Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

terça-feira, abril 23, 2019

Ciclone Idai arrasa Moçambique

ROTEIRO DO CICLONE
O ciclone Idai originou-se de uma depressão tropical que se formou na costa leste de Moçambique em 4 de março. A tempestade,  depressão tropical, chegou a terra firme em Moçambique no final do dia e permaneceu um ciclone tropical durante a sua caminhada de cinco dias por terra. No dia 9 de março, a depressão ressurgiu no Canal de Moçambique e fortaleceu-se em tempestade tropical moderada.
O ciclone  começou com um período de rápida intensificação, atingindo intensidade de pico inicial como um intenso ciclone tropical, com ventos sustentados de 175 km / h em 11 de março. Começou a enfraquecer, caindo para a intensidade do ciclone tropical. A intensidade permaneceu estagnada por aproximadamente um dia antes de começar a se intensificar novamente. Em 14 de março, o ciclone Idai atingiu seu pico de intensidade, com ventos máximos sustentados de 195 km / h e começou a enfraquecer à medida que se aproximava da costa de Moçambique, devido a condições menos favoráveis.
Em 15 de março, o ciclone  atingiu terra firme perto da Beira, em Moçambique, como um ciclone tropical intenso, enfraquecendo-se em 16 de março.
Os remanescentes do ciclone continuaram lentamente para o interior por mais um dia, antes de reverter o curso e virar para o leste em 17 de março. Em 19 de março, os remanescentes do ciclone Idai ressurgiram no Canal de Moçambique e se dissiparam em 21 de março.

CONSEQUENCIAS

IMPACTO
O ciclone Idai causou graves inundações em Madagascar, Malaui, Moçambique e Zimbábue, resultando em milhares de mortes. Mais de 3 milhões de pessoas foram afetados diretamente pelo ciclone, com centenas de milhares precisando de ajuda. Os danos de infra-estrutura totalizaram pelo menos US $ 1 bilhão.

Países
Fatalidades
Desaparecidos
Feridos
Afetados
Prejuízos ($US)
Madagascar
1
2
0
11

Malaui
60
3
577
923

Moçambique
602
Milhares
1.641
1.850.000

Zimbabue
344
257
>232
270

Total
1.007
> 2.262
> 2.450
3.044.000
> 1 bilhão

PRIMEIRO TOQUE A TERRAL
Enchentes  precursora da depressão tropical começaram em Moçambique em 6 de março, afetando principalmente as províncias do centro-norte. As províncias do Niassa, Tete e Zambézia foram afetadas, sendo estas últimas as mais atingidas. Enchentes da depressão tropical mataram 66 pessoas e feriram outras 111. Foi relatado que 5.756 casas foram destruídas, enquanto outras 15.467 casas foram afetadas. Além disso, oito hospitais e 938 salas de aula foram destruídos. As inundações também arruinaram 168.000 hectares (420.000 acres) de culturas.

SEGUNDO TOQUE A TERRA
Durante o seu segundo toque na terra, o ciclone Idai causou danos catastróficos através de uma grande área do centro e oeste de Moçambique. Os ventos devastadores devastaram as comunidades costeiras e as inundações repentinas destruíram as comunidades do interior, no que a Organização Meteorológica Mundial denominou "um dos piores desastres relacionados ao clima no hemisfério sul

CONSEQUENCIAS
Pelo menos 532 pessoas foram mortas devido aos efeitos combinados das inundações e do vento. Na cidade de Beira, os detritos transportados pelo ar causaram numerosas lesões; em alguns casos, as chapas metálicas dos telhados decapitaram as pessoas. Mais de 1.500 pessoas foram tratadas por ferimentos relacionados com tempestades, principalmente de detritos transportados pelo ar, em hospitais em Beira.

A partir de 7 de abril, as avaliações indicam a destruição de 111.163 casas, danos a outras 112.735 casas e a inundação de outras 15.784 estruturas.

Estima-se que 1,85 milhões de pessoas foram afetadas pelo ciclone. Juntamente com os danos à infraestrutura, aproximadamente 711.000 hectares de culturas foram danificadas ou destruídas em todo o país. Grande parte dessa terra perto da área de terra era quase colheita, aumentando o risco de escassez de alimentos e colocando o país sob alto risco de fome.

O ciclone tocando em terra em Moçambique perto de Beira, produziu  onda de tempestade de 4,4 m na cidade. Juntamente com as chuvas torrenciais, incluindo chuvas mais cedo, inundações desastrosas se seguiram na região. 
As autoridades chamavam as extensas áreas inundadas de "um oceano interior" visíveis até no espaço por satélite.

Mais de 500.000 pessoas na cidade, a maioria da população, ficaram sem energia elétrica. A precipitação na cidade excedeu a 200 mm , enquanto a precipitação mais pesada de mais de 600 mm caiu perto de Chimoio.

Cidade de Beira
A partir de 19 de março, 100.000 pessoas necessitavam de resgate na área da Beira. A Federal Internacional da Cruz Vermelha (IFRC) informou que 90% da área da Beira foi totalmente destruídas. As comunicações na cidade estavam destruídas e todas as estradas estavam intransitáveis.
Todos os 17 hospitais e centros de saúde da cidade sofreram danos A Federação Internacional da Cruz Vermelha descreveu os danos na região como “massivos e terríveis” e o Presidente de Moçambique declarou que mais de 1000 pessoas morreram, e corpos foram encontrados flutuando nas águas da Beira depois da tempestade.

Uma onda de água semelhante a um tsunami devastou Nhamatanda, varrendo muitas pessoas para a morte e destruindo a cidade. As pessoas correram para os telhados para sobreviver.
Dias após o toque a terra do ciclone, os rios Buzi e Pungoé, no centro de Moçambique, transbordaram. Inundações sem precedentes seguiram ao longo das margens do rio Buzi. Aldeias inteiras desapareceram ao longo dos rios Buzi e do Pungoé.

No dia 17 de março, os rios nas províncias ocidentais de Moçambique foram atingidos pelas enchentes devido a elevação dos rios.   A cidade de Búzi  permaneceu inundada, colocando em riscos os 200.000 habitantes.
Em 19 de Março, parte de 50 km  da cidade de   Buzi permanecia inundada. Milhares de pessoas ficaram presas nos telhados quatro dias depois da passagem do ciclone.
As águas das enchentes, estimadas em 6 m submergiram comunidades inteiras.

MALAUI
Após o primeiro toque a terra, o ciclone Idai trouxe chuvas torrenciais para o sudeste do Malaui como  depressão tropical. Essas áreas tiveram uma precipitação acima da média em janeiro, aumentando o risco de enchentes.  Inundações generalizadas começaram em 9 de março, destruindo  pontes, estradas e casas. Quatorze distritos sofreram efeitos diretos da tempestade, sendo Nsanje e Phalombe os mais atingidos. O aumento das águas sobrecarregou a infraestrutura de mitigação de enchentes, causando o colapso das barragens. Aproximadamente 1.400 casas foram destruídas em Blantyre.  Depois que o ciclone fez seu segundo toque a terra em Moçambique em 15 de março, a tempestade causou ainda mais danos na região. Duas usinas hidrelétricas ao longo do rio Shire sofreram danos e foram desligadas, causando uma perda de 270 MW da capacidade de energia hidrelétrica de 320 MW.
O desastre afetou diretamente 922.900 pessoas em todo o país - estima-se que 460.000 sejam crianças - 125.382 das quais foram deslocadas ou ficaram desabrigadas. Cerca de 60 pessoas foram mortas e outras 577 foram feridas como resultado de inundações. Outras três pessoas estão desaparecidas.

MADAGASCAR 
Enquanto o ciclone passava sobre Canal de Moçambique, o sistema trouxe fortes chuvas para o noroeste de Madagascar, com acumulações localizadas de aproximadamente 400 mm . Enchentes e deslizamentos de terra em Besalampy mataram uma pessoa, deixaram dois desaparecidos e afetaram outros 1.100, além de danificar 137 casas. Danos generalizados ocorreram em residências, hospitais e escolas. Sistema elétrico e telefone foram danificados ou destruídos.

ZIMBÁBUE
Chuvas fortes caíram em grande parte do leste do Zimbábue enquanto o ciclone passava ao longo da fronteira do país com Moçambique. As chuvas mais fortes caíram no distrito de Chimanimani, com acumulações atingindo de 200 a 400 mm.
Ocorreram inundações relâmpagos, provocando 344 mortes, com pelo menos 257 pessoas desaparecidas a partir de 7 de abril. Um número desconhecido de corpos foi varrido para as áreas vizinhas de Moçambique, e pelo menos 82 foram encontrados  a  40 km da fronteora.
Pelo menos 232 pessoas ficaram feridas em Chimanimani.  Estima-se que 270.000 pessoas foram afetadas pela tempestade.
Os distritos de Chimanimani e Chipinge sofreram danos extensos devido a inundações repentinas generalizadas. O rio Nyahonde transbordou e inundou numerosas comunidades. A destruição de numerosas pontes e estradas no leste de Chimanimani isolou muitos moradores. Na cidade de Chipinge, 600 casas foram destruídas e 20.000 danificadas. Em 19 de março, a água transbordou da represa de Marowanyati, em Murambinda, ao longo do rio Mwerahari.

TESTEMUNHA DA CATÁSTROLE
A situação que se vive na Beira e em Sofala é catastrófica e dantesca
Testemunho na primeira pessoa do italiano Fabrizio Graglia, diretor da Associação Esmabama em Sofala, sobre a destruição deixada pela passagem do ciclone Idai por Moçambique.

 [Nesta segunda-feira, 18 de março] consegui fazer a viagem de Beira para Nampula e depois para Maputo para poder aceder à internet e poder atualizar-vos sobre os últimos acontecimentos que atingiram a província de Sofala. Um ciclone devastador (Idai) massacrou Sofala na noite de quinta-feira, 14 de março. Desde aquele dia ficámos sem energia elétrica, comunicações telefónicas, combustível, comida, água potável, estradas, ATM e os bancos mantêm-se fechados. Este ciclone deixou para trás um rasto de morte e destruição como não há memória no país. As escolas, o nosso escritório, os hospitais que permaneceram em pé tornaram-se o refúgio de centenas de famílias que perderam tudo. O telhado do hospital central da Beira caiu e cinco recém-nascidos da enfermaria de neonatologia morreram, mais 160 pessoas morreram naquelas instalações devido principalmente à falta de energia que mantinha as máquinas hospitalares e à queda parcial da estrutura. Não há postes de luz em pé, as árvores tombadas bloqueiam as ruas, nenhuma loja ou mercado está operacional. Só comemos laranjas e abacates durante três dias e racionalizamos a água potável.

O vento era tão forte que arrancou os motores de ares condicionados atirando-os para os telhados circunvizinhos. Lendo as ultimas notícias online, verifico agora que o vento chegou a 230 quilómetros por hora naquela noite. Nenhuma janela ou porta resistiu à fúria da água do mar, areia, pedras e tudo o que encontrou no caminho. As chapas arrancadas aos telhados eram como punhais que entravam dentro das casas. Nossas casas tornaram-se piscinas e protegemo‑nos com colchões para não sermos atingidos por objetos e vidros estilhaçados das janelas. A casa que arrendei nos últimos cinco anos, localizada em frente à praia na Ponta Gea, caiu por terra como um baralho de cartas, restando apenas a parte traseira da mesma. Vários animais de pequeno porte literalmente voaram, ficando pendurados em árvores ou a apodrecer nos telhados e escombros. Tudo isso durou das 20 h até às quatro da manhã. A última hora foi a mais perigosa, o vento diminuiu por alguns minutos e depois atacou com mais força, destruindo as últimas casas que sobreviveram às horas anteriores.

No dia seguinte, pedi a dois de nossos marinheiros que fossem à missão de Barada para obter algumas informações, mas o mar e o vento não permitiram a navegação. Então eu pedi a um de nossos motoristas para tomar a rota terrestre, mas depois de 40 km ele teve de voltar para a cidade porque a estrada tinha sido engolida e em seu lugar havia um lago com crocodilos e pessoas presas nas árvores.

Pessoas que caminharam durante dois dias até à Beira disseram-me que aldeias inteiras com casas e pessoas desapareceram. O presidente da República de Moçambique anunciou que neste momento os distritos de Búzi (Barada e Estaquinha), Chibabava (Mangunde) e Marromeu estão completamente isolados. E segundo ele expressou, com preocupação, esperam-se centenas de mortes e doenças subsequentes, dado que também pelo que é observável pelas fotografias aéreas que começam a circular, dezenas de corpos flutuam nos rios Búzi e Pungue.

Na cidade à noite, grupos de pessoas andam a vaguear, ninguém sabe se cortam árvores ou cortam pessoas, pois os números de criminalidade violenta aumentaram consideravelmente, tendo-se registado vários ataques a pessoas e assaltos às casas danificadas e abertas.
"Grupos de pessoas andam a vaguear, ninguém sabe se cortam árvores ou cortam pessoas."
Enquanto isso, após quatro dias, tenho informações apenas parciais acerca das missões.

Machanga: a missão não tem mais telhados e os nossos alunos internos dormem sob as árvores, e perdemos completamente a criação de porcos.
Estaquinha: só tenho informações sobre o campo agrícola. Perdemos mais de cem toneladas de milho (alimento por quatro meses em nossos internatos), todas as máquinas agrícolas estão submersas. Um investimento de 200 mil euros engolidos pela água. Não tenho informações sobre a missão.
Mangunde: parte da escola, o internato e o centro de saúde estão sem teto. As comunidades circunvizinhas estão completamente inundadas.

Nossa missão na praia - Barada: ainda não tenho novidades e infelizmente temo o pior.
Nosso novo escritório da Beira está quase destruído e policiais armados, guardas e os nossos três cães ficam de guarda dia e noite.
Alguns dos nossos funcionários e estudantes foram feridos, mas até agora não tivemos notícias de mortes entre os nossos.

Continua a chover torrencialmente e prevê-se que se mantenha assim nos próximos dias e os rios continuam a aumentar seu nível de alerta. Os países vizinhos que estão também a ser afetados por chuvas torrenciais irão seguramente abrir as comportas das suas barragens para evitar a sua danificação, pelo que se espera ainda mais cheias na região de Sofala.

Estou consternado e destroçado com este cenário dantesco e com o pânico nos rostos de quem agora teme pela vida e dos seus. Precisamos de ajuda urgente." Fonte: DN-19 Março 2019- Fabrizio Graglia, diretor da da Associação Esmabama em Sofala

BALANCO PROVISÓRIO
■Em Moçambique, no Zimbabué e no Maláui aumentou hoje (23 de março)  para 727 mortos, com a confirmação de mais 124 vítimas mortais no lado moçambicano, para um total de 417.
■O ciclone afetou pelo menos 2,8 milhões de pessoas nos três países africanos e a área submersa em Moçambique é de cerca de 1.300 quilómetros quadrados, segundo estimativas de organizações internacionais.

OPERAÇÕES DE SOCORRO
Foi montado um centro de coordenação no aeroporto da Beira. Dezenas de organizações não governamentais, agências da ONU, organismos do governo. A UNICEF a um lado a "Air Operations Centre" do outro, o moçambicano Instituto Nacional de Gestão de Calamidades mais ao fundo.
Os meios alocados para as operações de socorro correspondem; especialistas em busca e resgate, helicópteros, barcos, aviões, caminhões e telefones via satélite.

SAÚDE
As pessoas correm perigo imediato de vida, há muitos deslocados devido às cheias e que vivem sem água potável, comida, abrigo e assistência médica.
As águas estagnadas que inundam toda a região deverão potenciar a propagação de doenças numa altura em que escasseia a água potável e há 109.000 pessoas deslocadas e albergadas em condições sanitárias deficientes nos centros de acolhimento temporários.
O ministro da Terra e Ambiente de Moçambique, disse que surtos de cólera e malária vão surgir nas próximas semanas na zona afetada pelo ciclone e pelas cheias no centro de Moçambique.
"É importante termos consciência de que vamos ter cólera, malária, já temos filária, e vai haver diarreias. O trabalho está a ser feito para mitigar" os surtos.

CÓLERA JÁ ATINGE MAIS DE MIL PESSOAS EM MOÇAMBIQUE
Média de novas infecções é de 200 por dia.  .
O surto de cólera em Moçambique,já atinge ao menos 1052 pessoas, comunicou nesta segunda-feira (01/04) o Ministério da Saúde do país. Os dados revelam um aumento alarmante em relação aos 139 casos registrados há apenas quatro dias, com uma média de 200 infecções diárias.
Apesar do alto número de infecções desde a semana passada, apenas uma morte foi registrada até o momento, segundo o ministério. Uma campanha de vacinação em massa deverá ser iniciada na  quarta-feira (03/04), com a chegada de cerca de 900 mil doses de vacina à cidade da Beira, de mais de 500 mil habitantes, que concentra 959 dos mais de mil casos registrados.

Os registros de casos de cólera, doença transmitida pela água ou alimentos contaminados, devem subir ainda mais em razão do grande número de pessoas que chegam aos centros de saúde apresentando os sintomas característicos, comunicou a Organização Mundial da Saúde (OMS). A destruição de fontes de água potável e a falta de saneamento básico nos abrigos superlotados criam um ambiente propício para a disseminação da doença.
"As próximas semanas serão cruciais, e a rapidez é fundamental se quisermos salvar vidas e aliviar o sofrimento", disse a chefe da OMS para a África.

ABRIGO E ACOMODAÇÃO
Segundo o INGC, 131.136 pessoas estão acomodadas em 136 centros de abrigo, e o total de indivíduos em situação vulnerável é de 7.422.

DESTRUIÇÃO MATERIAL
O número de casas totalmente destruídas aumentou para 62.153. Outras 34.139 foram parcialmente destruídas e 15.784, inundadas, sendo que a maioria destas são habitações precárias.
Danos em 3.344 salas de aulas, prejudicando 150.854 alunos.

OPERAÇÕES DE ASSISTÊNCIA
Trabalham nas operações de assistência e salvamento 945 especialistas humanitários que contam com a ajuda de 22 helicópteros, 42 barcos, 25 aviões, três fragatas, 15 caminhões, 30 telefones satélites e 17 drones.

BALANÇO PROVISÓRIO: 262/03
Malaui
868.900 pessoas afetadas,
86. 980 deslocadas,
59 mortes
672 feridas

Moçambique
1, 85milhão de pessoas afetadas,
129,000 deslocadas,
447 mortes
1.522  feridas

Zimbabue
270.000 pessoas afetadas,
4.500 deslocadas,
172 mortes
186 feridas

BALANÇO PROVISÓRIO: 02/04
■598 mortes
■ Mais de 198.300 casas foram destruídas 
■O total de feridos é de 1.641.
■A quantidade de pessoas afetadas aumentou de 843.723 para 967.014, o que corresponde a 195.287 famílias. As pessoas nessas condições são as que perderam as casas, precisam de alimentos ou de algum tipo de assistência. O número de famílias que recebe ajuda humanitária subiu de 29.291 para 32.290.
■ Pelo menos 131.100 pessoas estavam abrigadas em 136 locais, a partir de 3 de abril, segundo dados do governo, incluindo cerca de 28.000 pessoas vulneráveis identificadas pelas autoridades.
■ A Campanha de Vacinação da Cólera Oral começou como planejado em 3 de abril e 32.000 pessoas foram vacinadas no primeiro dia.
■ Pelo menos 1.741 casos de cólera e dois óbitos foram registrados a partir de 3 de abril, de acordo com o Ministério da Saúde.
■Aproximadamente 53.000 pessoas receberam assistência básica de abrigo - principalmente lençóis de plástico e cobertores - a partir de 3 de abril.
■ Mais de meio milhão de pessoas foram atendidas com assistência alimentar
■ Quase 89.000 pessoas serão atendidas nos próximos dias com distribuição de sementes e ferramentas. 715 mil hectares de culturas foram perdidas
■ Mais de 335.000 crianças  e 7.800 professores foram  afetados  pela inundação.
Fontes: DN/Lusa-19 a 25 Março 2019; Deutsche Welle – 02.04.2019; Relief Web-Report from UN Office for the Coordination of Humanitarian Affairs Published on 03 Apr 2019;  Relief Web-Report from International Organization for Migration Published on 11 Apr 2019 


Marcadores: , ,

posted by ACCA@3:00 AM

0 comments

sexta-feira, abril 19, 2019

Drone industrial

Desenvolvido para realizar operações de inspeção e exploração em locais quase inacessíveis indoor e outdoor, o drone Elios, da Flyability, possui uma exclusiva e patenteada tecnologia de tolerância a colisões, proporcionada por uma exoestrutura modular de fibra de carbono que absorve o impacto de colisões a até 15 km/h e permite ao operador manter foco total na inspeção, sem se preocupar com eventuais obstáculos de percurso.

Traz incorporadas câmera térmica e câmera HD com resolução de 1.920 x 1.080 com 30 quadros/s e valor de exposição (EV) remotamente ajustável, instaladas em cabeçote giratório que proporciona excepcional campo de visão.

A iluminação de navegação e inspeção é feita por LEDs de alta potência com intensidade ajustável; o vídeo de retorno para o operador com 2,4 GHz permite operação centenas de metros além do alcance visual. Os dados de “missão” são armazenados em cartão SD e um sistema wireless de comunicação viabiliza a transmissão de imagens em tempo real, possibilitando ao operador o total controle da navegação. Fonte: Flyability

Marcadores:

posted by ACCA@3:00 AM

0 comments

quarta-feira, abril 17, 2019

Temporal deixa mortos no Rio de Janeiro

O município do Rio de Janeiro está em estado de crise desde as 20h55 de segunda-feira, 08 de abril. As áreas mais afetadas foram as zonas sul e oeste. O temporal alagou ruas, derrubou árvores, destruiu carros e inundou túneis por toda a cidade.

De acordo com dados do Alerta Rio, o sistema de monitoramento meteorológico da prefeitura do Rio, o volume de chuva acumulado em apenas quatro hora na noite dessa segunda foi até 70% maior do que o esperado para todo o mês de abril em alguns pontos dessas regiões.

Na zona oeste, a estação medidora da Barrinha registrou 212 milímetros de chuva entre as 18h e as 22h. No mesmo período, na zona sul, choveu 168 milímetros em Copacabana, 164 na Rocinha e 149 no Jardim Botânico.

As sirenes de alerta para risco de deslizamento de terra foram acionadas em 21 das 103 comunidades monitoradas pela Defesa Civil Municipal. Mas, segundo moradores, o alarme não chegou a ser acionado no Morro da Babilônia porque estava faltando energia na comunidade no momento do temporal.

A chuva também provocou o desabamento de mais um trecho da Ciclovia Tim Maia, na Avenida Niemeyer. Desta vez, a parte que caiu fica próxima do bairro de São Conrado. O desabamento ocorreu por volta das 22h, quando a via já estava fechada.

VITIMAS FATAIS
Dez pessoas morreram entre a noite de segunda-feira e a tarde desta terça-feira

DESALOJADOS E DESABRIGADOS
O temporal deixou ainda ao menos 1.204 desalojados, 220 desabrigados e seis feridos no estado, segundo balanço do governo do Rio.

RESUMO
■Suspensas as aulas nas escolas públicas
■Mortes aconteceram no Morro da Babilônia, no Leme, na Gávea, em Santa Cruz e em Botafogo
■59 sirenes foram acionadas em 36 das 103 comunidades que possuem o sistema de alerta
■Vias importantes interditadas: Avenida Niemeyer, Alto da Boa Vista, Avenida Visconde de Albuquerque, mergulhão Billy Blanco e Avenida Engenheiro Souza Filho

ÍNDICE DE PRECIPITAÇÃO
Onde mais choveu das 22h30 de segunda (8) às 10h30 de terça (9):
■Barra/Barrinha: 295,4 mm
■Rocinha: 294,8 mm
■Alto da Boa Vista: 287,0 mm
■Jardim Botânico: 285,2 mm
■Copacabana: 269,2 mm

DEFESA CIVIL MUNICIPAL
A Subsecretaria de Proteção e Defesa Civil recebeu 1.025 chamados desde as 17h de segunda-feira, 8, até as 18h20 desta quarta-feira, 10. Foram foram realizadas 128 interdições de imóveis em decorrência das chuvas. Entre os pedidos de atendimento, estão vistorias em área de deslizamento de encosta e barranco, desabamento de estrutura e ameaça de desabamento.  

SIRENES
Ao todo, 59 sirenes soaram em 36 das 103 comunidades de alto risco geológico monitoradas pelo sistema de alertas sonoros da cidade para chuvas fortes nos últimos dias. Não houve acionamentos nesta quarta-feira. As sirenes são acionadas pela Defesa Civil municipal após monitoramento e avaliação dos índices críticos de chuva por meteorologistas do Sistema Alerta Rio, lotados no Centro de Operações Rio (COR).

AÇÃO ESPECIAL DA SEOP REMOVEU 158 VEÍCULOS ARRASTADOS PELAS CHUVAS
Desde a madrugada desta terça-feira (9), a Coordenadoria de Fiscalização e Reboques (Cfer), vinculada à Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), montou operação especial para auxiliar na retirada de automóveis que ficaram atolados em pontos da cidade por conta das fortes chuvas. Ao todo, 158 foram removidos e realocados em pontos seguros para liberação das vias.

ANÁLISE
"Chuvas intensas são esperadas, mas não nesta época do ano", reforça a geógrafa Ana Luiza Coelho Netto.
Coordenadora do Laboratório de Geo-hidroecologia e Gestão de Riscos (Geoheco) da UFRJ, Ana Luiza acompanha os padrões dos regimes de chuva no país e afirma que as alterações têm ocorrido "numa velocidade surpreendente" do século 20 para cá, "acompanhando a velocidade das intervenções humanas" e gerando impactos exacerbados pela histórica falta de políticas públicas para lidar com o problema.
"A cidade vem acumulando um descaso na mesma magnitude do caos que se instalou hoje com a chuva", disse a especialista, enquanto se espantava com a quantidade de terra, blocos de cimento e pedras que rolavam pela rua onde vive Jardim Botânico. "Moro aqui há muitos anos e não lembro de ter visto um caos tão grande quanto este", afirma.
Ela lembrou sua infância no Rio, quando via as ruas do bairro de Botafogo completamente alagadas e pedia abrigo a vizinhos para esperar a água baixar.
"Até parece que isso é novidade, que a grande culpada é a chuva. Não é. É falta de política pública integrada para a cidade", diz a geógrafa.
"Isso não significa apenas fazer controle de enchente. É ter políticas de moradia, de transporte, de planejamento urbano, de tudo. Estamos falando de uma metrópole. Essa cidade concentra milhões de pessoas, e ninguém está seguro. Nas encostas tem deslizamento. Nas baixadas, enchentes. A gente acumula esse problema historicamente. A gente prefere ignorar a natureza dessa cidade, e o resultado é esse. Agora as chuvas intensas estão se tornando cada vez mais frequentes, esse caos será mais frequente, e não estamos preparados, disse  Ana Luiza. Fontes: UOL Noticias - 09/04/201; G1 RJ - 09/04/2019 


Marcadores: , , ,

posted by ACCA@7:58 AM

0 comments

quinta-feira, abril 11, 2019

Lembrança:Em 1966, enxurrada matou 200 pessoas no Rio de Janeiro

Rio entrou em colapso com mais de mil desabamentos: bombeiros e hospitais não conseguiram dar conta da demanda. Na Praça da Bandeira, carros flutuaram nas águas

A enxurrada de 10 de janeiro de 1966, foi "o maior temporal de todos os tempos", matou cerca de 200 pessoas, provocou mais de mil desabamentos em vários bairros e deixou mais de 30 mil desalojados. A cidade ficou em estado de calamidade pública. As chuvas torrenciais pararam o Rio e levaram ao colapso os sistemas de atendimento à população. Sem poder dar conta de todos os chamados, o Corpo de Bombeiros pedia que as pessoas ligassem para a corporação apenas nos casos mais graves. Com ambulâncias danificadas pela chuva, muitos hospitais não conseguiam socorrer os feridos, que chegavam em caminhões ou no colo das pessoas.

Canais como o do Mangue e rios transbordaram, alagando ruas e avenidas. Em alguns lugares, a água chegou a um metro de altura. A Praça da Bandeira ficou completamente inundada e o Túnel Santa Bárbara, intransitável. O sistema de transporte também entrou em colapso. Trens e ônibus pararam de circular. Os táxis sumiram das ruas. Houve alagamentos em várias partes da cidade. Devido à queda de barreiras, as principais rodovias de acesso ao Rio foram interditadas, deixando a cidade praticamente isolada.

A cidade ainda não havia se recuperado do trauma de janeiro de 1966 quando, em 18 de fevereiro de 1967, sofreu um outro temporal arrasador. As chuvas causaram a morte de 116 pessoas. O caso mais grave aconteceu em Laranjeiras. Uma pedra rolou da encosta e provocou o desabamento de três prédios na Rua General Glicério.

Nas últimas décadas, outros dois temporais traumatizaram os cariocas: o de 1988 e o 1996. Em 19 de fevereiro de 1988, uma chuva torrencial parou a cidade e provocou 273 mortes no estado, sendo 78 no município do Rio. O caso mais grave aconteceu em Santa Teresa, onde toneladas de pedra e terra rolaram sobre a Clínica Santa Genoveva, soterrando cerca de 40 pessoas, entre pacientes e funcionários. As principais vias da cidade ficaram alagadas e os engarrafamentos se estenderam madrugada a dentro. Na Avenida Radial Oeste, no Maracanã, a força das águas arrastou dezenas de carros. Houve desabamentos no Rio e na Região Serrana.
Outro violento temporal atingiu a cidade em 13 de fevereiro de 1996, matando 53 pessoas e deixando cerca de 2.000 desabrigadas. As regiões mais atingidas foram Jacarepaguá e Barra da Tijuca. Fonte: O Globo - Publicado: 09/07/13 

Comentário:
Os temporais acompanham o cotidiano carioca desde que a cidade nasceu.
Até o século XIX, o Rio de Janeiro teve um crescimento demográfico lento. Era uma cidade pequena, em comparação com a enorme malha urbana que vemos hoje. Na verdade, na metade do século passado a cidade começava na Praça XV e acabava na Praça da República. E essa era, portanto, a área afetada pelos temporais.

A posição estratégica do Rio de Janeiro, na entrada da Baía de Guanabara foi fundamental na decisão portuguesa de fundar a cidade e de aqui manter o seu posto avançado de controle colonial. Mas o sítio sempre foi problemático, pela quebra abrupta de gradiente entre a encosta e a baixada situada ao nível do mar, e pela grande quantidade de brejos, pântanos e lagoas.

Por isso, a conquista propriamente dita foi um processo longo e penoso. O espaço da cidade do Rio de Janeiro teve que ser conquistado pelo homem através de dessecamentos e aterros, durante mais de 300 anos, até o século XIX.

Para termos uma noção mais precisa do que era esta terra primitiva, devemos lembrar que a cidade originalmente estendia-se entre o morro de São Bento, o antigo morro do Castelo – onde está hoje a esplanada do Castelo –, o morro de Santo Antonio e o morro da Conceição.

Em volta, quase que só havia água. Para dar um exemplo, basta lembrar que toda a área da Lapa, onde está hoje o Hospital da Cruz Vermelha, era um grande pântano –o Pantanal de Pedro Dias. Havia também diversas lagoas no que é hoje a área central.

Com que foram feitos os aterros? Com entulho e lixo, os grandes formadores do solo carioca. Foram os dejetos da própria cidade os viabilizadores de sua expansão sobre o brejo, sobre as lagoas e sobre o mar.

Além, é claro, da construção de inúmeras valas, que contribuíram para o enxugamento do solo e que, até o final do século XIX, seriam praticamente a única rede de drenagem urbana do Rio de Janeiro.

A cidade vai ocupar então áreas mal aterradas e mal niveladas, e não é de surpreender que, depois, sejam justamente essas as áreas mais afetadas pelas inundações.

O mais antigo registro histórico sobre grandes inundações no Rio de Janeiro é de setembro de 1711. Um registro de abril de 1756 indica que choveu durante três dias ininterruptos. O temor e o susto se apoderaram de tal modo do ânimo dos habitantes, que já na primeira noite muita gente abandonou as casas e se refugiou nas igrejas. As águas cresceram de tal maneira que inundaram a Rua dos Ourives, atual rua Miguel Couto, e entraram pelas casas adentro, por não
caberem pelas valas. Todo o campo parecia um lagamar.

“AS ÁGUAS DO MONTE”
Mas a grande inundação no passado do Rio de Janeiro foi a que ficou conhecida como “as águas do monte”, acontecida quando o príncipe regente já estava na cidade, em fevereiro de 1811. Foram sete dias ininterruptos de chuva, que causaram grandes prejuízos materiais e de vidas humanas. O príncipe regente ordenou então a elaboração de um relatório. Seria o primeiro
de uma longa série que, no futuro, se seguiria a cada grande temporal. Datado de 4 de julho de 1811, o trabalho assinado pelo tenente-general e engenheiro dos reais exércitos João Manoel da Silva explicava a D. João VI as causas das “águas do monte” (infelizmente, o original desse relatório se perdeu, mas ele foi publicado em 1894 no Jornal do Commercio). As conclusões do tenente-general não são diferentes das de hoje.

A topografia da cidade, dizia ele em seu relatório, apresenta mudanças abruptas de gradiente – de encostas íngremes para terrenos planos ao nível do mar, o que contribui para o escorrimento
rápido das águas pelas vertentes e para o seu represamento igualmente rápido na baixada. A vala mestra do sistema de drenagem (que ficava no eixo da atual rua Uruguaiana, então chamada Rua da Vala) está praticamente ao nível do mar e não dá vazão às águas que para aí se dirigem; além do mais – prosseguia o relatório – está sempre coberta de imundícies, porque a população
joga tudo nas valas.

Apesar das recomendações contidas no relatório de 1811, nada foi feito durante os 40 anos seguintes.  Os problemas políticos e econômicos da Regência e do Primeiro Reinado avolumaram-se e deixaram em segundo plano as enchentes na cidade. Quem faz pesquisa histórica nos arquivos encontra com freqüência abaixo-assinados e petições de moradores reclamando soluções para o problema das inundações nesta ou naquela área.

A segunda metade do século XIX torna-se-ia um período fundamental na história da relação do sítio urbano com os temporais, porque de um lado temos a grande expansão da malha urbana – através da introdução dos sistemas de transporte coletivo por carros ou por trens – e, de outro, uma enorme migração para a cidade, que vai levar ao crescimento acelerado da população urbana.

Mas, no século XX, a situação vai se agravar bastante, devido à enorme expansão da malha urbana em direção à periferia. No início do século, o crescimento demográfico acelerado não foi acompanhado pela desconcentração do emprego. Isso significava um alto custo de moradia para as populações pobres, que se amontoavam em cortiços instalados no centro da cidade. Com o combate aos cortiços no final do século XIX, mais a remodelação da cidade comandada pelo prefeito Pereira Passos na virada do século, começou então o processo de favelização da cidade.

É importante notar que até o século XIX, a encosta não era valorizada; nela quase não havia construções, porque a encosta oferece problemas de engenharia civil muito importantes e porque havia outras áreas para ocupar. É só no final do século XIX, com a crescente ocupação de Santa Teresa e, principalmente no século XX, que as encostas vão passar a ser importantes áreas de concentração populacional.

AGRAVAMENTO SUBSTANCIAL DAS INUNDAÇÕES URBANAS.
■Altas densidades demográficas em certos bairros;
■Verticalização; aumento considerável da pavimentação, que impermeabiliza o solo;
■Crescimento descontrolado das favelas, levando a uma nova fase de destruição da cobertura vegetal dos morros;
■Retificação e canalização ineficiente de rios urbanos, o que aumenta a rapidez do fluxo das águas;
■E pouco ou nenhum investimento na melhoria da drenagem urbana levaram, então, ao agravamento substancial das inundações urbanas.

Como vimos, o problema das inundações no Rio de Janeiro é antigo. E, pelo visto, as soluções também. A vontade política é o que parece ser, na realidade, a grande chave. Quando ela existiu, como aconteceu no passado para o combate às epidemias, os resultados vieram.

Estamos novamente num momento como esse. A relação entre o sítio  e os temporais na cidade parece bem clara. A engenharia oferece os recursos técnicos. De um lado, está o problema, com suas causas naturais e sociais; de outro, as soluções – que podem ser encontradas e aplicadas. Basta que exista vontade política.

Fonte: A Cidade e os Temporais: uma relação antiga, Maurício de Almeida Abreu Professor do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Rio de Janeiro.  Tormentas Cariocas, Seminário Prevenção e Controle dos Efeitos dos Temporais no Rio de Janeiro, 1997

Marcadores: , , ,

posted by ACCA@12:19 PM

0 comments

quarta-feira, abril 03, 2019

Vazamento de amônia em indústria de alimentos deixa funcionários intoxicados em Rio Verde

Um vazamento de amônia na unidade da BRF em Rio Verde, no sudoeste goiano, deixou oito funcionários intoxicados na manhã de quarta-feira (27 de março), segundo informações da própria empresa. A indústria de alimentos teve de ser evacuada.

EMPRESA
Localizada às margens da BR-060, a unidade da BRF em Rio Verde tem 220 hectares e produz processados de aves, suínos e linhas de industrializados. A indústria da cidade goiana tem 7,2 mil funcionários diretos.

CONTROLE DO VAZAMENTO
“Antes de adentrar à indústria já dá de sentir o odor característico da amônia. Quando as equipes do Corpo de Bombeiros chegaram, já tinham fechado o registro para a contenção inicial do vazamento”, disse o coronel Amilton Souza Conceição.
A companhia informou, em nota, que a situação já foi controlada: "Tão logo identificou o fato, a companhia acionou imediatamente o seu plano de evacuação, de modo a preservar a saúde e a segurança dos funcionários que já se encontravam na unidade".

CAUSAS DO VAZAMENTO
Ainda não há informações sobre a causa do vazamento. A companhia informou que já mobilizou uma equipe técnica especializada para investigar os fatos que levaram ao ocorrido.
De acordo com a BRF, até as 8h50, parte das atividades já tinham sido retomadas. A previsão é de que "nas próximas horas, as demais áreas também serão liberadas".

VÍTIMAS - INTOXICAÇÃO
A empresa informou que oito funcionários foram encaminhados à unidade de saúde. De acordo com os bombeiros, equipes de brigada da própria indústria e da corporação levaram funcionários para um hospital particular da cidade. Os funcionários permanecem internados em observação, mas passam bem.

ATENDIMENTO HOSPITALAR
Os oito funcionários que estavam com sinais de intoxicação por amônia, receberam alta médica de hospital na tarde de quarta-feira de acordo com a empresa. Eles passaram mal logo após um vazamento da substância, que é usada para refrigerar os frigoríficos da indústria.

AMÔNIA
“A amônia é tóxica, causa irritação, náuseas e pode chegar ao caso de desmaio. Não tivemos informações de pessoas que tiveram situação mais grave da inalação”, explicou o coronel.
Fonte: G1 GO-27/03/2019

ARTIGOS PUBLICADOS

Comentário:
VAZAMENTO DE AMÔNIA EM FRIGORÍFICOS – O QUE FAZER?
Nos equipamentos de refrigeração a escolha do fluido refrigerante é fundamental e afeta diretamente o desempenho do sistema.
Entre as diferentes opções disponíveis no mercado a amônia tem se destacado e se tornou uma das mais utilizadas nas grandes instalações frigoríficas.
Isso porque a substância química, representada pela sigla NH3, possui um elevado calor de vaporização.
Essa característica torna a amônia ideal para aplicações voltadas à refrigeração, garantindo um excelente desempenho energético, de forma a reduzir os custos de operação.
Além disso, ela é um dos fluidos refrigerantes mais ecológicos, com zero potencial de aquecimento global e zero potencial de deterioração do ozônio.
Infelizmente, porém, devido à falta de manutenção e cuidados nas operações frigoríficas o vazamento de fluidos é um problema comum. E com a amônia não é diferente.

OS RISCOS DO VAZAMENTO DE AMÔNIA NOS EQUIPAMENTOS DE REFRIGERAÇÃO
A substância vazada em ambientes fechados que impede sua rápida dissipação apresenta riscos à saúde e à segurança.
No caso da saúde, mesmo em baixas concentrações possui um efeito tóxico que afeta as vias respiratórias e os olhos.
Dor e irritação são sintomas comuns e, nos casos mais graves, há riscos de morte por asfixia química.
Quanto à segurança o vazamento de amônia cria o risco de explosões dentro do ambiente.
Diante desse quadro é muito importante que as empresas tomem medidas preventivas a fim de evitar os vazamentos.
E, caso ocorram, procedam corretamente.

CASOS DE VAZAMENTO DE AMÔNIA NA REFRIGERAÇÃO INDUSTRIAL?
Em nossa legislação existem diversas normas que discorrem sobre o uso da amônia com o objetivo de promover a segurança e saúde do trabalho.
Um bom exemplo é a NR36 que versa sobre prevenção de acidentes com a amônia.

Embora essas normas possam dar um norte sobre como agir é fundamental que cada empresa tenha um plano de emergência determinado.
E, uma vez definido esse plano, baseado nas normas regulamentadoras, treinamentos periódicos devem ser realizados.

Vale lembrar que o vazamento de fluidos não é uma ocorrência com alto grau de excepcionalidade, pelo contrário. Dessa forma, é preciso que todos saibam como agir caso o problema aconteça.

UMA BOA BASE PARA SEU PLANO DE EMERGÊNCIA SÃO OS SEGUINTES PASSOS:
1.Informar o departamento de segurança
Assim que for detectado o vazamento de amônia é importante que a segurança da empresa seja avisada imediatamente.
Quanto antes ela começar a agir, menores serão os riscos de danos graves.

2. Evacuação do local
A depender da gravidade do vazamento, evacuar todos os presentes no local é uma ação necessária.
É importante que a avaliação sobre a necessidade ou não do procedimento seja realizada rapidamente.

3.Remover toda fonte de ignição
A remoção das fontes de ignição é importante para evitar explosões que possam ocorrer devido à presença da substância no ambiente.

4. Garantir ventilação adequada para dispersar o gás
Seus equipamentos de refrigeração devem estar instalados em locais que permitam uma ventilação adequada em casos de vazamento.
O grande risco da amônia é sua alta concentração em locais fechados.
Após o vazamento garantir sua dispersão é essencial.

5. Socorrer as vítimas
Em paralelo a essas medidas é fundamental providenciar os primeiros socorros para as vítimas que foram atingidas pelo gás.
No caso dos olhos, é preciso que eles sejam lavados com água corrente durante cerca de quinze minutos.
Já nas vias respiratórias as vitimas devem ser levadas a locais arejadas e deve ser realizada a administração de oxigênio por máscara facial ou cateter nasal.
A amônia é uma excelente escolha para seus equipamentos de refrigeração.
Porém um plano de emergências contra vazamento de amônia evita prejuízos e o mais importante: salva vidas. Fonte: Frigocenter

Marcadores: ,

posted by ACCA@7:45 AM

0 comments