Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

terça-feira, outubro 11, 2016

Nove em cada dez pessoas respiram ar poluído, diz OMS

Um estudo divulgado pela Organização Mundial da Saúde revela que 92% da população mundial vive em áreas onde a qualidade do ar excede os limites estabelecidos pela entidade.
Segundo a OMS, uma em cada nove mortes no mundo está relacionada ao ar excessivamente poluído em ambientes fechados ou abertos – o que contribui para derrames, problemas cardiovasculares e câncer de pulmão, entre outras doenças.

POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA
A poluição atmosférica é responsável por cerca de 3 milhões de mortes por ano. "E a poluição em ambientes fechados pode ser tão mortal quanto", diz a OMS em comunicado. Em 2012, estima-se que 6,5 milhões de mortes (11,6% do total de mortes no mundo) tenham sido associadas aos dois tipos de poluição.

PARTÍCULAS FINAS
O nível de partículas finas – com diâmetro menor que 2,5 micrometros – considerado aceitável pela OMS é de 10 microgramas por metro cúbico. Essas partículas incluem poluentes como sulfato, nitratos e carbono.

ALERTA PARA PAÍSES POBRES
O novo modelo de qualidade de ar desenvolvido pela OMS em parceria com a Universidade de Bath, no Reino Unido, foi feito com base em dados de satélites e estações de monitoramento em solo em mais de 3 mil localidades, tanto rurais quanto urbanas.
Quase 90% das mortes relacionadas à poluição do ar ocorrem em países de baixa e média renda, e dois terços, em regiões do Sudeste Asiático e do oeste do Pacífico. O Turcomenistão tem a taxa mais alta de mortes per capita devido à poluição atmosférica, segundo a classificação da OMS, seguido por Tajiquistão, Uzbequistão, Afeganistão, Egito e China.

QUALIDADE DE AR
"Há duas coisas acontecendo. Uma é que os países ricos estão ficando melhores em termos de elevar a qualidade do ar. A outra é que os países mais pobres estão ficando piores. Essa é uma tendência geral", afirma  o médico brasileiro Carlos Dora, coordenador do departamento de Políticas Públicas, Meio Ambiente e Determinantes Sociais de Saúde da OMS.

EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA
O especialista Carlos Dora  aponta que a situação é melhor nos EUA do que na Europa devido à maior dependência dos europeus ao diesel e a políticas agrícolas que geram mais amônia e metano.
Ele também afirma não haver evidências de que máscaras como as usadas sobre o rosto em muitas partes da Ásia ajudem a reduzir a exposição a partículas finas.
Segundo Dora, apesar de aparecer em sexto lugar no ranking de maior número de mortes per capita relacionado à poluição atmosférica, o país está fazendo um uma "quantidade incrível de coisas" para lutar contra o problema, como carros não poluentes. Mas usinas térmicas movidas a carvão, a queima doméstica de carvão e madeira para produzir energia e o transporte continuam sendo grandes geradores de poluição no país, disse o especialista.
A poluição do ar afeta praticamente todos os países do mundo. "É uma emergência de saúde pública", afirma Maria Neira, chefe do departamento de saúde pública e meio ambiente da OMS, afirmando que é preciso agir rápido contra o problema. Ela apelou para que governos reduzam o número de veículos nas ruas, melhorem o manejo do lixo e promovam combustíveis limpos para cozinhar.

EMERGENTES DO GRUPO BRICS
China-Pequim
Dentre os emergentes do grupo Brics, o Brasil tem o desempenho menos negativo, com 14 mortes por ano ligadas à poluição do ar para cada 100 mil habitantes. China, Rússia, Índia e África do Sul têm respectivamente 70, 61, 68 e 39 mortes para cada 100 mil habitantes.
Segundo especialistas, uma matriz energética renovável, políticas de contenção de emissões e investimentos em transporte alternativo e público contribuíram para o desempenho positivo brasileiro.
A tendência, porém, é de piora nesse ranking, pois os dados base são de 2012, e, atualmente, os outros emergentes vêm dando mais atenção ao tema do que o Brasil.

BRASIL
"O Brasil não é dos piores, mas ainda poderia melhorar bastante. Frente a outros emergentes, o país estaria numa posição mais confortável por conta, principalmente, da sua matriz energética, que é renovável, proveniente de hidroelétricas. A China, por exemplo, ainda queima muito carvão, o que é altamente poluente", afirma Carlos Dora.
Professora do Departamento de Ciências Atmosféricas da USP, Maria Andrade explica que, além da questão energética, o Brasil implementou na virada dos anos 1980 para 1990 um programa nacional de controle de emissões de gases por veículos - o Proconve - que deu resultado. "Nas áreas urbanas houve, depois do Proconve, uma redução na poluição significativa, apesar do aumento da frota. O que se precisa agora é controlar a queima de biomassa, a queima de florestas", aponta.
Maria Andrade menciona ainda que controles nas indústrias e o desenvolvimento de tecnologias de combustíveis, para a redução das emissões de enxofre, também contribuíram à melhora nas últimas décadas.
Atualmente, as principais fontes de poluição do ar no Brasil são as queimadas no campo, as emissões de veículos nas áreas urbanas e as indústrias, elencou a professora da USP.

GRANDES METRÓPOLES EMERGENTES
Em um ranking de grandes metrópoles emergentes, São Paulo e Buenos Aires aparecem como as que têm a melhor qualidade de ar, segundo dados do período de 2011 a 2015 da OMS.
A maior cidade da América do Sul teve um desempenho melhor que, nessa ordem, cidade do México, Istambul, Xangai, Pequim, Mumbai, Calcutá, Dhaka, Cairo e Nova Déli. Lanterna dos emergentes, a capital da Índia chega a ter uma qualidade de ar cinco vezes pior do que a metrópole paulistana.
"Quando você compara com esses lugares, você vai perceber que aqui está muito melhor", avalia Maria Andrade. "Mas ainda temos problemas com partículas secundárias, como ozônio, e partículas mais finas." "São Paulo está num nível intermediário, o que é muito melhor que essas outras cidades do mundo em desenvolvimento", diz Carlos Dora. Fonte: Deutsche Welle e BBC Brasil - 27 setembro 2016

Comentário: Os principais gases na poluição do ar
Qualquer gás poderia qualificar como poluição se atingiu uma concentração alta e suficiente para fazer mal. Teoricamente, isso significa que há dezenas de diferentes gases poluentes. Na prática, porém cerca de dez substâncias diferentes causam maiores preocupação:

DIÓXIDO DE ENXOFRE: carvão, petróleo, e outros combustíveis são muitas vezes impuros e contém enxofre, bem como compostos orgânicos (à base de carbono). Quando o enxofre queima com o oxigênio do ar, é produzido dióxido de enxofre (SO2). Usinas termoelétricas movidas a carvão são a maior fonte mundial da poluição de dióxido de enxofre do ar, o que contribui para a poluição atmosférica, chuva ácida, e problemas de saúde que incluem doença pulmonar.

MONÓXIDO DE CARBONO: Este tipo de gás é altamente perigoso quando os combustíveis têm muito pouco oxigênio para queimar completamente. Ele é expelido  em escapamentos de veículos e também pode construir até níveis perigosos dentro de sua casa se você tiver uma caldeira à gás mal conservada, fogão ou aparelho de queima de combustível (lareira).

DIÓXIDO DE CARBONO: Este gás é fundamental para a vida cotidiana e, normalmente, não é considerado um poluente: todos nós produzimos quando expiramos e plantas e árvores precisam desse gás  para respirar e crescer. No entanto, o dióxido de carbono é um gás de efeito estufa liberados pelos motores e usinas de energia. Desde o início da Revolução Industrial, está havendo um acúmulo na atmosfera da Terra e contribuindo para o problema do aquecimento global e mudanças climáticas.

ÓXIDOS DE NITROGÊNIO (NOX): dióxido de nitrogênio (NO2) e óxido de nitrogênio  (NO) são poluentes produzidos como resultado indireto da combustão, quando o nitrogênio e o oxigênio do ar reagem juntos. A poluição de óxido de nitrogênio vem de motores de veículos e usinas de energia, e desempenha um papel importante na formação de chuva ácida, ozônio e poluição. Os óxidos de nitrogênio são também "gases de efeito estufa indireto” (que contribuem para o aquecimento global através da produção de ozônio, que é um gás de efeito estufa).

COMPOSTOS ORGÂNICOS VOLÁTEIS (COVS): Estes produtos químicos (orgânicos) à base de carbono evaporam facilmente a temperaturas e pressões normais, para que eles prontamente se tornem  gases. É precisamente por isso eles são usados como solventes em muitos produtos químicos domésticos diferentes, tais como tintas, ceras, e vernizes. Infelizmente, eles também são uma forma de poluição do ar: acreditamos efeitos a longo prazo (crônica) sobre a saúde das pessoas e elas também desempenham um papel na formação de ozônio e poluição.

MATERIAL PARTICULADO: Estes são os depósitos de fuligem na poluição do ar que enegrecem edifícios e causam dificuldades de respiração. As partículas de tamanhos diferentes são frequentemente referidos pelas letras MP  seguido por um número, de modo que as partículas de fuligem MP10 significa que  menos de 10 mícrons (10 milionésimos de metro ou 10 mícrons  de diâmetro). Nas cidades, a maioria das partículas vem de fumaça do tráfego.

OZÔNIO: Também chamado tri-oxigênio, este é um tipo de gás de oxigênio cujas moléculas são feitas a partir de três átomos de oxigênio unidas entre si (por isso, tem a fórmula química O3), em vez de apenas os dois átomos de oxigênio convencional (O2). Na estratosfera, um grupo de ozônio ( "camada de ozônio") nos protege por triagem de radiação ultravioleta (de alta energia luz azul) irradiando  pelo sol. Ao nível do solo, é um poluente tóxico que pode prejudicar a saúde. Ele se forma quando a luz solar atinge um coquetel de outros tipos de poluição e é um ingrediente-chave do smog  (acúmulo de poluição).

CLOROFLUORCARBONOS (CFCS): Uma vez pensaram que era inofensivo, porém esses gases foram amplamente utilizados em refrigeradores e aerossóis até que se descobriu que eles  destruíam a camada de ozônio da Terra.  .

HIDROCARBONETOS NÃO QUEIMADOS: petróleo e outros combustíveis são feitos de compostos orgânicos à base de cadeias de átomos de carbono e hidrogênio. Quando eles se queimam corretamente, eles são completamente convertido em dióxido de carbono inofensivo e água; quando se queimam de forma incompleta, que pode liberar monóxido de carbono ou flutuar no ar em sua forma não queimada, contribuindo para a poluição atmosférica.

CHUMBO E METAIS PESADOS: Chumbo e outras substâncias tóxicas "metais pesados" podem ser espalhados  no ar como compostos tóxicos ou sob a forma de aerossóis (quando sólidos ou líquidos são dispersos através de gases e transportadas pelo ar ) tais como  fumos de escape e  cinzas em suspensão (resíduos de poeira contaminados ) das chaminés industriais ou incineradores. Fonte: Explain That Stuff

Marcadores:

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@1:00 PM