Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

terça-feira, junho 01, 2010

Super-ervas daninhas resistentes ao herbicida Roundup

Durante 15 anos, Eddie Anderson, um agricultor foi um adepto rigoroso da agricultura de plantio direto, uma técnica favorável ao meio ambiente, que elimina o uso de arado para controlar a erosão e o escoamento nocivo de fertilizantes e pesticidas.
Numa tarde recente, Anderson foi visto com tratores ziguezagueando no campo, arando e misturando herbicidas no solo para matar ervas daninhas, onde a soja será plantada.

USO EXCESSIVO DE AGROTÓXICO
Assim como o uso intensivo de antibióticos contribuíram para o aumento dos supergermes resistentes a medicamentos, o uso generalizado pelos agricultores americanos do herbicida Roundup provocou o rápido crescimento da nova e tenaz super-ervas.
Para combatê-los, os agricultores em todo o Leste, Oeste e Sul são obrigados a pulverizar os campos com herbicidas mais tóxicos, arrancar as ervas daninhas à mão e voltar aos métodos mais trabalhoso e intensivos como aração regular.
"Retornamos para onde estávamos há 20 anos", disse Anderson, que irá arar cerca de um terço de seus 3.000 acres de plantações de soja na primavera deste ano, mais do que ele arou nos últimos anos. "Estamos tentando descobrir o que funciona."

PREÇOS DE ALIMENTOS PODERÃO SUBIR
Especialistas dizem que esses esforços poderão levar ao aumento dos preços de alimentos, menor produtividade, elevação dos custos de produção e o aumento do nível de poluição do solo e da água.
"É a grande ameaça isolada para a agricultura de produção que já vimos", disse Andrew Wargo III, o presidente da Associação de Distritos de Conservação Arkansas.

SURGIMENTO DAS SUPER-ERVAS
A primeira espécie resistente que constituiu uma ameaça grave para a agricultura foi descoberto em um campo de soja Delaware, em 2000. Desde então, o problema se espalhou, com dez espécies resistentes em pelo menos 22 Estados infestando principalmente milhões de hectares, de soja, algodão e milho.
As super-ervas podem arrefecer o entusiasmo da agricultura americana por algumas culturas geneticamente modificadas. Soja, milho e algodão, que foram desenvolvidas para sobreviver à pulverização com Roundup tornaram-se padrão em campos americanos.
No entanto, se o Roundup não matar as ervas daninhas, os agricultores terão poucos incentivos para investir em sementes especiais.
Mas os agricultores pulverizaram tanto Roundup, que as ervas daninhas, evoluíram rapidamente para sobreviver. "O que estamos conversando aqui é a evolução darwiniana em avanço com rapidez", disse Mike Owen, um cientista de ervas daninhas da Universidade do Estado de Iowa.
Agora, as ervas daninhas resistentes ao Roundup, como as plantas de buva (Conyza bonariensis) estão forçando os agricultores a voltar para as técnicas mais caras que foram abandonadas há muito tempo.
Anderson, está lutando com uma espécie particularmente muito resistente ao pesticida glifosato chamada, (amarante peregrino amaranthus palmeri ), ou pigweed (Caruru, Amaranthus retroflexus), cuja forma de resistência tornou-se séria, infestando fazendas no Tennessee Ocidental somente no ano passado.
A planta daninha Caruru pode crescer três centímetros por dia e chegar a 2 metros ou mais, sufocando as culturas, é tão resistente que pode danificar equipamentos de colheita. Na tentativa de matar as pragas antes que ele se torna grande, Anderson e seus vizinhos estão arando os campos e misturando herbicidas no solo.

ROUNDUP
Roundup - originalmente fabricado pela Monsanto, mas agora também é vendido por outras empresas sob o nome genérico do glifosato – foi quase rapidamente um milagre químico para os agricultores. Ele mata em amplo espectro de ervas daninhas, é fácil e seguro para se trabalhar, e se decompõe rapidamente, reduzindo o seu impacto ambiental.
As vendas decolaram na década de 1990, após a Monsanto criou sua marca de cultivos Roundup Ready, que foram geneticamente modificados para tolerar o produto químico, permitindo que os agricultores pulverizassem as plantações para matar as ervas daninhas, deixando a cultura intacta. Hoje, as plantações de Roundup Ready, representam 90 por cento da soja e 70 por cento do milho e do algodão cultivados nos Estados Unidos.

Isso ameaça reverter um dos avanços agrícolas defendidos pela revolução Roundup: agricultura com aração mínima. Ao combinar as culturas Roundup e Roundup Ready, os agricultores não precisavam arar sob as ervas daninhas para controlá-las. Isso reduziu a erosão, o escoamento dos produtos químicos para os cursos de água e a utilização de combustível para tratores.
Se a aração freqüente se tornar novamente necessária, "que é certamente uma grande preocupação para o nosso meio ambiente", disse Ken Smith, um cientista de plantas daninhas da Universidade de Arkansas.. Além disso, alguns críticos dos transgênicos dizem que o uso de mais herbicidas, incluindo alguns mais antigos que são ambientalmente menos toleráveis que o Roundup, desmente as alegações feitas pela indústria da biotecnologia que suas colheitas seriam melhores para o meio ambiente.

DEPENDÊNCIA COM PESTICIDAS
"A indústria da biotecnologia está nos levando para uma agricultura mais dependente de pesticidas, quando eles sempre prometeram e precisamos caminhar em direção oposta", disse Bill Freese, analista de política científica para o Centro de Segurança Alimentar, em Washington.
Até agora, os cientistas especializados em ervas daninhas estimam que o montante total das terras americanas atingidas por ervas daninhas resistentes ao Roundup é relativamente pequeno - sete milhões a 10 milhões de acres, de acordo com Ian Heap, diretor de International Survey of Herbicide Resistant Weeds, que é financiada pela indústria química agrícola. Há cerca de 170 milhões de acres plantados com milho, soja e algodão, as lavouras mais afetadas.
As ervas daninhas resistentes ao Roundup também são encontrados em vários outros países, incluindo Austrália, China e Brasil, segundo a pesquisa.
Monsanto, uma vez que alegou que a resistência não se tornaria um grande problema, agora adverte contra o exagero do seu impacto. "É uma questão muito séria, mas é administrável", disse Rick Cole, que gerencia as questões de resistência de plantas daninhas nos Estados Unidos para a empresa.
É claro, a Monsanto pode perder muito do negócio se os agricultores usam menos Roundup e Roundup Ready nas sementes.
"Você acrescenta um outro produto com o Roundup para matar as ervas daninhas", disse Steve Doster, um agricultor de milho e soja em Barnum, Iowa. "Então por que estamos comprando o produto Roundup Ready?"
A Monsanto argumenta que o Roundup ainda controla centenas de plantas daninhas. Mas a empresa está preocupada o suficiente com o problema que está tomando para subsidiar os produtores de algodão na compra de herbicidas como complemento do Roundup.
Monsanto e outras empresas de biotecnologia agrícola desenvolvem culturas geneticamente modificadas resistentes a herbicidas.
Bayer já vendem algodão e soja resistente ao glufosinato, outro. mais recente matador de ervas da é tolerante, tanto glifosato e glufosinato, e a empresa desenvolve culturas resistentes ao antigo pesticida dicamba. A Syngenta desenvolve soja tolerante ao seu produto Calisto. E a Dow Chemical desenvolve milho e soja resistente ao herbicida 2,4-D, um componente do agente laranja, o desfolhante utilizado na Guerra do Vietnã.

Mesmo assim, os cientistas e os agricultores dizem que o glifosato é uma das descobertas do século, e providências precisam ser tomadas para preservar a sua eficácia.

O glifosato “é tão importante para a produção alimentar global confiável como a penicilina é para combater a doença", disse Stephen B. Powles, um especialista em ervas daninhas da Austrália, escreveu um comentário em janeiro na Proceedings of National Academy of Sciences.

ALERTA: BENEFÍCIOS DAS CULTURAS GENETICAMENTE MODIFICADAS
O National Research Council , que aconselha o governo federal em questões científicas, emitiu um a alerta, no último mês, dizendo que o aparecimento de ervas daninhas resistentes coloca em risco os benefícios substanciais de que as culturas geneticamente modificadas estavam fornecendo aos agricultores e ao meio ambiente.
Os cientistas de ervas daninhas estão recomendando aos agricultores alternativas para glifosato com outros herbicidas. Mas o preço do glifosato está caindo à medida que aumenta a concorrência dos genéricos, incentivando os agricultores a continuar a confiar nele.
Algo precisa ser feito, disse Louie Perry Jr., um tradicional plantador de algodão, cuja família começou em Moultrie, Geórgia, em 1830.
A Geórgia foi um dos estados mais atingidos pela erva daninha caruru resistente ao Roundup e Perry disse que a praga poderia representar uma ameaça tão grande para a produção de algodão no Sul, como o besouro que devastou a indústria no início do século 20.

Fonte: The New York Times - May 3, 2010

Comentário:
O uso intensivo de antibióticos no setor hospitalar e pelos consumidores contribuíram para o aumento dos supergermes resistentes a medicamentos. Na agricultura acontece a mesma coisa., o uso generalizado pelos agricultores de herbicidas provocaram o rápido crescimento das super-ervas daninhas.
Há alguns fatores contribuem para esse problema:
■ Monocultura, com uso intensivo da terra
■ Crescimento demográfico que necessita de mais alimentos
■ Aumento da produtividade necessita de controle de pragas e melhorias das espécies (plantas, sementes, etc)
■ Falta de rotatividade de culturas, que depende de interesse econômico e rentabilidade de mercado
Podemos considerar atualmente a agricultura como uma indústria de produção intensiva de culturas que necessita de tecnologia. Essa tecnologia traz seus riscos incorporados. Não há tecnologia sem riscos. A engenharia genética e a indústria de pesticidas são as bases dessa nova agricultura industrial. Tem seus riscos, poluição ambiental, os inconvenientes para os consumidores e os riscos econômicos para os agricultores. O mesmo problema se passa no setor industrial de produtos e alimentos processados para o consumidor, o recall está predominando, indicando que a cadeia produtiva de produto está falhando no controle de qualidade, na segurança, contaminação, etc. A dinâmica do mercado consumidor está exigindo cada vez mais um produto em menor tempo possível e as indústrias para atenderem essa dinâmica produz produtos, nem sempre confiável. A dinâmica do mercado industrial foi transferida ou adaptada para o agronegócio, pois existe um mercado consumidor mundial crescente cada vez mais consumista.

Marcadores:

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@7:09 PM