Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

quinta-feira, março 01, 2007

Trabalho sob sol

Com 63.000 novos casos em 2002, o câncer de pele é o que mais ocorre no País e vem crescendo à taxa de 8% ao ano. Cerca de 80% de rugas e manchas da pele são provocadas pelo sol e 2/3 dos brasileiros ainda não usam o filtro protetor solar. Os agricultores, por trabalharem ao sol, são os mais prejudicados. Também estão expostos: os pescadores, os pecuaristas, os que trabalham com reflorestamento e outros.

O trabalho sob o sol é uma rotina comum nas atividades agrícolas, pecuárias, florestais e da pesca. O desconforto térmico em ambientes quentes é responsável pela perda de: produtividade, motivação, velocidade, precisão, continuidade e o conseqüente aumento da incidência de acidentes e doenças.

Cerca de 75% da radiação solar recebida durante a vida, ocorre nos primeiros 20 anos, portanto, quanto mais cedo começar a se proteger do sol, melhor. Os efeitos da radiação solar ultravioleta (UV), em geral, só se manifestam com o passar do tempo, pois vão se acumulando no organismo. As lesões começam a aparecer, na maioria das vezes, por volta dos 40 anos de idade. Por isso, proteja as crianças e estimule os adolescentes a se protegerem.

O diagnóstico precoce é muito importante para se obter à cura. O câncer de pele pode e deve ser tratado. A grande maioria dos cânceres de pele localiza-se na face logo, proteja-a sempre. Procure um médico dermatologista se existem manchas na sua pele que estão se modificando, formam "cascas" na superfície, sangram com facilidade; feridas que não cicatrizam ou lesões de crescimento progressivo.

O trabalho sob o sol requer o planejamento das atividades e a adoção das seguintes soluções:
■ Chapéu de palha: preferência com aba larga
■ Filtro solar (creme de proteção): com fator de proteção (alto valor) que abranja todos os tipos de pele
■ Roupas leves: cor branca e tecido de algodão
■ Água potável em abundância
■ Alimentação leve e balanceada
■Pausas freqüentes e sob a sombra
■ Programar atividades noturnas, quando possível

Fonte: Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@5:55 AM