Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

quinta-feira, setembro 08, 2011

Estudo acha plástico em mar do Polo Norte


A grua do navio levanta e despeja no convés uma rede em formato de cone. A oceanógrafa inglesa Clare Miller, porém, sabe o que procura ali --e não são peixes. Ela logo esvazia a ponta da rede dentro de um balde, revelando algas, plâncton e... plástico.

Em apenas uma hora dentro d'água, a rede de Miller coletou pedaços minúsculos de plástico e nylon numa das regiões mais remotas do oceano: o mar de Barents, a noroeste do arquipélago de Svalbard, Noruega, a menos de 1.300 km do polo Norte.

A coleta, feita a bordo do navio Arctic Sunrise, do Greenpeace, comprova pela primeira vez algo de que já se desconfiava: o Ártico também está contaminado por lixo.

A descoberta é preliminar: foram apenas quatro amostras coletadas, que ainda serão analisadas num laboratório em Exeter, Reino Unido.

Mas a mera existência de plástico nas águas supostamente límpidas do Ártico é motivo de preocupação.

"Ninguém sabia o que encontraríamos. O local onde lançamos a rede é uma região selvagem, sem nenhum assentamento humano por perto", disse Miller, mestranda em oceanografia na Universidade de Southampton.

O lixo é difícil de ver a olho nu. Ele é composto, em sua maior parte, de pedacinhos de plástico bastante degradados pelo Sol, que ficam em suspensão na água.

Os restos são tão pequenos que precisam ser capturados com uma rede especial, feita para coletar plâncton (animais e algas microscópicas).

Segundo Miller, o tamanho dos pedaços de lixo e a ausência de outros indicadores de poluição, como bolas de piche, sugerem que o plástico é "importado", chegando ao mar de Barents trazido por correntes marinhas como a do Golfo, que sai do Atlântico tropical e banha a Europa.

"Não me surpreenderia se encontrássemos no Ártico condições tão ruins quanto em outras partes, por causa das correntes", afirma Frida Bergtsson, do Greenpeace.

Pólo Norte Norte Plastificado
Partículas de plástico chegam ao oceano Ártico
1-Onde fica: Restos foram achados no mar Barents, a 1.3000 km do pólo Norte

O que são:
Pedaços de plástico e nylon já degradados pela luz solar, difíceis de enxergar a olho nu (só são detectados com rede para capturar plâncton, os organismos pequenos e flutuantes do mar).

Os perigos:
Lixo pode matar animais engasgados e ter papel similar ao de hormônios sexuais, atrapalhando reprodução dos bichos.

LIXO GENERALIZADO
O lixo marinho invisível é um problema global. A ONG mantém uma base de dados de plástico coletado por seus navios em dez outras regiões do planeta. Todas revelam alguma contaminação.

De longe a pior situação é a do norte do Pacífico, que abriga a famosa "grande mancha de lixo".

É uma zona que pode chegar a 15 milhões de km2 (quase o dobro do território do Brasil) na qual a água concentra uma grande quantidade de plástico trazido da Ásia e da América do Norte, mantida ali por correntes em giro.

No mar, o lixo é engolido por animais marinhos e entra na cadeia alimentar --quando não os mata.

RESTO DE REDES

A presença de restos de redes de pesca de nylon nas amostras coletadas por Miller também é típica da contaminação por plástico.

Segundo Bengtsson, o problema é tão disseminado que o governo norueguês freta periodicamente barcos de pesca para buscar equipamento descartado no mar.

Em 2008, um mapeamento publicado na revista "Science" por cientistas americanos mostrou que 100% dos oceanos sofrem algum tipo de impacto humano. Uma das zonas mais degradadas é justamente o mar do Norte, vizinho de baixo do Ártico.

Fonte: Folha.com - 06 de setembro de 2011

Comentário:
O planeta Terra pede socorro. A natureza é interessante, ela sinaliza que algo está errado, avisa e depois provoca o desastre. A natureza não tem objetivo, mas segue suas próprias leis para a catástrofe.

Temos de fazer a nossa parte para proteger o planeta Terra: É possível reduzir o desperdício de lixo ou seu impacto em três fases: os 3 R´s – Reduzir, Reutilizar e Reciclar
Se fizermos nossa parte é um passo importante para proteger o planeta Terra
Devemos sempre pensar nos três erres: Reduzir, Reutilizar e Reciclar.
■Reduzir o desperdício
■Reutilizar sempre que for possível antes de jogar fora e
■Reciclar os materiais.

TEMPO QUE SEU LIXO LEVA PARA SE DEGRADAR
Vidro – até 1 milhão de anos
Linha de nylon – 600 anos
Fralda descartável – 450 anos
Garrafa de plástico – 450 anos
Lata de alumínio – 200 anos
Plástico – 100 anos
Metal – 100 anos
Isopor – 80 anos
Copo de plástico – 50 anos
Saco plástico – 35 anos
Corda -30 anos
Madeira pintada -3 anos
Filtro de cigarro – 5 anos
Chiclete – 5 anos
Papel – 3 a 6 meses

ALGUMAS DICAS DE COMO REDUZIR
■Aproveite as duas faces das folhas de papel, tanto na escrita, quanto para impressão e fotocópias.
■Faça apenas o número necessário de fotocópias.
■Adote coadores, guardanapos e toalhas de pano.
■Revise textos na tela do computador antes de imprimi-los.
■Use envelopes só quando necessário.
■ Recuse folhetos de propaganda que não forem de seu interesse.
■Faça assinatura comunitária de jornais e revistas.
■Compre a granel hortifrutigranjeiros, grãos e produtos de limpeza nas feiras e sacolões.
■Substitua descartáveis como copos, talheres, canudos e isqueiros por similares duráveis.
■Aproveite talos e folhas de verduras, cascas de frutas.
■Diminua o desperdício de alimentos e evite embalagens supérfluas, sofisticadas ou de difícil (isopor, caixas tipo longa vida) ou nenhuma (celofane, papel aluminizado) reciclagem no Brasil.

ALGUMAS DICAS DE COMO REUTILIZAR
■Reaproveite envelopes, cartolinas e folhas de papel com verso livre para rascunho ou para imprimir documentos a serem enviados por fax.
■Utilize frascos e potes para outros fins.
■Reaproveite sobras de materiais de construção.
■ Antes de descartar tente consertar os utensílios e aparelhos com sapateiros, costureiros, técnicos e restauradores ou transforme-os em outros produtos e doe-os a quem precisa.

Marcadores:

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@10:29 AM