Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

terça-feira, junho 07, 2011

Agora somos 7 bilhões de consumidores e 1 planeta

Comentário
Em comemoração a data do Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho de 2011, publico um artigo interessante sobre o crescimento populacional e seu desafio ao meio ambiente.

PLANETA TERRA
■ A área terrestre total dos continentes é de 148.647.000 km², ou 29.1% da superfície terrestre (510.065.600 km²).
ÁREA HABITADA
■ Estima-se que apenas um 12,5% da superfície da Terra seja adequada para os humanos habitarem – 63.758.200 km2
■ 71% estão cobertos por oceanos e mares, e
■ metade da área de terra ou é deserto (14%), montanha (27%), ou outro terreno menos adequado.
■ Área total das bacias hidrográficas do mundo: 34.000.000 km2
■ População mundial – 7 bilhões de pessoas

Com o crescimento da população mundial significa maior proximidade a catástrofes naturais e ambientais tais como;

CATÁSTROFES NATURAIS
Ciclones, furacões ou tufões, terremotos, tsunamis, erupções vulcânicas, tornados, tempestades de neve, inundações, secas prolongadas, e outras calamidades e desastres naturais.

CATÁSTROFES AMBIENTAIS
Muitas áreas localizadas estão sujeitas à poluição de origem humana do ar e da água, chuva ácida e substâncias tóxicas, perda de vegetação (desmatamento, desertificação), perda da vida selvagem, extinção de espécies, degradação do solo, esgotamento do solo, erosão, e introdução de espécies invasoras.

PROBLEMAS NO PLANETA TERRA
1) o esgotamento dos recursos naturais;
2) o limite da biosfera para assimilar resíduos e poluição; e
3) a questão social. Crescimento populacional.

A humanidade consome recursos naturais acima da capacidade biológica da biosfera para regenerar essa perda. O esgotamento dos recursos naturais tais como; solo para produzir alimentos, matérias primas, fontes de energia e água potável.

A DEGRADAÇÃO AMBIENTAL É CONSEQÜÊNCIA;
■ destruição do habitat das plantas e dos animais silvestres.
■ desmatamento, contaminação do ar e da água,
■ exploração dos recursos marítimos pela pesca excessiva e
■ invasão de espécies não autóctones em algumas regiões do planeta.
■ consumo excessivo especialmente de energias não renováveis por parte dos países industrializados.

SEGUNDO WWF (WORLD WILDLIFE FUND);
■ Se todo o mundo consumisse ao ritmo do mundo desenvolvido e todos atingissem o nível do cidadão médio americano, estaríamos diante de uma situação insustentável.
■ O planeta tem cerca de 11,4 bilhões de hectares produtivos de terra e mar, o que representa uma capacidade biológica de 1,8 hectares, mas o consumo é de 2,2 hectares.

INDAGAÇÕES
Qual será o futuro do Planeta Terra?
O que deixaremos para os nossos descendentes?

O planeta dos humanos 7 bilhões de consumidores e 1 planeta

A nova geração dos países emergentes quer mais confortos modernos. Mas esbarra nos limites naturais da Terra. Como viveremos num mundo lotado?

Em seu Ensaio sobre o princípio da população, de 1798, o inglês Thomas Malthus fez uma previsão sombria. Como a população humana crescia em progressão geométrica e a produção de alimentos aumentava em progressão aritmética, no longo prazo o saldo desse descompasso seriam a fome e o aumento da mortalidade. Só a tragédia ajustaria o tamanho da população à oferta de alimento. Malthus viveu no período em que a humanidade atingiu a marca de 1 bilhão de pessoas. A partir de 31 de outubro, de acordo com a previsão das Nações Unidas, seremos 7 bilhões. E a questão malthusiana volta a se impor: haverá espaço, comida e recursos para todos?

Desde os tempos de Malthus, os humanos têm exercido um impacto brutal sobre a superfície, os oceanos e a atmosfera terrestres. Além de exaurir recursos naturais, destruir fauna e flora e erguer gigantescos monumentos artificiais – na forma de plantações, estradas, usinas, portos e aglomerações urbanas –, a ação humana tem sido tão extrema que, de acordo com os pesquisadores, tem alterado a própria geologia do planeta Terra. Para muitos cientistas, a Revolução Industrial – a época de Malthus – deveria marcar o início de um novo período geológico, batizado, em homenagem ao Homo sapiens, de Antropoceno. A Era dos Humanos.

A população avançou lentamente desde a evolução da espécie há 200 mil anos. Foi só há 10 mil anos, com a invenção da agricultura e o aumento na oferta de grãos, que o crescimento começou a acelerar (leia o gráfico). Ainda assim, continuou lento, regulado pela alta mortalidade. Epidemias, fome e guerras dizimavam milhões. Isso mudou desde o início da Era dos Humanos, com a introdução de vacinas e antibióticos e melhores técnicas agrícolas. Mesmo os conflitos armados ficaram mais restritos. Com melhores perspectivas, a humanidade prosperou – e se multiplicou.

Apesar das previsões trágicas de Malthus, a Era dos Humanos tem sido uma era de relativa abundância. Desde então, a produção agrícola, graças à tecnologia, acompanhou o aumento populacional. A bomba demográfica foi desarmada nos países ricos. Na Rússia e em seus antigos satélites, como a Geórgia, a população está até caindo. Em países de renda média, como o Brasil, a fertilidade, que era de até seis filhos por mulher nos anos 1960, caiu para taxas inferiores a 2,1 filhos, como resultado de avanços na educação e na saúde. No Brasil, os recém-nascidos já equivalem aos mortos – o suficiente para estabilizar a população em duas décadas. Mas, como um todo, a humanidade não parou de crescer. Na Índia, no mundo árabe e na África, as taxas de natalidade ainda são elevadas. As nigerianas têm em média 5,6 filhos.

Desde Malthus, passaram 130 anos até a humanidade chegar ao segundo bilhão, em 1930. No século passado, com a queda na mortalidade infantil e as conquistas da medicina, o ritmo acelerou. Em 1960, éramos 3 bilhões. Em 1974, 4 bilhões. Em 1987, 5 bilhões. Em 1998, 6 bilhões. E bastaram 13 anos para crescermos o último bilhão. Se as projeções (conservadoras) das Nações Unidas se confirmarem, e o crescimento mantiver o ritmo atual, seremos 8 bilhões em 2025 e 9 bilhões em 2043.

É verdade que, aos poucos, a taxa de natalidade tenderá a cair nos países que hoje mais crescem. Segundo as previsões dos demógrafos, em algum momento em torno de 2100 a população se estabilizaria pouco acima de 10 bilhões e depois declinaria lentamente. Mas, antes disso, será preciso construir centenas de milhões de casas, erguer milhões de hospitais e creches, abrir vagas escolares para bilhões de crianças e criar empregos para uma multidão equivalente a duas Chinas ou quase três Índias.

Garantir aos humanos condições dignas de vida e acesso aos bens de consumo é o maior desafio de nosso tempo. O ar das cidades nunca foi tão sujo, nem tamanha a sede por combustíveis. Na China, a economia cresce sem parar há duas décadas. A alta da construção civil absorve todo o ferro, alumínio, cobre e zinco que as mineradoras globais extraem do subsolo. A demanda mundial por matérias-primas, energia e comida joga para cima os preços e não dá sinais de ceder.

Em 1999, os indianos celebraram nas ruas quando o país passou a barreira de 1 bilhão de habitantes. Os políticos saudaram a conquista na televisão. Agora, a marca dos 7 bilhões inspira uma reação mais ambígua. São 7 bilhões com potencial criativo, capazes de produzir riqueza e progresso. Mas exigirão mais recursos de um planeta que chegou ao limite. O desafio para as próximas décadas é desenvolver novas formas de produção e criar novos padrões de consumo, para garantir que a humanidade caiba na Terra com conforto.
Fonte: Época - 06/06/2011 – autor: Peter Moon

Marcadores:

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@10:56 AM