Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

domingo, outubro 07, 2012

Iluminação ecológica: Lâmpada de Moser

Em Uberaba, Minas Gerais, o mecânico Alfredo Moser deu às garrafas PET um novo uso: a de lâmpada/luminária. Fixando as garrafas cheias de uma mistura de água e água sanitária, em um telhado, o mecânico conseguiu resultados impressionantes: as garrafas alcançaram uma intensidade luminosa equivalente a uma lâmpada de 60W através da refração da luz solar em seu interior.
Soluções como esta se mostram interessantes pelo fato de fazer uso de um material não-biodegradável e que é lançado em aterros sanitários em enormes quantidades. Além disso, tais inovações, investigadas e desenvolvidas adequadamente, podem levar a um protótipo que, futuramente, pode ser produzido em escala industrial e utilizado na construção civil.

METODOLOGIA:
Os estudos desta pesquisa se apoiaram, em um primeiro momento, nos conceitos de Refração da Luz, mostrando a importância dada para a trajetória da luz quando ela muda do meio ambiente para um material refringente (ar – polietileno tereftalato – água); em seguida foram aplicadas as leis da refração, que permitiram iniciar os estudos volumétricos da “lâmpada de água”.
Em um segundo momento, estes estudos se estenderam para os limites da refração luminosa no interior da lâmpada e o inicio do fenômeno conhecido como reflexão total. Os ensaios envolveram capacidades volumétricas de garrafas diferentes, com a expectativa de se refinar, através de medições com aparelhos luxímetro e coleta de dados, formatos e até mesmo colorações que apresentem a maior capacidade para se tornarem lâmpadas.

ESCOLHA DA MELHOR GARRAFA
Foi produzida uma tabela que compara a eficácia entre diferentes volumetrias de garrafas PET (600ml, 1,5 e 2 litros); demonstrando a quantidade de LUX emitidos por cada garrafa em horários e condições climáticas específicas (dia ensolarado e nublado; medições das 8:00-10:00 e das 14:00-16:00). Afere-se desta tabela que as lâmpadas de água podem ser aplicadas na construção civil com maior eficiência em países que apresentam, na maior parte do ano, clima ensolarado, uma vez que elas dependem da incidência de luz direta para refracionar os raios solares. Outra evidência é a relação da volumetria da garrafa PET com a proporção de LUX medidos; quanto maior sua volumetria, maior sua superfície exposta e, logo, maior a quantidade de luz refletida. Pode-se destacar também que as garrafas transparentes são, aproximadamente, 20% mais eficazes que as garrafas com mesmo volume, mas de coloração esverdeada.
Fonte: Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência

Marcadores: ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@4:14 PM