Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

quinta-feira, abril 14, 2011

Destroços flutuante do tsunami japonês a caminho do Alasca

Uma massa de destroços boiando - os fragmentos quebrados levado para o mar pelo tsunami que varreu 466 quilômetros quadrados de terra no norte do Japão em 11 de março - já começou a movimentar-se em câmera lenta através do Oceano Pacífico para o Alasca.
Foto: Marinha dos EUA

Durante a Conferência Internacional sobre Lixo Marinho, os cientistas havaianos revelaram através da simulação de um modelo computacional que essa massa de destroços atingirá as praias sudeste e outras zonas da costa oeste.

"Essa mancha de destroços atingirá a costa oeste dos EUA, o despejo de detritos atingirá nas praias da Califórnia e as praias de British Columbia, no Alasca, e na Baixa Califórnia", previu o Maximenko Nikolai e Jan Hafner do Pacific International Research Center, da Universidade do Havaí em Manoa, nesse estudo.

Mas isso é só o começo.

Até o final de 2014, o principal avanço será nas águas centro-sul, entregando um lixo de alto mar, que talvez inclua: pneus, utensílios domésticos e pessoais, brinquedos, calçados, fragmentos de construção, fragmentos de plástico vinil, pedaços de madeira, embarcadouros, cordas, bóias e outros destroços do trágico da pior catástrofe do Japão desde a Segunda Guerra Mundial.

Foto: Vista aérea de detritos, Marinha dos EUA
O que não leva a terra mergulha no abismo, ou ser engolido pelo mar que continuará circulando no oceano profundo em giro perpétuo, criado pelo ser humano, conhecido como a Grande Mancha de Lixo do Pacífico.

Embora alguns dos destroços atingirá as terras do Havaí no prazo de 18 meses em sua primeira passagem através do oceano, muito mais encalharão ao longo dos anos como um redemoinho que traz os detritos em círculos vai e volta.

Ele se move para o leste, ao norte do Havaí e se move em direção à mancha de lixo do Pacífico e lá permanece e, eventualmente, parte do lixo atingirá às costas do Havaí.

Dentro de cinco a seis anos, uma enorme massa de destroços que se originou da destruição do tsunami no Japão sujará as praias e recifes da região leste do Pacífico Norte, aumentando o problema do lixo e matando a vida marinha, disse Maximenko e Hafner na Quinta Conferência Internacional de Lixo Marinho.

Foto: A figura mostra o provável caminho  dos destroços que foi levado pelo mar em 11 de março de 2011
Até então, muito do que terá sido reduzida a fragmentos minúsculos, que os cientistas chamam de "micro-plástico," bits inorgânicos que podem ser facilmente ingeridas por vida marinha e pode acabar na cadeia alimentar humana, com conseqüências para a saúde desconhecida. Mas Maimenko avisou que pode haver outras incidências.

"Quem sabe, talvez veremos vômitos radioativos de reatores nucleares", disse Maimenko. "Não é entulho, mas é conduzido pelas correntes do lixo marinho."

Enquanto maioria do lixo marinho foi causada por práticas descuidadas da indústria e derrames de navios, este material foi lançado e gerado pelo quarto maior terremoto da história, com o que poderá em breve tornar-se a tragédia natural mais cara da história.  Fonte: Alaska Dispatch-Apr 10, 2011

Vídeo:

Marcadores: , ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@4:53 PM