Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

quinta-feira, abril 28, 2011

Os carros híbridos são perigosos?

A popularidade crescente de veículos híbridos é um passo para o meio ambiente (ar mais limpo) e menos dependência com a gasolina. Mas para as equipes de resgate presentes no acidente, representam um novo perigo em potencial: uma rede de circuito de alta voltagem que exige um corte preciso do circuito para salvar uma vítima presa. “Você não deseja sair cortando qualquer coisa com as ferramentas hidráulicas,” disse Samuel Caroluzzi, chefe assistente do Corpo de Bombeiros de Norristow, região de Filadélfia. “É suficiente para matá-lo, diz no curso de treinamento”.

Os carros híbridos retiram potência de duas fontes, um tipicamente motor a gasolina ou a diesel combinado com um motor elétrico. A tensão que a bateria do motor elétrico transporta mais de 500 volts, mais de 40 vezes a energia de uma bateria padrão. Isso preocupa, com aqueles que devem cortar o carro para salvar uma pessoa do seu interior.“Se você não pode interromper a voltagem, você não sabe onde a voltagem é elevada,” disse David, paramédico em New Brunswick, New Jersey.
Os fabricantes puseram um check list de segurança que o computador do carro deve checar para que possa funcionar o sistema elétrico. Publicaram manuais mostrando onde os componentes elétricos estão em seus modelos; no Toyota Prius e outros híbridos, os cabos de alta voltagem são alaranjados brilhantes para chamar atenção de um socorrista ou mecânico.

Mas há preocupações sobre o que acontece e se algo sai errado e a bateria, a ignição e outros pontos são inacessíveis. “É o “se” que preocupa-me,'' disse David Castiaux, instrutor para o Centro de Tecnologia Mid Del em Oklahoma, que ensina aos socorristas sobre carros híbridos.

Chris Peterson, instrutor do treinamento de serviço da Toyota, disse que o sistema elétrico do carro Prius deve interromper o circuito, se algo sai errado. “Não deve haver alta voltagem nesses cabos, mas é impossível afirmar e dizer “não há”,'' disse. Os socorristas são treinados para desconectar a bateria e desligar a chave imediatamente antes de cortar um carro, mas isso não é sempre possível.

“Anteriormente você poderia apenas cortar com suas ferramentas de corte de uma extremidade a outra, mas agora você tem que olhar antes que você corta,'' disse Ken, chefe do Corpo de Bombeiros do distrito de Iselin em Woodbridge, New Jersey. “É simplesmente outra coisa que você deve preocupar-se.''

Quando o airbag começou tornar-se mais comum na década de 80, os socorristas ficaram cientes do seu potencial de ferir gravemente ou matar quando inflados. Essas preocupações intensificaram agora, pois os dispositivos de segurança estão sendo instalados nos painéis laterais, nos assentos e em outras áreas.

Os interesses sobre carros híbridos estão aumentando em grande parte por causa do aumento de sua popularidade. As vendas aumentaram a uma taxa anual média de 88,6% desde 2000 e cálculos recentes mostram que o número de americanos dirigindo-os saltou mais de 25% de 2002 a 2003.

Os carros Honda Insight e o Toyota Prius são os mais comuns agora e muito estão a caminho: as versões híbridas da Ford Escape, Honda Accord e o Lexus SUV este ano, e Toyota Highlander em 2005. O Corpo de Bombeiros da região de Alachua em Gainesville, agora tem dois carros híbridos. Embora suas equipes não tiveram ainda lidar com colisão com carro híbrido, eles conseguiram familiarizar-se com o problema, o que fazer quando de sua ocorrência , disse o assistente chefe Cliff Chapman.

Eles sabem que não podem cortar as portas de um carro híbrido, isto é, onde muitos dos cabos estão instalados e não retalhar até o teto. Também operam sob a suposição que o carro está energizado, usando botas e luvas de borracha.

Os fabricantes informam que continuarão a manter os socorristas atualizados nas informações sobre os carros híbridos. Mas eles também argumentam que os carros híbridos podem ser vistos como carros mais seguros do que os carros convencionais. “Todo o mundo está preocupado com o problema elétrico, mas você poderia imaginar se tentássemos trazer a gasolina à luz de hoje, como um combustível de motor?” disse Peterson .  Fonte: Fire Engineering - May 5, 2004

Marcadores: , , ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@7:54 AM