Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

sexta-feira, julho 15, 2011

Terremoto e Tsunami no Japão

Balanço resumido do terremoto com informações até 11 de julho.

PANORAMA GERAL
■ 35.708 pessoas continuam em abrigos de evacuação
■ Construção de abrigos temporários em execução no prazo, a vida continua difícil para muitas pessoas
■ São necessários mais apoio para crianças vulneráveis
■ Temperatura elevada, reduz o processo de reconstrução
■ Muitas ONGs continuam em operações

Com o mega desastre (terremoto e tsunami) ocorrido em 11 de março de 2011, registrou as seguintes situações:
■ O número de mortos atual chegou a 15.550.
■ O número total atual de mortos e desaparecidos é de 20.894.
■ Após 4 meses do desastre 5.344 pessoas ainda estão desaparecidas.

Nas áreas mais atingidas;
■ 9.300 pessoas morreram em Miyagi,
■ 4584 pessoas morreram em Iwate e
■ 1.600 pessoas morreram na prefeitura de Fukushima

Há 35.708 desabrigados ainda permanecendo em 1.041 abrigos de evacuação nas três Províncias. A construção de abrigos temporários está em andamento para atender a demanda de 50.000 unidades.

Em todo Japão, 99.236 pessoas estão atualmente em locais provisórios, tais como; abrigos de evacuação, abrigos temporários, em moradias de parentes, acomodações públicas.

De acordo com o último relatório do gabinete oficial do governo japonês;
■ 12 rotas ferroviárias locais não estão disponíveis,
■ todos os 13 aeroportos, incluindo Sendai estão em operação.
■ quanto aos danos em barragens costeira, 190 km dos 300 km ao longo da linha costeira de Iwate, Miyagi e Fukushima foram total ou parcialmente danificados.
■ 561 km quadrados foram inundados.

CRIANÇAS VULNERÁVEIS
Crianças permanecem vulneráveis. Há mais de 200 órfãos que perderam os pais. Setores privados estão dando suporte para algumas crianças, em vez do apoio do governo. Nas escolas, algumas crianças não estão totalmente alimentadas em municípios onde os equipamentos de cozinha foram danificados.

CLIMA, LIMPEZA
Tempo quente continua na área afetada de Tohoku (mais de 35ºC ) e está dificultando a atividade de limpeza devido à deterioração da saúde das pessoas.
A temperatura quente também está causando problema de higiene, onde muitas fábricas de processamento de frutos do mar foram danificadas e deixaram enorme quantidade de peixe podre. O controle de pragas é uma questão urgente.
Atividades de ONGs e voluntários continuam. As operações variam para atender às demandas inconstantes.
A limpeza dos escombros, detritos e lama continua após 4 meses do desastre.

SAÚDE
Como as pessoas começaram a viver em abrigos temporários, o monitoramento da saúde das pessoas é mais difícil, porque se supõe que alguns moradores, no abrigo temporário especialmente os mais idosos hesitará em sair.
Há muitos desempregados devido a não reativação dos serviços e trabalhos afetados pelo terremoto.
A maior incidência sobre saúde mental e a criação de empregos são outros problemas sérios.

ABALOS SECUNDÁRIOS
Os abalos secundários são ainda registrados, ampliando as áreas do epicentro fora de Tohoku.

SITUAÇÃO DE ABRIGOS TEMPORÁRIOS
Mais de 50.000 abrigos temporários fabricados são exigidos nas áreas afetadas. A partir de 11 de julho, cerca de 38 mil unidades foram concluídas (76%) e 9.000 unidades estão em construção.
Enquanto que o número total de abrigos já está concluído ou em construção, o plano oficial para a conclusão de todos os abrigos temporários em meados de agosto não será provavelmente alcançado.

A partir de 08 de julho, um total de 36.731 unidades foram concluídas nas Prefeituras de Iwate, Miyagi e Fukushima. O número abrange 71% da demanda total. Enquanto mais de 37 mil desabrigados ainda estão permanecendo nos centros de evacuação, apenas 64% das casas temporárias estão atualmente ocupadas.

Alguns municípios estão atrasados no cronograma de aplicação e processo de seleção. As três prefeituras também oferecem apartamentos públicos para as famílias afetadas.
■ 18.884 unidades em Miyagi e
■ Fukushima em 16.250 (07 de Julho), e
■ 2939 em Iwate (08 de julho); estão ocupados e é considerada como uma das razões para a baixa taxa de ocupação para os abrigos temporários.

Para os locais onde as terras estão submersos, encontrar espaços físicos para construir abrigos temporários é difícil e as pessoas estão hesitantes para viver nessas áreas.

QUESTÕES EM TORNO DOS ABRIGOS TEMPORÁRIOS
As vidas daqueles que permanecem nos abrigos temporários construídos, vários problemas começaram a surgir.
■ Os abrigos temporários foram construídos de forma urgente e, por vezes, não atendem as exigências básicas.
■ Por exemplo, em alguns abrigos, existem lacunas entre paredes ou fundação. Uma cidade em Kamaishi, prefeitura de Iwate, os moradores estão sofrendo com as formigas. Escritório do governo local distribuiu repelentes de controle de pragas, mas nem todos os moradores estão usando o produto químico, devido à preocupação com sua saúde, especialmente para as crianças.
■ Os moradores terão de enfrentar dura estação de verão. Quando chegar a estação fria, o problema será mais grave. Moradores mostram suas preocupações, se eles serão capazes de viver nos abrigos por dois anos.
■ Alguns mostram a sua preocupação de que os lugares onde os abrigos foram construídos não são seguros para as marés altas ou tsunamis. Ou a abrigos temporários simplesmente não são convenientes para as famílias afetadas, incluindo a locomoção para o trabalho e escola. ■ Fortes laços comunitários da área afetada são pouco frágeis, muitas famílias estão separadas umas das outras. Aqueles que agora estão nas casas temporárias compartilham seus sentidos de isolamento. Isto é encontrado principalmente entre os idosos que têm conexões mais fortes com seus vizinhos. Eles desenvolveram fortes laços através de dificuldades e vida cotidiana em abrigos de evacuação.

Após o terremoto mais de 230 pessoas foram encontradas mortas nos abrigos temporários sem que ninguém percebesse.
As ONGs e voluntários estão tentando alcançar aqueles que vivem sozinhos. Visitas domiciliares e reunião da comunidade a esses refúgios são organizados, no entanto, alguns casos de morte são relatados.

SITUAÇÃO DAS CRIANÇAS
Órfãos
O Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar informou que existem mais de 200 órfãos, menores de 18 anos em Miyagi, Iwate e na Prefeitura de Fukushima que perderam os pais (incluindo os que ainda estão ausentes), principais notícias relatadas.
As municipalidades estão a promovendo aplicação do sistema de apoio existentes, além dos fundos recolhidos através de vários esquemas, doações coletadas de setores privados, organizações e individual

Merenda Escolar
Após 4 meses do desastre, alguns alunos ainda estão com fome em algumas escolas. Treze municipalidades ainda não são capazes de fornecer refeição, “almoço completo" que satisfaçam o conjunto padrão nutritivo pelo governo. Isto é devido a danos causados as cozinhas coletivas das escolas e a disponibilidade de alimentos crus.
Atualmente os governos locais estão utilizando serviços de lanches privado e apoio de organizações não governamentais.
Preocupações para o equilíbrio nutritivo e continuidade permanecem elevadas.

SITUAÇÃO DAS ONG / VOLUNTÁRIOS
Devido à escala do desastre, o processo de reconstrução e reabilitação levarão tempo. Após 4 meses do desastre, as operações de socorro ainda continuam em alguns lugares, incluindo distribuição de alimentos.
Muitas ONGs estão trabalhando em área afetada com o apoio de voluntários. Os centros de voluntários são estabelecidos em locais aprovados pelos municípios e que coordenem esses voluntários.

Existem
■ 24 centros em Iwate,
■ 12 centros em Miyagi e
■ 30 centros em Fukushima.

No final de junho, o número total de voluntários que estavam envolvidos são;
■ 130.300 em Iwate,
■ 267.900 em Miyagi
■ 84.500 em Fukushima.

Pelo menos 43 ONGs de 16 países estão na região, de acordo com o gabinete oficial do governo japonês.

Fonte: SEEDS Ásia – relatório no 17 de 11 de julho de 2011

Comentário: É uma reconstrução da região afetada monumental, que deveria constituir uma comissão do governo a parte, apenas encarregado para essa reconstrução.
O Japão é considerado como um modelo no treinamento de gerenciamento de desastre de terremoto. Mas numa catástrofe onde ocorre uma série de eventos não previstos e da convergência de fatores adversos aparentemente independentes que, num dado momento se somam para provocar essa catástrofe.
Houve o terremoto e para aumentar a destruição, em seguida o tsunami, somando esses dois eventos, provocaram a falência da infra-estrutura da região, tais como; destruição de edificações, estradas, pontes, telecomunicação, energia elétrica, água, etc. Para piorar ainda mais o desastre, a usina nuclear foi afetada pelo tsunami e provocou vazamento de elementos radioativos contaminando o meio ambiente.

Vídeo:

Marcadores: , ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@11:32 AM