiu uma altura de 29,6 metros na cidade de Ofunato, Iwate. Este número excede o registro anteriormente relatado de 20 metros.
■ Houve sete ondas de tsunami durante um período de seis horas após o terremoto. O primeiro e maior tsunami foi registrada 26 minutos depois do terremoto. Informação do Geoespacial do Japão
■ As autoridades estimam que pelo menos 443 quilômetros quadrados (equivalente a 53.000 campos de futebol ou cinco vezes o tamanho da ilha de Manhattan), do litoral, foram inundadas pela água do mar.
■ Em Fukushima e Miyagi, cerca de 110 quilômetros da costa litorânea estava submerso e as águas chegaram até cinco quilômetros ao interior. A água do mar ainda não tinha diminuído em cerca de 70% das áreas inundadas. Em Minami-soma, Fukushima, bombeamento de água está em curso para retirar a água do mar que cobre cerca de 350 hectares.

Como a chuva começa aumentar em abril, até chegar a principal estação chuvosa, que inicia em meados de junho na região de Tohoku e continua por cerca de seis semanas, as áreas costeiras de Iwate, Miyagi, Fukushima e Ibaraki estão se preparando para reforçar seus sistemas de alerta. O terremoto causou depressão de terra em determinadas áreas e o tsunami danificou aterros, tornando essas áreas vulneráveis as inundações.

Hoje, a Força de Defesa do Japão e militares dos EUA lançaram uma operação em conjunta de três dias para recuperar os corpos de pessoas que ainda estão desaparecidas no litoral de Miyagi, Iwate e Fukushima.

Mais de 11.600 pessoas morreram e 16.450 continuam desaparecidas nessas prefeituras. A operação não inclui a zona de exclusão de 20 quilômetros ao redor da Usina Nuclear Fukushima onde acreditam que pode haver um número significativo de corpos.

Muitos dos desaparecidos devem ter sido arrastados para o alto mar. Um total de 18.000 membros da Força de Defesa e 7.000 militares dos EUA participarão desta procura em terra, mar e ar com 120 aviões e 65 navios militares. Mergulhadores das unidades da Guarda Costeira do Japão também serão utilizados em busca de rios e áreas alagadas. Recuperar os corpos dos desaparecidos é visto como um passo importante para ajudar o país a seguir em frente.

Neste momento, existem 170.500 pessoas desabrigadas que vivem em 2.230 centros de evacuação em 17 prefeituras. O número de pessoas em centros de evacuação está diminuindo ligeiramente enquanto o número de centros de evacuação aumentou para 200 nos últimos dois dias. Isso porque 174 abriram em Aomori, no norte.

Melhorar as condições de vida nos abrigos em áreas mais afetadas é a maior prioridade, caso contrário, continuará aumentar o número de casos de doenças relacionadas ao frio e higiene.

Ainda não se sabe quantas pessoas vivem fora dos centros de evacuação, mas o número certamente é grande.

Muitas pessoas que foram para os centros de evacuação retornaram para suas casas, danificadas e sem água e energia. Essas pessoas não recebem alimentos básicos por parte das autoridades municipais, mas estão se tornando foco de atenção das ONGs locais e voluntários.

INFRA-ESTRUTURA

A grande maioria das principais infra-estruturas, como estradas, portos e aeroportos foram restaurados e houve melhorias no fornecimento de eletricidade, gás e abastecimento de água, mas nas áreas mais afetadas pode levar algum tempo antes que esses serviços essenciais estejam funcionando. A maioria dos sistemas de esgotos na área afetada ainda não está funcionando. As últimas avaliações de relatório cerca de 16.950 casas e edifícios foram destruídos e outros 138 mil foram danificadas.

Pelo menos 2.126 estradas, 56 pontes e 26 de ferrovias foram destruídas. Embora as rotas de transporte, essenciais estejam abertas ainda é impossível viajar em muitas das estradas secundárias e há relatos de que algumas estradas permanecem interrompidas dificultando o acesso de ajuda.

O Ministério da Infraestrutura e Transportes informa que a maioria da infraestrutura terrestre, marítima e aérea da região de Tohoku estão abertas. Cerca de 99% das auto-estradas e rotas principais foram reparadas, exceto aquelas perto da Usina Nuclear Fukushima.

No entanto, muitas estradas vicinais e ruas nas áreas afetadas ainda estão intransitáveis, bloqueada com entulhos e detritos, dificultando a entrega de ajuda para aqueles que ficam em suas próprias casas e em pequenos centros de evacuação.

Todos os portos e aeroportos já estão abertos, exceto para o Aeroporto de Sendai, que é reservado para ajuda humanitária. Em outros aeroportos, 71% dos vôos domésticos foram retomadas. As ferrovias estão abertas para 62% dos trens-bala e 60% para os trens locais.

A avaliação preliminar da Companhia Ferroviária do Leste, estimou que a metade do total de vias férreas, 23 estações de trem e 22 quilômetros de vias férreas foram completamente varridas na região pelo tsunami.

ELETRICIDADE
A eletricidade foi restaurada em 96,3% em Tohoku, deixando apenas 180 mil famílias sem energia elétrica.

GÁS
O fornecimento de gás foi restaurado em 32% das residências e 340 mil famílias continuam sem gás, porque 4 de 7 bases de fornecimento de petróleo liquefeito (LP) do gás não estão operacionais. O Ministro da Economia, Indústria e Comércio vai utilizar 40.000 toneladas provenientes da reserva nacional pela primeira vez a partir de 04 de abril.

COMBUSTÍVEL
Independentemente da recuperação em curso, a escassez de combustível continua a ser um problema sério nas áreas afetadas, agravado por um número limitado de postos de combustível em operação e as necessidades crescentes. O governo planeja gastar 210 milhões dólares para obter tanques e instalar postos de combustíveis improvisados

ABRIGO
A construção de abrigos temporários continua nas prefeituras afetadas. Algumas prefeituras têm revisto seus planos para atender às necessidades crescentes. Iwate anunciou que está aumentando o número de abrigos temporários de 8.800 para 18.000, o que irá abranger 40.000 a 50.000 pessoas.

Prefeitura de Miyagi está pedindo a construção de 10 mil casas e anunciou a construção de 1.195 abrigos que terá início em 05 de abril em 11 cidades. Atualmente, a construção está em curso para 1.207 abrigos.

O desafio é encontrar terrenos adequados para a construção das casas, como a área costeira de Tohoku é montanhosa e é difícil encontrar terrenos planos. O Ministro da Infraestrutura e Transportes diz que apenas 8% dos terrenos necessários para a construção foi assegurada até o momento. O plano é ter 30 mil abrigos temporários construídos até meados do mês de maio. De acordo com a Agência de Política Nacional 70.409 famílias estão vivendo em centros de abrigo.

A fim de permitir que os desabrigados tenham melhor acesso a serviços básicos, enquanto espera pelos abrigos temporários, o Governo está tentando encontrar edificações públicas disponíveis que possam acomodar 42.145 famílias evacuadas das 47 prefeituras.

ÁGUA
Até a presente data, 87,9% de água foi restabelecido aos edifícios e apenas 260 mil famílias em oito prefeituras ainda estão sem água potável. Atualmente 320 caminhões de água estão fornecendo água para aqueles sem acesso a água encanada e em breve mais 200 caminhões

O acesso à água foi restaurado para mais de 1,9 milhões de famílias ao longo das últimas três semanas, a prioridade é recuperar o acesso para os restantes 260 mil famílias (ou 10% que foram afetadas), segundo o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar. Mais de 400 empresas de abastecimento de água em todo o país já estabeleceu sistemas de abastecimento de água de emergência para prestar o serviço de transporte por caminhão de água para as prefeituras afetadas. 189 veículos de abastecimento de água estão operando em Miyagi, 84, em Iwate e 35 em Fukushima.

SANEAMENTO E HIGIENE
As avaliações do governo revelaram que os sistemas de esgoto em Miyagi, Iwate e Fukushima não estão funcionando ou foram danificados.

Mais de 2.405 profissionais do Ministério da Infraestruturas e Transportes, governos locais e empresas concessionárias de esgoto foram deslocados para as áreas afetadas e 210 profissionais estão atualmente nos locais para ajudar a reparar os sistemas de esgotos.

Mais de 5,5 milhões de garrafas de água foram entregues aos centros de abrigos e hospitais, de acordo com o relatório de Resposta de Emergência para o Desastre. Isso é mais que o dobro do que foi entregue no prazo de uma semana após o desastre. Outro 1 milhão de garrafas estão em trânsito ou sendo distribuídos. Entretanto, a falta de água limpa para a higiene dos desabrigados está colocando riscos para a saúde pública em alguns centros de abrigo.

Os relatórios Cruz Vermelha informaram que o ambiente de saneamento e higiene estão se deteriorando em 30% dos 314 centros de abrigos avaliados em Ishinomaki, Higashi-Matsushima e Onagawa em Migyai. A eliminação de dejetos é o principal problema.

SAÚDE
A Universidade de Tohoku relata que os casos de pneumonia entre os idosos em centros de abrigos em Miyagi estão aumentando. Durante o período de 20 a 26 março, a Universidade recebeu 40 comunicações de dois hospitais locais. Em meio a tais receios do aumento da prevalência de doenças infecciosas e a gripe entre os desabrigados, o Ministério da Saúde, Trabalho e Previdência Social anunciou que 142 equipes médicas de 640 profissionais de todo o país estão atendendo principalmente em Miyagi, Iwate e Fukushima.

Além disso, mais de 630 farmacêuticos, 250 enfermeiros, 110 agentes de saúde pública, nutricionistas, dentistas e outros profissionais médicos foram enviados para centros de abrigo e hospitais. 20 equipes de 95 profissionais estão também atendendo às necessidades psicossociais e 280 cuidadores estão atendendo as pessoas com deficiência e pessoas que necessitam de cuidados. Cerca de 8.000 prestadores cuidadores adicionais estão de prontidão. Cerca de 400 especialistas em bem-estar da criança também estão em estado de espera e 17 foram deslocados para Iwate até agora.

Hospitais que prestam serviços de emergência nas três províncias mais afetadas estão retornando gradualmente a sua capacidade normal. Dos 33 hospitais de grande porte nessas prefeituras, 26 estão aceitando tanto pacientes internados e ambulatoriais. Suprimentos médicos suficientes estão agora chegando aos hospitais-chave. O desafio é a distribuição para frente a uma rede de hospitais e clínicas, que está sendo prejudicado pela falta de farmacêuticos.

Entretanto, a mobilização nacional de assistência médica continua. Nas prefeituras não afetadas, há mais de 390 hospitais públicos, com cerca de 3.400 leitos disponíveis.

As instalações sociais identificaram acomodações para pelo menos 35.000 idosos, 8.700 pessoas com deficiência, 7.100 crianças e 900 pessoas com necessidades de outras proteções.

Até agora, 690 pessoas se mudaram para estas instalações. Uma das principais preocupações de saúde é a continuidade do tratamento para pacientes com doenças graves e doenças crônicas, como câncer e diabetes.

Instituições médicas em prefeituras não afetadas estão divulgando serviços disponíveis para esses pacientes em seus locais.

A Cruz Vermelha também entregou mais de 125.500 cobertores, 26.100 kits de emergência (incluindo rádios, lanternas e outros materiais), 11.000 kits de cama (incluindo travesseiros, colchões de campismo, tampões para os ouvidos, etc) e roupas para as famílias em centros de abrigo.

ALIMENTOS
O Quartel General de Resposta a Emergência informa que cerca de 14 milhões de refeições foram entregues a centros de abrigo e hospitais nas áreas afetadas até o momento. Cerca de 1,5 milhões de refeições foram entregues nos dias 30 e 31 de março. Além disso, cerca de 3 milhões de refeições em trânsito. O valor não inclui a distribuição de alimentos pelas municipalidades, ONGs, setor privado, e Força de Defesa do Japão.

EDUCAÇÃO
O ano letivo deve começar em abril, muitas escolas nas três províncias de Iwate, Miyagi e Fukushima não estão capazes de retomar suas aulas, pois um grande número de escola foram danificadas pelo terremoto e tsunami ou estão sendo usados como centros de abrigo. Na pior das três áreas afetadas, cerca de 1.700 (70%) das escolas públicas foram danificadas, e entre elas, 291 escolas primárias e ginasiais, até agora, nenhuma perspectiva de retomar suas aulas. Cada prefeitura está pensando em usar instalações públicas não utilizadas em outros locais para minimizar o atraso para a abertura das escolas. Também muitos professores estão desaparecidos ou mortos

AGRICULTURA
Embora o total dos prejuízos ainda não está determinado, o Ministério da Agricultura, Florestas e Pesca estima que cerca de 24.000 hectares, 2,6% das terras agrícolas foram danificadas pelo tsunami em seis prefeituras, Aomori, Iwate, Miyagi, Fukushima, Ibaraki e Chiba.

O pior foi na cidade de Shichigahamamachi, Iwate, onde 93,4% da terra foi lavada ou inundada. Como Tohoku é a maior zona produtora de arroz no Japão, os campos de arroz são responsáveis por 85% do total dos prejuízos. Quanto à pesca, mais de 18.500 barcos de pesca foram aparentemente danificados ou perdidos. Na pior das três províncias afetadas, Miyagi, Iwate e Fukushima, o dano é de 87,9%.

Apenas 4% das 1.200 embarcações de pesca registradas não foram danificadas em Iwate. Da mesma forma, o prejuízo para os portos de pesca também foi grave. Quase todos os portos de pesca nas três províncias sofreram danos significativos. Considerando que a agricultura e as pescas são uma das maiores indústrias da região de Tohoku, a reconstrução desses setores será fundamental para a recuperação dos meios de subsistência.

Fonte: OCHA (Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU) - 01 de abril de 2011

Vídeo:


Vídeo(1):
Terremoto visto na cidade. Os prédios balançando

Marcadores: , ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@10:44 AM

0 comments

segunda-feira, abril 04, 2011

Riscos: Perna mecânica ou Skywalker Stilt na construção civil

Toda inovação tecnológica substitui alguns riscos, mas cria outros riscos latentes. Esse equipamento está sendo utilizado por algumas construtoras brasileiras em substituição ao andaimes para serviços, de revestimento, de pintura e forro. Lembra muito a perna de pau com melhoramento tecnológico.

A altura desse equipamento varia de 70 cm a 1,20m. Incluindo o trabalhador poderá atingir até 2,90 m.

Os riscos envolvidos seriam:
■ Desequilíbrio,
■ Uso inadequado do equipamento. Só pode ser usado em superfície lisa e plana. No Brasil o trabalhador usa até para subir e descer escada
■ Colisão com outros objetos

Conseqüências
■ Fraturas e Luxação


Comentário
Em algumas províncias do Canadá, a agencia de segurança local aplica pesada multa ao trabalhador pela sua utilização ou pode perder a licença de trabalho.
O ambiente de trabalho na construção está cheio de riscos e esse equipamento veio incorporar mais um, cujo resultado de algum tipo de incidente terá sempre o elemento humano com algum tipo de lesão.

O fabricante desse equipamento recomenda:
■ Sob nenhuma circunstância as pernas mecânicas devem ser usadas sob a influência de drogas ou medicamentos que possam interferir em seu juízo, afetar seu equilíbrio ou causar sonolência.
■ Use as pernas mecânicas somente em superfícies limpas e secas, sem resíduos e obstáculos.
■ Nunca use as pernas mecânicas em andaimes nem em madeira compensada colocada sobre qualquer tipo de abertura.
■ Quando estiver aprendendo a andar com as pernas mecânicas, sempre peça a um colega de trabalho que lhe observe. É importante que comece lentamente e com passos muito curtos levantando seus pés totalmente ao andar. Para caminhar em direção contrária, sempre trate de dar “giro em U”. Evite caminhar para trás com as pernas mecânicas. Quando você ganhar confiança no uso das pernas mecânicas pode começar a dar passos mais longos.

Foto: Uso inadequado do equipamento no Brail, subir e descer escada.

■ Nunca comprima completamente as molas de ação dos pernas mecânicas. Isto exerce tensão excessiva nos outros componentes das pernas, e poderia ocasionar seu colapso.
■ É importante manter adequadamente todos os componentes das pernas mecânicas lubrificados, principalmente todas as peças móveis. Esses itens incluem molas de ação e suportes. Use um lubrificante que seque para evitar que acumule sujeira e resíduos.

Vídeo
Mostra o trabalhador usando a perna mecânica em local com obstáculos, não obedecendo a recomendação do fabricante.

Marcadores: ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@10:53 AM

2 comments