Zona de Risco

Acidentes, Desastres, Riscos, Ciência e Tecnologia

sexta-feira, junho 02, 2006

Fumantes na cidade de São Paulo

Uma pesquisa do Incor (Instituto do Coração) com 3.800 fumantes da cidade de São Paulo revela que;
- meia hora após sair da cama, 72% dos entrevistados já fumaram o primeiro cigarro do dia,
- 40% deles em até cinco minutos após acordar,
- em média, os tabagistas entrevistados tinham 41 anos e fumavam há 22.

Outro dado preocupou os médicos:
- 57% dos fumantes relataram que não deixam de fumar nem quando estão doentes,
- a maior parte deles (42%) fuma um maço (20 cigarros) por dia,
- apenas 10% dizem fumar mais de 30 unidades/dia.

Segundo a cardiologista Jaqueline Issa, diretora do Programa de Tratamento do Tabagismo do Incor, os dados revelam que o paulistano tem um alto grau de dependência do cigarro. "Isso explica porque tanta gente tenta parar de fumar e não consegue."

Issa diz que, com o tempo, a tendência é que a pessoa se torne tolerante à nicotina e, para conseguir a mesma sensação que tinha anteriormente com o cigarro, precise consumir doses maiores. "Por isso, é comum o número de cigarros aumentar com o avanço da idade."
Cerca de 60% dos entrevistados pelo Incor disseram ter planos de parar de fumar nos próximos 30 dias. A maior parte (60%) já tentou parar de fumar alguma vez, mas não conseguiu. Apesar das tentativas frustradas, 62% se dizem prontos para largar o vício.

Segundo Issa, a maioria dos fumantes está consciente da importância de deixar o cigarro -96% aceitaram receber informações sobre o tratamento antitabagista, por exemplo. "Não basta força de vontade ou motivação para largar o vício. É preciso uma abordagem médica e comportamental."

Para Issa, falta que a população e os médicos estejam informados de que o tabagismo é uma doença. "Muitos médicos pensam que para abandonar o cigarro basta força de vontade. Ou acham que o tabagismo é hábito da pessoa e não dão a mínima."
A cardiologista lembra que o mesmo comportamento foi observado nas décadas de 80 e 90 com a obesidade. "Foi muito difícil convencer os médicos e principalmente os pacientes de que obesidade é uma doença que precisa de tratamento. Hoje ninguém duvida mais disso."

Fonte: Folha de São Paulo - São Paulo, 01 de junho de 2006

Print Friendly and PDF

posted by ACCA@6:05 PM