Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

terça-feira, julho 13, 2010

Fogos de artifício

Fogos de artifício existem há centenas de anos. Consistem de pólvora negra (também conhecida como pólvora) ou pólvora cintilante em um tubo de papel com um pavio para acender a pólvora. Pólvora negra, discutida rapidamente no artigo Como funcionam os motores dos foguetes, contém carvão, enxofre e nitrato de potássio. Uma composição usada em um traque pode

O nitrato de potássio é bastante usado como oxidante. O combustível é carvão e enxofre, como na pólvora negra. O aglutinante pode ser açúcar ou amido. Misturadas com água, estas substâncias químicas formam uma pasta que pode revestir um fio (por imersão) ou ser colocada em um tubo. Assim que seca, a estrelinha está pronta. Ao acendê-la, ela queima de uma extremidade a outra (como um cigarro). Existe uma certa proporção entre o combustível, o oxidante e também as outras substâncias químicas, para que a estrelinha queime lentamente e não exploda como um traque.

Em fogos de artifício é comum a existência de pó de alumínio, ferro, aço, zinco ou magnésio, para dar origem a faíscas bem brilhantes. Os fragmentos de metal chegam a uma temperatura alta o suficiente para ficarem incandescentes e brilhantes ou até queimarem. Vários outros elementos químicos podem ser adicionados para criar as cores.

Os fogos de artifícios são um dos itens mais utilizados em festas juninas, em comemorações, mas podem tornar a festa em tragédia.

De acordo com dados da Associação Brasileira de Cirurgia de Mão (ABCM), 40% dos queimados pelo uso de fogos são menores com idade entre 4 e 14 anos e que uma em cada dez pessoas que manuseiam esse tipo de artefato sofre amputações.

FOGOS DE ARTIFÍCIO
■ Não permita que seus filhos adquiram fogos de artifício;
■ Acidentes graves podem acontecer com crianças ou adultos que transportam e utilizam fogos de artifícios de forma irregular;
■ Nunca transporte estes artefatos nos bolsos, pois, se eles se inflamarem, você certamente será atingido;
■ O perigo dos fogos de artifício é indiscutível. Se uma bombinha explodir nas mãos de uma criança ou próximo de seus olhos, poderá causar mutilação ou cegueira;
■ Deixar caixas de fósforos e/ou isqueiros ao alcance da crianças é uma imprudência. A atração que o fogo exerce sobre as crianças pode ter conseqüências extremamente danosas.

UM PERIGO PARA AS MÃOS.
■ queimaduras (70% dos casos);
■ lesões com lacerações/cortes (20% dos casos);
■ amputações dos membros superiores (10% dos casos);
■ lesões de córnea ou perda da visão e
■ lesões do pavilhão auditivo ou perda da audição.
As pessoas mais atingidas são homens com idade entre 15 e 50 anos e crianças de 4 a 14 anos.

O presidente da ABCM, Dr. Luiz Carlos Angelini, adverte que a imprudência e a falta de informação são os principais motivos para esta alarmante incidência.

O médico orienta que apenas profissionais habilitados devem manipular material explosivo. “Existe uma lei que regulamenta a comercialização de fogos e proíbe que sejam vendidos para crianças”, afirma Dr. Angelini.
“Muitas pessoas compram os fogos, mas elas dão pouca importância para o alto risco desses artefatos, que podem causar mutilações irreversíveis”, alerta Angelini.

Para o especialista em cirurgia da mão Jefferson Braga Silva, é preciso “atenção extrema” ao lidar com fogos de artifício, principalmente no caso de crianças, que “não têm noção do perigo a que estão expostas”, comenta o vice-presidente da ABCM. O médico destaca a importância de prestar um atendimento adequado nos casos de acidentes com traumas na mão. “O atendimento especializado e imediato reduz significativamente o incidência de seqüelas graves”, orienta.

ALGUNS CUIDADOS
■ Não segure os fogos de artifício com as mãos.
■ Prenda o rojão em uma armação, em uma cerca ou em um muro, e não fique próximo na hora de acender.
■ Não tente acender fogos que falharem.
■ Dispare os fogos somente ao ar livre, um de cada vez, e veja se não há substâncias inflamáveis ou redes elétricas nas proximidades.
■ Tenha sempre um recipiente de água por perto para colocar os foguetes já usados, ou aqueles que falharam, para não haver riscos de novas explosões.
■ Confira sempre o certificado de garantia do foguete.
■ Nunca associe bebida alcoólica ao uso de fogos.

Fontes: Sociedade Médica Paulista de Administração em Saúde, HowStuffWorks

Comentário:
2009 - Acidentes com fogos de artifício deixaram 17 pessoas feridas na festa de réveillon em Porto Alegre. Muitas vítimas são crianças. Um dos casos mais graves é de um homem de 38 anos, que teve a mão amputada depois de estourar um rojão. Ele está internado no Hospital Cristo Redentor.
209- Mês de dezembro, o Hospital do Trabalhador, em Curitiba, recebeu seis pacientes vítimas de acidentes com fogos de artifício, sendo dois submetidos a amputações parciais das mãos. “Os acidentes provocam traumas não só físicos como psicológicos, portanto, não vale a pena se arriscar.

Vídeo:
Mostra simulação o que aconteceria com a mão se os fogos de artifício (rojão com vara) explodissem. O especialista, engenheiro de Minas, José Luis Garcia Navarro, utiliza um pedaço de carne semelhante à mão humana para efetuar os testes.

Marcadores: ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@7:45 AM