Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

domingo, março 11, 2012

Lição de aprendizagem do tsunami no Japão

O Japão é considerado como país melhor preparado para desastres naturais, sendo freqüentes tsunamis, ciclones, terremotos e atividade vulcânica, mas um ano após os eventos calamitosos de 11 de Março de 2011, as lições do multi-desastre ainda ressoam.

"O aprendizado do Grande Terremoto na Costa Leste será uma contribuição vital para preparar o mundo para enfrentar os desafios de risco de desastres no mundo, urbanizado e globalizado do século 21 onde um perigo natural pode desencadear uma cadeia de eventos catastróficos, disse a representante das Nações Unidas para a Redução de Risco de Desastres, Margareta Wahlström.

Naquele dia, um terremoto de 9,0 de magnitude atingiu 70 quilômetros da costa leste da região de Tohoku, ao nordeste de Honshu, a maior ilha do Japão, seguido por ondas gigantes de até 40 m de altura. Logo depois, explosões e vazamentos radioativos abalaram as usinas nucleares Fukushima Daiichi e Fukushima Daini, adicionando uma nova calamidade para as autoridades para lidar, complicando ainda mais a segurança dos trabalhadores humanitários no local.

Este desastre foi totalmente além de nossa imaginação, além de nossa preparação, disse Satoshi Sugai, diretor da força-tarefa de recuperação de da Cruz Vermelha.

De acordo com autoridades japonesas, cerca de 16.000 pessoas morreram (incluindo os desaparecidos) e 6.000 pessoas ficaram feridas, enquanto que mais de meio milhão ficaram desabrigadas.

O Banco Mundial avaliou os danos em U$ 235 bilhões, com especialistas prevendo que levaria anos para região se recuperar.

Mas a magnitude e do contexto do desastre também apresenta uma oportunidade única de aprendizado - não apenas para o Japão, mas para outros países ao redor do mundo.

"Os anos de 2010 e 2011 foram bastante extraordinário a partir de um perfil de desastre. Um número de países muito ricos, países altamente desenvolvidos, cujas economias são totalmente interdependentes com a economia mundial foram atingidos em uma escala muito grande, da Nova Zelândia ao Japão para Austrália." disse Margareta Wahlström.

DIMENSÕES INTERNACIONAIS
Um aspecto notável do desastre foi a inversão de papéis na prestação de assistência internacional: normalmente um doador, o Japão viu-se agora como receptor de ajuda.

De acordo com o Serviço das Nações Unidas de Acompanhamento Financeiro (STF), o Japão, a terceira maior economia do mundo, recebeu dos EUA 720 milhões dólares em doações, a maior quantidade de qualquer país para um desastre natural em 2011.

Cerca de 120 países deram assistência em dinheiro, em espécie, e em serviço, disse Setsuko Kawahara, diretor de assuntos humanitários do Ministério das Relações Exteriores do Japão.

E para as agências humanitárias operando no interior do país, isso significou um repensar profundo da forma como fazem a ajuda humanitária.

A organização internacional de ajuda humanitária (Platform Japan) foi concebida para responder a situações de emergência fora do Japão. Em 2006, começou a responder a catástrofes no Japão, mas não tenho muita experiência com resposta a desastres nacionais, disse Noriyuki Shiina, secretário-geral da organização, uma ONG que auxilia a fornecer ajuda através da cooperação entre as ONG, a comunidade empresarial e o governo japonês.

COORDENAÇÃO CHAVE
A primeira coisa que o governo fez correto foi reconhecer o desafio de coordenação, em primeiro lugar. Ele foi muito claro sobre o que era necessário, o que não era necessário, o que poderia ser aceito, disse Oliver Lacey-Hall, chefe da ONU, Gabinete para a Coordenação de Assuntos Humanitários (UN-OCHA) na Ásia-Pacífico. O que veio de fora foi planejado para complementar, não substituir a capacidade nacional e, finalmente, o que é que a ajuda humanitária poderia fazer, acrescentou.

Ao mesmo tempo, a organização humanitária Plataform Japan adaptou sua experiência para enfrentar os desafios domésticos. Poderíamos prever que muitas ONGs correriam para área afetada, disse Shiina. Partimos do pressuposto de que poderíamos ter muita sobreposição e atividades desnecessárias. Então, a Plataform Japan e outro órgão de coordenação tentaram ser um ponto focal para as ONGs internacionais.

Mas a adaptação para estar no lado receptor de ajuda nem sempre foi fácil, admitiu Sugai da Cruz Vermelha Japonesa.

"A responsabilidade básica de proteger vidas, claro, recai sobre os ombros do governo central. Mas porque isso é muito forte na mentalidade das autoridades locais e às vezes não sabem como essas organizações poderiam ajudá-los, como Care International ou Save the Children. As autoridades locais não tinham qualquer idéia da real capacidade dessas ONGs, inclusive a Cruz Vermelha, disse Sugai.

Apesar experiência do Japão e dos recursos, Sugai disse que o país ainda poderia beneficiar-se do apoio internacional em caso de futuras catástrofes.

Ele deu o exemplo de como a Cruz Vermelha do Japão cogitou que os produtos de ajuda humanitária poderiam ser obtidos a partir do país, mas complicações logísticas, incluindo danos causados pelo terremoto e tsunami, significaram muitos itens de ajuda humanitária não puderam ser adquiridos ou entregues sem a ajuda internacional.

Lacey-Hall acredita que o risco de futuras catástrofes dessa magnitude significa que há uma necessidade de avançar para o desenvolvimento de regulamentações para fiscalizar grandes operações internacionais.

Muito do que foi alcançado no Japão, foi por causa de iniciativa de pessoas que entenderam como o sistema humanitário internacional trabalhou e o que eles podiam arrumar rapidamente. Mas a capacidade institucional poderia ter sido maior se houvesse um sistema mais amplo de regulamentação. Para codificar isso para a legislação nacional seria um passo importante, disse ele.

IMPACTO SOCIAL E PSICOLÓGICO
Outra lição aprendida fundamental, especialmente para população em rápido envelhecimento da Ásia surgiu a partir do impacto sobre idosos do Japão. Matsuto Kawahara observa que 65 por cento das vítimas foram identificadas com 60 anos ou mais.
Deveríamos ter uma espécie de sistema onde tentaríamos evacuar pessoas idosas para terrenos mais altos. Deveríamos fazer uma espécie de mapa que indicaria quantas pessoas idosas permaneceria no local e quais deveriam ser priorizadas para ser evacuadas, propôs Shiina.

Mesmo se eles possam sobreviver e obter habitações pré-fabricadas temporárias, eles possam viver sozinhos. Durante o terremoto de Kobe em 1995, havia muitos suicídios e mortes isoladas dos idosos, pois eles não estavam sendo atendidos por ninguém, disse Sugai.

O governo está tentando evitar esta situação, colocando uma luz vermelha, fora das casas pré-fabricadas, onde uma pessoa idosa está vivendo sozinho. Se precisar de ajuda ele aperta um botão e a luz vermelha vai alertar as pessoas.

Enquanto moradores de casas pré-fabricadas no Japão vivem em condições melhores do que as pessoas desabrigadas no Haiti, por exemplo, o impacto psicológico de perder em casa e família, ainda é muito elevado.

Os trabalhadores de ajuda humanitária devem receber algum tipo de treinamento se você tentar prestar assistência psicossocial ou apoio. Caso contrário, pode piorar a situação. Os trabalhadores de ajuda humanitária também precisam de ajuda. Muitos trabalhadores humanitários também ficam deprimidos, disse Shiina.

A PREVENÇÃO É POSSÍVEL?
Mas talvez a lição mais importante de tudo é quanto pode ser feito para proteger as comunidades dos desastres nesta escala no futuro.

"As pessoas entendem agora que é completamente impossível prevenir desastres. Se não tivéssemos normas de construção adequadas e regulamentos e medidas de resposta a desastres, a perda de vida e a perda para a economia seriam enormes", disse Matsuto Kawahara.

"De certa forma, isso não é realmente uma questão de riscos naturais, é uma questão de como planejamos essas sociedades", disse Wahlström.

"Você concorda com as pessoas que vivem no litoral? O governo está realmente pronto para legislar que isso não é razoável, que é de alto risco, que é caro? Se você é o governo, você acha que deve atender sua população, mas é razoável para atendê-los onde quer que vivam? ", perguntou ela.

Kawahara levantou questões semelhantes; Uma idéia é alterar o uso da terra no planejamento da cidade - há algumas discussões em várias cidades e vilas ao longo da costa sobre um grande bloqueio desde o litoral até a colina superior completamente, mas é muito difícil ter um consenso E se você realocar, como você destinaria a terra para as pessoas?

Wahlström esperava que o planejamento claramente definido fosse o legado duradouro do terremoto e tsunami do Japão de 2011.

Fonte: ReliefWeb, IRIN - 9 March 2012

Comentário: Últimos dados da tragédia

ENTULHO
Há quase um ano do terremoto seguido de tsunami que devastou o Japão, um dos principais desafios da reconstrução do país tem sido lidar com o entulho deixado no rastro da tragédia.
As autoridades conseguiram limpar as ruas e restabelecer as condições mínimas de vida da população nos centros urbanos das províncias mais afetadas, as de Iwate, Miyagi e Fukushima.
Segundo uma estimativa divulgada pelo governo, essas províncias produziram 23 milhões de toneladas de entulho, e, até o momento, foram processados apenas 5% do material recolhido.
O entulho foi aglomerado em parques, campos de beisebol, pátios de escolas destruídas e outros espaços públicos. Carros e barcos destruídos também esperam um fim.

CONTAMINAÇÃO
O Ministério de Meio Ambiente japonês detectou altos níveis de radiação nos municípios da região de evacuação decretada em torno da central de Fukushima, epicentro da crise nuclear, informou em 25 de fevereiro a agência local "Kyodo".

O governo japonês estabeleceu uma zona de evacuação de 20 quilômetros ao redor da central de Fukushima Daiichi pelo temor aos efeitos de alta radioatividade na população. Além disso, segundo o relatório preliminar apresentado pelo Ministério, em muitos pontos ao norte e noroeste da unidade se apresentaram níveis de até 50 milisievert anuais.

O governo japonês estabelece o limite de 50 milisievert anuais para as zonas declaradas inabitáveis por alta radiação, enquanto aquelas com níveis entre 20 e 50 milisievert anuais são áreas de risco e as de menos de 20 são áreas nas quais os residentes podem retornar gradualmente a seus domicílios.

Espera-se que o Ministério de Meio Ambiente emita um relatório completo no final de março, com dados que o Governo utilizará para poder reclassificar em abril as zonas de evacuação de acordo com as leituras registradas.

PERDAS MATÉRIAS.
Alguns especialistas estimam que os prejuízos materiais possam atingir 309 bilhões de dólares.
■ Imóveis (residências, escritórios, fábricas, etc – US$131 bilhões
■ Outros (agricultura, sivilcultura, pesca, etc) – US$ 40 bilhões
■ Infraestrutura (hidrovias, rodovias, portos, aeroportos, etc - US$ 29 bilhões
■ Serviços de utilidade pública (abastecimento de água, gás, eletricidade e telecomunicações) – US$ 17 bilhões

Mortes e feridos
De acordo com registros da agência japonesa para gerenciamento de desastre e incêndio (FDMA) e Database de terremoto temos:
■ 16.273 mortes, 3061 pessoas desaparecidas e 27.074 pessoas feridas
■ Agência Nacional de Polícia do Japão difere os dados: 15.854 mortes, 3.167 pessoas desaparecidas

A CRUZ VERMELHA:
■ Mobilizou mais de 161.000 voluntários
■ Tratou mais de 87.000 pacientes
■ Forneceu suporte psicológico a mais de 14.000 pessoas
■ Distribuiu aparelhos domésticos para beneficiar mais de 316.000 pessoas

PERDAS MATERIAIS
■Edificações destruídas: 129.530
■Edificações parcialmente destruídas 254.101
■Edificações parcialmente danificadas: 701.865
■ Total de edificações afetadas: 1.085.496
■ Cerca de 120.000 edificações foram afetadas por inundações com danos mínimos

INFRAESTRUTURA E OUTROS
■ 3.918 estradas foram danificadas, 78 pontes, 45 diques e 29 ferrovias.
■ Houve 200 deslizamentos de terra
Obs: A maioria dos danos foi causada por liquefação do solo.
■ Cerca de 360 incêndios foram extintos pelos bombeiros

ESTIMATIVA DE PERDAS ECONOMICAS
■As perdas econômicas diretas variam de US$ 237 bilhões a US$ 303 bilhões.
■As perdas econômicas diretas causadas pelas usinas nucleares: US$ 65 bilhões
■As perdas econômicas indiretas variam de US$ 184 bilhões a US$ 336 bilhões.
Fonte: CATDAT Situation Reports 50, Earthquake-Report.com.

Vídeo: Tragédia do Japão

Resgate e Busca

Tragédia: Terremoto e Tsunami
Obs: deve clicar na foto para mudar

Marcadores: ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@8:48 PM