Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

terça-feira, março 09, 2010

Jovem, bebida e velocidade

Álcool, jovens e carros se encontram em portas de boates e postos de gasolina. Há sempre jovens bebendo latinhas de cerveja ou garrafinhas de Ice (bebida à base de vodca) no gargalo. O elixir da noite, uma mistura de vodca com Sprite, é bebido num copo grande do Bob’s. Nos intervalos, uma latinha de energético. É um ritual que começa na fila, antes de entrar na casa noturna. Há sempre ambulantes vendendo bebidas por perto. Não há ninguém, declaradamente, menor de idade.

Com programas de computador como photoshop, as falsificações de carteira de identidade são cada vez mais perfeitas. Todo mundo está “legal” — é o mesmo que admitir que está bêbado, mas que se garante. O debate sobre o uso de álcool por motoristas nas madrugadas reacendeu após a morte de cinco jovens num acidente de carro na Lagoa. As declarações de uma juíza, criticando famílias que não impõem limites aos filhos, causou polêmica entre as famílias das vítimas .

A explicação fácil para os acidentes — de que os jovens se julgam invencíveis — não pode ignorar que muitos sabem exatamente o risco que estão correndo, são articulados e estão em universidades.
O energético muito usado por freqüentadores de academias para estimular o ganho de massa muscular, principalmente por adolescentes, são potencializados com o uso da bebida. Usada simultaneamente com a droga, uma simples cerveja tem o efeito de várias doses.

As histórias de acidentes de trânsito são muito comuns entre os jovens. Não faltam bons exemplos, vividos na própria pele, para desestimular a imprudência. Mas as experiências, mesmo quando são ruins, são encaradas como inerentes à diversão. Num posto de gasolina na Avenida das Américas, na Barra, Iggor e Marco Antônio, ambos de 23 anos, contaram em detalhes acidentes de carro que sofreram, alegando ter plena consciência de que o combustível foi o excesso de bebida.

— Eu estava dirigindo, voltando do Lord Jim Pub, em Ipanema, quando adormeci. Quando acordei, meu carro estava parado sobre o canteiro central da Avenida das Américas. Até hoje não sei o que aconteceu — disse Marco Antônio, ao lembrar o acidente que sofreu há pouco mais de três meses.
Fonte: Globo Online – 10 de setembro de 2006

Comentário:
Pesquisa do Journal of the American Medical Association revela que o jovem corre duas vezes mais risco de provocar acidente grave do que motoristas mais experientes. Se ele estiver acompanhado de outros da mesma faixa etária, o perigo aumenta. Um motorista jovem acompanhado de três amigos jovens tem três vezes mais probabilidade de se envolver em acidente grave do que um jovem dirigindo sozinho. O motivo: ele fica tentado a impressionar os colegas com velocidade e manobras pouco seguras.
Aos intérpretos jovens e adultos que acham que são os cavaleiros de aço da sociedade moderna. A vida não é virtual, mas sim real e feita de carne e osso.
Montados em seus cavalos reluzentes e escondidos atrás dos vidros escurecidos de suas armaduras, esses novos cavaleiros do apocalipse se sentem senhores da vida e da morte. Desafiam o destino e superestimam a habilidade de dirigir veiculos em alta velocidade, alimentados pelo álcool ou droga.
Estudos realizados em serviços de emergência e institutos médico-legais confirmam a positividade em alcoolemia em 61,4% de acidentados e 52,9% em vítimas fatais. Para o Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro, 80% dos acidentes de trânsito estão relacionados ao consumo de álcool.
■Bebeu e está dirigindo? Coisa linda. Igreja lotada daqui a sete dias.
■Fique vivo. Se beber não dirija e nem dê carona
■Bebeu e está dirigindo? Desculpe a intimidade, mas a viúva é bonita?
■Bebeu e está dirigindo? Vai ficar lindo com uma coroa de flores
■Bebeu e está dirigindo? Chique, hein? Se o carro pegar fogo. Vai ser cremado?

Vídeo:


Vídeo:

Marcadores:

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@4:05 AM