Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

segunda-feira, julho 14, 2014

Os lugares mais poluídos do mundo

As alterações climáticas podem obter o máximo da atenção, mas o maior risco ambiental para a saúde humana, hoje, não é o aquecimento global. É a poluição industrial, muitas vezes em cidades onde as fábricas, usinas e instalações químicas enfrentam pouca ou nenhuma regulação. Um novo relatório do Blacksmith Institute e NGO que trata do problema estima que a poluição industrial coloca em risco a saúde de mais de 200 milhões de pessoas em todo o mundo, muitas vezes através de níveis elevados de câncer, doenças respiratórias e outras doenças. O relatório aponta os locais  mais poluídos do planeta.  A vida nestes locais pode ser curta e brutal, mas a boa notícia é que a limpeza desse tipo de poluição industrial  é muitas vezes  mais barata e mais fácil do que lidar com o problema generalizado de mudança climática. A comunidade internacional só tem que fazer acontecer.

DEPÓSITO DE LIXO INDUSTRIAL  DE AGBOGBLOSHIE, EM GANA
Pensamos em nossos telefones celulares e laptops como tecnologia limpa, mas contêm traços de metais valiosos, como cobre e ouro. E quando o lixo eletrônico é processado em países pobres, em campos abertos, eles podem levar a níveis perigosos de poluição. Isso é o que acontece no local de despejo em Agbogbloshie, próximo a Acra, capital de Gana. Cabos revestidos de plásticos são queimados a céu aberto, para retirar o cobre, muitas vezes usando a embalagem de isopor como combustível. Esses cabos contêm metais pesados ​​como chumbo, que podem migrar da fumaça ao solo. Amostras retiradas do solo contaminado em Agbogbloshie indicam níveis de chumbo tão elevados, acima de 18.125 partes por milhão, 45 vezes maior do que os padrões americanos.  Cerca de 250 mil pessoas podem estar em risco.


RIO CITARUM, NA INDONÉSIA
O rio Citarum tem sido chamado de rio mais poluído do mundo. Cerca de 5 milhões de pessoas vivem na bacia do rio, e a maioria deles depende de seu fluxo para o seu abastecimento de água. Cerca de 2 mil fábricas usam o rio como fonte de água e despejam seus resíduos industriais.
A principal artéria da capital indonésia de Jacarta, uma cidade de cerca de 10 milhões, o rio Citarum está contaminado com uma série de poluentes, tanto de fontes industriais e domésticos. Foram encontrados níveis de chumbo no rio, acima de 1.000 vezes os padrões de EPA, ( Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos, Environmental Protection Agency),
 e outras pesquisas encontraram altas concentrações de metais tóxicos como alumínio, manganês e ferro. O governo indonésio iniciou o trabalho de limpeza do rio devido a um empréstimo de 500 milhões dólares do Banco Asiático de Desenvolvimento.






CENTRO INDUSTRIAL DE DZERZHINSK, NA RÚSSIA
Dzerzhinsk é um dos centros industriais químicos mais importantes do mundo. Na cidade concentram-se as principais industriais químicas da Rússia, para a fabricação de produtos químicos, incluindo armas químicas. Estima-se que 300 mil toneladas de resíduos químicos foram indevidamente despejados entorno da cidade entre 1930 a 1998. Amostras da  água da cidade, em 2007, apresentaram níveis elevados de dioxinas e de fenóis, milhares de vezes acima dos níveis recomendados.
Em 2003 Guinness Book,  livro dos recordes registrados no mundo,  indicou Dzerzhinsk como a cidade mais poluída do mundo.
As concentrações de fenóis tóxicos levaram a níveis elevados de doença e de câncer dos olhos, pulmões e rins. Uma pesquisa de 2006 revelou que a expectativa de vida na cidade, que tem uma população de 245.000 pessoas, era de 47 para as mulheres e 42 para os homens.




USINA NUCLEAR DE CHERNOBYL, NA UCRÂNIA
Até hoje Chernobyl é lembrada como o local do maior acidente nuclear da história. No dia 25 de abril de 1986, um incêndio e o derretimento do núcleo do reator   produziram uma nuvem de radioatividade. Ninguém mais mora a menos de 30 quilômetros de distância da região do acidente. O solo na área da antiga usina ainda é contaminado e coloca em risco a produção de alimentos. Muitos moradores ficaram com leucemia.
Internacionalmente reconhecido como o pior desastre nuclear da história, Chernobyl liberou mais de 100 vezes a radioatividade das bombas atômicas lançadas sobre Hiroshima e Nagasaki. A área de exclusão de 19 quilômetros ao redor da usina permanece praticamente desabitada quase 20 anos depois da catástrofe, e as autoridades acreditam que o acidente pode ter ocasionado  4.000 casos de câncer de tireoide. Hoje, mais de uma dezena de radionuclídeos artificiais pode ser detectada na superfície do solo em torno da usina. Embora o dano de Chernobyl não revelou ser tão grave como muitos pesquisadores temiam quando o colapso ocorreu, o acidente ainda é um lembrete dos perigos a longo prazo de instalações nucleares mal-executadas.

CURTUMES DE HAZARIBAGH, EM BANGLADESH
A região  Hazaribagh tem mais curtumes do que qualquer outro lugar de Bangladesh.
Há 270 curtumes registrados em Bangladesh, e cerca de  95% por cento estão localizados em Hazaribagh, numa área de 25 hectares. A maioria utiliza métodos de processamento obsoleto,  ultrapassado e ineficiente. Os curtumes empregam 8.000 a 12.000 pessoas.  Todos os dias, os curtumes despejam diariamente 22.000 litros de resíduos tóxicos, incluindo o cromo hexavalente causador de câncer, no principal rio de abastecimento de Dhaka, rio Buriganga. As casas de trabalhadores de curtume em Hazaribagh são construídas ao longo dos córregos contaminados, lagoas e canais. Os recicladores informais de couro queimam restos de couro para produzir uma série de produtos de consumo, poluindo ainda mais o ar.
Como resultado, os moradores enfrentam taxas elevadas de doenças de pele e respiratórias, bem como queimaduras ácidas, erupções cutâneas, tonturas e náuseas.

MINAS DE CHUMBO EM KABWE, NA ZÂMBIA
Em Kabwe, a segunda maior cidade da Zâmbia, muitas crianças sofrem com elevados índices de chumbo no sangue. Durante um século, minas de chumbo liberaram metais pesados por meio de partículas de poeira que caíam no chão tanto na cidade quanto nos arredores.
Concentrações sanguíneas de chumbo em Kabwe foram encontradas em níveis 60% mais elevados do que a quantidade considerada fatal, resultado da contaminação por décadas de mineração de chumbo na região. Mineração, processamento e fundição de chumbo foi em grande parte não regulamentada ao longo do século 20, levando grande quantidade de sedimentos de metal tóxico nos solos ao redor Kabwe. Embora a principal mina foi fechada, a mineração artesanal ainda ocorre em pilhas de rejeitos na cidade, agravando o problema. As concentrações de chumbo em sangue em Kabwe foram encontradas superiores a 200 ug / dl, mais elevado do que os níveis de 120 ug / dl, que pode ser fatal. Algum progresso está sendo feito, devido ao programa de remediação no valor de 26 milhões de dólares realizado no período de 2003 a 2011.

MINAS DE OURO EM KALIMANTAN, NA INDONÉSIA
Kalimantan pertence à parte indonésia da ilha do Bornéu e é particularmente conhecida por suas minas de ouro.  
A província oriental de  Kalimantan ter sido envenenado por anos de mineração de ouro em pequena escala. Os mineiros utilizam mercúrio em seus processos de fundição rudimentar, liberando mais de 1.000 toneladas de produtos químicos tóxicos no ar a cada ano. Muitos mineiros aspiram em suas casas, o vapor de mercúrio. O metal também pode ser lançado nos cursos de água na área, que pode acumular nos peixes e na água. Um estudo de 2008 descobriu concentrações de mercúrio no rio Kahayan no centro de Kalimantan mais que o dobro do padrão recomendado na Indonésia. Nos últimos anos, no entanto, o governo indonésio tem tomado medidas para limitar as emissões de mercúrio causadas pelo homem, trabalhando com os mineiros para fazer o seu processo de fundição mais seguro.

RIO MATANZA-RIACHUELO, NA ARGENTINA
A Bacia do rio  Riachuelo é um canal cujo nome é sinônimo de poluição. Estima-se que 15 mil indústrias operam ao longo das margens do rio, que atravessa a capital argentina de Buenos Aires. Uma paisagem que inclui 13 bairros, inúmeras tubulações de esgoto ilegais que funcionam diretamente no rio, e 42 lixões abertos.
Um estudo de 2008 descobriu que o solo nas margens do rio continha níveis de zinco, chumbo, cobre, níquel e cromo, todos acima dos valores recomendados. Cerca de 60% das 20.000 pessoas que residem perto da bacia do rio vivem em território que foi considerado impróprio para a habitação humana, levando a níveis elevados de doenças diarreicas, respiratórias e câncer.  Os moradores têm poucas fontes de água potável, deixando-os dependentes do rio poluído.  






DELTA DO RIO NÍGER, NA NIGÉRIA
O Delta do rio Níger é uma área de alta densidade populacional, concentrando 8% de toda a população da Nigéria. O local sofre com poluição por petróleo e hidrocarbonetos, que contaminam o solo e o lençol freático. Em média, o equivalente a 240 mil barris de petróleo atingem o delta por ano por conta de acidentes ambientais ou roubo da matéria-prima.

No Delta concentra-se a indústria petrolífera da Nigéria, cerca de 2 milhões de barris de petróleo são extraídos por dia e tornou-se o local de maior poluição de hidrocarbonetos. Entre 1976 a 2001, houve 7.000 acidentes envolvendo vazamento/derramamento de petróleo, em que a maior parte do óleo nunca foi recuperado.  Em média de 240 mil barris por ano são derramados no Delta do Níger. Muitas vezes por causa de falha mecânica ou roubo de óleo. Os derramamentos contaminam a água, o ar e a terra com agentes cancerígenos, como hidrocarbonetos aromáticos policíclicos. Um estudo de 2013 estima que a poluição generalizada dos derramamentos/vazamentos pode ter um impacto na agricultura e provocar um aumento de 24% na desnutrição infantil. Contaminação do óleo bruto também pode causar infertilidade e câncer.

CIDADE INDUSTRIAL DE NORILSK, NA RÚSSIA
 A cidade industrial de Norilsk, localizada no norte da Rússia e fundada em 1935, desde o ano de 2000, possui o maior complexo de fundição de metais pesados ​​do mundo. Cerca de 500 toneladas cada um, dos óxidos de carbono e de níquel, juntamente com 2 milhões de toneladas de dióxido de enxofre são liberados anualmente no ar. Essa é uma razão por que a expectativa de vida para os trabalhadores de fábrica em Norilsk é dez vezes menor  do que a média russa. Estima que mais de 130 mil moradores da região estão expostos a partículas e poluição de metais diariamente,  resultando no aumento dos níveis de doenças respiratórias e de câncer.






LINFEN




A cidade de Linfen  está na província de Shanxi, China. . É uma região rica em carvão. É a cidade com maior poluição do ar  do mundo.  Smog e fuligem de poluentes industriais  e de automóveis. A população da cidade é obrigada a usar máscaras de proteção devido a poluição e os índices de doenças respiratórias na cidade são extramente elevados.










RIO YAMUNA







O Rio Yamuna, que corre próximo ao Taj Mahal, absorve enormes quantidades de lixo industrial, resíduos agrícolas e esgoto não tratado de Agra e de diversas outras cidades, incluindo Nova Delhi, a capital da Índia. Quase 65%  do esgoto de Nova Delhi é despejado no rio sem tratamento. Milhões de hindus dependem dessa água para tomar banho.








LA OROYA, NO PERU
La Oroya é uma cidade mineira coberta de fuligem nos Andes peruanos. Cerca de 99% das crianças que vivem no local  têm níveis elevados de chumbo no  sangue, superiores aos limites aceitáveis, que podem ser atribuídos a fundição de propriedade americana .
No meio do vale, uma enorme chaminé de cerca de 200 metros solta fumaça com alta concentração de arsênico, chumbo e cádmio da fundição local.
A fundição foi inaugurada em 1922, quando era dirigida pelo império da mineração Cerro de Pasco. A Doe Run, empresa americana, adquiriu em 1997 da companhia estatal peruana Centromin.
Fonte: ScienceTime-Nov. 04, 20130, Deutche Welle – June, 2014

Marcadores:

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@7:56 AM

Assinar
Postagens [Atom]