Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

terça-feira, abril 19, 2011

ONG denuncia marcas de jeans que usam técnica de jateamento de areia

Silicose, doença que afeta os pulmões, é a principal ameaça apontada pela ONG Declaração de Berna

Várias marcas de confecção de roupas, tanto de luxo como populares, continuam utilizando uma técnica de jateamento de areia para desgastar calças jeans apesar das graves consequências existentes para a saúde dos funcionários responsáveis pela produção.

A denúncia foi feita nesta quinta-feira pela ONG Declaração de Berna, que em ocasião do Dia Mundial da Saúde lançou a campanha Roupa Limpa para exigir que as empresas do setor têxtil parem imediatamente de produzir esses "jeans" desgastados.

Esta ONG suíça - conhecida por entregar todos os anos um prêmio às empresas mais irresponsáveis em questões ambientais - denuncia que a técnica de jateamento de areia é muito perigosa para os operários.

O principal problema causado por esta técnica é a silicose, uma doença sem cura que afeta os pulmões e que avança "a uma velocidade nunca observada em outros setores de produção", assinala a ONG.
Por isso, a campanha Roupa Limpa pressiona desde o ano passado as empresas do setor têxtil para que proíbam esta técnica.

Cerca de 20 marcas já se comprometeram a parar de usar esse método na produção, entre elas algumas famosas como Benetton, C&A, H&M, Levi's e Mango.

No entanto, uma grande parte das marcas de luxo ignora este pedido, com exceção da Gucci, que se comprometeu a proibir essa técnica e a estabelecer um sistema de vigilância em coordenação com os sindicatos locais dos países de origem dos trabalhadores.
No entanto, lamenta a Declaração de Berna, muitas outras marcas ainda não deram resposta, como Armani, Dolce&Gabbana, Roberto Cavalli e Versace.

A marca New Yorker, presente em 31 países com 842 lojas, rejeitou categoricamente eliminar a técnica de jateamento de areia.

"É simplesmente escandaloso que uma empresa como a New Yorker continue conscientemente colocando em perigo a vida de seus operários e que marcas de luxo, como a Armani, sigam ignorando nossas exigências", assinalou Christa Luginbuhl, coordenadora da campanha Roupa Limpa.
"As empresas do setor devem renunciar definitivamente a este tipo de técnica e assumir suas responsabilidades com os vários trabalhadores que já estão doentes", acrescentou.

Os primeiros casos de silicose causados por esta técnica foram reconhecidos na Turquia: dois jovens que morreram com 18 e 19 anos e que tinham começado a trabalhar com a técnica aos 13 e 14 anos.

Na Turquia já foram registradas 46 mortes por silicose e mais de 1,2 mil pessoas estão doentes.

Em Bangladesh, a indústria dos jeans está em plena expansão e a situação é quase comparável a da Turquia, assinala a ONG. Fonte: Estadão - 07 de abril de 2011 | 17h 08

Comentário
A Turquia é a maior produtora de jeans da Europa. Uma das técnica de clareamento do jeans é feito com jato com areia aplicado com revólver especial.
No vídeo mostra que os trabalhadores não tem nenhuma proteção, inalando o pó de sílica. Geralmente as fábricas são pequenas e utilizam mão de obra rural que vem para cidade em busca de trabalho. Na região os médicos confundem a doença de silicose, que é uma doença ocupacional com a tuberculose, que é uma doença infecciosa causada por uma bactéria.

Vídeo:



Vídeo(1)



SILICOSE
A silicose é a formação permanente de tecido cicatricial nos pulmões causada pela inalação de pó de sílica (quartzo).

A silicose é a doença profissional mais antiga que se conhece, desenvolve-se em pessoas que inalaram pó de sílica durante muitos anos. Em trabalhos em que se utilizam jatos de areia, os sintomas podem surgir em menos de 10 anos.

Quando se inala, o pó de sílica entra nos pulmões e as células depuradoras, como os macrófagos, engolem-no. Os enzimas libertados pelas células depuradoras causam a formação de tecido cicatricial nos pulmões. No princípio, as zonas cicatrizadas são pequenas protuberâncias redondas (silicose nodular simples), mas, finalmente, reúnem-se em grandes massas (conglomerados silicóticos). Estas áreas cicatrizadas não permitem a passagem do oxigênio para o sangue de forma normal. Assim os pulmões perdem elasticidade e requer-se mais esforço para respirar.

SINTOMAS E DIAGNÓSTICO
Os indivíduos com silicose nodular simples não têm dificuldade em respirar, mas têm tosse e expectoração devido à irritação das grandes vias aéreas, no processo denominado bronquite. A silicose conglomerada pode causar tosse, produção de expectoração e dispneia. No princípio, a dispneia verifica-se só durante os momentos de atividade, mas por fim manifesta-se também durante o repouso. A respiração pode piorar aos 2 a 5 anos depois de ter deixado de trabalhar com sílica. O pulmão lesado submete o coração a um esforço excessivo e pode causar insuficiência cardíaca, a qual, por sua vez, pode evoluir para a morte. A silicose diagnostica-se com radiografia do tórax que mostra o padrão típico de cicatrizes e nódulos.

PREVENÇÃO

O controle da produção do pó no local de trabalho pode ajudar a prevenir a silicose. Os trabalhadores devem usar máscaras que forneçam ar exterior limpo ou que filtrem completamente as partículas.

TRATAMENTO
A silicose é incurável. No entanto, pode deter-se a evolução da doença, interrompendo a exposição à sílica desde os primeiros sintomas. Fonte: Manual Merck

Marcadores: ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@12:29 PM