Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

quinta-feira, janeiro 16, 2014

Raio mata mulher na praia em Guarujá

A turista de Ribeirão Pires (SP), Rosângela, chamava o filho de 11 anos e os sobrinhos, que tomavam banho de mar, quando foi atingida por um raio e morreu, na tarde de segunda-feira (13 de janeiro), na Praia da Enseada, em Guarujá.
 Na foto 1, ainda na faixa de areia, a vítima observa as crianças na água. A foto 2 mostra Rosângela já no mar, de braços abertos. O raio atinge a mulher, na foto 3, atrás do veículo branco. Na foto 4, familiares fazem o resgate, retirando-a da água. O momento do acidente foi flagrado pelo repórter-fotográfico de A Tribuna, Rogério Soares

De acordo com o marido da vítima, LLS, 13 integrantes da família chegaram à praia às 12 horas e, por volta das 15 horas, uma tempestade começou a se aproximar. Resolvemos ir embora. Estávamos guardando as coisas, quando ela  foi chamar as crianças e recebeu a descarga. Eu recebi um choque também, mas Rosângela ficou caída, diz o marido, que estava fora d'água.
Segundo o irmão da vítima,  outra irmã também foi atingida pela descarga elétrica. Ela chegou a ficar com um hematoma no olho'.

RESGATE
Ao ser atingida pelo raio, ela foi automaticamente resgatada pelo grupo, que teve o reforço de outras pessoas que estavam na praia. Durante aproximadamente dois minutos eles tentaram fazer massagem cardíaca, mas sem sucesso.

Rosangela foi colocada no veículo que estava estacionado na areia e levada para o Posto 11, do Corpo de Bombeiros, que fica 50 m  distante do local da ocorrência, no canto do Tortuga.

HOSPITAL
Os guarda-vidas, que estavam abrigados naquele momento atendendo a um alerta do Grupamento de Bombeiros Marítimos (GBMar), viram o carro se aproximando e ajudaram na tentativa de reanimação. Uma viatura foi chamada e a mulher imediatamente foi encaminhada à UPA Enseada, a unidade mais próxima de pronto-atendimento. Fonte: A Tribuna On-line- Terça-feira, 14 de Janeiro de 2014  

Comentário:
Quando um raio cai no mar, até onde vai a eletricidade?
Depende do raio. Estima-se que uma descarga de 50 mil ampères, por exemplo, já seja inofensiva a um banhista a 125 m do ponto de incidência. A intensidade da corrente diminui segundo o inverso do quadrado da distância. Logo, com o dobro da distância, cai para 1/4. Com o triplo, baixa para 1/9. E assim por diante. Por isso que, quando um raio cai em Copacabana, alguém em Ipanema não morre eletrocutado. O raio se comporta da mesma maneira no mar ou na terra. A diferença é que, como a corrente sempre procura se concentrar no meio mais condutor, no mar aberto ela se divide igualmente entre o nosso corpo e a água. Já em terra firme, ela sempre se concentra no nosso corpo - e aí os danos são maiores.

Confira as consequências de um raio de 50 mil ampères a diferentes distâncias

Morte certa
Uma pessoa nadando a até 50 m do ponto de incidência da descarga elétrica sofreria um choque de mais de 300 mA (miliampère). Resultado: um ataque cardíaco fulminante

Chance de sobrevivência
Entre 50 m e 85 m, a descarga elétrica diminui, podendo variar entre 300 e 100 mA. O nadador sofreria queimaduras, asfixia e, em alguns casos, uma parada cardíaca, mas poderia se salvar

Risco reduzido
Entre 85 m e 125 m, a intensidade fica entre 100 e 50 mA. Não é suficiente para matar ninguém, mas apenas porque a descarga elétrica de um raio dura pouco - cerca de um milésimo de segundo. Uma descarga mais duradoura nessa mesma intensidade, como no choque de um chuveiro, poderia, sim, matar

São e salvo
Acima dos 125 m de onde o raio caiu, uma pessoa no mar receberia uma descarga elétrica de menos de 50 mA. Ela sentiria o formigamento típico, mas sem riscos

Atenção! Esses valores são só representativos. Durante uma chuva com raios, sempre saia da água e procure um local seguro
• Raio é a descarga elétrica atmosférica. Relâmpago é a luz e trovão é o som causados pela ionização do ar e o choque com as cargas elétricas das nuvens. Fonte: Mundo Estranho

Como saber se o raio “caiu” perto?
A luz produzida pelo raio chega quase que instantaneamente na vista de quem o observa. Já o som (trovão) demora um bom tempo, pois a sua velocidade é menor. Para obter a distância aproximada em quilômetros, basta contar o tempo (em segundos) entre o momento que se vê o raio e se escuta o trovão e dividir por três. Fonte: INPE – Instituto Nacional de Pesquisa Espacial

Um raio pode atingir diretamente uma pessoa?
A chance de uma pessoa ser atingida diretamente por um raio é muito baixa, sendo em média menor do que um para um milhão. Contudo, se a pessoa estiver numa área descampada em baixo de uma tempestade forte esta chance pode aumentar em até um para mil. Entretanto, não é a incidência direta do raio a maior causadora de mortes e ferimentos. Geralmente isso acontece por efeitos indiretos associados a incidências próximas ou efeitos secundários dos raios. As descargas também provocam incêndios ou queda de linhas de energia, o que pode atingir uma pessoa. Fonte: INPE – Instituto Nacional de Pesquisa Espacial

Nos Estados Unidos há uma variedade de detectores e alertas de raios portáteis, do mais complexo ao mais simples.

Marcadores: ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@2:10 PM