Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

domingo, agosto 29, 2010

Acidentes entre 46 veículos em Portugal

Dois acidentes envolvendo 46 veículos deixaram pelo menos cinco mortos e 72 feridos na rodovia A25, cerca de 250 km ao norte de Lisboa (Portugal) na segunda-feira à tarde, 16 h, 23 de agosto, no sentido Aveiro-Viseu e outro no sentido oposto.

CAUSA
Os acidentes ocorreram em meio a uma forte chuva e neblina, de acordo com autoridades portuguesas.

VEÍCULOS ENVOLVIDOS
Mais de 50 veículos envolvidos, sendo 12 veículos e dois caminhões pegaram fogo.

VITIMAS
Morreram 5 pessoas e feriram 73. De acordo com o Serviço de Proteção Civil, 24 feridos continuam em estado grave, internados em hospitais, alguns com sérias queimaduras.

EMERGÊNCIA
Segundo o Serviço de Proteção Civil, cerca de 200 homens de equipes de emergência trabalharam no local. A rodovia reabriu após a meia-noite.

Fonte: Correio da Manhã - 25 Agosto 2010

Vídeo: Simulação



Vídeo: Cenário



Comentário:
Quando você tem uma série de fatores tais como; pista molhada, neblina, falta de atenção, excesso de velocidade, tudo fica exatamente como o diabo gosta para provocar o desastre.
Existe extensa literatura internacional sobre o estudo do comportamento da fumaça e da neblina em estradas, principalmente nos Estados Unidos. Nos USA as principais Agencias Federais de Segurança, tais como; EPA (Environmental Protection Agency) e NTSB( National Transportation Safety Board), possuem normas e estudos para as condições mínimas de visibilidade, em que os responsáveis pela manutenção das estradas devem seguir.

O QUE DIZ A EPA, EM RELAÇÃO À NEBLINA
A distância aceitável de visibilidade é baseada no limite de velocidade e na característica da estrada (estrada separada por faixa ou estrada separada por canteiro central ou defensa). Os limites são obtidos através de uma fórmula que inclui o tempo de reação do indivíduo e a distância percorrida pelo carro (tempo de reação para parar)

Obs: Para estradas de mão única (separada por faixa de rolamento), o limite de visibilidade aceitável deverá ser dobrado, devido à colisão frontal. Um monitor de fumaça (equipamento de visibilidade) deverá monitorar a visibilidade em relação aos objetos de uma distância aparente (estudo das condições de visibilidade).
Fonte: Smoke management in prescribed burning-EPA

PROCEDIMENTOS PARA ATENUAÇÃO DAS SITUAÇÕES DE VISIBILIDADE
Considerando uma série de etapas para atenuar à redução da visibilidade quando a estrada está afetada pela neblina ou fumaça. As ações apresentadas em ordem decrescente de visibilidade, por exemplo à implementação da etapa 3, significa que as etapas 1 e 2 já foram executadas.
1 – Sinalizar a estrada, quando a visibilidade da estrada é o dobro ou menos da visibilidade mínima aceitável (VMA), por exemplo, a distância visual (campo visual do motorista) é reduzida para 65 m e a velocidade indicada é de 40 km (pela tabela é de 33 m).
2 – Reduzir a velocidade limite indicada, quando a visibilidade é o valor de VMA ou menos, por exemplo, a distancia visual é de 33m e a velocidade indicada é de 70 km (VMA, 86m), entretanto o limite de velocidade indicada deve ser reduzida para 40 km ou menos.
3 – Efetuar o comboio com carro líder (polícia), para tráfego parado por fechamento da estrada, quando a proporção de visibilidade atual para o VMA é a metade ou inferior, por exemplo, a distância visual é de 15 m e o limite de velocidade indicada é de 40 km, mas pela tabela do VMA a distância é de 33 m. No sistema Anchieta-Imigrantes, a polícia rodoviária utiliza desse método há vários anos, quando a distância visual está crítica.
4 – Quando a proporção da visibilidade atual para o VMA é inferior a 35 m, fechamento total da estrada (quando não existe comboio, com carro líder)

Fonte: Highway Minimum Acceptable Visibility

OS CUIDADOS QUE O MOTORISTA DEVE TER PARA DIRIGIR COM NEBLINA E CHUVA
Preste atenção nestas dicas:
Em primeiro lugar, é importante manter uma velocidade constante, pois se você parar ou diminuir bruscamente o carro que vier atrás pode não lhe ver e colidir na traseira do seu veículo.
Lembre-se sempre, que não é só o seu campo visual que está reduzido, o dos outros condutores também, então, qualquer manobra que você for fazer avise para os outros motoristas com muita antecedência.

Os faróis de neblina devem ser acesos somente quando necessário. Se isto acontece de dia, quando se está claro, é melhor não ligá-los, pois eles refletem muito no carro da frente deixando a situação pior (isto também é recomendável no caso de dias chuvosos). Este equipamento serve muito mais para que outros veículos o vejam do que para melhorar sua visibilidade.

No caso da neblina, mais luz não implica em melhor visão. Quando você acende os faróis altos, nesta situação, você fica apenas enxergando uma parede branca, então deixe as luzes baixas e lembre-se que tudo parecerá mais longe do que realmente está.

Outro fator importante é não ligar o pisca - alerta (como muitos fazem). Se você vir um carro com este equipamento ligado nunca saberá se ele está quebrado/acidentado (parado) ou em movimento (você perde as referências de distância).

O ABC PARA DIRIGIR NA NEBLINA :
■ Importante: manter uma velocidade constante;
■ Parar: se você precisar parar o carro preste muita atenção no lugar que irá estacioná‑lo;
■ Tempo: avise com mais antecedência (do que o habitual) cada manobra que fará;
■ Visão dupla: as luzes antineblina não servem para melhorar sua visão e sim para que os outros motoristas te enxerguem;
■ Cuidados: não ponha seus faróis antineblina direcionados para o chão, prejudicará a sua visão e a dos outros;
■ Menos por mais: mais luz implica em menos visibilidade;
■ Referências: com a neblina as distâncias parecem maiores, com isso você perde referências;
■ Nunca: utilize o pisca - alerta se você estiver em movimento.

COMO ATRAVESSAR LOCAIS ALAGADOS
Quem já não ficou retido em um alagamento? Antes de colocar o carro na água, verifique as condições e a distância a ser atravessada. Só cruze o local se o nível da água estiver abaixo da metade da roda. Mesmo assim é preciso muito cuidado. Engate a primeira marcha e mantenha aceleração constante, sem tirar o pé do acelerador, para a água não entrar no sistema de escapamento. Durante a travessia ande bem devagar. Se correr, há o risco da água ser lançada para dentro do cofre e gerar uma pane no sistema elétrico, fazendo o motor apagar. Outro risco mais sério: o bocal do filtro de ar pode sugar essa água para dentro dos cilindros e provocar um calço hidráulico, travando os pistões e danificando irremediavelmente o motor.

ENFRENTANDO TEMPORAL NA ESTRADA
Copas de árvores se agitando de um lado para outro é sinal de ventos fortes. Reduza a velocidade na estrada e fique preparado para surpresas. Seu carro pode ser envolvido a qualquer momento por uma tempestade, chuva de granizo ou vendaval. No início, as gotas de chuva se misturam à poeira do asfalto e deixam o piso bastante escorregadio. Quando caírem os primeiros pingos de água acenda os faróis e acione os limpadores de pára-brisa. Se a tormenta se intensificar evite estacionar no acostamento. Procure um local seguro, como uma área de descanso para parar o carro. Atenção: os vendavais costumam jogar galhos na pista e provocar danos aos veículos.

COMO EVITAR EMBAÇAMENTO DOS VIDROS
O embaçamento dos vidros costuma ser um problema em dias de chuvas fortes ou muito frio. Ele ocorre devido à grande diferença entre as temperaturas externa e da cabine do veículo. Para melhorar a visibilidade feche todos os vidros, ligue o ar-condicionado e acione o desembaçador elétrico traseiro. Nos modelos sem esses equipamentos, a recomendação é abrir um pouco os vidros e deixar o ar externo circular pelo carro. Se isso não estiver resolvendo, pare num posto e compre um líquido desembaçante. Com um pano macio, aplique um pouco desse produto nas partes interna e externa dos vidros. Você perceberá que a visibilidade irá melhorar.

COMO REDUZIR OS EFEITOS DA AQUAPLANAGEM
Uma situação muito comum nas estradas em dias de chuva é o acúmulo de água sobre a pista. Quando o carro passa em velocidade sobre essas poças gigantes, se forma uma película de água entre a roda e o asfalto e o pneu perde momentaneamente o contato com o piso, deixando o carro descontrolado. Quando for surpreendido por uma situação dessas, mantenha a direção firme e evite frear, apenas tire o pé do acelerador. Logo você sentirá a direção voltar para seu controle.
Fonte : Carsale – Dicas de segurança na estrada e Motorpress Internacional

Marcadores:

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@4:26 AM