Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

quinta-feira, abril 26, 2007

Hipertensão já atinge 5% de crianças e adolescentes do país

Problema entre os jovens está associado à má alimentação e ao sedentarismo

Hoje, no Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial, o alerta é claro: pressão alta pode levar a infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral (AVC) e insuficiência renal, por isso é melhor prevenir do que remediar.

Dados indicam que a hipertensão está presente em 5% dos 70 milhões de crianças e adolescentes do país – o equivalente a 3,5 milhões de crianças e jovens. Especialistas informam que o controle da hipertensão deve partir de triagem universal nos serviços de saúde, com a avaliação da pressão arterial em todas as crianças a partir de 3 anos de idade. A medição deve ocorrer durante as consultas médicas, pelo menos uma vez ao ano.

Doença silenciosa
Especialistas indicam, no total, a existência de 30 milhões de pessoas com pressão alta no Brasil, das quais apenas 50% buscam tratamento. “O problema é que estamos falando de uma doença silenciosa. Quando ela se mostra, prejudica o coração, o cérebro ou os rins”, adverte o cardiologista clínico, Maurício Nunes.
Ele explica ainda que somente entre 10% e 30% da população sabe que tem o problema, mas apenas metade busca tratamento. “Muitos nem imaginam que a hipertensão arterial é considerada um dos maiores fatores de risco, além do tabagismo, para as doenças cardiovasculares”, emenda.

Exames
Como o mal avança silenciosamente, cabe ao indivíduo realizar exames periódicos, independentemente da faixa etária em que se encontra. Para aqueles considerados “normais”, basta fazer a medição pelo menos de uma a duas vezes por ano.
Já os que têm problemas de pressão alta devem submeter-se à avaliação a cada três meses. Os níveis preconizados pelas diretrizes nacionais e internacionais indicam pressão de 13mmHg x 8mmHg como aceitável para o indivíduo sem problemas.
Se o paciente tiver algum fator de risco, o aceitável é de 13mmHg x 7mmHg. Quem tem comprometimento renal, deve permanecer entre 12mmHg x 7mmHg e 14mmHg x 8mmHg. A recomendação é que as pessoas procurem o posto de saúde mais próximo de sua casa ou trabalho para fazer a avaliação.

Exercício e alimentação
“Para manter a pressão controlada, é necessário fazer exercícios e ingerir menor quantidade de sal”, recomenda o cardiologista, Maurício Nunes.. O alerta se baseia em estudos que mostram que dois milímetros de mercúrio a menos na pressão sistólica ou máxima reduz em 7% os eventos do coração (infarto do miocárdio) e em 10% os eventos cerebrais (AVCs).

O melhor a fazer, indicam especialistas, é a prevenção primária: buscar acompanhamento médico com regularidade, inclusive porque o cardiologista pode avaliar o paciente através do teste ergométrico (de esforço) e definir um programa de exercícios adequados para cada caso.

Fonte: Correio da Bahia - 26 de abril de 2007

Comentário
Imaginamos essas crianças e jovens como futuros trabalhadores já apresentando hipertensão. São 3,5 milhões de crianças com doenças pré-existentes que poderão ser agravadas por outros fatores de trabalho. Além disso são 30 milhões de pessoas com pressão alta no Brasil, das quais apenas 50% buscam tratamento. Quantas dessas pessoas trabalham e apresentam pressão alta que poderão ser agravadas por fatores de trabalho ou podem desencadear acidentes de trabalho.
Alguns sintomas que podem ser dissimulados por outros fatores de trabalho;
Dor de cabeça, fadiga, tontura, rubor da face, zunido no ouvido e freqüentes sangramentos no nariz.
Daqui a pouco, será muito difícil separar a doença pré-existente do individuo que entra no mercado do trabalho e algumas doenças de trabalho desencadeadas por problemas ambientais que influem na própria doença pré-existente.
Hoje temos riscos em potenciais da sociedade de consumo que poderão ser agravados no ambiente de trabalho ou a entrada do jovem mercado de trabalho tais como; uso excessivo de aparelhos eletrônicos, exemplo; Ipod (para escutar música, problema de audição), Games (problema de LER), obesidade, pressão alta, diabetes, etc. ACCA

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@5:07 AM