Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

terça-feira, março 15, 2016

Controle de Riscos:O que é Gerenciamento de Mudanças (MOC)?

■ Processo que assegure a revisão das mudanças planejadas para garantir que não introduzam novos riscos ou aumentem o risco dos perigos existentes;
■ Mudanças podem envolver equipamentos, procedimentos operacionais, processo, produtos, pessoas, gestão e divisão de responsabilidades;
■ As mudanças devem incluir a informação de todas as pessoas potencialmente impactadas pela mudança;
■ As mudanças incluem revisões de procedimentos operacionais, o conhecimento do processo, e outros elementos de segurança de processo envolvidos pela mudança.
■ Uma instalação em situação segura pode rapidamente tornar-se insegura devido a mudança simples em premissa de projeto, operação, produto, controle, operação e gerenciamento;
■ Gerenciamento de mudança proporciona a oportunidade de identificar o impacto das mudanças e implementar as medidas necessárias para manter ou melhorar a segurança;
■ Até mudanças destinadas a melhorar um aspecto da segurança pode ter condições/impactos que comprometam outras salvaguardas.
■ Existência de uma política e procedimento de MOC escrito
■ Incluindo a definição de "reposição do mesmo tipo", o que não estaria sujeito a MOC
■ Mudanças de maior criticidade em qualquer processo ou produtos perigosos exigem uma revisão de MOC mais formal e em maior profundidade, através de
um grupo revisor com maior experiência em MOC;
■ O MOC deve ser concebido para abranger qualquer fonte de mudança, e pessoal associado, deve ser lembrado com freqüência sobre a importância do processo de MOC;
■ Instalações com alta frequência de mudanças podem necessitar de pessoas dedicadas para assegurar os processos de gerenciamento de mudanças;
■ Programa MOC deve ser implementado de forma conscistente em todas as operações, processos e funções;
■ Processo de MOC deve ser executado por pessoas experientes e com competência em segurança de processo e no processo de MOC.
■ Os formulários formais de MOC devem coletar: Informações suficientes para permitir uma avaliação MOC adequada com os dados sobre o tipo da mudança, equipamentos e processos impactados, etc... bem como os detalhes sobre a mudança, para posterior utilização na avaliação do processo de MOC.
■ Aplicação do rigor e disciplina necessária, a fim de não permitir que a impaciência/pressa crie atalhos nas análises necessárias;
■ Definir pessoas com experiência necessária para analisar os diferentes tipos de mudança e assegurar que estas pessoas possuam ferramentas necessárias para uma adequada avaliação da mudança;
■ Desenvolver métodos para assegurar a coerência entre os revisores;
■ Assegurar que as alterações aprovadas reflitam no aumento do conhecimento do processo e em outros aspectos do sistema de gestão de segurança de processo;
■ Comunicar as mudanças para todas as partes interessadas

As Mudanças de pessoas, instalações, produtos ou condições operacionais são gerenciadas e somente são efetivadas se as novas condições de risco forem iguais ou menores que as originais. O aprendizado obtido é internalizado na cultura organizacional tornando-se parte do trabalho diário.

TRATAR SINAIS DE ALERTA PODE SALVAR VIDAS!
NÃO TRATAR ESTES SINAIS ATESTA INEXISTÊNCIA DE PROCESSO GERENCIAMENTO DE MUDANÇAS
■ Frágeis processos de realização e gerenciamento de analises de risco;
■ Sistemas de Emergência e de segurança desativados;
■ Frágil processo de “follow up” de recomendações de análises de risco;
■ Gerenciamento de Mudanças utilizado apenas para mudanças de maior porte;
■ Mudanças tratadas de forma incompleta, mantendo “backlog” de ações;
■ Mudanças organizacionais não passando por processo de MOC;
■ Interrupções e Mudanças sendo realizadas frequentemente nas operações e planos
de operação;
■ Cultura de realizar as atividades da mesma forma, mesmo com mudanças (P, I, T);
■ Lideranças não apoiam processo de MOC , justificando outras causas;
■ Condições de projeto originais e desatualizadas utilizadas para tomadas de decisão;
■ Mudanças temporárias, tornam-se permanentes sem seguir um processo de MOC;
■ Instrumentos e barreiras de segurança em situação de “bypass”;
■ Baixa disciplina em seguir os critérios de aceitabilidade de riscos, caso existentes;
■ Inexistência ou baixa existência de profissionais de gerenciamento de riscos;
   
POR QUE GERENCIAR MUDANÇAS?

Histórico de acidentes
■ Os grandes acidentes ocorridos ao longo das últimas décadas nas Indústrias Química, Petroquímica e Nuclear mostram a necessidade de um tratamento sistêmico no gerenciamento de todas os processos que permeiam a organização.
■ Uma das lições aprendidas dos acidentes mostra que os processos de gerenciamento de mudança adotados eram falhos ou inexistentes.
80% dos grandes acidentes em indústrias de processo tem sua origem em modificações mal gerenciadas.
ATÉ A MAIOR DAS RELAÇÕES DE COMPROMISSO AO FALHAR NA GESTÃO DE MUDANÇA PODE CAUSAR UMA GRANDE PERDA!
FALHAS POR ESQUECIMENTO, DESCONHECIMENTO OU MENOSPREZO EM RELAÇÃO AO RISCO SÃO AS CAUSAS PRINCIPAIS DE ACIDENTES

ANÁLISE DE 500 ACIDENTES NAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS E PETROQUÍMICAS

80% dos acidentes foram causados por modificações feitas nas plantas.
Mudanças que causam Acidentes
1. Modificações em partidas.
2. Modificações simples.
3. Modificações feitas durante manutenções.
4. Modificações temporárias.
5. Modificações sancionadas por custo.
6. Modificações de processo.
7. Novas ferramentas.
8. Mudanças organizacionais.
9. Mudanças graduais (efeitos cumulativos).
10. Modificações encadeadas.
11. Modificações feitas para melhorar o meio ambiente.

COMO A EMPRESA BUSCA ASSEGURAR E APRIMORAR PADRÕES E O PROCESSO DE GERENCIAMENTO DE MUDANÇA


COMPROMISSO DAS LIDERANÇAS
■ Compromisso e liderança
■ Sinergia organizacional
■ Desenvolvimento comportamental

CONHECIMENTO DOS RISCOS E IMPACTOS
■ Padrões e procedimentos
■ Gerenciamento de fornecedores de serviços
■ Integridade das instalações e equipamentos
■ Gerenciamento de competências
■ Implantação e comissionamento de instalações e processos
■ Gerenciamento de produtos
■ Gerenciamento de mudanças
■ Preparação e atendimento á emergências

CONTROLE DOS RISCOS E IMPACTOS
■ Identificação e análise de risco e impactos em SSMA
■ Informações de produtos e processos
■ Comunicação e consulta eficaz

APRENDIZADO ORGANIZACIONAL
■ Tratamento de desvios e perdas
■ Verificação em SSMA



1-Objetivo
Assegurar que todas as mudanças nas instalações, na tecnologia, nos processos de trabalho e nas pessoas sejam realizadas de forma controlada de forma a manter os riscos ou impactos às pessoas, ao meio ambiente ou às instalações em níveis aceitáveis e de forma a promover a melhoria do desempenho em SSMA.

2- Requisitos quanto à abrangência
Toda mudança de pessoas, tecnologia, processos de trabalho ou instalações deve ser gerenciada. Toda alteração, mesmo que temporária, de qualquer requisito previamente estabelecido, deve ser entendida como uma mudança. Incluem-se entre mudanças a serem gerenciadas: modificação dos ativos; alteração feita em um equipamento ou instalação; mudança nas condições de processo, nas matérias-primas ou insumos utilizados, nos produtos produzidos, e na maneira de realizar uma tarefa ou operação.
Obs: Uma mudança será considerada temporária, caso ela perdure por até 90 dias.

QUANTO AO PLANEJAMENTO DA MUDANÇA
■ Toda mudança deve ser planejada, considerando, no mínimo: clara definição do objetivo da mudança, avaliação de riscos e impactos envolvidos, a interação com outras mudanças que estejam acontecendo ou em planejamento, sua documentação, sua comunicação, a qualificação dos envolvidos, o nível de aprovação, as etapas de verificação e a conclusão da mudança.
■ Toda mudança deve também ter como objetivo direto ou indireto a melhoria do desempenho em saúde, segurança e meio ambiente. Deve ser priorizado o uso de tecnologias consagradas, tecnologias mais limpas e de tecnologias ergonômicas e inerentemente seguras.

QUANTO À AVALIAÇÃO DE RISCOS E IMPACTOS EM SSMA
■ A execução de qualquer mudança deve ser precedida de adequada análise de riscos e impactos em Saúde, Segurança e Meio Ambiente. Recomendações devem ser definidas de forma a garantir que os riscos e impactos sejam considerados aceitáveis.
■ Deve ser considerada a necessidade de efetuar estudos de análise de riscos e impactos em fases intermediárias da mudança.

QUANTO AO NÍVEL ADEQUADO DE APROVAÇÃO
A implantação de qualquer mudança deve ser autorizada pelo nível adequado de liderança de acordo com o nível de risco e impacto associado.

QUANTO AOS DOCUMENTOS E REGISTROS
Todo o processo de mudança deve ser documentado. Todos os documentos afetados pelas mudanças devem ser revisados e atualizados.

QUANTO ÀS PESSOAS AFETADAS PELAS MUDANÇAS
■ Os líderes devem promover um processo de comunicação eficaz com todas as pessoas (integrantes ou parceiros) afetadas pela mudança.
■ Devem ser planejados e disponibilizados meios para consulta das informações, documentos e dos registros relativos às mudanças.
■ Todas as pessoas (integrantes ou parceiros) afetadas pelas mudanças devem ser qualificadas, habilitadas e ambientadas quanto aos novos métodos e/ou recursos de forma a manter os riscos e impactos à SSMA sob controle.

VERIFICAÇÃO
Toda mudança deve ser verificada antes de ser considerada concluída. A verificação deve contemplar, no mínimo: a implementação das recomendações dos estudos de riscos e impactos; a revisão dos documentos envolvidos e o nível de alcance dos objetivos (ou eficácia) da mudança. As verificações devem ser registradas.
Fonte: Engo Américo Diniz Carvalho Neto -Braskem

Marcadores:

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@3:00 AM