Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

quarta-feira, dezembro 22, 2010

Navio atingido por ondas gigantes

O navio de cruzeiro "Clelia II" foi atingido por ondas que chegaram a sete metros e partiram vidros na ponte. A embarcação sofreu pane elétrica e esteve várias horas à deriva no mar.

Os problemas para o navio "Clelia II" começaram ao largo do Arquipélago das Ilhas Shetland do Sul, cerca de 120 quilômetros a Norte da Península Antártica, depois de uma forte onda ter atingido e quebrado a janela da ponte de estibordo e desencadeado um problema no circuito elétrico do navio, que causou interrupção temporária no sistema de comunicações e no radar, que afetou o desempenho de um dos motores.
O navio Clelia II deveria permanecer quatro dias na Antártica, mas regressou ao porto de Ushuaia devido ao acidente.

ALERTA DE EMERGÊNCIA
O alerta foi acionado após ter partido da Península Antártica com destino a Ushuaia, Argentina.
O navio estava a nordeste da Ilhas Shetland do Sul e 845 quilômetros de Ushuaia. O navio da National Geographic Explorer que estava na área, ajudou o navio "Clelia II", transferindo equipamento de comunicação VHF.

VÍTIMAS
Nenhum dos passageiros ficou ferido e apenas um tripulante sofreu ferimentos ligeiros.

TESTEMUNHAS
A viagem de volta foi lenta, apenas cinco nós, e em "condições climáticas muito difíceis", disse um passageiro, o aposentado U. S. Marinho Denis Smyth. "Eu sou um homem do mar, mas era muito difícil. Havia dias em que muitas pessoas estavam demasiado doentes para comer", disse Smyth à Associated Press por telefone de Ushuaia.
Ele disse que uma enorme onda quebrou o trilho do suporte do vidro da ponte, que causou a entrada de água e provocou um curto-circuito nos sistemas de radar e de comunicações. "Quando o navio balançou, várias pessoas foram jogadas para o ar na sala."
Smyth disse: "A única preocupação que tive foi quando o navio perdeu as comunicações. O navio navegava praticamente à cegas..."

CHEGADA A USHUAIA
Às 21 horas (horário local) de segunda-feira, 11 de outubro, chegou ao porto de Ushuaia, Argentina o navio Clélia II. O navio ingressou à Baía de Ushuaia com menos de 48 horas de atraso de acordo com o cronograma original.

TRIPULAÇÃO E PASSAGEIROS
Tripulação com 77 pessoas e 88 passageiros..

Fontes: El Diário del Fin del Mundo- 10/12/2010, La Tercera - 10/12/2010, Jornal de Noticias – Portugal - 10 Dezembro 2010

Vídeo:


DETALHES DO NAVIO
Tipo de Navios: Passageiro
Ano de construção: 1990
Comprimento x largura: 88 m X 15 m
Porte Bruto: 2420 t
Velocidade registrada (Max/media): 13 / 9.9 nós
Calado: 4.5 m
O Clelia II é um navio de luxo que foi revisado em 2009 para chegar a Antártica. Possui 50 suítes com vista para o mar que têm um valor que varia entre US$ 8.000 e US$ 15.000 para estadias de dez dias.

ESTREITO DE DRAKE
O estreito de Drake é um local da junção do oceano Atlântico com o Pacífico. Esse estreito é um local onde as frentes frias passam com uma intensidade muito grande. E uma após a outra, com um intervalo muito pequeno. Por isso é uma região sempre muito conturbada. Está sempre com o mar revolto.
O estreito de Drake cuja largura é de cerca de 650 km, constitui a distância mais curta entre a Antártica e as outras terras do mundo. Considera-se às vezes que a fronteira entre os oceanos Atlântico e Pacífico seja a distância mais curta entre o Cabo Horn e Snow Island (a 260 km ao norte da parte continental da Antártica). Antigamente, a fronteira era situada sobre o meridiano que passa no Cabo Horn. As duas fronteiras situam-se inteiramente no estreito e Drake.
O estreito de Drake comporta somente as pequenas ilhas Diego Ramirez como terra, situadas a cerca de 50 km ao sul do Cabo Horn. Não existem outras terras na mesma latitude que o estreito de Drake, o que permite à corrente que dá a volta na Antártica circular livremente (seu fluxo é de cerca de 600 vezes o do rio Amazonas). Wikipédia

Marcadores:

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@10:20 AM