Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

quarta-feira, outubro 30, 2013

Cobra escapa de jaula de vidro e mata duas crianças no Canadá

 Duas crianças, de cinco e sete anos, estavam dormindo no apartamento de um amigo, no domingo, 4 de agosto, na cidade de Campbellton, quando foram atacadas por uma píton africana.

Segundo a polícia, as crianças foram estrangulados pela píton africana, que tinha mais de quatro metros de comprimento e pesava cerca de 45 quilos.

Os garotos passavam a noite no apartamento do amigo, filho do dono da loja,domingo, 4 de agosto, quando foram atacadas pela serpente. No imóvel dormiam também, em quartos diferentes, o dono da loja Reptile Ocean e o filho dele, mas não foram atacados. No térreo localizava a loja.

A investigação preliminar revela que a grande serpente escapou de uma jaula de vidro que ficava no interior do apartamento e  alcançou o teto e teria entrado por um pequeno buraco, que o conectava com o sistema de ventilação. A serpente percorreu o caminho pelos tubos de ventilação até a sala de estar, onde os meninos dormiam. A estrutura desabou e a cobra caiu no cômodo. Capturada pela polícia a serpente,  que estava há dez anos com  o dono , foi sacrificada. Fonte: Folha de São Paulo - 05/08/2013

Comentário: É um problema grave que está ocorrendo  em alguns países com animais exóticos (não nativos). Dificilmente há predadores, eles procriam e dizimam a fauna nativa.
1-Em 2011, no Estado de Ohio, Estados Unidos, um proprietário de um zoológico particular, soltou vários animais exóticos, antes de cometer suicídio.. Quarenta e nove animais foram executados a tiros por policiais do Condado de Muskingum, preocupados com a segurança dos moradores da região. Entre os animais mortos, foram identificados 18 tigres de Bengala, 17 leões, seis ursos-negros, três leões da montanha, dois ursos-cinzas, dois lobos e um babuíno. Outros seis animais foram capturados vivos.
2-Em julho de 2009,  uma menina de dois anos morreu estrangulada por um píton birmanês de 3,60 metros de extensão numa casa do condado de Sumter, na Flórida.
Na Flórida, EUA, muitos donos abandonaram serpentes na região e se adaptaram ao habitat local. Várias espécies de cobras gigantes, entre elas as terríveis boa constritor e o píton africano, estão invadindo de forma descontrolada o estado da Flórida, a tal ponto que conseguem se adaptar às áreas urbanas de Miami, alerta um estudo científico da agência americana de Pesquisas Geológicas (USGS). O controle desses ofídios, que não nativos dos Estados Unidos, é muito difícil devido ao fato de se reproduzirem rapidamente em extensas áreas dos pântanos do Everglades. Não há ainda mecanismos de controle que pareçam adequados para erradicar essas cobras que representam um grande risco para espécies nativas e ecossistemas nas regiões cálidas do sul dos Estados Unidos, segundo o estudo. O cientista Gordon Rodda, da USGS e um dos autores do estudo, afirma que a maior parte dessas serpentes pode se adaptar a uma variedade de habitats e é bastante tolerante à vida nas áreas urbanas.
3-Relatório do Journal of the American Academy of Pediatrics alerta para o perigo dos animais domésticos exóticos em contacto com crianças
Animais domésticos exóticos e pouco comuns como roedores, répteis, ouriços-cacheiros e macacos representam um risco para saúde das crianças e das pessoas com um sistema imunitário deficiente. Ter um animal pode ser positivo para as crianças, mas um grande número de animais como as tartarugas, os hamsters ou os macacos podem propagar doenças causadas por salmonella, campylobacter e parasitascryptosporidium, sublinham os autores deste estudo. 
Os pediatras recomendam que as famílias com crianças de menos de cinco anos, particularmente vulneráveis, evitem ter este tipo de animais em casa. Segundo o relatório, dirigido por Larry Pickering, cerca de 11% dos casos de infecções por salmonella entre as crianças resultaram (aparentemente) de contatos com lagartos, tartarugas, e outros répteis. 
De acordo com o relatório, os ouriços-cacheiros, presentes em cerca de 40 mil lares nos EUA, revelaram ser origem de salmonella de diferentes tipos, tais como S. Tilène, Yersinia pseudotuberculosis, e Mycobacterium marinum, o que pode ser explicado pelos seus esporos poderem penetrar na epiderme. Os macacos, por seu turno, são portadores nomeadamente do herpesvírus B. 
4- No Brasil as espécies exóticas invasoras estão presentes em pelo menos 103 unidades de conservação do Brasil, espalhadas por 17 Estados e pelo Distrito Federal.Apropriam-se do espaço, da água e dos alimentos das espécies nativas, numa competição pérfida, silenciosa e sem fronteiras.
As espécies exóticas invasoras são organismos (fungos, plantas e animais, assim como seres vivos microscópicos) que se encontram fora da sua área natural de distribuição, por dispersão acidental ou intencional.
As campeãs de invasões, são as plantas coníferas do gênero Pinus, introduzidas no Brasil para produção de madeira de reflorestamento. Identificadas em 35 UCs - Unidades de Conservação das regiões Sul e Sudeste, são espécies que podem alterar a acidez dos solos e inviabilizar a sobrevivência de animais, entre outros impactos.
As outras líderes do ranking de invasões são o capim braquiária e o cachorro (15 UCs), o capim gordura e o eucalipto (13 UCs), o lírio-do-brejo (10 UCs), a jaca (8 UCs) e a uva-do-japão (8 UCs). Também figuram na lista animais como búfalo (6 UCs), caramujo-gigante-africano (5 UCS) e javali (4 UCs).
JAVALI
O javali, principal ancestral do porco doméstico, a invasão foi pela fronteira sudoeste do Rio Grande do Sul com o Uruguai, para onde ele foi levado por europeus. Uma hipótese é que a introdução tenha ocorrido em 1989, após estiagem que baixou muito o leito do rio Jaguarão, que delimita a fronteira.Entre os principais prejuízos causados pelo javali estão danos a culturas agrícolas, ataque a animais de criação e transmissão de doenças (leptospirose, febre aftosa).
 CARAMUJO-GIGANTE-AFRICANO
O caramujo-gigante-africano, molusco terrestre do nordeste da África, entrou ilegalmente no Brasil na década de 1980, como alternativa à criação de escargot e se transformou numa praga.Ele destrói plantações e também pode transmitir moléstias, como a angiostrongilíase (infecção causada por parasita e que pode levar crianças à morte).
NAVIOS
Estima-se que pelo menos 7 mil espécies aquáticas são transportadas, diariamente, entre diferentes regiões do mundo por meio de água de lastro dos navios

Marcadores:

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@6:50 AM