Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

terça-feira, julho 31, 2018

Homens se arriscam sem equipamentos de proteção em obra

Dois homens foram flagrados se arriscando durante uma obra em Araguaína, no norte do Tocantins. Um deles fica a mais de 2 metros de altura, em uma escada, rebocando o teto da construção. O outro pinta a fachada e coloca quase todo o corpo para fora sacada, bem próximo à rede elétrica. Nenhum dos trabalhadores usa equipamentos de segurança.  

"Acima de dois metros ou onde implique um risco à integridade física do trabalhador, precisa implantar as medidas de controle. São caracterizadas nos treinamentos específicos, equipamento de proteção coletivo e individual e todo o contexto de adequação do ambiente de trabalho para que o colaborador fique em segurança", diz o técnico em segurança no trabalho, Edison Peixoto.

Em 2017, no estado, foram registradas 883 autuações por falhas na prevenção a acidentes de trabalho. Por isso, o Ministério do Trabalho aplicou multas em 265 empresas do Tocantins. O foco é maior no setor da construção civil. Foram registrados no Tocantins mais de 1.300 acidentes de trabalho. Muitos deles provocados pela falta dos equipamentos de proteção individual. Fonte: G1 TO - 25/07/2018 
Comentário:
NR 18 - Condições e meio ambiente de trabalho na indústriada construção

Marcadores: ,

posted by ACCA@10:05 AM

0 comments

quarta-feira, julho 25, 2018

Resgate dos adolescentes presos em caverna na Tailândia

MISSÃO POSSÍVEL
Nas últimas três semanas, o mundo acompanhou com apreensão o drama dos 13 tailandeses presos em uma caverna no norte do país. A história reunia elementos dignos de um filme de Hollywood : crianças em uma caverna, chuvas que alagam o local, um mergulhador que morre tentando ajudar e uma corrida angustiante contra o tempo.

Mas, após dias de agonia, na quarta-feira (11 de julho), soube-se que essa era uma história de final feliz: os garotos resgatados recebem cuidados médicos e passam bem.

MEGAOPERAÇÃO
Para que esse resultado fosse possível, a Tailândia organizou uma megaoperação que contou com militares norte-americanos, mergulhadores de várias nacionalidades e até uma tradutora voluntária brasileira. Com ciência, tecnologia e solidariedade de diversas partes do planeta, a humanidade venceu.
Espanhol radicado na Tailândia, Raigal é mergulhador profissional há 12 anos. Trabalha no setor petrolífero e realiza inspeções e reparos em grandes profundidades. "Caverna não é minha especialidade. Mas mesmo os especialistas diziam que essa era uma operação muito difícil: visibilidade zero, correntezas, as crianças não sabiam nadar e poderiam entrar em pânico", disse.
Para driblar as condições adversas, a operação multinacional montada na Tailândia tentou, como primeira alternativa, bombear para fora da caverna a água que alagava as galerias.
"Não foi possível retirar tudo, mas foi fundamental. Assim, foi possível estabelecer na caverna uma área seca que serviu como base de apoio", explicou.

A CHAVE PARA O SUCESSO
Ao bombear parte da água para fora da caverna, equipe reduziu necessidade de cilindros de ar. Estabelecer uma área seca em um ponto intermediário da galeria foi fundamental para o sucesso da operação, segundo Fernando Raigal.
Com isso, os mergulhadores não precisavam mais ter cilindros de ar suficientes para percorrer, indo e voltando, os mais de três quilômetros que separavam a entrada da caverna do ponto em que estavam os garotos. Acredita-se que foi justamente por essa falta de ar que o mergulhador Saman Gunan tenha morrido, ao tentar regressar para a entrada da caverna.
"Um dos meus trabalhos era levar e trazer cilindros de ar até esse ponto intermediário", diz Raigal.
Esses cilindros eram utilizados para os trechos da caverna que ainda estavam alagados. "Foi preciso, em alguns trechos, arrastar os garotos mergulhados na água", relata.
Retirou-se toda a água que se pôde. Mas ainda havia trechos inundados. A alternativa foi arrastar os meninos debaixo d'água, Fernando Raigal, 33, um dos mergulhadores que participaram do resgate

POR QUE ELES FORAM PARA A CAVERNA?
Era sábado, dia 23 de junho, em meio a época de chuvas fortes na Tailândia, também conhecida como o período das monções.
Na província de Chiang Rai, ao norte do país, após um dia normal de treino de futebol, 12 meninos da equipe juvenil Javalis Selvagens, acompanhados do técnico, foram ao complexo de cavernas Tham Luang  para comemorar o aniversário de um deles. Foi quando começou a chover.
Devido às chuvas violentas que caem todos os anos na região, o acesso à caverna é proibido a partir de julho. A excursão, inicialmente inofensiva, aconteceu uma semana antes.

MENINOS PERDIDOS
O sinal de alerta foi dado pela mãe de um dos meninos, que não voltou para casa depois do treino de futebol. Por volta das 15h (horário local) do dia 23 de junho, 11 bicicletas foram encontradas do lado de fora de uma caverna conhecida por ser perigosa durante a temporada de chuvas na Tailândia.
As buscas no interior do complexo de cavernas começaram nas primeiras horas do dia seguinte e logo atraíram a atenção da mídia.
Ao percorrer o mundo, a história dos meninos desaparecidos atraiu mergulhadores e socorristas voluntários, muitos deles vindos de outros países, como Raigal, que viajou de Bancoc, a capital, para Chian Rai para oferecer ajuda.

O GRANDE ENCONTRO
Em 2 de julho, mais de uma semana após o início das buscas, o grupo foi finalmente encontrado por dois mergulhadores ingleses, no labirinto infinito de rochas, galerias e águas que compõem o complexo de cavernas Tham Luang Nang Non.
"Os meus colegas relataram que a primeira pista que tiveram foi o 'cheiro de gente' que sentiram conforme se aproximavam dos meninos", disse Raigal.
"Na sequência, viram também luzes das lanternas", conta. Paciente e estratégico, o grupo economizou bateria e conseguiu fazer com que os equipamentos durassem por mais de nove dias.
Eles estavam a mais de três quilômetros da entrada do complexo, protegidos das inundações sobre um banco de pedra. Estavam magros e enfraquecidos. Os britânicos filmaram o momento do encontro.
"Em quantos vocês estão?", pergunta um dos mergulhadores. "Somos 13", responde um garoto, o único a se comunicar bem em inglês. "Brilhante", exclama o mergulhador, aliviado.
Os dois socorristas contam para os meninos que é segunda-feira, que eles estão desaparecidos há nove dias e que são muito corajosos. Avisam que muito mais gente está vindo para resgatá‑los. Mas quando?

A CORRIDA CONTRA O TEMPO
A alegria e a comoção de encontrar os 13 desaparecidos com vida foram logo substituídas pela grande incógnita de como retirá-los de lá.
Para chegar ao local em que estavam protegidos da água, era necessário percorrer um longo caminho no interior da caverna, em meio a trechos extremamente estreitos ou inundados.
Os meninos, além de fracos pelos dias em um ambiente inóspito, sem alimentação, não tinham qualquer experiência com mergulho --alguns nem sabiam nadar.
Durante os dias seguintes, autoridades cogitaram manter os meninos no local por meses, até que terminasse a estação de chuvas e eles pudessem caminhar para fora. A hipótese, no entanto, foi logo descartada com a previsão de mais água por vir.

MORTE DE MERGULHADOR AUMENTA O MEDO
No dia 5 de julho, um ex‑mergulhador da Marinha tailandesa morreu em meio as operações de resgate.
Saman Gunam tinha 38 anos, era triatleta e voluntário no local. Ele havia levado suprimentos e oxigênio para o grupo. Na volta, ficou ele próprio sem ar e acabou perdendo a consciência. Gunam foi retirado da caverna por seu companheiro de mergulho, mas os socorristas não conseguiram reanimá-lo.
A morte de um militar experiente evidenciou os riscos envolvidos no resgate do grupo. Se já era difícil para um mergulhador experiente, imagine para um grupo de meninos.

COMPANHIA POR 3 (LONGOS) DIAS
O médico e mergulhador australiano Richard Harris ficou com os meninos na caverna durante os três dias que durou o resgate.
Especialista em prestar socorro em caverna, ele se voluntariou para a missão, quando ficou sabendo que os meninos haviam sido localizados.
Foi Harris quem decidiu, após avaliá-los, quais eram as crianças mais aptas a deixarem primeiro a caverna.

HERÓI OU VILÃO?
O técnico Ekkapol Chantawong, 25, dividiu a opinião das pessoas que acompanhavam a notícia.
Muitos o culparam pela situação dos meninos, considerando que era o único adulto e responsável pelo grupo.
Os pais das crianças, no entanto, perdoaram Ekkapol em uma carta entregue pelos mergulhadores.
"Queremos que você saiba que nenhum dos pais está bravo com você, então, não se preocupe com isso", escreveram.
Antes de ser técnico do Javalis Salvagens, Ekkapol passou uma década como monge budista. Sua tia contou a jornalistas que ele pode ficar até uma hora meditando. Acredita-se que essa habilidade tenha ajudado os adolescentes a superarem os dias sozinhos e no escuro da caverna.

O RESGATE

■Cada integrante do grupo usa uma máscara de mergulho que cobre o rosto todo, além de roupa especial, capacete e botas
■Dois mergulhadores da Marinha acompanham cada criança; o da frente carrega o tanque de oxigênio usado pelo resgatado da vez
■Os mergulhadores usam uma corda fixa como guia para conduzir os jovens pela escuridão da caverna
■Cada garoto está ligado por uma corrente ao mergulhador-chefe


No domingo, 8 de julho, as equipes decidiram aproveitar uma janela entre tempestades, com a previsão de mais chuvas na região para os próximos dias.
Naquele mesmo dia, mergulhadores iniciaram a missão resgate. O plano era trazer os meninos em grupos de quatro, cada um deles acompanhado por dois mergulhadores. Os rapazes estariam amarrados aos socorristas, que também carregariam os tanques de oxigênio para eles.
O caminho envolvia andar sobre as rochas, escalar e mergulhar na escuridão. Para isso, os meninos vestiram roupas especiais de mergulho e máscaras que cobriam todo o rosto.
Já no domingo (8), quatro garotos foram retirados da caverna com vida e bem de saúde. Nos próximos dois dias, seguindo o mesmo procedimento, o grupo inteiro foi resgatado.

OS NÚMEROS DA OPERAÇÃO

■ 18  dias foi o total de tempo que os meninos ficaram na caverna. Eles se perderam em 23 de junho e nesta terça (10) os quatro últimos foram resgatados.
■ 9 dias foi o tempo que as equipes de resgate levaram para encontrar os meninos então desaparecidos, sem saber se estariam vivos ou não.
■ 4 quilômetros era a distância do local em que eles foram encontrados, a partir da entrada do complexo de cavernas.
■ 800 metros abaixo do solo era a profundidade do lugar seco que encontraram para se refugiar.
■ 3 dias foi o tempo que durou a operação de resgate. Ela teve início no domingo (8) e terminou nesta terça (10).
■ 128 milhões de litros de água da chuva foram drenados das cavernas, para que o resgate fosse possível.
■ 90 mergulhadores participaram da operação, sendo 40 tailandeses e 50 estrangeiros de diferentes países.
■ 14 era a média de idade entre os 12 meninos, que tinham entre 11 e 16 anos. Além deles, havia um técnico, de 25.
■ 1.000- É o número estimado de voluntários, tailandeses e estrangeiros, que passaram pelo local para ajudar com comida, traduções e apoio de todo tipo.
■ 1.100 - Jornalistas de todo o mundo estiveram no local, com equipamentos instalados em meio ao barro e realizando transmissões ao vivo de baixo da chuva.  

FINAL FELIZ
Depois de 18 dias na caverna e oito no hospital, os 12 garotos do time de futebol Javalis Selvagens e seu treinador tiveram um último compromisso na  quarta-feira (18) antes de voltar para casa: uma entrevista mediada por médicos, psicólogos e autoridades da Tailândia.
Sorridentes, os garotos se apresentaram um a um, falando, além dos nomes, a posição em que jogam no time de futebol. Com boa aparência (recuperaram três quilos, em média), fizeram piadas e riram diversas vezes durante a conversa.

Eles contaram por que entraram na caverna e o que sentiram enquanto, por dez dias, esperavam ser encontrados, além de detalhar a operação de resgate, que durou três dias.
O treinador Ekapol Chantawong, 25, apelidado de "Ake", que respondeu a maior parte das questões, também falou da tristeza ao saber da morte do mergulhador que lhes havia entregado tubos de ar e dos laços que se formaram no grupo e inclusive com as equipes de mergulhadores.

OS DIAS PRESOS
Foram dez dias sem comer, bebendo apenas a água que escorria pelas paredes da caverna. O grupo havia lanchado logo antes de entrar no complexo de Tham Luang e não levou comida.
Para se distrair, jogavam damas. Para tentar sair, escavavam as paredes. Não deu certo.
"Nós nos revezávamos para cavar. Bebíamos água até ficar cheios antes de escavar", disse o técnico Ake. "Quase todos sabiam nadar, mas alguns não eram bons nadadores", completou o treinador. Ele esperava a água baixar, já que seria difícil sair a nado, no escuro, sem saber ao certo para onde ir.
Ao responder à pergunta "como era a relação de vocês na caverna", Ake sorriu: os vínculos formados entre o grupo não eram mais de treinador e treinados.
Na caverna, formamos uma família, Ake , Técnico dos javalis selvagens
Sinto que um dos mergulhadores era como meu pai. Ele me chamava de 'filho' na caverna
Ekkarat, "Bew" Wongsookchan, 14
Tentava não pensar em comida, me dava mais fome, Titan, o caçula do time

ENTRADA NA CAVERNA
Ake relata que foi à caverna porque um dos garotos queria conhecer o local. Diferentemente do que se disse na imprensa internacional antes, não era aniversário de nenhum deles.
Ele relata que o grupo caminhou bastante até perceber que a caverna estava inundando.
"Tentei me manter calmo e pensar em soluções", disse um dos garotos. "Pensei, tudo bem, vai demorar um pouco", contou outro. Foram mais de duas semanas presos.
No quinto dia, vimos que tínhamos que achar uma saída e não esperar alguém. Pensamos em ir mais fundo na caverna. Mas a água subiu

ALEGRIA E CULPA: ENCONTRO
Em 2 de julho, mergulhadores britânicos encontraram os garotos num banco de lama, a três quilômetros da entrada da caverna. "A gente estava com medo. Peguei a lanterna e (...) foi quando os mergulhadores apareceram. Não sabia o que dizer, a não ser 'olá'!", disse Adul Sam‑on, 14, nascido em Mianmar e que sabe falar inglês. "Foi um milagre." Alguns garotos pediram aquilo que o grupo mais queria: comida.

LUTO
O técnico relatou a tristeza ao saber que, em 6 de julho, o mergulhador Saman Kunan havia morrido. Ele tinha levado tubos de ar ao grupo e tentava sair da caverna. Ake disse que teve sentimento de culpa "por ter, de alguma maneira, causado o fim da vida dele". Emocionado, o técnico completou: "Ficamos muito tristes. Sentimos que causamos tristeza à sua família". Os garotos fizeram uma reverência diante de um retrato do mergulhador.
Somos muito gratos a você e a sua família, Titan, após prestar homenagem ao mergulhador morto.

A SAÍDA
Na hora de escolher quem sairia primeiro, Ake, o técnico, contou que todos os garotos tinham condições físicas similares: fracos, mas saudáveis. Achava que eles iriam direto para casa. Queria que aqueles que moram longe saíssem primeiro e pudessem ver logo a família.
De volta para casa, todos os garotos afirmaram que a primeira coisa que querem dizer são "desculpas".
Fomos negligentes. Não sabíamos o que ia acontecer e não sabíamos o futuro. Seremos mais cautelosos, e vou viver minha vida plenamente, Adul Sam-on, um dos resgatados.
Como aprendizado, o técnico afirmou que ele e os jovens viverão "cuidadosamente, e não de forma imprudente". "Vamos checar antes de fazer qualquer coisa."
"Aprendi muito com esse desastre", agregou Nick, 15. "Serei uma boa pessoa para a sociedade."
Outro menino, Mark, 13, afirmou que se sente "mais forte" e sonha em virar jogador de futebol profissional.
Aos jornalistas, os oficiais pediram que respeitem a privacidade das crianças. A entrevista de hoje, com perguntas previamente selecionadas pelos psicólogos, teve dois objetivos: diminuir a curiosidade da imprensa e garantir, que daqui em diante, os garotos poderão tentar retomar suas rotinas.

SAUDAÇÃO AO REI
A entrevista terminou com um dos oficiais agradecendo ao rei "que nos deu todo o apoio necessário". A Tailândia é uma monarquia.
Na sequência, os garotos caminharam em direção ao retrato do rei e se curvaram, em sinal de reverência.
Agora, eles voltam para suas casas e se preparam para retomar suas rotinas.
Esse episódio é a maior experiência que já enfrentei. Me ensinou a ser mais paciente e forte, a não desistir facilmente, Titan. Fontes: UOL noticias - 12 de julho de 2018, ULO Noticias -18 de julho de 2018.

Marcadores: , ,

posted by ACCA@3:30 AM

0 comments

sábado, julho 21, 2018

Explosão e incêndio de celulares



Enfermeiro sofre queimaduras após explosão do celular

Um enfermeiro de Araçatuba (SP) sofreu queimaduras de primeiro grau na perna depois que um celular explodiu dentro do bolso da calça que vestia.

A EXPLOSÃO
O enfermeiro ACSS relata que estava na casa de um paciente que atende por meio de uma empresa de home care (assistência de saúde domiciliar) quando o aparelho explodiu no bolso. Segundo ele, o telefone estava carregando, e quando a carga ficou completa tirou da tomada e guardou no bolso. Em seguida foi escovar os dentes e ouviu um barulho de explosão. Na sequência, percebeu que saía fumaça e correu para a cozinha.

“Quando cheguei na cozinha senti que começou a fritar minha perna, e me dei conta que era o celular. A sorte que eu estava com um cinto que era fácil abrir, e abaixei a calça. Os parentes do meu paciente jogaram água na calça e levaram pra fora. Foi um susto tremendo, porque o celular estava funcionando normalmente”, afirma. Depois do ocorrido, o enfermeiro diz ter jogado o aparelho fora. Ele teve queimadura na perna.

FABRICANTE
A Motorola, marca ligada à empresa Lenovo, fabricante  do telefone celular se manifestou sobre o ocorrido. Segundo nota a prioridade da empresa é a segurança de seus consumidores. “Todos os produtos são cuidadosamente projetados e fabricados com os mais altos padrões de excelência em qualidade, sendo submetidos a testes rigorosos para oferecer ótimo desempenho para o consumidor”.

Ainda conforme a Motorola, caso ocorra um incidente que envolva a segurança do usuário, é importante ter acesso ao aparelho para realização de análises detalhadas nos laboratórios. Desde que a Motorola tomou conhecimento do caso em questão, por meio da imprensa, entrou em contato com o consumidor para prestar auxílio e solicitar o smartphone para análise.
Após contato com o consumidor, o mesmo informou que não detém mais o smartphone. Sem a unidade para análise, é impossível realizar os testes correspondentes e coletar as informações necessárias para investigar o ocorrido, completa.
 “Pedimos aos nossos usuários que leiam e sigam os termos de uso contidos no manual do usuário e que eles apenas usem acessórios e equipamentos originais projetados, fabricados e/ou aprovados pela Motorola”, finaliza a nota. Fonte: Folha da Região- 3 de julho de 2018

Jovem morre após sofrer descarga elétrica em celular carregando em Taubaté

Um jovem de 22 anos morreu na madrugada de sexta-feira, 15 de junho, depois de receber uma descarga elétrica ao usar o celular carregando a bateria em Taubaté (SP). Segundo o Corpo de Bombeiros, o jovem teve paradas cardíacas após a descarga e chegou a ser levado para o Pronto-Socorro, mas não resistiu e morreu.

O jovem LJM foi atendido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) por volta das 16h de quinta-feira (14). Ele jogava com o celular conectado à tomada, quando recebeu uma descarga elétrica e desmaiou.

O jovem recebeu os primeiros socorros ainda em uma casa, na região central da cidade, e teve nove paradas cardíacas. Ele foi socorrido e levado para o Pronto-Socorro Municipal, mas não resistiu e morreu no início da madrugada de sexta. O corpo da vítima foi velado no velório São Benedito e o enterro foi por volta das 16h30 no cemitério Paineiras.

ORIENTAÇÃO
Segundo o Corpo de Bombeiros, o cuidado com o celular, apesar de ser um aparelho de uso constante, deve ser o mesmo de qualquer equipamento ligado à energia, quando carregando. Existe risco não só de descarga elétrica, como de incêndios, em caso de superaquecimento.
"É um risco porque ele está ligado a uma fonte de energia e exposto a acidente. Deixar carregando à noite, principalmente em camas, também pode gerar risco de acidente. A perícia ainda vai avaliar o que houve nesse caso específico, mas a orientação geral é de sempre tomar cuidado com aparelhos ligados na energia", explica o capitão Antonio Carlos Bernardes. Fonte:  G1 Vale do Paraíba e Região-15/06/2018

Jovem morre ao levar choque enquanto usava o celular

Um adolescente de Tianguá morreu enquanto utilizava o celular que estava sendo carregado. O jovem IAM, 16, foi atender uma ligação e recebeu uma descarga elétrica. O jovem chegou a ser socorrido, mas não resistiu. As informações foram confirmadas por um amigo do pai do garoto. O acidente aconteceu na última quinta-feira, 7. A escola em que Iago estudava lançou uma nota de pesar. “Iago esteve conosco desde os primeiros passos na escola até hoje”, diz post na página do Facebook do Colégio Santa Maria. Casos semelhantes já aconteceram neste ano. Em fevereiro, uma adolescente do Piauí faleceu devido a uma descarga elétrica que recebeu do celular. A recomendação de especialistas é que não se utilize o celular durante o carregamento. Fonte: O Povo -  09/06/2018

Explosão de celular mata empresário na Malásia

Mais um caso de explosão de um smartphone, dessa vez a vítima foi o presidente do fundo de investimentos Cradle Fund, o malaio Nazrin Hassan, de 45 anos. De acordo com publicações locais, o homem morreu depois da explosão do dispositivo, que estava carregando na tomada e colocado perto do homem, que dormia, e causou um incêndio no quarto.

Hassan possuía dois aparelhos: um BlackBerry e um Huawei. “Não sabemos qual celular explodiu. Quem diria que um procedimento tão rotineiro seria a razão pela qual três crianças crescerão sem o pai ao seu lado”, declarou a cunhada do executivo..
O laudo da polícia afirma que o homem morreu vítima de um incêndio, iniciado, ao que tudo indica, pela explosão de um dos celulares. O homem foi atingido por estilhaços da explosão e tinha queimaduras no corpo, mas teria morrido pela inalação de fumaça. Ele teria ido tirar um cochilo depois de tomar um remédio para enxaqueca. Fonte: Yahoo Finanças-  21 de jun 20128

Comentário:

SEGURANÇA
MANUSEIO
Manuseie o smartphone com cuidado. Ele é feito de metal, vidro e plástico e possui componentes eletrônicos sensíveis. Ele pode ser danificado se cair, for queimado, furado, esmagado ou se entrar em contato com líquidos. Não use um smartphone danificado (por exemplo, com a tela rachada) pois ele pode causar ferimentos. Se você estiver preocupado com arranhões, considere usar uma capa protetora.

COMO CARREGAR
Somente adaptadores de corrente Micro USB em certas regiões que cumprem com as normas vigentes de interoperabilidade para adaptadores de corrente de telefones móveis são compatíveis. Entre em contato com o fabricante do adaptador de corrente para descobrir se o
seu adaptador de corrente Micro USB está em conformidade com tais normas.

INTERFERÊNCIA DE FREQUÊNCIA DE RÁDIO
Observe placas e avisos que proíbem ou restringem o uso de telefones celulares (por exemplo, em hospitais ou postos de gasolina). Embora smartphone  seja projetado, testado e fabricado em conformidade com as normas que governam as emissões de frequências de rádio, tais emissões do smartphone podem afetar negativamente o funcionamento de outros equipamentos eletrônicos e causar defeitos.

MOVIMENTOS REPETITIVOS
A o realizar atividades repetitivas, como digitar ou jogar no aparelho, você  pode sentir um desconforto ocasional em suas mãos, braços, pulsos, ombros, pescoço ou outras  partes do corpo. Se você sentir um desconforto, pare de usá‑lo e consulte um médico.

ATIVIDADES DE ALTO RISCO
Este dispositivo não deve ser usado onde uma falha do dispositivo possa levar à morte, danos pessoais ou danos severos ao meio ambiente.

PERIGO DE SUFOCAMENTO
Alguns acessórios do  aparelho  podem oferecer um perigo de sufocamento a crianças pequenas. Mantenha esses acessórios longe de crianças pequenas.

NÃO TOQUE NO APARELHO, NOS CABOS, CONECTORES OU NA TOMADA COM AS MÃOS MOLHADAS OU OUTRAS PARTES DO CORPO MOLHADAS.
Fazer isso poderá resultar em choque elétrico.

NÃO PUXE O CABO EXCESSIVAMENTE QUANDO O DESLIGAR
Fazer isso poderá resultar em choque elétrico ou incêndio.

NÃO TORÇA, NEM DANIFIQUE O CABO DE ELETRICIDADE.
Fazer isso poderá resultar em choque elétrico ou incêndio.

NÃO FAÇA A CONEXÃO DIRETA DOS PÓLOS POSITIVO E NEGATIVO DO CARREGADOR
Fazer isso poderá causar incêndio ou causar ferimentos graves.

NÃO UTILIZE O SEU APARELHO AO AR LIVRE DURANTE TEMPESTADES
Fazer isso poderá resultar em choque elétrico ou mau funcionamento do aparelho.

UTILIZE BATERIAS, CARREGADORES, ACESSÓRIOS E EQUIPAMENTOS APROVADOS PELO FABRICANTE
■O uso de baterias ou carregadores genéricos poderá encurtar a vida  útil do aparelho ou causar danos nele. Pode também causar incêndios ou fazer a bateria explodir.
■Utilize apenas baterias e carregadores aprovados pelo fabricante que  tenham sido especificamente desenvolvidos para o seu aparelho.  A utilização de baterias e carregadores incompatíveis pode causar ferimentos graves ou danificar o seu aparelho.
■O fabricante não se responsabiliza pela segurança do usuário se o mesmo utilizar acessórios ou equipamentos não aprovados..

NÃO TRANSPORTE O SEU APARELHO NOS BOLSOS TRASEIROS DAS CALÇAS OU AO REDOR DA CINTURA
■ O aparelho pode danificar, explodir ou incendiar se sofrer muita pressão.
■ Você poderá se ferir se cair ou se bater em alguma coisa.

NÃO GUARDE O APARELHO PERTO OU DENTRO DE AQUECEDORES, MICROONDAS, EQUIPAMENTOS DE COZINHA OM CALOR OU CONTÊINERES DE ALTA PRESSÃO
■ Pode ocorrer vazamento na bateria.
■ O aparelho poderá superaquecer e causar um incêndio.

EVITE QUE O CONECTOR MULTIFUNCIONAL E A EXTREMIDADE FINAL DO CARREGADOR ENTREM EM CONTATO COM MATERIAIS CONDUTIVOS COMO LÍQUIDOS, POEIRA, PÓS DE MATERIAIS METÁLICOS E PONTAS DE LÁPIS. NÃO TOQUE O CONECTOR MULTIFUNCIONAL COM FERRAMENTAS PONTIAGUDAS OU CAUSE ALGUM IMPACTO NO CONECTOR
Materiais condutores podem criar curto-circuitos ou corroer os terminais, o que pode resultar em explosão ou incêndio.

NÃO UTILIZE SEU APARELHO PERTO DE OUTROS APARELHOS ELETRÔNICOS
■ A maioria dos aparelhos eletrônicos utiliza sinais de radiofrequência. Seu aparelho poderá interferir com outros aparelhos eletrônicos.
■ Usar uma conexão de dados 4G pode causar interferência em outros aparelhos, como, equipamentos de áudio e telefones

NÃO UTILIZE O APARELHO EM HOSPITAIS, AVIÕES OU EQUIPAMENTOS AUTOMOTIVOS QUE POSSAM SOFRER INTERFERÊNCIAS DE RADIOFREQUÊNCIAS
■Dispositivos médicos-O aparelho contém rádios que emitem campos eletromagnéticos. Esses campos eletromagnéticos podem interferir com marca-passos ou outros dispositivos médicos.
Se você usa um marca-passo, mantenha uma separação de pelo menos 15 cm entre o marca‑passo e o aparelho. Se você suspeita que o aparelho está interferindo com seu marca‑passo ou qualquer outro dispositivo médico, pare de usá‑lo e consulte o seu médico para obter informações específicas sobre o seu dispositivo médico. O aparelho possui ímãs na parte inferior e os fones de ouvido também possuem ímãs que podem interferir com marca‑passos, desfibriladores ou outros dispositivos médicos. Mantenha uma separação de pelo menos 15 cm entre o marca-passo ou desfibrilador e o aparelho ou os fones de ouvido.
■Se você tem qualquer condição médica que possa ser afetada pelo aparelho  (por exemplo, convulsões, desmaios, fadiga ocular ou dores de cabeça), consulte seu médico antes de usá‑lo.
■ Em um avião, o uso de dispositivos eletrônicos pode interferir com os instrumentos eletrônicos de navegação do avião. Certifique-se que o aparelho esteja desligado durante a decolagem e o pouso.
Após a decolagem, você poderá usar o aparelho no modo avião se a tripulação permitir.
■ Dispositivos eletrônicos no seu carro poderão não funcionar corretamente devido às interferências de radiofrequência do seu aparelho. Contate o fabricante para obter mais informações.

NÃO UTILIZE O SEU APARELHO PRÓXIMO DE DISPOSITIVOS OU APARELHOS QUE EMITAM RADIOFREQUÊNCIAS, TAIS COMO, SISTEMAS DE SOM OU TORRES DE RÁDIO
As radiofrequências podem causar o mau funcionamento do aparelho.

DESLIGUE O APARELHO EM AMBIENTES POTENCIALMENTE EXPLOSIVOS
■Não carregue ou use o aparelho em áreas com uma atmosfera potencialmente explosiva, como em postos de gasolina ou em locais onde o ar contenha produtos químicos ou partículas (tais como grãos, poeira ou pós metálicos). Obedeça a todas as placas e instruções.
■ Desligue o aparelho em ambientes potencialmente explosivos em vez de retirar a bateria.
■ Observe sempre os regulamentos, instruções e sinais de aviso em ambientes potencialmente explosivos.
■ Não utilize o aparelho em postos de abastecimento (estações de serviço) ou próximo de combustíveis ou químicos, ou áreas inflamáveis.
■ Não armazene ou transporte líquidos inflamáveis, gases ou materiais explosivos no mesmo compartimento em que guarda o aparelho, seus componentes ou acessórios.

O APARELHO PODE SER UTILIZADO EM LOCAIS CUJA TEMPERATURA AMBIENTE SE ENCONTRE ENTRE 0 °C E 35 °C. O APARELHO PODE SER ARMAZENADO EM UMA TEMPERATURA AMBIENTE ENTRE -20 °C E 50 °C. A UTILIZAÇÃO OU ARMAZENAMENTO DO APARELHO FORA DAS TEMPERATURAS RECOMENDADAS PODE DANIFICÁ-LO OU REDUZIR A VIDA ÚTIL DA BATERIA
PROTEJA O APARELHO, A BATERIA E O CARREGADOR DE DANOS
■ Evite expor o aparelho e a bateria a temperaturas muito baixas ou  muito elevadas.
■ As temperaturas extremas podem causar deformações no aparelho e reduzir a capacidade de carregamento, assim como a duração do aparelho e da bateria.
■ Não guarde o aparelho em locais muito quentes, como dentro do carro no verão. Fazer isso poderá causar o mau funcionamento da tela,danificar o aparelho ou fazer a bateria explodir.
■ Não exponha o aparelho à luz solar direta durante períodos prolongados (no painel de um carro, por exemplo).
■ Para aparelhos com bateria removível, a bateria pode ser armazenada separadamente em locais com temperatura ambiente entre 0 °C a 45 °C.

NÃO GUARDE O APARELHO JUNTO COM OBJETOS METÁLICOS, POR EXEMPLO, MOEDAS, CHAVES OU COLARES
■ O seu aparelho pode riscar-se ou deixar de funcionar.
■ Se os pólos da bateria entrarem em contato com objetos metálicos, poderá ocorrer um incêndio.
Fontes: Samsung Safety Information e Manual do Usuário iPhone

Marcadores: , , ,

posted by ACCA@12:51 PM

0 comments