Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

quarta-feira, outubro 29, 2014

Califórnia enfrenta terceiro ano de seca

A exemplo de São Paulo, o mais populoso estado americano, a Califórnia, também enfrenta um longo período de estiagem que ameaça o abastecimento de água da população.
Há 3 anos, o estado tenta evitar os efeitos do pior período de seca de sua história, obrigando o governo local a tomar medidas drásticas para conservar recursos hídricos e reduzir o desperdício, em uma campanha que inclui a aplicação de multas diárias a quem cometer ilegalidades relacionadas ao uso de água.

A primeira foto é de 20 de julho de 2011. A segunda, de 19 de agosto de 2014. Terceiro ano consecutivo de seca obrigou o estado a tomar medidas drásticas para economizar água  (Foto: Justin Sullivan/Getty Images North America/AFP)

ESTIAGEM
Com 37,6 milhões de habitantes, a Califórnia tem registrado queda nos níveis de chuva e, consequentemente, a redução dos níveis de seus rios e reservatórios. De acordo com o Centro Nacional de Mitigação à Seca dos Estados Unidos;
■81% do território enfrenta estiagem extrema e
■58,4% do estado vivem dias de seca excepcional – classificação mais grave, segundo o órgão americano.

MULTAS
O governador declarou em janeiro situação de emergência e pediu à população que reduzisse em 20% o consumo de água, no intuito de evitar racionamento.
Em julho, ficou determinado que, por nove meses, quem utilizasse água potável para lavar calçadas e regar gramados ou lavasse carros com mangueira sem controle de vazão, e fosse flagrado, poderia ser multado em US$ 500 por dia e que as agências responsáveis pelo abastecimento em condados e cidades tinham que apresentar planos de segurança hídrica. Quem não cumprisse a ordem estaria sujeito a multa de US$ 10 mil diários.

DESCONTOS E APELO DE CELEBRIDADES
Outra campanha desenvolvida concede desconto na conta de água de quem retirar voluntariamente o gramado de suas casas durante a seca, a fim de evitar o uso de água para regar a grama e outras plantas. Segundo o governo, até agosto já foram pagos US$ 42,9 milhões em descontos a quem aderiu à medida.
Foram criados ainda dois portais na internet, um que atualiza a população sobre o estágio da seca e outro que conscientiza os usuários sobre a necessidade de economizar água, além de dar dicas de redução do desperdício.
O “saveourwater.com” (salve nossa água, na tradução do inglês) apela para vídeos com artistas, como o apresentador Conan O’Brien e os cantores Lady Gaga e Sammy Hagar, ex-integrante da banda Van Halen.

ECONOMIA DE ÁGUA
Segundo o governo da Califórnia, desde que as medidas foram implementadas, 11,5% das moradias e fábricas instaladas no estado aderiram à economia de água. Em julho passado, o índice era de 7,5%. Em algumas áreas, como na região do Rio Sacramento, a população conseguiu economizar 22,6% em relação ao volume gasto em períodos de não escassez.
Mesmo assim, 10 dos 12 principais reservatórios do estado estão com níveis inferiores a 50% – alguns têm apenas 11% da capacidade de abastecimento – e houve 59 decretos de emergência requisitados por cidades, como a turística Santa Barbara, e condados.

SECA
Max Gomberg, Conselheiro para Mudanças Climáticas e Recursos Hídricos da Califórnia, disse que a seca já desempregou 17 mil pessoas no setor agrícola, impactou na biodiversidade e deu prejuízo econômico de US$ 2,2 bilhões.
Segundo ele, a população entende a gravidade da crise e as ações para conservação da água desde que o poder público dê o alerta sobre o que está acontecendo. "A imposição de restrições é eficaz se o público entende que é necessária", explica.
Em comunicado divulgado pelo departamento de recursos hídricos do estado norte-americano, Felicia Marcus, presidente do Conselho estadual de água, afirma que muitas comunidades da Califórnia têm respondido seriamente à seca e tornando a conservação da água como prioridade. O aumento é uma coisa boa. “No entanto, enquanto não tivermos chuva, teremos que continuar a economia”, explica Felícia. Fonte: G1-23/10/2014

Vídeo:

Comentário: A diferença entre um Estado que tem consciência da gravidade da situação que coloca em prática medidas de emergência e o nosso que fica torcendo para São Pedro.
No Brasil, especificamente São Paulo as autoridades esperaram que São Pedro abrisse  a torneira do céu, mas falhou. Os meteorologistas disseram que a chuva deveria  chegar, mas estão dizendo desde setembro mas estamos quase em novembro. A estação chuvosa de outubro a março de 2015, não está ocorrendo. Houve até a convocação dos Deuses da Chuva, também falharam.  Parafraseando o “o rei está nu” agora as autoridades perceberam que a água está secando; no início a vaidade, a política, a presunção predominaram na questão da água,  não vai faltar, tem água para todo mundo, etc. Agora diante da fragilidade do sistema, defrontam com a realidade, procurando efetuar planejamento de emergência durante a crise.

Confiamos na sorte, afinal Deus é brasileiro? O desastre será arquivado na memória dos brasileiros. Como dizem alguns especialistas; a seca só acontece a cada 3 mil anos? Entramos no ciclo do esquecimento.

"Planejamento de resposta de emergência é uma parte essencial da gestão de um sistema de água potável.
A maioria dos sistemas públicos de água tem emergências operacionais de rotina, como rupturas de tubulações, mau funcionamento da bomba, contaminação por coliformes e quedas de energia. Estes são gerenciáveis, se o sistema de água tem um plano de emergência que pode ser colocado em ação rapidamente. Mais graves são as emergências não-rotineiras que podem resultar de atos intencionais de sabotagem, vazamentos de produtos químicos, inundações, terremotos, vendavais, ou secas, que podem afetar drasticamente o sistema e a comunidade".Fonte: Emergency Response Planning Guide for Public Drinking Water Systems- Washington State Department of Health

Marcadores:

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@10:02 AM

Assinar
Postagens [Atom]