Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

quinta-feira, abril 16, 2015

Incêndio em depósito de açúcar em Santa Adélia

O fogo começou na manhã de sexta-feira, 25 de outubro de 2013 e ganhou grandes proporções e avançava rapidamente no porto seco de Santa Adélia, (371 km de São Paulo).
Segundo os Bombeiros, o açúcar é um material altamente combustível, por isso as chamas se espalham tão rapidamente. Bombeiros de Catanduva (SP) e de São José do Rio Preto (SP) trabalham até o momento no combate ao fogo.

O FOGO  CONSUMIU TODO AÇÚCAR
O fogo consumiu tudo o que havia no galpão e cerca de 30 mil toneladas de açúcar foram queimados.



EVACUAÇÃO
Por questão de segurança, moradores tiveram que sair de casa. As ruas próximas ao local foram interditadas porque há riscos de explosões. Algumas casas foram interditadas. No início da noite, a área que estava isolada foi liberada e moradores vizinhos puderam voltar paras casas.

CONTROLE DO INCÊNDIO
Bombeiros trabalharam durante 10 horas para que o incêndio não atingisse outros galpões. O fogo foi controlado, mas ainda há chamas e risco de desabamento. Os bombeiros temiam que o fogo chegasse ao galpão vizinho, onde a capacidade de armazenamento é ainda maior, para 40 mil toneladas.
Caminhões-pipa de usinas da região e o helicóptero Águia da Polícia Militar ajudaram a controlar o incêndio.

LINHA FÉRREA
A linha férrea, que passa ao lado do depósito foi interditada e durante todo o dia, nenhum trem passou pelo local. O porto seco de Santa Adélia armazena 17% do açúcar produzido no estado de São Paulo.
O produto estocado vem de usinas da região noroeste paulista, depois é transportado de trem até o porto de Santos (SP), onde segue para exportação.
Caminhões carregados que iriam entregar a mercadoria nos barracões ficaram parados.

VÍTIMAS
Apesar da proporção do incêndio, ninguém ficou ferido.

CAUSA PROVÁVEL
A empresa divulgou uma nota informando que o fogo começou em uma esteira de carregamento. 

MONITORAMENTO
Equipes do Corpo de Bombeiros continuaram no sábado, 26 de outubro, a monitorar o fogo, pois ainda há chamas e risco de desabamento. Não há previsão de término para o trabalho de combate as chamas. A intenção dos bombeiros é esperar que o restante do açúcar seja consumido.

DERRETIMENTO DO AÇÚCAR
O problema maior agora é com derretimento do açúcar queimado, que formou um líquido pastoso, caramelo,  e em alta temperatura está transbordando e já chega a invadir algumas ruas próximas ao depósito e ameaça as residências vizinhas.


DIQUES DE CONTENÇÃO 
O fogo já dura mais de 70 horas e os bombeiros construíram diques de contenção para evitar o fluxo de caramelo derretido atinja as residências.
Foram construídos quatro diques, dois ao lado do armazém e outros dois fora da empresa, em um terreno vazio, cada um com capacidade para mil litros. Sem parar, caminhões-tanque sugam o líquido dos diques, que depois é transportado até a área de uma usina de cana-de-açúcar. Os caminhões têm capacidade para 30 mil litros. As galerias pluviais das ruas próximas ao armazém foram fechadas para evitar que o melado siga até o rio.

O AÇÚCAR DERRETIDO ATINGE O RIO SÃO DOMINGOS
O açúcar derretido vazou por cima do muro do armazém e chegou às ruas e nos bueiros próximos ao local, indo parar no rio São Domingos.
Segundo avaliação dos  técnicos da Cetesb, já existe a contaminação da água por causa do “caramelo” que foi parar no rio. “O açúcar derretido já atingiu o rio São Domingos e o oxigênio da água próximo a Santa Adélia está a 0% e existem alguns peixes mortos”, afirma José Mário Ferreira de Andrade, engenheiro da Cetesb.

A Cetesb deve continuar nesta segunda-feira (28) avaliando a contaminação do rio São Domingos. Segundo Andrade, na região de Pindorama (SP), por exemplo, o rio ainda não tinha sido afetado pelo açúcar. “A situação ainda pode piorar, conforme o açúcar avance, mas vamos continuar avaliando a situação”, diz.

RIO SÃO DOMINGOS
O rio São Domingos nasce em Santa Adélia e deságua no rio Turvo. Tem 70 quilômetros que passam por Pindorama, Catanduva, Catiguá, Tabapuã e Uchoa, todos municípios da região de São José do Rio Preto (438 km de São Paulo). O rio não é usado para abastecimento público nessas cidades.

VIZINHANÇA
Os moradores estão preocupados com o açúcar derretido que já está vazando para as ruas próximas ao galpão. É tanto açúcar que já atingiu toda a altura de um muro e começou a escorrer para o lado de fora. 
Segundo a assessoria de imprensa do porto seco de Santa Adélia, quatro famílias foram retiradas de suas casas e levadas para um hotel ou casa de parentes, onde recebem assistência. Há riscos do muro se romper com a pressão do açúcar derretido e invadir as casas.

CASAS INVADIDAS
Seis residências foram invadidas pelo açúcar derretido. “Minha casa está toda melada, e olha que nem foi uma das mais atingidas, mas o chão está grudando todo. Estou preocupado com bichos que possam aparecer depois disso e também com os riscos ambientais no local”, comentou o vendedor Isaias José dos Santos, que mora no local há 5 anos. 
Segundo ele, a empresa se comprometeu a limpar as casas após conter o incêndio. A cachoeira, que escorre há mais de 80 horas, continua a jorrar açúcar queimado. Uma barreira de terra foi montada para impedir o avanço do líquido, mas a força do açúcar derretido e a temperatura alta, que segundo os policiais pode estar a 100 graus, ameaçam derrubar um dos muros do armazém que ajuda a conter o produto. “Nunca vi uma enxurrada de melaço na vida, nem pensaria que isso aconteceria. Eu só pude ir à minha casa retirar pertences pessoais acompanhado de policiais. Está um caos”, comentou Isaias, que está em um hotel custeado pela empresa.

O aposentado Ouvides Rossi, também teve a casa atingida pelo melaço. “Moro há 35 anos ao lado dessa empresa e nunca imaginei que isso um dia fosse acontecer, é incrível. Primeiro tive muitos problemas com a poeira do açúcar que saia da empresa, mas nem imaginei que pudesse piorar. Agora isso? Espero que a empresa resolva este problema pois minha casa ficou toda suja, além dos riscos desse material quente que poderia me atingir”, comentou o aposentado, que também está em um hotel aguardando liberação.

O FOGO FOI CONTROLADO
Depois de cinco dias de trabalho, bombeiros conseguiram controlar, na madrugada de quarta feira, 30 de outubro, o incêndio. O combate às chamas foi demorado porque a temperatura no galpão impedia o acesso dos bombeiros.

LIMPEZA
Máquinas da Agrovia, Prefeitura de Santa Adélia e América Latina Logística (ALL)  trabalham para retirar mais de 300 toneladas de material das ruas e das casas, cujas famílias foram levadas para hotel.

DANOS AMBIENTAIS
O incêndio causou a morte de milhares de peixes em rios que cortam a cidade. A Cetesb já confirmou a contaminação do rio São Domingos, que corta outros cinco municípios da região.
Apesar do caramelo que se forma com o açúcar queimado, não ser tóxico, ele provoca diminuição no oxigênio e pode haver mortandade de peixe.
Os peixes apareceram mortos a cerca de sete quilômetros do local do acidente.  Pelos menos 50 km de rio foram atingidos pelo caramelo,  disse a Polícia Ambiental.
Por enquanto, tanto a Cetesb, quanto a Polícia Ambiental, estão tomando medidas emergências, que abrange a criação de cinco barreiras tapando os bueiros e criando contenções para escoamento do caramelo. Pelos próximos 15 dias serão feitos apenas laudos de medição para dimensionar o prejuízo ambiental. ZR

PREJUÍZO
Pelo preço do produto no mercado internacional, a perda só com o açúcar queimado é de cerca de US$ 11,4 milhões, segundo estimativas de especialistas.

MULTA DE DANO AMBIENTAL

Mapa: Trajeto da contaminação
Traço verde – rio São Domingos
Traço azul-piscina- rio Turvo
Circulo em azul – Cidades afetadas


Incêndio que durou cinco dias e derreteu 30 mil toneladas de açúcar em Santa Adélia (SP) foi considerado o maior desastre da história nos mananciais de São Paulo
A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) multou em R$ 15 milhões a Agrovia Brasil pelos danos ambientais provocados pelo incêndio. O acidente foi considerado pela Polícia Ambiental "o maior desastre registrado nos mananciais do Estado de São Paulo até hoje".
A Agrovia informou que vai recorrer da multa. 
Segundo nota divulgada pela Cetesb, a companhia de saneamento ambiental do Estado, entre 200 a 300 toneladas de açúcar derretido podem ter sido escoadas também para o leito do rio que nasce em Santa Adélia, e corta os municípios de Pindorama, Catanduva, Catiguá e Uchoa, até chegar ao Rio Turvo. A Cetesb informou que recebeu denúncias da ocorrência de "uma mortandade de peixes" em Catanduva.
O caramelo não é tóxico mas, em função da grande quantidade e da carga orgânica que contém, há diminuição do oxigênio dissolvido na água, o que pode causar a morte de peixes.

MORTANDADE DE PEIXES NO RIO SÃO DOMINGOS
A Cetesb e a Polícia Militar Ambiental estimam que ao menos duas toneladas de peixes já morreram. 
A mortandade de peixes no rio São Domingos  preocupa a Polícia Ambiental.  O caramelo já contaminou os trechos de rio que passam por Santa Adélia, Pindorama (SP), Catanduva (SP), Catiguá (SP) e Uchoa (SP) e ainda não chegou ao rio Turvo, mas isso deve acontecer nos próximos dias.
A Polícia Ambiental e a Cetesb continuam monitorando a situação e recolhendo os peixes mortos. Aqueles que estiverem com dificuldade de oxigênio serão retirados, colocados num tanque e levados para um trecho de rio mais limpo.
Antes das medidas de contenção, toneladas de caramelo atingiram  nascente do rio São Domingos que corta cinco cidades da região. O estrago foi grande.  A mancha de poluentes continua avançando e se encontra bem próxima ao rio Turvo, no município de Uchoa (SP), situação que preocupa bastante os órgãos ambientais.
De acordo com o engenheiro da Cetesb José Mario de Andrade, assim que o Rio Turvo for atingido pelo caramelo (açúcar derretido), irá ocorrer uma mortandade de peixes mais intensa do que a que aconteceu em Santa Adélia. “O Rio Turvo tem muito mais peixes do que o São Domingos.  Uma vez atingido, não há o que fazer. O açúcar é um material totalmente solúvel em água, e assim que ele atinge a água, ele vai servir de alimentos para as bactérias. Dessa forma haverá crescimento   muito grande dessas bactérias, que por sua vez, esgotarão todo o oxigênio dissolvido da água do rio e consequentemente os peixes morrerão, explica o engenheiro.

RETIRADA DE PEIXES
Já foram retiradas mais de cinco toneladas de peixes dos rios Turvo e São Domingos no trabalho realizado pela Polícia Ambiental e Cetesb para evitar mais mortes.
O prejuízo ambiental pode ser ainda maior, já que é época de piracema, período de reprodução dos peixes. 

CONTAMINAÇÃO AO RIO TURVO
A contaminação do açúcar derretido chegou ao rio Turvo no sábado, 02 de novembro. A mancha de poluentes não pára de avançar e também já começaram a aparecer peixes mortos. Técnicos da companhia ambiental e policiais ambientais fizeram avaliação no local, que passa por Olímpia (SP).
Fontes: G1, 25 de outubro a 01 de novembro de 2013, Valor - 29/10/2013, Estadão - 29 Outubro e 13 Dezembro 2013 e Folha de São Paulo e UOL - 28/10/2013 

Comentário: O açúcar é o produto granulado de cana-de-açúcar processado. Ele não queimará ou pegará fogo em contato direto  com uma chama. O açúcar vai derreter lentamente sob calor constante, transformando, eventualmente, em caramelo e, por fim, em carbono negro  na sua fase final. No entanto, se a cinza é colocada diretamente sobre o açúcar e uma chama  for aplicada , o açúcar  pegará fogo e derreterá diretamente em carbono.
  
Área da superfície
Açúcar tem uma grande área de superfície. Em um cubo de açúcar, milhares de grânulos individuais são comprimidos. Como resultado, um cubo de açúcar não responderá rapidamente ao calor e não pegará fogo. O tempo que leva para o açúcar para responder à chama direta é muito grande para um fogo se inflamar. Fonte: Why Does Sugar Burn When You Put Ashes on It? Kristin Jennifer

Consequências  para a região
- O rio São Domingos recebeu 4 milhões de litros de água residual do incêndio
- População da área atingida: 179 mil
- Cidades atingidas pelo melaço: Santa Adélia/Pindorama/Catiguá/Uchoa/Catanduva/Tabapuã
- Tempo sem oxigênio na água: 48 horas
- Extensão do dano: 80 quilômetros
- Poluição no rio São Domingos é equivalente ao despejo de esgoto in natura de uma população de 4 milhões de habitantes, ou seja, 10 vezes toda a população de Rio Preto.
- Seis espécies de peixes foram dizimados do rio
- É o segundo maior desastre natural em rios no interior do Estado.

Um ano depois – 25/10/2014- A maior tragédia ambiental da região noroeste continua sem punição. O desastre derramou 4  milhões de litros de água residual do incêndio e 1,5 tonelada de açúcar queimado nos rios São Domingos e Turvo, matando 138 mil peixes de várias espécies, equivalentes a 13 toneladas. A Agrovia Brasil, empresa de logística de açúcar responsável pela ocorrência, ainda não pagou a multa aplicada pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) no valor de R$ 15 milhões, pelos danos causados.
A massa de poluente atingiu 296 quilômetros de extensão do curso das águas afetando diretamente moradores e pescadores de cinco cidades (Santa Adélia, Catanduva, Pindorama, Ariranha e Nova Granada.). Por onde a mancha de 15 quilômetros de extensão avançava todos os peixes morriam por falta de oxigênio. Além de não ter pago a multa arbitrada pela Cetesb, a empresa também não realizou estudo de recuperação da qualidade da água. 

Marcadores: ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@10:47 AM