Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

terça-feira, outubro 07, 2014

Mega-desastre: Ruptura de tanque de melaço em Boston

O Desastre de Melaço em Boston, também conhecido como o Grande Dilúvio de Melaço e a Grande Tragédia de Melaço de Boston, ocorreu  em 15 de janeiro de 1919, no bairro de North End em Boston, Massachusetts, nos Estados Unidos. A ruptura do tanque de armazenamento de melaço  despejou todo o  melado, que correu como se fosse uma onda pelas ruas da cidade, destruindo tudo,  numa velocidade de 56 km/h, matando 21 pessoas e ferindo 150 O evento entrou para a história local, e durante muitas décadas, os moradores alegaram que em dias quentes de verão, a área ainda cheirava melaço.

DESASTRE


O desastre ocorreu na instalação Purity Distilling Company em 15 de janeiro de 1919.  A temperatura subiu acima de 4,4 ° C, rapidamente, em relação às temperaturas frias dos dias anteriores.  Na época, o melaço era o  adoçante padrão nos Estados Unidos.
O melaço também pode ser fermentado para produzir cachaça e etanol, o ingrediente ativo em outras bebidas alcoólicas e um componente-chave na fabricação de munições. O melaço armazenado estava aguardando transferência para a fábrica situada entre Willow Street e que hoje é chamada  de Evereteze Way, em Cambridge.

Por volta das 12h 30min, o tanque de melaço  de 15 m de altura e  27 m de diâmetro e contendo 8,7 milhões de melaço entrou em colapso. Testemunhas afirmaram que durante o colapso, houve um estrondo alto, como se fosse uma sequencia de tiros de metralhadora e o chão tremeu como se tivesse passando um trem.
O colapso do tanque desencadeou uma onda de melaço  de 7,6 m de altura em seu pico, deslocando a uma velocidade de 56 km / h.  A onda de melaço tinha força suficiente para danificar as vigas da estrutura do elevado da ferrovia situada  à   avenida Atlantic, deslocando um vagão de trem. Os edifícios próximos foram deslocados de seus alicerces e destruídos. Vários edifícios foram inundados com uma camada de 60 a 90 cm de melaço.
Jornalista do Boston Post disse: Que o melaço, na altura da cintura, cobriu a rua e girava como turbilhão e borbulhava sobre os destroços ... Aqui e ali  era impossível de dizer se era  animal ou ser humano que lutava. Era uma massa pegajosa, quanto mais lutava, mais profunda era a massa envolta na pessoa ou no animal.
 O jornal Boston Globe disse que as pessoas "foram apanhados por uma corrente de ar e lançadas.." Outros tinham detritos arremessados contra eles a partir do movimento do ar com cheiro doce. Um caminhão foi jogado no porto de Boston. Cerca de 150 pessoas ficaram feridas; 21 pessoas e vários cavalos morreram, alguns foram esmagados e afogados pelo melaço.
Os feridos incluíram pessoas, cavalos e cães.

CONSEQUÊNCIA
Detalhe da área de inundação de melaço.
1. Tanque de melaço
2 Corpo de Bombeiros (danos pesados)
3.Departamento de Obras Públicas e Delegacia
4. Escritórios da fábrica (arrasada)
5. Edifício-  Terraço Copps Hill
6 Concessionária de gás e luz Boston (danificado)
7 Armazém da fábrica (danos leves)
8 Área residencial (danos leves)

SOCORRO
Os primeiros que vieram em auxílio  foram os 116 cadetes, sob o comando do capitão-tenente HJ Copeland  do navio de treinamento do USS Nantucket, da Escola Náutica de Massachusetts (que é agora a Academia Marítima de Massachusetts), que estava atracado nas proximidades do cais. Eles correram vários quarteirões em direção ao acidente. Eles isolaram a área até a chegada da Polícia, Cruz Vermelha, do exército e  da marinha para o resgate. Os feridos eram tantos que os médicos improvisaram um ambulatório em um prédio vizinho.
A equipe de resgate encontrou dificuldade para caminhar no melaço para ajudar as vítimas. Muitos dos mortos ficaram envoltos no melaço endurecido, difícil para o reconhecimento. A busca por vítimas continuou por quatro dias.

AÇÃO JUDICIAL
Os moradores entraram com um processo de ação coletiva, um dos primeiros realizado em Massachusetts, contra United States Industrial Alcohol Company(USIA), que comprou Purity Distilling em  1917.
Apesar das tentativas da empresa alegar que o tanque tinha sido explodido por anarquistas ( porque uma parte do álcool produzido era para ser utilizado na fabricação de munições). Após três anos  de audiência,  a Corte considerou USIA responsável pelo acidente, condenando-a a pagar US$ 600,000.00 em indenizações  (pelo menos US $ 10,7 milhões em 2012 dólares). Sobreviventes das vítimas fatais receberam US $ 7, 000.00  por vítima (cerca de US$ 125.000 dólares em 2012).

LIMPEZA
Equipes de limpeza usaram água salgada de um barco de combate de incêndio para lavar o melaço à distância, e areia para tentar absorvê-lo. O porto era marrom com melaço até o verão.
A limpeza nas áreas próximas levou semanas, com mais de 300 pessoas. A limpeza na Grande Boston e subúrbios demoraria um tempo indefinidamente longo.
Equipes de resgate, equipes de limpeza, curiosos, turistas, acompanharam o melaço pelas ruas e ajudaram a espalhá-lo  nas plataformas de metrô, os assentos dentro trens e bondes, em casas.
"Tudo o que um cidadão tocava era pegajoso”.
O proprietário não reconstruiu o tanque. A propriedade tornou-se pátio de manobra da  Boston Elevated Railway (antecessora da Autoridade de Transporte de  Massachusetts), e atualmente o local é um campo de beisebol  cidade.

CAUSAS
Vários fatores que ocorreram naquele dia e nos dias anteriores podem  ter contribuído para o desastre.
O tanque foi montado inadequadamente  e testado insuficientemente. Devido à ocorrência de fermentação no interior do  tanque, a produção de dióxido de carbono aumentou a pressão interna. O aumento da temperatura  externa que ocorreu ao longo do dia anterior também teria ajudado na elevação dessa pressão. Os registros mostraram que a temperatura do ar aumentou de -17 a 5,0 ° C durante esse período. A falha ocorreu a partir da janela de inspeção perto da base do tanque. É possível que a fissura da fadiga cresceu até o ponto de criticalidade. A tensão de arco é maior perto da base de um tanque cilíndrico cheio.
O tanque foi utilizado apenas oito vezes com capacidade máxima, desde sua construção, colocando as paredes sob uma carga intermitente, cíclica.

Um inquérito após o desastre revelou que Arthur Jell, que supervisionou a construção, negligenciou na montagem do tanque;
■ O tanque não foi inspecionado adequadamente durante sua construção.
■ O tanque não foi testado após sua construção e antes de ser enchido  com melaço.
■ O tanque tinha apresentado vazamento nas soldas entre as placas de aço antes da sua ruptura.
Finalmente as deficiências estruturais que o tanque apresentou, combinado com temperatura excepcionalmente quente contribuíram para o desastre.
Fonte: Wikipedia - 16 July 2014 

Comentário:
 Desastres de tanques de armazenagem ainda acontecem hoje em dia. Os tanques são muito frágeis. Uma grande quantidade de qualquer líquido,  inflamável ou não,  pode ser perigoso, se liberado em grandes quantidades, devido a seu grande volume e massa.
Acidentes com tanque envolvem; corrosão, colapso, transbordamento, sobrepressão, falha de revestimento, teste, etc.

O que você pode fazer
■ Se você observar vazamento, corrosão, ou qualquer outro sinal de falha potencial em um tanque de armazenagem, relate-os imediatamente para o responsável pela operação.
■ Certifique-se de que todo tanque novo, ou que tenha retornado ao serviço após manutenção, ou após um período de inatividade, seja adequadamente inspecionado e testado antes de receber produto.
■ Certifique-se das capacidades de operação dos tanques e verifique duas vezes o nível antes de enchê-los. Fonte: Process Safety Beacon

Marcadores: ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@3:00 AM

Assinar
Postagens [Atom]