Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

sábado, dezembro 11, 2010

Verão mais quente dos últimos anos

O clima quente e úmido, como o nosso, é considerado o pior do mundo por especialistas. Seres humanos podem mesmo viver com conforto num clima com temperatura maior que a do corpo, desde que seja seco. A umidade reduz a eficiência do nosso mecanismo natural de resfriamento, isto é, suar. Quanto mais úmido, pior a sensação de calor. Por exemplo, a umidade relativa do ar no Rio de Janeiro chegou a assustadores 70%. Se a umidade exceder 75%, escorre pelo corpo em grande quantidade e não evapora. Suar assim, só causa desidratação. O efeito refrescante é perdido.

A combinação de umidade elevada e calor extremo é opressiva. O clima quente e úmido é perigoso. É mais fácil sobreviver no frio.

A REAÇÃO DO ORGANISMO:
A temperatura normal do corpo humano é de 36,5 graus Celsius, mas algumas pessoas podem suportar uma queda de mais de 20 graus. Porém, um aumento da temperatura corporal de apenas cinco graus é, invariavelmente, fatal. Ambientes quentes e úmidos não só parecem terríveis, como são de fato perigosos.

O calor provoca vasodilatação, o que pode causar queda da pressão arterial e provocar mal-estar, sonolência e desânimo.

Quando a temperatura externa é superior à do corpo, o único meio de perder calor é suar. Temos cerca de 3 milhões de glândulas sudoríferas (metade na pele do tórax e das costas). A testa e a palma das mãos também têm grande concentração. As mulheres só produzem aproximadamente a metade do suor dos homens. Idosos correm mais risco porque suam menos.

As células do cérebro são extremamente sensíveis ao calor. Se a temperatura corporal chegar a 42 graus Celsius (a normal é de cerca de 36,5 C), elas começam a morrer.

EXERCÍCIOS:
Muito cuidado com exercícios físicos em dias quentes, eles podem aumentar em até cinco vezes a produção de calor.

Ao se exercitar no calor, a pessoa perde muita água, sais e minerais (eletrólitos) pelo excesso de suor. Com isso, fica exposta a câimbras já que a quantidade de eletrólitos se torna deficiente nos músculos.

ROUPAS:
Beber pouco líquido e usar roupas pesadas, como ternos, são outros fatores de risco. Roupas impermeáveis são perigosas porque impedem a transpiração. Prefira tecidos "respiráveis", como os de algodão e os de tecidos sintéticos modernos.

SAÚDE:
Drogas: Algumas causam hipertermia (aumento da temperatura corporal). A mais conhecida é o ecstasy.
Álcool e cafeína: Consumo excessivo de cafeína e álcool aumenta as chances de desidratação.

Brotoejas: São problemas comuns no calor. A causa é a inflamação das glândulas sudoríparas, que causa pequenas bolhas vermelhas. Afetam uma em cada três pessoas expostas a climas quentes.

Insolação: É uma emergência e se não tratada imediatamente pode ser letal ou causar danos cerebrais. A melhor maneira de tratar uma vítima de insolação é passar em seu corpo uma esponja com água morna. O resfriamento por evaporação baixa a temperatura da pele muito mais depressa do que a imersão numa banheira de água fria, já que o choque térmico causa constrição dos vasos e reduz a perda de calor. Nos casos graves deve-se aplicar compressas de gelo em locais em que grandes vasos sanguíneos estão perto da superfície da pele, como pescoço, axilas e virilha.

A insolação acontece quando o corpo não consegue mais deter a elevação da própria temperatura e esta ultrapassa 41 graus Celsius. Ela evolui depressa. Seus sintomas são dor de cabeça, pele seca e quente, avermelhamento do rosto, tonteira, perda de energia e irritabilidade. Quando o quadro se agrava, há confusão mental e perda de coordenação motora. A pessoa para de suar. Se a temperatura corporal ultrapassar 42 graus Celsius, a pessoa morre.

Inchaços: O calor pode provocar inchaços nas pernas e nas mãos.

Espasmos musculares: Também podem ser provocados pelo calor excessivo.

Desmaios: Uma pessoa com pressão baixa pode perder os sentidos porque o calor faz os vasos se dilatarem, desequilibrando o fluxo sanguíneo.

Remédios: Muitos remédios aumentam o risco do surgimento de doenças relacionadas ao calor. Alguns medicamentos reduzem o volume de sangue bombeado pelo coração e limita o fluxo sanguíneo à pele, de forma que o corpo perde parte da capacidade de se resfriar pelo suor. Outras drogas podem alterar a percepção de sede ou mesmo aumentar a produção de calor do corpo. Quem toma remédios regularmente, deve consultar o médico sobre os riscos de doenças relacionadas ao calor.

ANIMAIS DOMÉSTICOS:
Os cães ficam de língua de fora para acelerar a perda de calor. Eles arfam para refrescar as vias nasais.

Registro de calor extremo:
O recorde mundial de calor foi registrado em El Azizia, na Líbia: tórridos 58 graus Celsius, medidos à sombra, em 1992.

Fonte: Globo Online - 12 de janeiro de 2010

Vídeo:
Veja o que o calor do deserto pode causar no corpo humano

Marcadores:

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@5:42 AM