Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

quinta-feira, janeiro 27, 2011

Balanço parcial de vítimas em decorrência das chuvas na Região Serrana

O número de mortes na Região Serrana do Rio chegou a 838 na quarta-feira, 26 de janeiro.

MORTES
■ 398 mortos em Friburgo,
■ 344 em Teresópolis,
■ 67 em Petrópolis,
■ 22 em Sumidouro,
■ 06 em São José do Vale do Rio Preto e
■ 01 Bom Jardim.

DESAPARECIDOS
O número de desaparecidos de acordo com balanço do Ministério Público do Rio de Janeiro, o número chegou a 541 em toda a Região Serrana.
■ Teresópolis, com 244,
■ Nova Friburgo, com 185, desaparecidos,
■ Petrópolis (65),
■ localidades não informadas (38),
■ Sumidouro (4),
■ Bom Jardim (2),
■ São José do Vale do Rio Preto (2), e
■ Cordeiro (1).
Observação: são constantemente atualizados a partir de informações registradas por parentes e amigos.

DESALOJADOS E DESABRIGADOS
Segundo a Defesa Civil, mais de 20 mil pessoas estão desalojadas e desabrigadas em sete municípios da região.
■ Petrópolis são 3.600 desabrigados, e 2.800 desalojados.
■ Teresópolis, 960 desalojados, e 1.280 desabrigados,
■ Nova Friburgo 3.220 desalojados, e 1.970 desabrigados,
■ Bom jardim 632 desalojados, e 142 desabrigados,
■ São José do Vale do Rio Preto 3.020 desabrigados e desalojados,
■ Areal 1.480 desabrigados e 130 desalojados.
■ Sumidouro são 200 desabrigados.
Ao todo, 72.355 pessoas foram afetadas pelas chuvas.

Fonte: Globo Online - 26/01/2011



Foto: Teresópolis - Nota-se pela foto a ocupação da encosta do morro com declividade de 30 a 45 graus.
Não deveria ser permitida essa ocupação.







Vídeo:
Teresopolis



Vídeo
Deslizamento no centro da cidade de Nova Friburgo. Seis deslizamentos ocorridos no mesmo morro. O vídeo consegue filmar dois, sendo o último mais grave. Nota-se no vídeo construções na encosta, não deveria ser permitido.


Comentário:

O número de vitimas fatais, já ultrapassou ao número de vítimas do terremoto do Chile do ano passado.

A região serrana possui uma população numerosa que a própria topografia da região não permite. Toda região podemos considerar como área de risco. Algumas sujeitas a deslizamento de terra e outras sujeitas a inundação. A cidade expandiu ao longo do rio Bengalas, que fica no fundo do vale, recebendo excesso de chuva das cadeias de montanhas que circundam a cidade, e dos morros que se situam na cidade. Como exemplo da expansão da cidade e degradação ambiental, voltamos a época de sua colonização.
Nova Friburgo foi inicialmente colonizada por 261 famílias suíças entre 1819-1820, totalizando 1.682 imigrantes. Já naquela época a região chovia bastante.

O rio São João das Bengalas, formado pela confluência dos rios Cônego e Santo Antonio que se encontram no rio Grande e deságua no Paraíba do Sul. Nova Friburgo sempre padeceu com as enchentes do velho Rio Bengalas, desde a instalação da vila em 1820, até os dias de hoje. Mas as civilizações sempre se formaram ao redor dos rios, devido atividade agrícola.
Quando instalou a vila de Nova Friburgo não se considerou que a sua proximidade com o rio acarretaria problemas de alagamento nas residências e logradouros com prejuízo material e à salubridade pública?





Foto - Avenida Galdino do Vale. 1940

O “tempo das grandes enchentes”, diziam os friburguenses, era como hoje, iniciando na primavera. Há registro de que choveu em Nova Friburgo ininterruptamente durante três meses consecutivos nessa época. Nova Friburgo possui extensa mata atlântica e daí o grande nível pluvial. Sempre foi uma constante na estação das chuvas as enchentes do Bengalas inundarem suas imediações, entrando nas casas, destruindo pontes e os precários caminhos. Dificultava o trabalho dos tropeiros causando-lhes perda de cargas e até de animais. Fonte: História e Memória de Nova Friburgo.

Em 1835, a população de Nova Friburgo era de quase 5.000 habitantes. Em 1850 a população era de quase 7.000 habitantes. Em 1856 era de quase 11.000 habitantes. Em 1872, a população de Nova Friburgo atinge 20.656 habitantes.

Foto-enchente na rua Francisco Miele em 02 de janeiro de 1938.

Em 1960, Nova Friburgo tinha uma população de 70.145, conforme lista de cidades do IBGE da época. Em 2010, com 182.016 habitantes, a população é 9 vezes a população de 1872 ou 2,6 vezes a população em relação a de 1960. Para assentar essa população houve desmatamento e ocupação das encostas que circundam a cidade,

A cidade de Petrópolis tinha em 1960, 150.300 habitantes, hoje, tem 296. 044, quase dobrou.
A cidade de Teresópolis tinha em 1960, 52.318 habitantes, hoje, tem 163.805, quase triplicou.

A região praticamente em 50 anos triplicou a população num espaço territorial definido pelas cadeias de montanhas e rios. Aumento da população numa região que chove muito devido a mata atlântica, a potencialidade de ocorrência de desastre natural é elevado.

Foto - Nova Friburgo - pontos em amarelo - deslizamentos - verde - rio

O histórico de chuvas é real e registrado no século passado. Não existe influência climática na região para o desastre ocorrido e sim áreas que eram cobertas por florestas ao longo do século foram sendo desmatadas e os rios foram perdendo suas matas ciliares, retificados, canalizados, para o desenvolvimento humano sem levar em conta o planejamento urbano com a potencialidade existente de riscos (inundação, deslizamento , tromba d´água) pela característica topográfica da região.

Construir nas encostas, no sopé, é suicídio urbano. Alguns moradores disseram que nunca tinham visto esse tipo de magnitude de desastre, moravam na região há quase 50 anos. O que é 50 anos para natureza, quase nada? O acumulo de tensões que a natureza absorve ou suporta vem desde a sua época de colonização (desmatamento) chegando ao limite de sua fadiga e água foi apenas o gatilho para provocar o desastre.

Marcadores: , ,

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@3:20 PM