Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

quarta-feira, maio 28, 2014

Técnica de segurança morre depois de cair de obra da fábrica da Fiat

A técnica em segurança do trabalho, GLA, 26 anos,  morreu na madrugada de sábado, 17 de maio, depois de ter caído de um prédio em construção da fábrica da Fiat, em Goiana, Zona da Mata Norte de Pernambuco. A técnica despencou de uma altura de 15 metros no fim da tarde da sexta-feira, 16 de maio, enquanto trabalhava.

A técnica em segurança foi socorrida para o Memorial de Goiana, sendo depois transferida para o Hospital da Restauração (HR), no bairro do Derby, centro do Recife, no início da noite. Ela chegou a ser submetida a uma cirurgia, mas acabou falecendo em consequência da gravidade dos ferimentos por volta da 1h deste sábado.

A jovem era funcionária da empresa Consórcio Construcap Walbridge (CCW) nas obras da fábrica da Fiat há cerca de dois anos. Segundo a família, testemunhas do acidente disseram que o cinto de segurança que ela usava estava folgado, o que pode ter causado a queda. A construtora informou que, a princípio, a obra não deve ser interrompida, a menos as autoridades solicitem a interrupção.

O corpo da jovem  está no HR, onde aguarda a presença de um parente de primeiro grau para ser liberado e levado ao Instituto de Medicina Legal (IML). A família da técnica de segurança, que estava em Goiana, já está a caminho.

Nota da empresa responsável pela obra:
O Consórcio Construcap Walbridge, construtor do polo automotivo de Goiana, confirma a ocorrência do óbito de GLA, técnica de segurança, ocorrido na madrugada deste sábado (17), em decorrência de acidente na véspera.
O consórcio acionou imediatamente seu plano de emergências, que atende a todas as normas, encaminhando a colaboradora ao Hospital HR em Recife, instituição de referência em traumas no Nordeste, no qual ela faleceu.
O consórcio está dando integral apoio à família da colaboradora e reitera que cumpre rigorosamente as normas de segurança e medicina do trabalho. As causas do acidente estão sendo apuradas. Fonte: JC Online- 17/05/2014

Comentário: Segundo informação do delegado responsável pelo inquérito, o acidente ocorreu  durante a mudança de posicionamento do cinto de segurança de um ponto para outro.
Obs: Pelo jeito o cinto não tinha talabarte duplo.

O QUE DIZ A NORMA, NR-35
a-O trabalhador deve permanecer conectado ao sistema de ancoragem durante todo o período de exposição ao risco de queda.
 b-O talabarte e o dispositivo trava-quedas devem estar fixados acima do nível da cintura do trabalhador, ajustados de modo a restringir a altura de queda e assegurar que, em caso de ocorrência, minimize as chances do trabalhador colidir com estrutura inferior.

MEDIDAS DE CONTROLE
De acordo com a agência Australiana de Segurança, (OHS) prescreve hierarquia de controles que devem ser usados para eliminar ou minimizar riscos para a saúde e segurança no local de trabalho.
A hierarquia de controles envolve:
1-eliminação do  risco - por exemplo, interromper a atividade, efetuar o serviço no solo (montagem), usar elevação de grua
2- minimizar o risco de:
a- substituir o sistema de trabalho (com algo mais seguro)
b- isolar o risco - por exemplo, introduzir e aplicar uma área de trabalho restrito
c-  introdução de controles de engenharia - por exemplo, grades de proteção ou andaimes
d- adoção de controles administrativos, tais como práticas de trabalho seguro - por exemplo, aviso de perigo, sinais (das pessoas que trabalham acima ', uso de pistola de prego") - e formação específica e de instruções de trabalho - por exemplo, para telhados frágeis.
e- usar equipamentos de proteção individual (EPI) - por exemplo, talabarte duplo, linha de vida, calçados, óculos de proteção.

VÍDEO

VÍDEO
Vídeo mostrando acessório de segurança para as pernas  para minimizar a síndrome da suspensão inerte.

Marcadores: , , ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@7:36 AM

Assinar
Postagens [Atom]