Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

quarta-feira, outubro 11, 2006

Caso Real - Reforma de Elevadores

  • Obs: A análise é longa, inclui a FISPQ do produto, mas é interessante pela realidade.Existe uma distância muito grande entre a visão teórica de segurança que imaginam os profissionais e a própria realidade do país, onde as informações são pulverizadas e dificilmente chegam aos trabalhadores de forma simples e objetiva.

    No prédio onde eu moro fizeram reforma nos dois elevadores, substituindo os revestimentos internos, no período de 6 de setembro a 13 de setembro de 2006.

    O serviço consistia:
    Retirada dos revestimentos internos existentes substituindo-os por revestimentos em aço.

    Responsabilidade do serviço
    O serviço foi feito pela empresa que faz a manutenção dos elevadores, utilizando empresa terceirizada. Deixei de mencionar a empresa para evitar discussões que fogem do foco do problema, porém ela faz parte do problema em relação as informações de segurança. É uma grande empresa, fabricante e presta serviço de manutenção.

    Trabalhadores e EPI
    Eram dois trabalhadores, sem nenhum tipo de EPI (máscara, luva, etc)

    Material básico para montagem
    Cola - marca Cascola, composição conforme especificação da lata; solvente orgânico, alifático, borracha sintética e aditivos.

    Procedimento de aplicação da cola e colocação
    As superfícies a serem coladas devem estar limpas e secas
    Agitar a cola antes de usar, aplicando uma camada uniforme em ambas as superfícies, deixar secar por 10 min, antes de unir as peças, aplicar pressão sempre do centro para as bordas, evitando a formação de bolha
    Nos casos em a cola necessita ser diluída, utilizar somente o diluente redutor.
    Ao todo são oito lâminas de aço e mais os arremates, para cada elevador.

    Rótulo de risco, informações da lata
    Escala de 0 a 4, em ordem crescente
    Risco à saúde – 2
    Risco de inflamabilidade – 3
    Risco de reatividade - 2

    Local do trabalho
    Utilizavam uma área no térreo do prédio, coberta, para fazer a aplicação da cola e posteriormente trabalhavam no interior dos elevadores em uma área de 2 m2, inalando vapores de cola sem nenhuma proteção. O vapor da cola subia pelas caixas dos elevadores, espalhando um cheiro irritante nos andares e penetrando nos apartamentos.
    Na semana da reforma, coincidiu calor elevado e baixa umidade na cidade e o cheiro estava insuportável no prédio.

    Especificação da embalagem (lata)
    Interessante nas especificações técnicas da empresa, sobre a cola, pede para verificar informações adicionais na embalagem, mas as latas vêm com cinta de amarração plástica?

    Comentário
    Conversei com os dois trabalhadores. Fazem 72 reformas de elevadores por ano e gastam de 2 a 3 dias por elevador. Perguntei a eles, se por acaso leram as instruções das latas de cola? Responderam; Não . Também pudera, eu também não consegui, de tão pequeno que é as letras das instruções. Tive de pegar uma lupa. Perguntei sobre o cheiro da cola. Eles responderam já estavam acostumados.
    Não era mais fácil para o fabricante fazer um encarte com desenhos, alertando dos perigos da cola, tem de usar máscara com filtro, cuidado coma concentração de vapores no ambiente, etc. Em uma linguagem simples e objetiva para chamar atenção do trabalhador, caso contrário, a segurança continuará a ser uma caixa preta de avião, que só abre após o desastre.

    Isso lembra muito que está na moda a Responsabilidade Social que é o slogan da maioria das empresas, preocupados com o ambiente externo, com a população, etc mas esquecem de pensar nos que estão mais próximos, os trabalhadores, em saúde e segurança do trabalho. Várias empresas que se orgulham de dizer que são socialmente responsáveis. O que isso significa?
    ACCA

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@12:19 PM