Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

segunda-feira, março 23, 2015

Em SP, apenas 10% dos hidrantes estão em condições de uso

Levantamento feito pelos Bombeiros mostra que apenas 10% dos hidrantes estão em condições de uso.  O Ministério Público de São Paulo investiga desde 2013 a  situação dos hidrantes da cidade de São Paulo.

HIDRANTES VISTORIADOS
■De 948 hidrantes  de coluna vistoriados - 15% de um universo estimado pela corporação em 6.375 -, 95 têm condições plenas de uso, de acordo com o laudo final.
■O laudo ainda revelou que há 243 (25,5%) inoperantes e 216 (22,5%) funcionando com avarias
■O laudo aponta que 25,5% dos hidrantes estão inoperantes na Paulista e sete hidrantes sumiram
■Da lista total de equipamentos checados, 394 (42%) sequer foram encontrados.

Segundo o promotor, Marcus Vinicius, os hidrantes que não foram encontrados “tiveram o acesso bloqueado, tapado, sem que ninguém percebesse”. Marcus Vinicius considera a situação preocupante e espera firmar um acordo com a Prefeitura para a solução do problema. Por enquanto, os bombeiros terão de continuar apelando a trens de socorro, nome dado aos caminhões-pipa que levam água até o local da ocorrência, para pode conter focos de incêndio.
Gravidade. Em depoimento prestado na Promotoria em dia 16 de junho de 2014, o tenente-coronel Eduardo Holms reconheceu que a gravidade da situação obriga as equipes a deixarem as bases juntamente com os caminhões. “Eles já saem com o ‘plano B’ em prática. E em uma cidade como São Paulo, onde é muito difícil circular com carros. Agora, imagine com caminhões”, alerta o promotor.

RESPONSABILIDADE-CONTROVÉRSIA
Apesar de reconhecer o problema, os bombeiros não se consideram responsáveis por ele. O mesmo ocorre com a Companhia de Saneamento Básico do Estado (Sabesp), que já foi ouvida no inquérito. Ao Ministério Público, a empresa declarou que faz os reparos necessários nos equipamentos, mas de maneira “voluntária”. De acordo com o que afirmou Marcelo Xavier Veiga, superintendente de planejamento e desenvolvimento da Diretoria Metropolitana, o contrato de concessão firmado com a Prefeitura não prevê o serviço.
Segundo Veiga, a capital tem 7.681 hidrantes - e não 6.375, como informou o Corpo de Bombeiros. “A diferença nos números já indica um problema. Os cadastros são contraditórios e revelam ainda que não existe uma checagem periódica da situação dos equipamentos”, diz o promotor.
A falta de manutenção ocorre em toda a cidade. No mapeamento dos bombeiros, há hidrantes com problemas na Rua Teodoro Sampaio, em Pinheiros, na Rua Santa Ifigênia, em Santa Cecília, e até na Praça do Patriarca, na frente da sede da Prefeitura, no centro.

SUMIÇO DE HIDRANTES
Quanto ao sumiço dos hidrantes, possivelmente causado por obras, a Prefeitura de São Paulo informou que desconhece a localização da rede subterrânea de hidrantes e que, por isso, não tem como fiscalizar.

SABESP
A Companhia de Saneamento Básico do Estado  (Sabesp) declarou ao Ministério Público que os hidrantes instalados na cidade são de sua propriedade. A empresa, porém, ainda não informou como fará a manutenção dos aparelhos nem o conserto dos hidrantes quebrados. Fontes: G1-08/09/2014  e Estadão-05 Agosto 2014 

Marcadores:

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@3:00 AM

Assinar
Postagens [Atom]