Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

quinta-feira, junho 04, 2015

Unhas perfeitas, trabalhadores doentes

O artigo expõe os riscos para a saúde e as condições de trabalho injustas vividas por trabalhadores em salões de beleza.

Algumas substâncias químicas usadas em produtos para unhas têm sido associadas alguns tipos de câncer, abortos, doenças pulmonares e outras doenças, mas indústria tem dificultado a sua regulamentação.

Cada vez que uma cliente abria a porta de vidro do salão em Ridgewood, Queens, onde Nancy Otavalo trabalhava, um alegre coro de todas as manicures ecoava: "Escolha uma cor!"
Nancy Otavalo, uma imigrante equatoriana de 39 anos, quase sempre sentava na primeira mesa. Durante o corte e lixamento de unhas, ela falava de seu bebê, que estava começando a andar, ou seu filho robusto de nove anos. Mas ela nunca mencionou outro bebê que sonhou em ter, mas que perdeu no ano passado por causa de um aborto espontâneo..
Na segunda mesa  estava Monica A. Rocano, 30, que, algumas vezes trazia sua filha, mas as clientes nunca conheceram seu filho de três anos, Matthew Ramon. As pessoas pensam que Mateus é tímido, mas na verdade tem dificuldade em aprender a falar e andar.

Histórias semelhantes de doença e tragédia são abundantes nos salões de beleza em todo o país, de crianças que nasceram com algumas deficiências especiais, abortos espontâneos e cânceres, tosses  que não param e lesões cutâneas dolorosas. Estes casos têm se tornado tão comuns, que as manicures veteranas alertam as mais jovens que estão grávidas ou pretendem ficar grávidas para ficar longe desse tipo de trabalho, devido as fortes doses de esmalte, solventes, endurecedores e colas que usam diariamente.

Um número crescente de pesquisadores médicos  mostra a ligação entre as substâncias químicas que se utilizam nos produtos de beleza para unhas (os ingredientes que as tornam resistentes, flexíveis, de secagem rápida e têm cores brilhantes, por exemplo) também podem causa sérios problemas de saúde.
No entanto, o risco de uma cliente que busca embelezar semanalmente as unhas com uma manicure não é da mesma intensidade, pois as manicures manipulam os produtos químicos e respiram os vapores inúmeras  vezes ao dia, horas, dia após dia.

DOENÇAS
A prevalência de doenças respiratórias e de pele entre as pessoas que trabalham nos salões de beleza  são bem conhecidas. No entanto, há menos certeza quanto ao seu risco de desenvolver problemas médicos mais graves. Algumas substâncias químicas utilizadas nesses produtos podem causar câncer; outros têm sido associados ao desenvolvimento fetal anormal, abortos e outros danos de saúde reprodutiva.

Vários estudos encontraram no grupo de tratamento de beleza (manicures, cabeleireiros e maquiadores de artistas) elevadas taxas de morte por doença de Hodgkin  ( linfoma de Hodgkin, uma forma de câncer que se origina nos linfonodos, gânglios,  do sistema linfático),  nascimento de bebês com baixo peso e mieloma múltipla, uma forma de câncer.

As conclusões são bastante imprecisas, em parte porque a pesquisa é muito limitada. Muito pouca pesquisa concentrou-se especificamente nas manicures; sabemos muito pouco sobre a verdadeira dimensão da exposição a produtos químicos perigosos ou qual é o seu efeito cumulativo a longo do tempo e se uma conexão realmente pode ser estabelecida para  sua saúde.
A lei federal que regulamenta  a segurança dos produtos cosméticos tem mais de 75 anos e não obriga as empresas a compartilhar informações com a Food and Drug Administration (FDA). A lei proíbe ingredientes prejudiciais aos usuários, mas não contém disposições para a agência possa avaliar os efeitos dos produtos químicos, antes de chegar às lojas. Os lobistas das indústrias combatem duramente as exigências de fiscalização.

Porta-vozes da indústria dizem que seus produtos contêm pequenas quantidades de substâncias químicas consideradas potencialmente perigosas  e não representam uma ameaça.
"O que eu ouço são insinuações baseadas em suposição ", disse Doug Schoon, co-presidente da Associação Profissional de Beleza do Conselho de Segurança dos fabricantes de adesivo para unhas, acrescentando: "No que diz respeito ao esmalte, não há nenhuma evidência de dano. "

Defensores da saúde e trabalhadores discordam, observando a evidência acumulada. "Sabemos que muitos dos produtos químicos são muito perigosos", disse David Michaels, secretário-assistente da Administração Federal de Segurança Ocupacional e Administração de Saúde (OSHA),  agência que fiscaliza a segurança no local de trabalho. "Não precisamos ver o efeito sobre as manicures para saber que é prejudicial para os trabalhadores", acrescentou.

Tal era a quantidade de problemas de saúde entre a maioria das manicures vietnamitas em Oakland, Califórnia, que os trabalhadores de serviços de saúde asiáticos, uma organização comunitária local, decidiu investigar o caso uma década atrás.
"Dissemos, o que está acontecendo nessa comunidade?  Disse Julia Liou, diretora do programa de planejamento e desenvolvimento do centro de saúde e co-fundadora  do  Salão de Beleza Saudável da Califórnia. "Estamos enfrentando uma epidemia de pessoas doentes", disse ela.
A organização ajudou a formar um grupo na Califórnia, que fez pressão para que as restrições de produtos químicos utilizados em salões de unha fossem aprovadas, mas a indústria de cosméticos conseguiu bloquear a proibição.

 Nos últimos anos, tendo em vista as crescentes preocupações com a saúde, alguns fabricantes de esmalte disseram que  tinham removidos dos seus produtos algumas substâncias sujeitas a controvérsia. No entanto, quando a agências governamentais submeteram  tais produtos a testes aleatórios mostraram que os produtos químicos ainda estavam presentes.

Alguns Estados e Municípios recomendam as manicures usarem luvas e outras proteções, mas os proprietários dificultam sua utilização. Embora as autoridades oficiais que supervisionam as condições de segurança no local de trabalho reconhecem que a norma federal que estabelece os níveis de segurança das substâncias químicas devem ser revistas, mas nada foi feita.
Portanto, as manicures continuam aplicando esmalte, removendo e lixando unhas artificiais, enquanto absorvem substâncias químicas que são potencialmente prejudiciais para sua saúde.

Há milhares de mulheres trabalhando, mas ninguém pergunta: O que está acontecendo com você? Como você se sente? "Nós fazemos outra coisa senão trabalhar e trabalhar". Não podemos respirar, disse Nancy Otavalo.

SINTOMAS SEMELHANTES-TOSSE
Ao longo das décadas como um especialista em medicina chinesa, na comunidade asiática, Dr. Charles Hwu's,  encontrou repetidamente um determinado conjunto específico de doenças que afetam algumas mulheres saudáveis.  "Em geral elas vem com problemas respiratórios, alguns sintomas semelhantes a uma alergia, e também sintomas de asma, elas não podem respirar", ele disse durante uma pausa entre os pacientes.
"A julgar pelos sintomas dessas mulheres parecem ser fumantes, fumantes passivas ou pacientes com asma, mas elas não são nada disso. Elas trabalham em salões de beleza", ele disse.
Em entrevistas com mais de 125 manicures, doenças das vias respiratórias como aquelas do consultório do Dr. Hwu estavam presentes.
Muitos aprenderam a conviver com esses problemas: um nariz que sangra constantemente, ou a garganta que dói todos os dias, desde que começaram a trabalhar como manicure.

Em seu salão de Beleza, em Mill Basin, Brooklyn, Eugenia Colon passou anos modelando e preparando dezenas de unhas acrílicas por dia em uma nuvem de pó de acrílico, ignorando uma tosse persistente que ficou mais forte ao longo do tempo. Mais tarde, soube que padecia de sarcoidose, um tipo de inflamação nos pulmões. Na tomografia seus pulmões pareciam estar cobertos com grãos de areia, riscados por pequenas cicatrizes.

O médico que diagnosticou sua doença, perguntou a Colon  o que ela fazia para viver.
Quando ela contou-lhe, o médico explicou que, enquanto embelezava outras mulheres inalava nuvens de acrílico e outros pós, partículas minúsculas   que feria o tecido mole de seus pulmões.

Das 20 substancias químicas comuns para unhas que causam problemas de saúde  estão listadas em um livro publicado pela Environmental Protection Agency (EPA)  e , 17 são perigosas para o trato respiratório. A superexposição de cada um delas provoca sintomas como queimação na garganta ou nos  pulmões com dificuldade em respirar ou falta de ar.

Um estudo de 2006 publicado no Journal of Occupational and Environmental Medicine, que incluiu mais de 500 manicures do Estado de Colorado, encontraram 20% delas tinham  tosse na maioria dos dias e noites. A mesma pesquisa mostrou que os funcionários que trabalhavam com unhas artificiais eram três vezes mais propensos a se tornarem asmático, como resultado de seu trabalho, em comparação com alguém que não trabalhava nessa atividade.

PELE –LESÕES DOLOROSAS
 Problemas de pele também estão presentes entre as manicures. Muitos dos produtos químicos utilizados nesses estabelecimentos são classificados por agencias governamentais  como sensibilizadores da pele capazes de provocar reações dolorosas..
Algumas manicures experientes dizem que podem reconhecer um colega quando vêem na rua têm as mesmas manchas marrons nas bochechas.
Pesquisadores descobriram que certos corantes  cosméticos, especialmente um tipo de vermelho brilhante, causam  descoloração da pele.

Foto-Impressões digitais quase inexistentes

Quando Ki Chung Ok, uma manicure que trabalhou em salões de beleza por quase duas décadas, tirou as impressões digitais no início de 2000 para obter a cidadania americana, ela descobriu algo perturbador: as impressões digitais eram quase inexistentes.
Eles tiveram de tirar as impressões várias vezes.  Ela acredita que o trabalho em curso com arquivos, solventes e emolientes  foram responsáveis. "Eu percebi que as minhas impressões digitais foram desaparecendo", ela disse. Hoje, ela não pode tocar pratos quentes ou frios, sem sentir uma dor aguda.

Mesmo quando o clima esquentou com a chegada da primavera do ano passado, Zoila Street,então, com 22 anos, manicure que trabalhou no Harlem, ainda usava luvas, tanto ao ar livre, como em casa. Por baixo das luvas escondia bolhas negras tão doloridas  (pústulas), que não conseguia  segurar um frasco de esmalte, ou usar celular.
Foi segunda vez, suas mãos desenvolveram verrugas, uma doença comum entre os trabalhadores em salões de beleza. Enquanto os clientes muitas vezes se preocupam com a higiene das instalações, as manicures estão assumindo o risco real, e sofrendo com inúmeras infecções por fungos e outras doenças de pele  pelo número de mãos e pés que tocam todos os dias.

ABORTOS E AVISOS
De certa forma, Rocano, uma das manicures do salão de Ridgewood, considerava-se com sorte. Suas colegas sentadas ao seu lado perderam seus bebês na gravidez no ano passado, que descreveram exatamente na mesma maneira: “Foi como perder um sonho”.
No entanto, ela teve o seu bebê. Quando nasceu Matthew tinha cabelos castanhos e pele cor âmbar,  um menino  que sua mãe carregava esperanças. No entanto, à medida que o bebê crescia, parecia que algo não estava tudo bem. Suas pernas eram débeis; dobravam-se quando  ficava em pé. Aos  três anos ainda não podia dizer seu nome. Em visitas ao pediatra, Mônica A. Rocano descobriu que o desenvolvimento de Matthew estava atrasado em quase todas as medições, tanto física como cognitiva.
Em um dia, seu médico perguntou-lhe o que ela fazia para viver. Quando Rocano disse-lhe, ele perguntou durante quanto tempo tinha trabalhado no salão de beleza durante sua gravidez. “Seis meses”, ela disse. O médico disse-lhe: “quando os bebês  estão em formação no ventre,  absorvem tudo, e se eles estão expostos a qualquer coisa, pode causar-lhes mal”, ela lembrou.

Um dia, faz cinco anos, o médico  avisou novamente uma manicure que trabalha na mesa à direita de Rocano, em sua consulta na unidade de obstetrícia em Wyckoff Heights Medical Center em Brooklyn. Ela  soube que tinha perdido o bebê pela terceira vez.
Nos meios científicos as três substâncias químicas usados nos produtos para unhas associados com os problemas de saúde mais graves são; o  dibutil ftalato, o tolueno e o formaldeído; eles são conhecidos como o “trio tóxico” entre os advogados das manicures.

DIBUTIL FTALATO- PROIBIDA NA UNIÃO EUROPÉIA
O dibutil ftalato, (DBP,  dibutyl phthalate) é usado no esmalte para dar o brilho, e outros produtos sejam maleáveis.
Na Austrália esta substância faz parte da lista de substâncias tóxicas para a reprodução, e os produtos que as contêm devem incluir em sua etiqueta as seguintes frases: “pode ocasionar danos ao feto” e “possível risco de comprometer a fertilidade”.A partir de junho de 2015  o uso dessa substância química em cosméticos será proibida no país.
O DBP é um dos mais de 1300 substâncias químicas proibidas para o uso em cosméticos na União Européia.
Mas nos Estados Unidos, onde se proibiram menos de uma dúzia de substâncias químicas em tais  produtos, não há nenhuma limitação para seu uso.

TOLUENO
O tolueno, um tipo de solvente, que ajuda aplicar o esmalte de maneira uniforme. Mas a Agência de Proteção Ambiental diz numa ficha técnica que pode prejudicar as funções cognitivas e do rim. Assim mesmo, a exposição constante durante a gravidez pode “ter efeitos adversos no feto em desenvolvimento”,  segundo a agência.

FORMALDEÍDO
O formaldeído, melhor conhecido por seu uso para embalsamento, é um agente endurecedor nos produtos para unhas.
 Em 2011 o Programa Nacional de Toxicologia, do  Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, classificou-o como carcinógeno humano.  Em 2016   será proibido  o uso em cosméticos na União Européia.

O PERIGO DOS PRODUTOS PARA UNHAS
As substâncias que fazem que os produtos para unhas sejam tão eficientes - duradouros, de secagem rápida e cores brilhantes - também ocasionam problemas de saúde. Os rituais nos salões, como aplicar e remover esmalte e esculpir unhas artificiais, criam uma micro atmosfera de pós e químicas cujo efeito a longo prazo se desconhece.

OS PERIGOS DOS PRODUTOS DE MANICURE
 As substâncias que se utilizam nos produtos  para unhas têm sido associadas a vários problemas de saúde.

REMOVEDOR DE ESMALTE
Acetona, acetonitrila, acetato de butila, acetato de etila ou acetato de isoproprilo.

Estes podem causar;
Dores de cabeça, tontura, irritação de pele, irritação; da garganta, da boca, do nariz, dos olhos, desmaio, sonolência, fraqueza, exaustão, dificuldade de respiração.

ESMALTE PODE CONTER;
Formaldeído, tolueno, dibutil de ftalato,

Estes podem causar;
Formaldeído, tolueno ou dibutil ftalato

Estes podem causar;
Dores de cabeça, dificuldade de respiração, tosse, ataques de asma, reações alérgicas, insensibilidade, pele seca e rachada, irritação; da pele, irritação; do nariz, o da boca, dos pulmões, náuseas, danos ao fígado e rins, aborto espontâneo, câncer, danos a fetos.

UNHAS DE ACRÍLICO
Podem conter; metacrilatos

Este pode causar;
Queimaduras  na pele, dificuldade de respiração, asma, irritação; dos olhos, da pele, do nariz, da boca, da garganta, dificuldade de concentração e danos a fetos.

Membros da indústria de cosméticos dizem que vincular os produtos químicos com os problemas de saúde das manicures equivalem  a fazer conclusões científicas erradas. “O uso (dibutil ftalato, tolueno e formaldeído) é seguro conforme às condições atuais de uso nos Estados Unidos”, disse Lisa Powers, porta-voz do Conselho de Produtos de Higiene Pessoal, a principal associação da indústria de cosméticos.
“O FDA não põe em dúvida o uso seguro e histórico desses produtos químicos”, continuou. Em realidade, a responsabilidade de avaliar a segurança dos  produtos químicos para fins cosméticos fica em mãos das próprias companhias. Ainda que insistindo que são seguros, algumas empresas de esmalte de unhas começaram a eliminar certos produtos químicos de suas fórmulas voluntariamente.

PRODUTOS ROTULADOS COMO “3-LIVRE” OU “5-LIVRE”
Em 2006, varias marcas importantes anunciaram que seus produtos já não teriam nenhum desses três ingredientes. Os novos produtos foram rotulados como “3-livre” ou “5-livre” em referência ao número de produtos químicos que já não continham.
Mas estudos feitos em 2010 pela FDA e outro em 2012  pelo Departamento de Controle de Substâncias Tóxicas da Agência de Proteção Ambiental de Califórnia encontraram em testes aleatórios que alguns produtos rotulados  como “3-livre” ou “5-livre”,  ainda continham esses produtos químicos.

LEVANTAMENTO DA SAÚDE DOS TRABALHADORES DOS SALÕES DE BELEZA
A partir de visitas rotineiras aos salões em Oakland, Liou e seus colegas de Serviço de Saúde,  bem como Thu Quach, pesquisadora científica, ficaram alarmadas: quase todas as manicures entrevistadas diziam ter problemas de saúde; algumas estavam gravemente enfermas.
A Dra. Quach, do Instituto de Prevenção do Câncer de Califórnia, se propôs realizar um levantamento da saúde dos trabalhadores dos salões de beleza no Condado de Alameda, ao que pertence Oakland.
Ela descobriu que as manicures apresentavam um maior risco de diabete gestacional (hiperglicemia, aumento dos níveis de glicose no sangue) e dar a luz a bebês com malformações ou acima do peso ou com complicações no parto. Em relação ao câncer, não encontrou nenhuma correlação.

Em ambos os estudos foram prejudicados por limitações dos dados. Principalmente, eles apontam para a necessidade de um estudo mais aprofundado.
A regulamentação de substância químicas nos  produtos para as unhas está a cargo da Lei Federal de Alimentos, Medicamentos e Cosméticos de 1938. A parte da lei que trata dos cosméticos tem um total de 591 palavras.
O FDA (Food and Drug Administration  ) explica em sua página na web a forma que a lei limita suas funções: “Os produtos cosméticos e seus ingredientes não precisam da aprovação do FDA, antes de seu lançamento no mercado, a exceção dos corantes”.“Nem a lei nem as disposições do FDA exigem  testes específicos para demonstrar segurança dos produtos ou  substâncias particulares”. Além disso: “A lei também não exige que às empresas  cosméticas compartilhem suas informações sobre riscos ao FDA.

OSHA-A ADMINISTRAÇÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL
A Administração de Segurança e Saúde Ocupacional (OSHA) é a agência federal que estabelece os limites de exposição de substâncias químicas no local de trabalho. Os estudos que examinaram os níveis de exposição as substâncias  químicas, no caso das manicures, estavam abaixo destas normas. Os defensores da saúde dizem que as regras da Administração de Segurança são terrivelmente obsoletas e insuficientes.
Inclusive o Dr. Michaels, secretário-assistente da agência, disse que as normas necessitavam de revisão. Disse que atualmente os trabalhadores “podem estar expostos a níveis que são legais de acordo com a OSHA., mas que não por isso deixam de ser perigosos”.

A agência emite informativos que alertam as manicures dos riscos químicos que enfrentam, recomendando usar luvas e ventilar os salões.
Essas e outras medidas são obrigatórias quando os limites de exposição forem  excedidos. Mas, em termos práticos,  com os padrões estabelecidos são tão altos, os salões de beleza estão livres para não fazer nada.
Dr. Michaels disse que a agência está paralisada por causa de seu processo interno complicado para criar regras. "Todos os trabalhadores têm o direito de voltar para casa em segurança no final de cada dia de trabalho. Eles não devem ficar em casa doente ", ele disse.
O debate sobre os produtos químicos também foi realizada em todo o estado. Em 2005, os legisladores da Califórnia propuseram  proibir o uso de DBP em cosméticos que são vendidos ou fabricados no estado. Grupos da indústria pressionaram a Câmara Legislativa e  o projeto de lei fracassou. Uma medida muito mais limitada foi aprovado - apesar dos protestos da indústria – que exigia que as empresas de cosméticos revelassem os produtos químicos prejudiciais para o Departamento de Saúde da Califórnia. Fonte: @ZR, The New York Times - May 8, 2015

Marcadores: , ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@3:00 AM

1 Comments:

At 6:52 PM, Blogger ACBosque said...

Excelente matéria. Era o que procurava. Obrigada.

 

Postar um comentário

<< Home