Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

sexta-feira, outubro 01, 2010

Jovem morre esmagado por máquina

Na manhã de terça-feira, 28 de setembro de 2010, um grave acidente de trabalho foi registrado em Santa Gertrudes. Segundo informações registradas em boletim de ocorrência, o técnico de segurança do trabalho da empresa declarou que o trabalhador Fabrício, 21 anos, atuava na função de preparador de máquina e, por volta das 7 horas, fazia a manutenção em um dos equipamentos, quando outra funcionária ligou a máquina e acabou prensando a vítima.

Ao perceber que havia uma pessoa lá dentro, a funcionária desligou o equipamento imediatamente.

VÍTIMA:
O trabalhador chegou a ser socorrido com vida no Pronto-Socorro Municipal de Santa Gertrudes e, devido aos graves ferimentos, veio a falecer por volta das 08h30.

EMPRESA
A assessoria de imprensa da Isoterm Indústria informou que o trabalhador participou de reuniões sobre segurança no trabalho e lamentou pelo acidente.

INQUÉRITO
O caso foi registrado na Polícia Civil como comunicação de óbito, e o delegado vai apurar as informações e colher dados para a investigação do caso.

Fonte: Jornal da Cidade – 29 de setembro de 2010

Comentário:
Incrível como pode acontecer um acidente fatal para um procedimento que deveria ser simples, mas se torna complexo por falha de segurança da empresa. Nenhum acidente resulta de uma só causa Na maioria das vezes há uma confluência de eventos e condições e nesse caso podemos supor:
■ Falha da organização (planejamento) para impor uma política de prevenção de acidentes
■ Falha de treinamento ou treinamento inadequado
■ Não houve identificação dos riscos possíveis do equipamento
■ Falta de procedimento/comunicação de riscos por escrito (falta de programa por escrito)
Podemos imaginar a pior condição: Um trabalhador fará um serviço em um local que não é visível para os demais trabalhadores, o que podemos fazer? O que podemos fazer para que o serviço seja feito de modo seguro?
Há procedimentos simples, que requer apenas bom senso, a utilização de um sinalizador óptico ou uma placa informando que o equipamento está em manutenção ou em operação de Setup.

Podemos implantar um programa mais complexo, os programas de bloqueio e etiqueta que são usados para proteger contra acidente pessoal, para proteção de equipamento contra danos e conservar o sistema da indústria. Estes programas são indicados para identifica, isolar e controlar fontes perigosas de energia e material que pode desfavoravelmente afetar a segurança pessoal durante a operação de equipamentos, manutenção ou modificações.

Deveríamos conscientizar os trabalhadores que quaisquer atividades, adotar o princípio de precaução que diz “quando uma atividade gera ameaça de dano ao ambiente e à saúde humana” avançamos com cuidado, como se o fracasso fosse possível, ou mesmo provável. Essa é a essência da prevenção. Se partirmos do principio que não poderia falhar não existiria prevenção?

É lamentável que um trabalhador de apenas 21 anos perder a vida durante a manutenção da máquina por acionamento indevido.

O que as normas ou leis
■ Art. 157 da CLT - Cabe às empresas:
I - cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho;
II - instruir os empregados, através de ordens de serviço, quanto às precauções a tomar no sentido de evitar acidentes do trabalho ou doenças ocupacionais;
III - adotar as medidas que lhes sejam determinadas pelo órgão regional competente;
IV - facilitar o exercício da fiscalização pela autoridade competente.
■ Art. 186 do Código Civil Brasileiro
Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito.
■ Art. 942 do Código Civil Brasileiro
Os bens do responsável pela ofensa ou violação do direito de outrem ficam sujeitos à reparação do dano causado; e, se a ofensa tiver mais de um autor, todos responderão solidariamente pela reparação.

O que diz a empresa, que o trabalhador participou de reuniões sobre segurança no trabalho e lamentou pelo acidente. Esse pretexto, que o trabalhador tinha noção de segurança faz parte da cultura das empresas, quanto ocorrem acidentes ou questionado sobre a política de segurança, tais como;
■ Nossas instalações são seguras.
■ Nunca tivemos acidente dessa natureza, antes.
■ O acidente foi uma fatalidade.
■ Não havia razão para acontecer o acidente, não sabemos o que o motivou.
■ O padrão de trabalho era seguro, o trabalhador o desobedeceu.
■ A segurança sempre foi prioritária na empresa.
■ Nunca faltaram recursos para a segurança.
■ Tudo o que for preciso para melhorar as condições de trabalho, faremos.
■ A culpa foi do trabalhador e do supervisor que não nos avisaram do risco.
■ A empresa sempre deu treinamento de segurança.
No Brasil discutimos em demasia às normas, detalhes das normas, damos pouca ênfase a política de prevenção de acidentes, como implantar a mentalidade prevencionista numa empresa, etc. Como se diz não dá para organizar a segurança num Manual de Instruções.

Marcadores:

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@10:41 AM