Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

quarta-feira, dezembro 31, 2014

Ventania derruba torre de energia eólica em Santana do Livramento

O temporal que atingiu o Rio Grande do Sul na tarde de sábado, 20 de dezembro ,  e madrugada de domingo  deixou um rastro de destruição em várias regiões do estado. Em Santana do Livramento, na fronteira com o Uruguai, as rajadas de vento foram tão fortes que derrubaram oito torres de energia eólica do parque da Eletrosul. Ninguém ficou ferido.
Segundo a Defesa Civil de Santana do Livramento, as rajadas de vento ultrapassaram os 120 km/h no município. 

QUEDA DOS AEROGERADORES
Os aerogeradores que caíram ficam no  Complexo Eólico Cerro Chato, da Eletrosul. Em nota, a empresa disse que as estruturas foram derrubadas por ventos que atingiram quase 250 km/h, segundo dados dos institutos de meteorologia da região.
As estruturas foram projetadas para suportar ventos de até 200 km/h caíram e algumas tiveram o material em aço totalmente retorcido.

NOTA DE ESCLARECIMENTO DA ELETROSUL
Em virtude do vendaval que atingiu o Rio Grande do Sul,  a Eletrosul informa que registrou a queda de oito aerogeradores no Complexo Eólico Cerro Chato, em Santana do Livramento, na fronteira Oeste do Estado. As estruturas foram derrubadas pelo impacto das rajadas de vento que chegaram a quase 250 km/h, segundo dados dos institutos de meteorologia da região.
As redes de interligação do sistema de transmissão de energia do Complexo Eólico Cerro Chato não foram danificadas. Os aerogeradores afetados pelo vendaval possuem 136 metros de altura e cada um pesa aproximadamente 600 toneladas.
Técnicos do Centro Regional de Manutenção e Apoio à Operação da Eletrosul, em Santana do Livramento, vistoriaram o Complexo Eólico para garantir a integridade das demais torres dos parques atingidos. Nos próximos dias, uma análise nas estruturas danificadas será realizada para a restauração ou instalação de novas torres.

CAUSA PROVÁVEL
Gráfico:
1 – Uma frente fria vinda do sul da Argentina passou pelo Uruguai e chegou ao Rio Grande do Sul, alimentando a nebulosidade na região da Fronteira Oeste.
2 – O choque da frente fria com o ar quente que estava sobre o Estado, com temperaturas ao redor dos 35º C, levou a formação de nuvens de tempestade (do tipo cumulonimbus).
3- O que pode ter ocorrido em Santana do Livramento é a formação de uma supercélula, um conjunto concentrado de nuvens carregadas que pode gerar micro explosões de vento em pontos isolados. Muito provável danificou  os aerogeradores do Complexo Eólico Cerro Chato.
4- A micro explosão é uma rajada de vento que sai da nuvem em direção ao solo e se expande na superfície. Essas rajadas podem chegar até 270 km/h.
5- Dimensões das torres: 136 m de altura, peso de 600 toneladas, incluindo as fundações 
6- A distância média entre os aerogeradores é de 400 m. A base das máquinas possui cerca de 15 m de diâmetro. Fonte: Climatempo e Eletrosul
A derrubada de oito aerogeradores pode ser explicada por um fenômeno meteorológico chamado de microexplosão.
É uma rajada de vento que sai da nuvem em direção ao solo, podendo atingir até 270 km/h. Quando toca a superfície, esse vento se espalha, causando estragos. O fenômeno é raro no Brasil, sendo a Região Sul mais propícia à ocorrência. Como o alcance é localizado, o registro depende de radares. Fotos do incidente ajudam na identificação, assim como o tipo de dano causado, explica a meteorologista Bianca Lobo, do Climatempo. Fontes: G1 RS-21/12/2014 e Zero Hora - 22/12/2014 

Marcadores: ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@3:00 AM

Assinar
Postagens [Atom]