Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

terça-feira, setembro 27, 2011

FAB voa para combater incêndios no DF

Um Hércules C-130 da Força Aérea Brasileira iniciou neste sábado, 10 de setembro, uma série de missões de combate aos incêndios florestais que atingem o Distrito Federal. A Aeronave equipada com um sistema aéreo de combate ao fogo pode lançar 12 mil litros de água em uma área de 500 metros de extensão e 50 metros de largura. O trabalho inicial concentrou-se nos arredores do aeroporto de Brasília, onde a fumaça dos focos de incêndio poderiam atrapalhar o tráfego aéreo. "Além do aeroporto, nós também vamos atuar nas áreas críticas que os bombeiros indicarem", revela o Tenente Coronel Aviador Marco Aurélio de Oliveira, comandante do Primeiro Grupo de Transportes de Tropa (1ºGTT), e um dos pilotos das missões.

Para realizar corretamente a missão, a aeronave tem que sobrevoar a área do incêndio numa altitude de 50 metros e acionar o equipamento. O lançamento por meio de pressão dura poucos segundos e a própria inércia se encarrega de espalhar a água sobre o fogo. Após o lançamento a aeronave volta para Base Aérea, onde recebe um novo carregamento de água. O processo de recarga dura doze minutos se não for necessário reabastecer o combustível da aeronave.

A cidade de Brasília enfrenta uma série de incêndios florestais provocados pela estiagem de mais de 91 dias de duração e pela baixa umidade do ar. Segundo o Corpo de Bombeiros do DF, mais de 50 focos de incêndio foram identificados nos últimos dias e alguns deles atingiram grandes proporções. As áreas mais afetadas foram a região do aeroporto, o Jardim Botânico e a Floresta Nacional. Na manhã de sexta-feira o aeroporto teve de atuar por instrumentos por causa da baixa visibilidade provocada pela fumaça do incêndio.

"O apoio da FAB com essa aeronave C-130 é fundamental para evitarmos que os focos de incêndio se alastrem", afirma o Major Helon Florindo do Corpo de Bombeiros do DF. Segundo ele, o grande volume de água lançado pelo C-130 vai ajudar as equipes de terra a alcançarem pontos importantes dentro da mata. "O trabalho do avião não só combate as chamas, como também resfria a temperatura do incêndio e permite o avanço da equipe de solo. São ações que se complementam", revela o major Florindo.

O C-130 Hércules do 1ºGTT, sediado na Base Aérea dos Afonsos (RJ), chegou a Brasília na noite de sexta-feira e começou a fazer os voos de combate aos incendios logo ao nascer do sol deste sábado.

A operação de combate ao fogo não tem data para acabar. As condições meteorológicas continuam contribuindo com os incêndios, uma vez que as previsões não apontam para a possibilidade de chuva antes do dia 20 de setembro no Distrito Federal.

Fonte: Agência Força Aérea - 10 de setembro de 2011

Vídeo:


Comentário:
O Brasil já deveria ter uma esquadrilha ou frota de helicópteros e aviões especializados em combate a incêndios que possam ser utilizados em incêndios florestais ou em grandes desastres, como aconteceu no em Santa Catarina.
Não é desperdício, mas sim estratégico para o país defender o meio ambiente em questão de catástrofe ou minimizar sua perda.

As vantagens do combate aéreo em incêndios florestais;
■ataque rápido ao incêndio, para deter o seu avanço ou dificultar sua propagação em várias frentes
■combate ao incêndio em terrenos inacessíveis às equipes de terra
■ descarga de grandes quantidades de água ou de retardantes químicos sobre o incêndio e em curtos intervalos de tempo
■ mudança rápida de um incêndio a outro, extinguindo focos iniciais distantes entre si e protegendo homens e materiais
■ transporte de homens e equipamentos de combate terrestre.

Quais são os impactos de um incêndio florestal?
A avaliação total do impacto de um incêndio florestal considerando ss custos a longo prazo incluem;
■ impactos para as bacias hidrográficas, ecossistemas, infra-estrutura, empresas, indivíduos, e a economia local e nacional. Especificamente, esses custos incluem a perda da propriedade ( no Brasil não temos a gravidade dessas perdas como existem nos EUA),
■ o impacto pós-incêndio no meio ambiente, tais como;
■ inundações e erosão, qualidade do ar e da água
■ custos de saúde (admissões hospitalares de atendimento de emergência)
■ acidentes e mortes,
■ perda de receita (para residentes evacuados pelo fogo, parques, para as empresas locais)
■ infra-estrutura, paradas (como rodovias, aeroportos e ferrovias), e
■ uma série de ecossistema custos dos serviços que podem se estender para o futuro
■ custo de reabilitação da área queimada

Levando em consideração a estatística americana de incêndios florestais em relação a custos, podemos ter uma idéia dos valores envolvidos, tais como;
■Custos diretos - pessoal e equipamentos envolvidos no combate ao fogo direto, pessoal envolvido no apoio de gerenciamento de informações, danos aos equipamentos de combate ao fogo, perdas de propriedades, perdas de instalações de parques nacionais e/ou estaduais.
Os custos de reabilitação imediata de emergência são, por vezes considerada direta, uma vez que esses custos são incorridos nos dias, semanas e meses seguintes ao fogo e são claramente atribuíveis ao evento .
■Custos de reabilitação – Os custos de reabilitação são sob responsabilidade dos governos federal, estaduais e agências locais.
Custos de longo prazo de reabilitação, no entanto, são mais difíceis de medir, e despesas de reabilitação em curso não pode ser claramente conectado ao evento. Por exemplo, bacias hidrográficas podem levar muitos anos para se recuperar e requerem atividades de restauração significativa. Pós-fogo inclui inundações, eventos podem causar danos adicionais à paisagem já cicatrizada, e os impactos subseqüentes podem incluir um aumento de espécies invasoras e erosão.
■Custos indiretos – Depois que o fogo foi extinto e os esforços de reabilitação já começaram na
paisagem afetada, os custos indiretos continuam a acumular. Estes custos incluem as receitas fiscais perdidas em um número de atividades, como parques, vendas, e os impostos do município, bem como as receitas de negócios e perdas de propriedades que se acumulam a longo prazo. Por exemplo, propriedades que escapam de danos ao fogo ainda pode enfrentar quedas bruscas em valores enquanto a área se recupera.
■Custos adicionais- Além dos custos indiretos associados com fogo de longo prazo são os custos adicionais, muitas vezes chamado de "custos especiais".
Quando um bombeiro morre na linha de combate ao fogo, as famílias recebem um montante fixado para a sua perda; este número serve como referencia para o custo de vida perdida. Perda de vidas civis, problemas de saúde em curso para jovens, idosos e pessoas com sistema imunológico debilitado ou respiratório e mental, as necessidades de saúde também se enquadram nesta categoria, mas raramente são quantificadas. Além disso, a perda extensiva do ecossistema de serviços, alguns dos quais são inerentemente difíceis de quantificar; a estética e paisagístico de beleza, o valor da existência da vida selvagem , outros, podem ser incluídos, como danos arqueológicos, .

Levando em consideração esses conceitos:
O custo de combate ao fogo varia de 5 % a 52% do custo total das perdas. Ou o custo total do incêndio varia de 2 a 30 vezes o custo do combate ao fogo..
Fonte: The True Cost of Wildfire in the Western U.S.

Marcadores:

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@12:13 PM